O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Quando gotas criam espaços: Um olhar sobre arquitetura líquida

Quando gotas criam espaços: Um olhar sobre arquitetura líquida

Quando gotas criam espaços: Um olhar sobre arquitetura líquida
Quando gotas criam espaços: Um olhar sobre arquitetura líquida, Light in Water, 2015. Paris. Arquitetos: DGT Architects. Fotógrafo: <a href='http://www.takuji-shimmura.com/'>Takuji Shimmura</a>. Image © DGT Architects
Light in Water, 2015. Paris. Arquitetos: DGT Architects. Fotógrafo: Takuji Shimmura. Image © DGT Architects

Ao longo do século passado, a relação da arquitetura com a água tem sido desenvolvida ao longo de uma variedade de diferentes caminhos. Com sua "Casa Cascata", por exemplo, o mestre americano Frank Lloyd Wright confrontou o fluxo dramático da água com linhas horizontais expressivas para aumentar a experiência da natureza. Desde então, o uso da água na arquitetura tornou-se mais variada e complexa. Um espaço feito quase exclusivamente de água surgiu com o projeto de Isamu Noguchi na Expo de Osaka: a água brilhante parecia cair do nada e brilhava no escuro. Mais tarde, com a digitalização e as formas fluidas dos projetos paramétricos, o foco mudou para uma arquitetura líquida feita de água e luz. As interpretações têm variado de formas arquitetônicas modeladas para literais gotas de água, como a visionária “Bubble”, de Bernhard Franken, para a BMW, a instalações espetaculares feitas de linhas de água, transformadas em pixels pela luz.

Pavilhão Islandês. Hannover, Expo 2000. Image © Thomas Schielke Blur Building. Pavilhão de Exposições, Yverdon-Les-Bains, 2002. Arquitetos: Diller Scofidio + Renfro. Image © Diller Scofidio + Renfro Olafur Eliasson: O Corredor Reflexivo, Projeto para parar a queda livre, 2002. (Der reflektierende Korridor, Entwurf zum Stoppen des freien Falls, 2002). Fotógrafo: Werner J. Hannappel. Cortesia de Centre for International Light Art Unna, Germany. Image © 2002 Olafur Eliasson Luce Tempo Luogo, 2011. Milão. Arquitetos: DGT Architects. Fotógrafo: Daici Ano. Image © DGT Architects + 20

HtwoOexpo, Museu Interativo. Neeltje Jans Island, Holanda, 1997. Arquiteto: NOX, Lars Spuybroek. Image © NOX/Lars Spuybroek
HtwoOexpo, Museu Interativo. Neeltje Jans Island, Holanda, 1997. Arquiteto: NOX, Lars Spuybroek. Image © NOX/Lars Spuybroek

NOX alimentou a discussão sobre a fluidez da água e da luz com a sua exposição de água real e virtual na HtwoOexpo em Neeltje Jans, Holanda, em 1997. Aqui, em uma estrutura amorfa e sem janelas, Lars Spuybroek atribuiu à água de verdade o papel de ser não-interativo, criando uma névoa pulverizada drenada ao longo dos andares. Como contraponto, NOX introduziu a água virtual através de projeções interativas com sensores, que transformavam os padrões de ondas em ondulações e bolhas culminando em experiências fascinantes para os visitantes.

Pavilhão Islandês. Hannover, Expo 2000. Image © Thomas Schielke
Pavilhão Islandês. Hannover, Expo 2000. Image © Thomas Schielke

Em contraste, o pavilhão da Islândia na Expo 2000 recebeu os visitantes com uma fachada de água. A Islândia, cercada por água e ostentando numerosos gêiseres jorrando na ilha, apresentou uma membrana azul cúbica impressionante em Hanover. Um fluxo permanente de água transformou o pavilhão em uma cachoeira cúbica. Com o sol brilhando sobre as ondulações em cascata e refletindo assim as nuvens em movimento, a fachada gera uma impressão fresca e espumante do meio ambiente. Além disso, o pavilhão islandês revelou um gêiser artificial no interior, onde os hóspedes podiamm subir uma rampa em espiral para admirar o poder da água. Assim, a instalação brincou com a uma forte polaridade da água brilante e límpida caindo, contra um gêiser escuro iluminado com lâmpadas cênicas. Após a Expo, o cubo azul de 28 metros de altura foi reciclado para apresentar fenômenos naturais no parque de diversões Universe em Nordborg, Dinamarca.

