Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos

Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos

Historicamente, a arquitetura tem servido como um meio para a expressão artística. Elementos de construção eram adornados e esculpidos em relevo, com inscrições, murais, afrescos, bustos e esculturas figurativas de diferentes estilos. No entanto, a industrialização do século XIX trouxe uma mudança nos ideais, que despojou os componentes arquitetônicos de seus elementos decorativos. Em vez disso, preferiu-se a busca pela beleza a partir da padronização e acessibilidade econômica proporcionadas pelos elementos de construção produzidos em massa.

Mas há espaço para a arte na produção em massa? Os artistas podem estar envolvidos nos processos industriais de fabricação de elementos de construção? E como a nova tecnologia pode facilitar a personalização em massa de componentes de construção com fins artísticos? Essas perguntas nos levam a considerar o potencial de expressão, comunicação e reflexão dos elementos de construção em espaços interiores e exteriores.

Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 6 de 13Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 2 de 13Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 3 de 13Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 4 de 13Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Mais Imagens+ 8

Em seu artigo de 1924, "Mass-Produced Buildings," Le Corbusier enfatizou a importância dos padrões na produção em massa, afirmando que eles levam à perfeição. Ele argumentou que a economia deveria ser o princípio fundamental da beleza, observando que, embora o desperdício de materiais, esforço e tempo possam não importar ao produzir um único objeto, torna-se inaceitável quando multiplicado por 100.000. Isso inspirou um sistema de compensação no qual a arte é alienada em elementos de construção produzidos em massa, incluindo azulejos, painéis de parede, janelas e portas, e apesar de sua natureza bonita e meticulosa, o artesanato manual desses elementos não pode atender às demandas da produção em larga escala.


Artigo Relacionado

Quiosque K67: O projeto modular dos anos 60 que permanece vivo até hoje

Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 4 de 13
Fabricação digital e robótica. Imagem © ICD ITKE

Um senso de artístico, que envolve artesanato individual, precisão e cuidado na exploração e criação de elementos belos e diversos, deve sempre ter um lugar na arquitetura. As máquinas são apenas ferramentas, e a arquitetura deve se esforçar para mais uma vez colaborar com os artistas através destas ferramentas, em vez de colaborar apenas com as próprias ferramentas.

Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 5 de 13
Azulejos em Portugal. Imagem © Francesco Riccardo Iacomino/Getty Images

Por exemplo, artistas que atualmente criam azulejos esmaltados pintados à mão, uma forma de arte antiga que gerou belos murais usando azulejos para adornar interiores e exteriores, podem enfrentar desafios para atender às altas demandas quantitativas da arquitetura atual. Para melhorar a eficiência de produção, eles buscam utilizar técnicas como impressão em tela e impressão digital em cerâmica. Isso permite a preservação do artesanato, com imperfeições sutis e a individualidade de cada peça, contribuindo para uma estética e caráter únicos do elemento de construção. Essa abordagem pode ser observada em projetos de interiores como o Deux Chats, um bar no Brooklyn onde o designer Xavier Donnelly colaborou com o pintor Violet Oliphant. Juntos, eles criaram 3.000 azulejos personalizados e um mural inspirado na Art Nouveau.

Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 10 de 13
Deux Chats Bar Azulejos Pintados à Mão. Imagem © Melissa Ham
Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 3 de 13
Painéis da fachada do Museu Nacional Smithsonian de História e Cultura Afro-Americana. Imagem © Alan Karchmer; via Newsdesk

Reconhecer o valor da arte em elementos de construção é um passo fundamental. O próximo é explorar como a tecnologia pode absorver esses valores dentro de sistemas de produção em massa. Essa é a história dos 1.200 painéis ornamentais de alumínio fundido que formam a fachada do Museu Nacional da História e Cultura Afro-Americana do Smithsonian (NMAAHC) em Washington, D.C. Projetados pela Adjaye Associates em colaboração com Enclos e Element, os painéis foram inspirados nas ferragens decorativas frequentemente forjadas por escravos afro-americanos e libertos não reconhecidos na arquitetura do sul dos Estados Unidos. Os arquitetos coletaram padrões de grades de ferro e ornamentos de fachada da Carolina do Sul a Nova Orleans. Em seguida, os otimizaram usando software de modelagem digital para criar padrões abstratos adequados para produção em massa. O projeto também mostra a beleza e o potencial da fabricação digital, onde a combinação entre produção em massa e artesanato quase elimina custos. A capacidade da nova tecnologia de fabricar fornece aos artistas um novo meio artístico e incentiva uma reavaliação dos elementos produzidos dentro de um esquema de personalização em massa.

Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 8 de 13
Tradução digital de padrões para o Museu Nacional Smithsonian de História e Cultura Afro-Americana. Imagem © Freelon Adjaye Bond / SmithGroup
Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 9 de 13
Painéis da fachada do Museu Nacional Smithsonian de História e Cultura Afro-Americana. Imagem © National Museum of African American History and Culture

Personalização em massa

Personalização em massa (MC) é um processo ou estratégia de produção que visa fornecer produtos e serviços customizados em grande escala para atender às necessidades dos clientes. Originalmente enraizada na produção em massa voltada para o consumidor, ela pode ser traduzida em um sistema orientado para a arte que explora as possibilidades artísticas de elementos de construção em um mercado amplo. Isso inclui a incorporação de técnicas e tecnologias inovadoras de fabricação digital, como impressão 3D, escultura robótica e tecelagem mecânica. Além disso, estende-se às empresas fabricantes de materiais de construção, que podem criar um ecossistema para que os artistas aproveitem a tecnologia e criem elementos de construção eficazes e econômicos dentro de sistemas de produção em massa.

Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 12 de 13
Projeto Concrete Choreography. Imagem © Axel Crettenand

Um projeto chamado Concrete Choreography, realizado pelas equipes de Tecnologias Digitais de Construção e Química Física de Materiais de Construção na ETH Zurich, mostra uma aplicação única da tecnologia. Este projeto teve como objetivo explorar o uso da tecnologia digital para reimaginar o design de uma ordem de pilares contemporâneos e utilizou impressão 3D em concreto para transformar esse elemento arquitetônico. Ao aproveitar a técnica de camadas da impressão 3D, o projeto explorou vários aspectos, como trajeto de impressão, período de cura, forma digital e textura para criar uma escultura ornamental. Esse processo inovador de fabricação elimina a necessidade de formas tradicionais e cada coluna foi impressa em sua altura total em apenas 2,5 horas. Além disso, essa abordagem permite a criação de designs personalizados com geometrias complexas, tudo dentro de um sistema totalmente automatizado e de personalização em massa.

Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 7 de 13
Projeto Concrete Choreography. Imagem © Axel Crettenand
Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 2 de 13
Projeto Concrete Choreography. Imagem © Digital Building Technoogies

Com o surgimento de vários meios de arte digital, a fabricação digital tornou-se uma oportunidade significativa para reintroduzir influências artísticas na criação de elementos de construção, revivendo a colaboração entre arquitetura e arte em um sistema adequado para uma era industrializada. Além disso, proporciona uma oportunidade para reconsiderar as indústrias transformadoras, descentralizando-as e localizando as cadeias de valor, o que pode reduzir a logística envolvida na fabricação de produtos acabados e semiacabados. Além disso, é importante conceber políticas que incorporem o envolvimento artístico nos elementos de construção e na arquitetura para promover a colaboração. Um exemplo é a “política de 1% de arte” francesa de 1951, que exige a alocação de uma parte do orçamento da construção para elementos artísticos de edifícios públicos. Esta política oferece aos artistas oportunidades de explorar o potencial de vários elementos de construção. Todas estas ações desempenham um papel crucial na incorporação da arte na produção em massa de elementos de construção e contribuem para moldar uma cultura de construção que enfatiza a colaboração artística e artesanal.

Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos - Imagem 11 de 13
Fabricação digital e robótica. Imagem © NCCR Digital Fabrication Roman Keller

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Yakubu, Paul. "Um lugar para a arte na produção industrial de elementos construtivos" [Reviving Collaboration: Seeking a Place for Artistry in Mass-Produced Building Elements] 03 Dez 2023. ArchDaily Brasil. (Trad. Ghisleni, Camilla) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/1009580/um-lugar-para-a-arte-na-producao-industrial-de-elementos-construtivos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.