1. ArchDaily
  2. Opinião

Opinião: O mais recente de arquitetura e notícia

Queremos saber sua opinião: como viveremos juntos?

Desde que Hashim Sarkis apresentou o tema da Bienal de Veneza 2021, "Como viveremos juntos?", a cada dia ela tem mais relevância e significado.

As visualizações de arquitetura atendem às nossas expectativas?

Quantas vezes nos prendemos a uma imagem ou vídeo renderizado, nossos olhos incrédulos, incapazes de decifrar se aquilo que vemos é real ou apenas uma simulação virtual. Da mesma forma, não é raro ter que convencer amigos ou familiares que não têm relação com a arquitetura que um edifício ainda não existe concretamente e não passa de uma imagem confeccionada para uma propaganda. Não há mais limites para as visualizações hiperrealistas criadas por computador – elas estão cada vez mais enraizadas no mundo dos nossos desejos. É certo que estas imagens artificiais estabelecem novos padrões, mas seriam estes posteriormente atendidos pela arquitetura?

Queremos abrir a discussão e oferecer aos nossos leitores a possibilidade de expressar abertamente suas opiniões e experiências sobre o assunto. Se todos tivéssemos consciência de que a grande maioria do mercado contemporâneo da arquitetura se baseia em representações que simulam apenas a realidade visual, deixando de fora inúmeros aspectos da arquitetura, mudaríamos o modo de apresentar nossos projetos? Os futuros moradores ou usuários exigiriam outras informações complementares?

Quão temporária deve ser a arquitetura emergencial?

Inundações, terremotos, tsunamis, furacões, conflitos armados, econômicos, sociais, pandemias. O número de refugiados no mundo cresce ano após ano. As soluções imediatas e temporárias, cada vez mais numerosas, transitam entre o "fazer o que se pode" e o "fazer o que se deve", sempre sob a égide do "fazer muito com pouco". Mas quão temporária a arquitetura de emergência acaba, efetivamente, sendo? É mais permanente do que pensávamos?

Queremos oferecer aos nossos leitores a possibilidade de expressar abertamente suas opiniões e experiências sobre o assunto. Se tivéssemos consciência da dificuldade de lidar com as perdas totais – que acabam fazendo o temporário se tornar permanente – mudaríamos o modo de projetar a arquitetura emergencial? Exigiríamos uma arquitetura de emergência de maior qualidade? Buscaríamos outros tipos de solução?

Deixe suas opiniões sobre o assunto no formulário a seguir:

Materiais aparentes: moda ou necessidade?

Já teve que convencer seus amigos ou familiares de que uma parede de tijolos aparentes pode ser mais interessante do que uma superfície rebocada e pintada de branco? Ou o que instalações à vista podem trazer muitas vantagens no momento da manutenção? Estas são situações recorrentes na vida profissional de arquitetos e escritórios.

O modernismo colonialista ataca novamente

Imagine o seguinte cenário. Estamos em 1902, e para grande choque e angústia dos cidadãos de Veneza, a bela torre campanária da Piazza San Marco acaba de desabar. Nessa mesma noite, o conselho municipal da cidade vota para aprovar 500.000 Liras para a pronta reconstrução, “com’era, dov’era” — “como era, onde era”. Os futuros residentes e visitantes podem agora continuar a desfrutar desta bela estrutura, que de qualquer forma já antes tinha sido restaurada e acrescentada várias vezes.

Mas depois uma autoridade, de algures muito longe, decide intervir. “Os nossos regulamentos não permitem isto! As nossas políticas de financiamento exigem que ‘um projeto use design contemporâneo’ — o que significa que podem usar apenas os estilos atuais que nós aprovamos, e não pode usar os estilos tradicionais de Veneza. Isso seria uma ‘falsificação da história’, uma ‘mistura do falso com o genuíno’, e nós decretamos que isso teria consequências nefastas!” O projeto não vai adiante, e algo inteiramente “contemporâneo” é construído em seu lugar.

Desenho à mão, um ofício subestimado

© Jim Keen
© Jim Keen

Fiz parte da última geração de estudantes de arquitetura que não usava computadores (estamos falando apenas do início dos anos 90 aqui; havia eletricidade, televisões coloridas, foguetes, só nada de renderizações.) No meu último ano na faculdade, calculei mal quanto demoraria para terminar meu projeto de graduação. À medida que o prazo se aproximava, percebi que era tarde demais para me comparar às apresentações de meus colegas. Na época, Zaha Hadid e suas pinturas desconstrutivistas definiam o estilo da ilustração arquitetônica. Isso significava que muitos projetos de estudantes eram renderizados em tintas a óleo em grandes telas.

Como podemos melhorar a crítica na Arquitetura?

Este artigo foi originalmente publicado pela Common Edge como "To Fix Architecture, Fix the Design Crit."

Na arquitetura, o ato de criticar formalmente o projeto é onipresente. A crítica, como é chamada, é quase um rito de passagem. E, embora o formato dessa prática seja universal, seu objetivo, metas e propósito final não são fixados, além de um imperativo amplo e frequentemente vago para melhorar um determinado projeto. Isso é um problema, porque deixa um fundamento da profissão assumir a forma de qualquer discussão que surja entre um projetista e um crítico. Se a expectativa de evidência empírica para as decisões de projeto fosse introduzida como a base de um crítico de projeto, os efeitos cumulativos dessa mudança poderiam melhorar a credibilidade de toda a disciplina.

A arquitetura religiosa ainda é relevante nos dias de hoje?

Algumas das mais importantes obras de arquitetura ao longo da história da humanidade se devem à religiosidade e espiritualidade do ser humano. Ao longo das últimas décadas, um crescente número de pessoas têm se importado cada vez menos com as práticas religiosas no sentido mais tradicional, isso não significa que a maioria delas seja completamente cética, mas o fato é que muitos destes monumentos arquitetônicos têm lentamente começado a perder parte de seu significado. Aquilo que Louis Kahn chamou de “imensurável” e Le Corbusier se referia como “inefável” estaria deixando de ser relevante para as pessoas?

A proposta do Vaticano para a Bienal de Veneza de 2018 - primeira participação do país no mais importante evento de arquitetura do mundo - é apresentada como “uma espécie de peregrinação não apenas religiosa, mas também cética”. Com isso, está cada vez mais evidente que o papel dos espaços “religiosos” está se transformando pouco à pouco, de espaços iconográficos para ambientes mais ambíguos que procuram refletir a "espiritualidade" de uma maneira mais ampla.

E o que isso significa? Ainda há espaço para a espiritualidade na arquitetura? É possível criar espaços religiosos abertos para pessoas de diferentes crenças e até mesmo para aquelas mais céticas? E o que faz com que um espaço seja dotado de "espiritualidade"?

Como é ser um arquiteto que não projeta edifícios?

Há uma série de velhos conselhos que as pessoas costumam dar para aqueles que um dia revelaram o desejo de estudar arquitetura: um curso extenso e exaustivo, noites em claro e um restrito mercado de trabalho extremamente concorrido. Depois da graduação, quando finalmente começa-se a trabalhar, as coisas não costumam ser menos difíceis, muito pelo contrário. Geralmente, arquitetos e arquitetas passam meses ou até mesmo anos desenvolvendo estudos e mais estudos antes de ter qualquer projeto construído. Se existem alguém no mundo que conhece bem o significado da palavra resiliência, existe uma grande chance de que esta pessoa seja um(a) arquiteto(a).

É por isso que muitos dos nossos colegas estão encontrando outros caminhos na profissão. Horários flexíveis, trabalhos mais interessantes ou apenas a possibilidade de sair da frente da tela de um computador. Oportunidades não faltam para aqueles que desenvolveram habilidades tão variadas e abrangentes durante os anos de estudo. Arquitetos costumam desenvolver uma ampla sensibilidade espacial e são capazes de compreender rapidamente o contexto sócio-cultural dos lugares. Neste ensaio, três dos nossos editores do ArchDaily falam sobre o que significa ser um arquiteto, por que deixaram de projetar edifícios e o que eles fazem em seus trabalhos atualmente.

Resultado: Se o próximo Pritzker fosse alguém que fala português, em quem você apostaria? Veja as sugestões que recebemos.

Há algumas semanas, apresentamos um panorama para encorajar nossos leitores e leitoras a imaginarem o seguinte: se o próximo Pritzker fosse alguém que fala português, em quem você apostaria?

O muro de Trump e a impotência da arquitetura

Desde a ascensão de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos, a ameaça de levantar (na realidade, terminar) o muro definitivo que separará o México dos Estados Unidos motivou arquitetos e páginas de convocatórias a proporem uma solução "arquitetônica" para essa barreira.

Rosada ou inspirada na paleta cromática do deserto de Sonora. Com painéis solares ou em aço. Estritamente arquitetônica ou ligeiramente interdisciplinar, qualquer proposta de projeto é fútil. Na realidade, planejar essa proposta é fútil. Não se trata do muro, mas de uma hipotética solução ao seguinte diagnóstico: a imigração, em particular a mexicana, está prejudicando a sociedade norte-americana. É necessário voltar a um momento indefinido da história na qual os Estados Unidos foram grandes. Essa é a análise de Trump, que disse recentemente em sua primeira reunião com Angela Merkel, Chanceler alemã, que "a imigração é um privilégio, não um direito".

Como abordar o déficit habitacional: Estratégias para a definição de uma política nacional (Argentina)

O enfoque das políticas públicas sobre habitação está esgotado. É necessária uma visão integral sobre a problemática que se possa resumir em uma transição necessária desde a conceitualização da "habitação como o xis da questão", ampliando para o "habitat como ponto crucial". Isso permite contar com um olhar holístico sobre as necessidades da população que se encontra em situação de vulnerabilidade em seus direitos de acesso à vida urbana.

'Não, não e mil vezes não': divagações em torno da liberdade na arquitetura

Apareceu esta imagem no meu facebook

Seria genial se fosse uma paródia, mas temo que quem a fez não estava brincando. Ou seja, é alguém que crê que, na arquitetura, os clientes tiram-nos liberdade.

O quê?

São tantos argumentos que esmagam essa ideia que escrevê-los é quase banal. Redundante. Óbvio. Mas, por outro lado, se ainda há alguém que possa acreditar nisso, talvez não seja demais contestá-lo.

Vou utilizar três palavras: liberdade, projeto e clientes; e um conceito: nós. E vou pedir ajuda para alguns grandes nomes da arquitetura, somente para enfatizá-los.

O que é a liberdade na arquitetura?

11 dicas para um desenho urbano sustentável inspiradas nos povoados tradicionais

Muitas das tendências atuais no desenho de cidades sustentáveis apresentam uma paradoxa relação entre os aspectos culturais do povoamento histórico; um tipo de assentamento, segundo Carlos Flores (1973), característico das sociedades anteriores a revolução industrial. Não é tão estranho considerarmos, seguindo o mesmo autor, alguns dos princípios que regeram a disposição daqueles povoados e cidades: adaptação ao lugar (condições climáticas, físicas, bióticas), gestão da escassez de recursos, deficit tecnológico, auto-gestão de recursos e necessidades, materiais e técnicas de cada lugar; cooperação mútua entre os diversos elementos construtivos; ou inexistência do desenho 'de autor' e submissão deste às funções; isto em conjunto, quase sem exceção, resulta em conjuntos de harmoniosos e belos.

O que você gostaria de ter aprendido na faculdade de arquitetura mas nunca teve a oportunidade? A opinião dos leitores

Há alguns dias publicamos um artigo intitulado "O que você gostaria de ter aprendido na faculdade de arquitetura mas nunca teve a oportunidade?", convidando nossos leitores a compartilhares suas opiniões sobre como o ensino de arquitetura e urbanismo poderia ser melhorado no Brasil. Sabe-se que a formação do arquiteto está longe de suprir todas as demandas que por ventura aparecem em sua vida profissional; além disso, sendo esta uma profissão bastante ampla, é virtualmente impossível abarcar satisfatoriamente em cinco ou seis anos todo o conteúdo que poderia ser útil para os muitos desdobramentos que pode sofrer a carreira de um arquiteto.