Blur Building. Pavilhão de Exposições, Yverdon-Les-Bains, 2002. Arquitetos: Diller Scofidio + Renfro. Image © Diller Scofidio + Renfro
Blur Building. Pavilhão de Exposições, Yverdon-Les-Bains, 2002. Arquitetos: Diller Scofidio + Renfro. Image © Diller Scofidio + Renfro

Em comparação com o tema em Hanover, a Expo suíça em Yverdon-Les-Bains, em 2002, ganhou reconhecimento internacional com a notável "Blur Building" de Diller Scofidio + Renfro. A névoa fina feita por 35.000 bicos de alta pressão criou uma nuvem artificial, que mudava com a força e direção do vento, alterando onde os turistas podiam andar, a fim de explorar o efeito de um névoa. Ao abrir suas bocas, os visitantes podiam realmente beber o edifício. Depois de subir para o deck, uma vista abria-se suavemente para o céu azul. Dessa forma os arquitetos confrontavam ao público contraposições extremas de luz e água, de um branco difuso no interior a brilhantes gotas de água finas no sol e efeitos de arco-íris. Após o por do sol, outra imagem surgia quando a arquitetura se transformava em uma poderosa e mística nuvem luminosa no Lago Neuchâtel.

Olafur Eliasson: O Corredor Reflexivo, Projeto para parar a queda livre, 2002. (Der reflektierende Korridor, Entwurf zum Stoppen des freien Falls, 2002). Fotógrafo: Werner J. Hannappel. Cortesia de Centre for International Light Art Unna, Germany. Image © 2002 Olafur Eliasson
Olafur Eliasson: O Corredor Reflexivo, Projeto para parar a queda livre, 2002. (Der reflektierende Korridor, Entwurf zum Stoppen des freien Falls, 2002). Fotógrafo: Werner J. Hannappel. Cortesia de Centre for International Light Art Unna, Germany. Image © 2002 Olafur Eliasson

No entanto, vários outros arquitetos e artistas também têm explorado os efeitos da luz e água em ambientes interiores rigorosamente controlados. O artista dinamarquês-islandês Olafur Eliasson, em 2002, tentou gerar uma imagem congelando água caindo. No fundo de um porão de uma antiga fábrica de cerveja, Eliasson tomou partido de um espaço completamente escuro como um fundo preto no Centre for International Light Art, em Unna, Alemanha. Duas cortinas de água paralelas enquadram um corredor aquático caindo 5 metros até o chão. Devido a luzes estroboscópicas brilhantes com uma temperatura de cor fria, as gotas parecem estar congeladas. A mistura do som alto da água caindo e o contraste do branco, definitivamente cativa os espectadores.

Intrigado pela digitalização, o professor do MIT Carlo Ratti, juntamente com sua equipe em Carlo Ratti Associati and researchers do MIT MIT Media Lab e MIT Senseable City Lab, criaram o “Digital Water Pavilion” para a Expo Zaragoza, Espanha, em 2008. As gotas de água digitalmente controladas permitiram-lhe criar padrões bidimensionais com pixels de água, e para liquidar as paredes do edifício tradicional. Para os visitantes da cortina de água abria-se de forma interativa, e a cortina movendo-se verticalmente expunha um padrão um padrão lúdico fascinante. À noite, a iluminação intensificava o contraste da queda da cortina brilhante contra o fundo escuro.

Random International foi além destas cortinas de água bidimensionais com sua instalação de água tridimensional “Rain Room” no Barbican Centre em Londres, em 2012. O visitante pode caminhar através da água que cai sem molhá-lo. Graças a uma série de câmeras que criou um mapa 3D de presença e movimento dos visitantes, uma seção de "pixels secos" foi criada no espaço sem que houvesse uma presença humana. Um foco de luz brilhante ao nível dos olhos, no final do corredor curvo escuro atraiu os espectadores com uma luz ofuscante, renderizando linhas verticais de chuva para um experimento que era rico em contraste.

