O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A obra frequentemente esquecida de Denise Scott Brown

A obra frequentemente esquecida de Denise Scott Brown

A obra frequentemente esquecida de Denise Scott Brown
A obra frequentemente esquecida de Denise Scott Brown, Cortesia de Robert Venturi
Cortesia de Robert Venturi

Há algo irresistível no romance arquitetônico de Robert Venturi e Denise Scott Brown. Eles se conheceram quando ambos eram jovens professores da Universidade da Pensilvânia; Scott Brown realizava seminários em planejamento urbano e Venturi dava palestras sobre teoria da arquitetura. Como diz a história, Scott Brown argumentou em sua primeira reunião do corpo docente que a magistral biblioteca gótica veneziana de Frank Furness não deveria ser demolida para se construir uma praça (então uma opinião dissidente). Venturi se aproximou dela após a reunião, oferecendo seu apoio. Como Paul Goldberger escreveu sobre o casal em 1971, “à medida que seus pontos de vista estéticos se aproximavam cada vez mais, o mesmo acontecia com os seus sentimentos.” Nós, amantes da arquitetura, não podemos fazer nada a não ser esse casal de arquitetos.

© <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Denise_Scott_Brown_1978_%C2%A9_Lynn_Gilbert.jpg#/media/File:Denise_Scott_Brown_1978_%C2%A9_Lynn_Gilbert.jpg'> Lynn Gilbert </a> licensed under <https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0'>CC BY-SA 4.0</a>
© Lynn Gilbert licensed under CC BY-SA 4.0

Por mais atraente que essa versão da história colaborativa de Venturi e Scott Brown possa ser, a associação eterna do casal muitas vezes deixa o trabalho pessoal de Scott Brown na sombra. Outras vezes, a obra de Scott Brown em colaboração com Venturi é creditada como a realização apenas de Venturi sozinho. Mais notavelmente, quando Venturi ganhou o Prêmio Pritzker em 1991, o júri citou numerosos projetos concluídos em colaboração com Scott Brown (como a Ala Sainsbury da National Gallery, Londres) como obras seminais em sua carreira. Mesmo depois que um grupo de mulheres da Harvard Graduate School of Design criou uma petição e reuniu mais de 20.000 assinaturas na esperança de conceder retroativamente o prêmio a Scott Brown, ela não foi reconhecida.

Ampliação de Venturi e Scott Brown à National Gallery, Londres. Image © Timothy Soar
Ampliação de Venturi e Scott Brown à National Gallery, Londres. Image © Timothy Soar

Mas as realizações de Scott Brown - assim como seu trabalho concluído ao lado de Venturi - merecem um momento no centro das atenções. Abrangendo arquitetura, planejamento urbano, design de móveis e teoria, seu trabalho não é de forma alguma homogêneo. De fato, o histórico diversificado de Scott Brown significa que seu trabalho prospera em sua capacidade de conciliar projetos com preocupações sociais, forjando um meio-termo entre estética pura e ativismo puro. Aqui estão alguns de seus trabalhos menos conhecidos:

Preservação Histórica nos Apalaches

© <a href='https://www.flickr.com/photos/davidwilson1949/25029306930/in/photolist-E8KJWE-22ywPRb-FvpSFf-23Dhf62-23AtEBU-6N8jiS-ge8F4p-6N8jZq-7qNgbR-7qScf7-7qNfPa-7qNfwt-7qScb9-7qScsA-7qNfVi-aaXWnL-6N8k73-eS1Jmo-5bUAaY-6N49r4-5bTvJm-52D2Pj-6N8kcC-5bPwGt-52D33U-52D2TN-6N48HF-5bTF1j-5bUChh-79F8kR-3oK8o2-6N49L2-5bUnQs-6N4936-ht3nsZ-5bPVMv-Esmpk3-6N8DW3-5bTxMs-5bPKCK-ndo96p-5bVuLC-6N49Zz-5bV88E-79JYwb-6N48Lk-DyHT7J-nuBhwd-52D2HW-6N48RM'>Flickr user David Wilson</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user David Wilson licensed under CC BY 2.0

Em contraste com o foco arquitetônico de Venturi, os projetos mais prolíficos de Scott Brown estavam no planejamento urbano. Em Jim Thorpe, uma pequena cidade mineira na Pensilvânia, Scott Brown liderou um esforço para reviver a Main Street da era vitoriana. Através de uma série robusta de análises demográficas e econômicas, Scott Brown formulou um plano que ressuscitaria a montanhosa cidade dos Apalaches através do turismo. Incentivando a preservação arquitetônica fluida e introduzindo sinalização e marca consistentes, o trabalho de Scott Brown inaugurou uma nova era para o destino agora popular.

Celebração do Vernacular na Filadélfia

Courtesy of Collection of Venturi, Scott Brown and Associates
Courtesy of Collection of Venturi, Scott Brown and Associates

Em Yale no final dos anos sessenta e início dos anos setenta, Venturi e Scott Brown ensinaram vários estúdios que anunciavam a arquitetura vernacular americana, desde a beira da estrada até as casas enfileiradas (rowhome). Em 1968, no mesmo ano em que o casal lecionou o famoso estúdio “Learning from Las Vegas”, Scott Brown realizou um projeto histórico de preservação na Filadélfia que seguia um princípio similar: respeito pelo comum.

© <a href='https://www.flickr.com/photos/sashafatcat/2985295317/in/photolist-5xNqhV-4SnqTf-ea3v1-ayqPBB-9mr8mM-9LnDij-pwBwEw-J2mHTm-auENf6-69YKtP-c2x68j-9mubK9-6TqXdq-7Ce2GP-9mr8gP-62taoH-9mubxm-7YZbuC-or58n-7psei2-7Gsh16-bwQt6Y-74zJ6M-7Ce8u4-bwQsCm-bwQtiq-bwQpzq-4KPdfT-bwQnWo-bKKaJp-ffVYyq-qcHGrG-6eFNcv-5XL5Bv-osq4b7-9N8uDQ-de8cr5-36uQYT-4Eq6Lo-bwQshC-bKKa4H-8AGyag-8w5ywj-7fZ4u6-ahtnan-4vKjgt-p1CmHD-9z18cT-4KTu4d-9uT6Rx'>Flickr user Paul Joseph </a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user Paul Joseph licensed under CC BY 2.0

Em oposição a uma via expressa intermunicipal proposta que percorreria o sul da Filadélfia, Scott Brown colaborou com os organizadores de base para preservar a área; uma comunidade que era arquitetonicamente rica e um centro para a vida afro-americana. Em uma reunião com autoridades da cidade em setembro, Scott Brown apresentou imagens do bairro sobre um fundo branco, como se estivesse organizando uma exposição. Ao fazê-lo, ela demonstrou o valor das casas, fachadas de lojas e escolas de tijolos de três andares ao longo da South Street, na Filadélfia. A faixa foi preservada e continua a ser uma área vibrante da cidade.

Artes Decorativas na Knoll

© <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Robert_venturi_e_denise_scott_brown_per_knoll_international_inc.,_sedia_queen_anne_(in_fantasia_grandmother),_new_york_1984.jpg#/media/File:Robert_venturi_e_denise_scott_brown_per_knoll_international_inc.,_sedia_queen_anne_(in_fantasia_grandmother),_new_york_1984.jpg'> Sailko </a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/deed.en'>CC BY 3.0</a>
© Sailko licensed under CC BY 3.0

No final dos anos setenta, Venturi e Scott Brown começaram a projetar móveis para a  Knoll. Uma série de cadeiras do casal interpretou a forma da tradicional cadeira Chippendale em uma silhueta bidimensional revestida em vários padrões modernos. Em sua maioria, Venturi estudaria cadeiras de diferentes épocas - Art Nouveau, Art Déco, Queen Anne, etc. - e Scott Brown criaria padrões a serem aplicados às formas. Trabalhando na Fabric Workshop da Filadélfia, Venturi e Scott Brown criaram um design que apelidaram de “Avó” que apresentava um padrão floral, semelhante a uma colcha, intercalado com linhas duplas paralelas. Imprimindo amostras em algodão e cetim, Scott Brown também brincou com um desenho abstrato em preto e branco. De acordo com Scott Brown, com o tempo, esse padrão começou a "parecer mais com as bolhas pretas e brancas nas capas dos cadernos de composição que as crianças americanas usam na escola". Ao aplicar um padrão onipresente na cultura visual americana em cadeiras vendidas por grandes fabricantes do pós-guerra como Knoll e mais tarde Swid Powell, Scott Brown borrou distinções entre a arte "alta" e "de massa".

Cita: Comberg, Ella. "A obra frequentemente esquecida de Denise Scott Brown" [The Often Forgotten Work of Denise Scott Brown] 07 Jun 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/895895/a-obra-frequentemente-esquecida-de-denise-scott-brown> ISSN 0719-8906