Deste modo, buscando informações na inteligência coletiva da qual fazem parte nossos milhares de leitores, compilamos a seguir alguns relatos de arquitetos e estudantes sobre possíveis carências no sistema de ensino da arquitetura no Brasil.

25 profissionais contam o que esperam da arquitetura em 2016

Com o final do primeiro mês de 2016 se aproximando, decidimos entrar em contato com a rede de arquitetos, urbanistas, críticos, jornalistas, teóricos e educadores e perguntar quais são suas expectativas para a arquitetura este ano.

Arquitetos que fazem ver uma esperança (para a comunidade e para a profissão)

Seguindo nossa cobertura de Espaços de Paz 2015 na Venezuela, refletimos em torno da crise da figura do arquiteto que trabalha em abstrato ao território e seus problemas, e o fortalecimento de uma arquitetura coletiva, honesta e eficiente, que não só beneficia as comunidades afetadas mas que, indiretamente, vem 'regenerando' a maneira com que exercemos nossa profissão.

Em tempos de crise, a necessidade de avançar nos obriga a movermos. Ainda que as problemáticas latinoamericanas estimulam a geração de instâncias que permitam melhorar a qualidade de vida dos bairros mais vulneráveis. Os arquitetos -que são abundantes na região- vêem-se pressionados a ampliar seu campo de ação e a buscar novos espaços férteis para exercer. Esse encontro de forças não só traduz-se em um aporte real a uma determinada comunidade, mas revela sutilmente uma mudança na maneira que enfrentamos o exercício de fazer arquitetura.

Frente a um encargo de alta complexidade que deve responder a pessoas com necessidades urgentes e recursos limitados, o arquiteto latinoamericano vê-se obrigado a trabalhar baseado na eficiência e no trabalho em equipe, resgatando suas virtudes essenciais para pô-las a serviço do ser humano. Virtudes que são básicas para demonstrar que nosso trabalho é fundamental, e não somente nas zonas esquecidas da cidade.

Por que o arquiteto na América Latina parece estar voltando às origens?

Espaço de Paz em Punta Arenas, Venezuela (2015). Imagem © Veo Productores Espaço de Paz em Punta Arenas, Venezuela (2015). Imagem © Veo Productores Espaço de Paz em Punta Arenas, Venezuela (2015). Imagem © Veo Productores Espaço de Paz em Punta Arenas, Venezuela (2015). Imagem © Veo Productores + 11

Quem vencerá o Prêmio Pritzker em 2016?

Atribuído anualmente a um arquiteto ou escritório "cuja obra construída demonstre uma combinação de talento, visão e comprometimento" e que tenha contribuído significativamente para a humanidade e para o ambiente construído, o Prêmio Pritzker é atualmente a maior honraria no campo da arquitetura. Tendo já reconhecido o trabalho de 38 arquitetos e escritórios de diversos continentes, o prêmio foi atribuído pela primeira vez a Philip Johnson em 1979 e desde então já homenageou profissionais como Renzo Piano, Oscar Niemeyer, Rem Koolhaas, Kazuyo Sejima, Ryue Nishizawa, Peter Zumthor, Rafael Moneo, Álvaro Siza e Frei Otto, para citar apenas alguns.

Nos meses que antecedem a divulgação do vencedor, instaura-se um clima de suspense em torno do possível novo laureado e tenta-se - geralmente em vão se considerarmos as escolhas acertadas porém inesperadas das últimas edições - adivinhar quem será o próximo arquiteto a ser homenageado. Assim, convidamos nossos leitores a deixarem seu palpite sobre o possível próximo vencedor do maior prêmio de arquitetura do mundo. 

Marque, na lista a seguir, o nome do arquiteto que tem as maiores chances de ser premiado. Se tiver um palpite que não esteja nas opções abaixo, escreva na seção de comentários.