Luce Tempo Luogo, 2011. Milão. Architects: DGT Architects. Fotógrafo: Niki Takehiko. Image © DGT Architects
Luce Tempo Luogo, 2011. Milão. Architects: DGT Architects. Fotógrafo: Niki Takehiko. Image © DGT Architects

Ao trazer o efeito de luz estroboscópica, usado por Eliasson em Unna, juntamente com a iluminação constante no Rain Room pela Random International, uma nova dimensão da experiência de luz emerge, onde a água pode transformar-se de gotas a linhas. DGT Architects usou essa abordagem em sua instalação retangular "Luce Tempo Luogo" para o Toshiba Milano Salone, em 2011. Com um intervalo de sete microssegundos eles materializaram um único ponto de luz com água. No entanto, ao longo de vários minutos, os telespectadores podiam acompanhar a transformação gradual de pixels de água em linhas enquanto o quarto mudava de uma sala mal iluminada para um espaço exclusivamente feito de água iluminada. Em 2015, DGT Architects adaptou este conceito para um layout circular para a instalação “Light in Water”, como parte da exposição “Lumière – The Play of Brilliants” em Paris. Além disso, este projeto incluiu uma mudança sutil de luz sobre a temperatura de cor, de um branco quente para um branco neutro para o anel externo enquanto que o anel interno permaneceu em branco neutro.

Light in Water, 2015. Paris. Arquitetos: DGT Architects. Fotógrafo: <a href='http://www.takuji-shimmura.com/'>Takuji Shimmura</a>. Image © DGT Architects
Light in Water, 2015. Paris. Arquitetos: DGT Architects. Fotógrafo: Takuji Shimmura. Image © DGT Architects

Em comparação com as grandes instalações auto-suficientes por parte dos artistas e arquitetos mencionado acima, Shiro Takatani e o artista de luz  Christian Partos consideram o cubo "3d Water Matrix" como um meio e não uma obra de arte - comparável com a forma que um piano é um meio para a música que emana. A cachoeira digitalmente controlada com um teto luminoso permite numerosas composições em que as linhas formam a água pixels, aviões ou volumes amorfos que se fundem com fluência de um padrão gráfico para o outro e criando, assim, uma escultura líquida dançante. No entanto, Takatani envolveu a frequência da luz como um outro parâmetro para a elaboração de padrões em sua obra "ST / LL", de 2015. Com base nos intervalos de luz do campo, ele gerou imagens extraordinárias, onde os pixels líquidos pareciam congelar-se em planos e volumes .

Com a digitalização da queda da água o elemento renunciou seu fluxo natural e ondulações, e se transformou em padrões de pixel sofisticados para espaços líquidos. A resposta para a distinção de pixels de água e espaços não-pixelados tem levado a instalações de alto contraste de gotas brancas contra quartos negros. Consequentemente, o fascínio pelo processo digital foi estendido para incluir luz, bem como, com os designers muitas vezes preferindo luz elétrica em vez de luz natural para a sua opção de controle preciso. Devido à modulação dessas gotículas de pixels à queda fluxos verticais, a atenção deslocou-se de parâmetros de luz convencionais, como o brilho ou a temperatura de cor para o calendário e a frequência da iluminação. Como a interação de pixels de água digitais e controle digital de luz acaba de começar, podemos esperar, portanto, muito mais soluções para pixels voadores inteligentes que brilham no futuro.

Light matters, uma coluna mensal sobre luz e espaço, é escrita por Thomas Schielke. Baseado na Alemanha, é fascinado por iluminação na arquitetura e trabalha como editor para a empresa de iluminação ERCO. Publicou diversos artigos e foi coautor nos livroa “Light Perspectives” e “SuperLux”. Para mais informações veja www.erco.com, www.arclighting.de ou siga-o em @arcspaces.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Thomas Schielke
Autor
Cita: Thomas Schielke. "Quando gotas criam espaços: Um olhar sobre arquitetura líquida" [When Droplets Create Space: A Look at Liquid Architecture] 30 Set 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/796383/quando-gotas-criam-espacos-um-olhar-sobre-arquitetura-liquida> ISSN 0719-8906