Desenho à mão, um ofício subestimado

Desenho à mão, um ofício subestimado
© Jim Keen
© Jim Keen

Fiz parte da última geração de estudantes de arquitetura que não usava computadores (estamos falando apenas do início dos anos 90 aqui; havia eletricidade, televisões coloridas, foguetes, só nada de renderizações.) No meu último ano na faculdade, calculei mal quanto demoraria para terminar meu projeto de graduação. À medida que o prazo se aproximava, percebi que era tarde demais para me comparar às apresentações de meus colegas. Na época, Zaha Hadid e suas pinturas desconstrutivistas definiam o estilo da ilustração arquitetônica. Isso significava que muitos projetos de estudantes eram renderizados em tintas a óleo em grandes telas.

Sem tempo e opções, recorri ao meu treinamento básico e desenhei a proposta com linhas pretas e brancas. Eu estava preocupado. Cinco anos de educação baseavam-se em desenhos simples (chatos?) Em vez de algo mais glamoroso. No final, isso não foi um problema; Durante a minha análise, o júri discutiu a arquitetura, não a apresentação. Foi uma diferença sutil que me levou anos para apreciar plenamente.

Eu me formei para descobrir que minhas habilidades de apresentação eram irrelevantes. A profissão mudou durante a minha pós-graduação, e as necessidades dos empregadores eram para alunos com habilidades de renderização, não de desenho.

Desempregados e sem opções, fiz um curso de CAD. Para minha surpresa, adorei o campo de visualização. Em poucos anos, tinha uma pequena empresa para renderização para arquitetos e tive a sorte de ganhar uma série de prêmios. Essa poderia ter sido a minha carreira, mas eu queria ser arquiteto, então retornei em tempo integral para a profissão.

© Jim Keen
© Jim Keen

Uma década se passou e comecei a executar projetos e apresentações. As renderizações eram uma ferramenta fantástica, pois os clientes aceitavam a imagem apenas como imagem, não como realidade. Com o passar dos anos, no entanto, notei uma mudança. Os clientes mais jovens ficaram menos impressionados com os gráficos. Ao mesmo tempo, os custos de renderização caíram. O que uma vez fora a província de empresas europeias especializadas foi desafiado por outros grupos de visualização mais baratos, mais rápidos e mais rudimentares. Gradualmente, o número de renderizações necessárias para uma apresentação aumentou, a qualidade caiu e os clientes ficaram entediados com essa abordagem.

Em vez de ver uma imagem como uma representação de um projeto, eles a viam como uma realização de design. Em outras palavras, os clientes supunham que a imagem era o que eles obteriam, mesmo no estágio de conceito. Eu vi inúmeras apresentações descarriladas por discussões de maçanetas e padrões de pedra; itens que um renderizador sobrecarregado tinha escolhido aleatoriamente para cumprir o prazo.

Para mim, isso atingiu um pico durante uma competição internacional de design. As melhores empresas do mundo foram convidadas, cada uma das quais contratou os melhores renderizadores. Após seis meses de trabalho e milhões de dólares gastos, o cliente não conseguiu escolher um vencedor.

Atmospheric renderings offer stunning, but often similar perspectives on project proposals.
Atmospheric renderings offer stunning, but often similar perspectives on project proposals.

"Tudo parece o mesmo", disse ele após a apresentação final. Ele estava certo. Quando todas as representações foram fixadas, elas pareciam lindas, criativas, realistas e chatas.

Era hora de algo novo. Eu comecei a desenhar todos os dias. Fazia vinte anos desde a faculdade, e os resultados iniciais foram terríveis, mas eu continuei. Depois de um ano, comecei a usar desenhos à mão em apresentações. No início, alguns clientes ficaram intrigados, mas com o tempo eles começaram a gostar, e depois amar a abordagem.

Por quê? Pela mesma razão, o desenho à mão funcionou quando eu era estudante: ilustrações de linhas claras fazem o cliente pensar no projeto, não na imagem.

As renderizações de computador perderam todo o impacto. Eles se tornaram esperados, usados em demasia e sem graça. Assim que um cliente fica entediado, você o perde.

© Jim Keen
© Jim Keen

Há três anos, comecei a trabalhar para produzir ilustrações desenhadas à mão. No início, fui contratado por arquitetos, mas essa clientela agora se expandiu para empresas de publicidade e empresas como Apple, Google e Lyft. Cada um tem uma coisa em comum: eles entendem que a comunicação de intenções é o principal objetivo das apresentações.

Os desenhos manuais de hoje fazem as mesmas renderizações de impacto há vinte anos; eles são novos e frescos. É hora de pensar novamente sobre como nos comunicamos com nossos clientes; precisamos ajudá-los a entender o que fazemos, não vender um conto de fadas.

O desenho a mão envolve o espectador imediatamente e diretamente, é instantaneamente compreensível, único e permite que seu trabalho fale por si. Não é hora de você se destacar da multidão?

The Best Architectural Drawings of 2018

With the mission of providing tools and inspiration to architects all around the world, ArchDaily's curators are constantly searching for new projects, ideas and forms of expression. For the past three years, ArchDaily has showcased the best discoveries of each year, and in keeping with tradition, we would like to share the best architecture drawings published throughout 2018.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Keen, Jim. "Desenho à mão, um ofício subestimado" [In Praise of Drawing: A Case for the Underrated Craft ] 22 Jan 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/909918/desenho-a-mao-um-oficio-subestimado> ISSN 0719-8906
Ler comentários

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.