Ampliar imagem | Tamanho original
Fiz parte da última geração de estudantes de arquitetura que não usava computadores (estamos falando apenas do início dos anos 90 aqui; havia eletricidade, televisões coloridas, foguetes, só nada de renderizações.) No meu último ano na faculdade, calculei mal quanto demoraria para terminar meu projeto de graduação. À medida que o prazo se aproximava, percebi que era tarde demais para me comparar às apresentações de meus colegas. Na época, Zaha Hadid e suas pinturas desconstrutivistas definiam o estilo da ilustração arquitetônica. Isso significava que muitos projetos de estudantes eram renderizados em tintas a óleo em grandes telas. Sem tempo e opções, recorri ao meu treinamento básico e desenhei a proposta com linhas pretas e brancas. Eu estava preocupado. Cinco anos de educação baseavam-se em desenhos simples (chatos?) Em vez de algo mais glamoroso. No final, isso não foi um problema; Durante a minha análise, o júri discutiu a arquitetura, não a apresentação. Foi uma diferença sutil que me levou anos para apreciar plenamente. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar