Interiores de museus: como o design pode interagir com a arte

Interiores de museus: como o design pode interagir com a arte

Os espaços internos de museus, por meio de exposições, constroem narrativas que atribuem lógica e sentido (em outros contextos talvez não existentes) aos objetos expostos. Isto é, os recursos utilizados em uma mostra são capazes de conferir significados à medida em que são estabelecidas as conexões não só entre as peças expostas, mas também entre o projeto expográfico e a obra de arte.

Pinacoteca di Brera. © George M. Groutas, via Flickr; Licença Creative CommonsPinacoteca di Brera. © George M. Groutas, via Flickr; Licença Creative CommonsCavaletes de Cristal. © Romullo BarattoProjeto Expositivo de Gae Aulenti. Instalação: The Italian Metamorphosis, 1943–1968, Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York, 6 de Outubro de 1994 – 22 Janeiro 1995. Foto: David Heald+ 7

A museografia é o campo responsável pela elaboração do espaço expositivo, utilizando recursos como o planejamento da disposição de objetos, vitrines ou outros suportes expositivos, legendas e sistemas de iluminação, segurança, conservação e circulação. 

Pinacoteca di Brera. © George M. Groutas, via Flickr; Licença Creative Commons
Pinacoteca di Brera. © George M. Groutas, via Flickr; Licença Creative Commons

A categorização do material exposto, seja na forma de períodos históricos, contextos geográficos, técnicas de representação etc. é uma das formas de estabelecer um diálogo entre as peças expostas. Uma das diversas formas de diferenciar os agrupamentos é pelo uso da cor: na Pinacoteca di Brera em Milão, por exemplo, o acervo de pinturas é categorizado por escolas e períodos e diferenciado através de cores que se harmonizam com as obras.

Pinacoteca di Brera. © George M. Groutas, via Flickr; Licença Creative Commons
Pinacoteca di Brera. © George M. Groutas, via Flickr; Licença Creative Commons

Em projetos para interiores de museus, os suportes para as obras também exercem papel considerável na relação entre visitante, museu e obra. Como um dos mais emblemáticos exemplos deste diálogo, os cavaletes de cristal projetados por Lina Bo Bardi subvertem a maneira de exibir quadros, ao passá-los da parede para a superfície de vidro, permitindo assim a visualização do fundo da tela, um foco maior em cada obra e uma visão mais ampla do conjunto exposto.

Cavaletes de Cristal. © Romullo Baratto
Cavaletes de Cristal. © Romullo Baratto

Na ampliação da Gypsotheca e Museu Antonio Canova, em Possagno, Carlo Scarpa adotou uma linguagem na qual os contrastes entre materiais, luz e sombra e cheios e vazios marcam o diálogo entre o passado e presente. As esculturas neoclássicas de Canova são distribuídas no espaço em diferentes níveis e em suportes que variam com as dimensões e pesos das obras. Para as mais leves, Scarpa adotou um design similar as aberturas que conferem luz natural ao interior das galerias, em formato cúbico utilizando metal escuro e vidro.

Gipsoteca Canoviana. © Peter Guthrie, via Flickr; Licença Creative Commons
Gipsoteca Canoviana. © Peter Guthrie, via Flickr; Licença Creative Commons
Gipsoteca Canoviana. © Peter Guthrie, via Flickr; Licença Creative Commons
Gipsoteca Canoviana. © Peter Guthrie, via Flickr; Licença Creative Commons

Enquanto os espaços neutros de alguns museus oferecem uma espécie de "carta branca" para múltiplas estratégias expositivas, projetos de museus e galerias mais singulares envolvem o desafio de criar exposições e instalações específicas, atribuindo à arquitetura participação direta, não relegada a plano de fundo. A rampa do Museu Guggenheim de Frank Lloyd Wright é um dos maiores exemplos dessa interação, sendo palco de exposições que exploram o desenho interno do museu, assumindo essa característica para criar narrativas baseadas no fluxo contínuo estabelecido pelo percurso ascendente.

Projeto Expositivo de Gae Aulenti. Instalação: The Italian Metamorphosis, 1943–1968, Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York, 6 de Outubro de 1994 – 22 Janeiro 1995. Foto: David Heald
Projeto Expositivo de Gae Aulenti. Instalação: The Italian Metamorphosis, 1943–1968, Solomon R. Guggenheim Museum, Nova York, 6 de Outubro de 1994 – 22 Janeiro 1995. Foto: David Heald

A apresentação do acervo em uma exposição, ao conferir certa lógica e sentido ao conjunto exposto, permite aos visitantes interpretar e estabelecer conexões à sua própria maneira em torno das temáticas abordadas, demonstrando o potencial do espaço interno do museu como forma de estímulo para instalações artísticas e projetos expográficos, além do potencial destes projetos como agentes na interação entre obra, espaço e público. 

Referências bibliográficas:

CARMEL-ARTHUR, Judith; BUZAS, Stefan. Carlo Scarpa. Museo Canoviano, Possagno. Fellbach: Edition Axel Menges, 2002.
SARTORELLI, César Augusto. Arquitetura de exposições: Lina Bo Bardi e Gisela Magalhães. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2019.
VEIGA, Ana Cecília Rocha. Gestão De Projetos De Museus E Exposições. Belo Horizonte: C/Arte, 2013.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Susanna Moreira. "Interiores de museus: como o design pode interagir com a arte" 17 Mar 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/935482/interiores-de-museus-como-o-design-pode-interagir-com-a-arte> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.