O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Concursos
  3. Novo urbanismo de transformação e reciclagem: Projeto Madrid Centro

Novo urbanismo de transformação e reciclagem: Projeto Madrid Centro

Novo urbanismo de transformação e reciclagem: Projeto Madrid Centro
Novo urbanismo de transformação e reciclagem: Projeto Madrid Centro

O Projeto Estratégico para o Centro de Madrid realizado pela iniciativa da Prefeitura da Capital constituiu a oportunidade de ensaiar um novo enfoque urbanístico capaz de afrontar os desafios derivados da globalização, mudanças climáticas e transformações. A estrutura do Projeto Madrid Centro é organizada como sintaxe inovadora de conceitos e políticas urbanísticas capazes de reinventar/reinterpretar a cidade conforme princípios de responsabilidade social, cultural e ambiental.
Madrid evoluiu desde macrocefalia centralizadora à perda de peso relativo a respeito do entorno metropolitano. Na última década, a cidade seguiu o caminho do modelo urbano anglo-saxão: crescente tendência à suburbanização metropolitana, primeiro das famílias e em segundo momento das instituições e atividades econômicas. Este processo é particularmente preocupante quando se refere às atividades mais inovadoras. O alojamento no centro manifesta uma heterogeneidade marcada. Convivem processos de modernização e de entrincheiramento de grandes bolsões de deterioração estrutural. Em síntese, pode-se afirmar que a “bolha” imobiliária experimentada durante a última década se manifestou no Centro numa polarização dos processos de “gentrificação” (atração de rendas altas suburbanas a arredores de qualidade reabilitada) e de “guetização” (consolidação de grandes bolsões de deterioração residencial vinculadas à imigração, particularmente aquela de caráter irregular).
Em relação com o espaço público e paisagem é detectado um processo de banalização e perda de identidade associado à degradação do meio ambiente urbano gerado pela preeminência do automóvel.

Da expansão à reciclagem.

Áreas de reciclagem e revitalização

A natureza dos problemas do Centro de Madrid demanda profundas mudanças tanto nos objetivos como no objeto de Projeto: da expansão e crescimento indiscriminado à transformação, reabilitação e reciclagem dos tecidos, infraestruturas e atividades existentes; da ordenação do solo à melhora da qualidade de vida dos cidadãos.
Estes novos ingredientes demandam reorientar o caráter dos Planos e os Projeto Urbanos para convertê-los em instrumentos verdadeiramente estimulantes, flexíveis e abertos à inovação; capazes de abordar os desafios emergentes das cidades contemporâneas – a incorporação ativa da Natureza, a sustentabilidade energética, as formas alternativas de mobilidade – sem perder de vista a atenção às necessidades de qualidade de vida e coesão social – saúde, acesso à habitação – e a sensibilidade do local – a historia e a geografia única de cada lugar, as capacidades criativas inerentes às culturas e os recursos locais, os valores identitários tangíveis e intangíveis.
O projeto Madrid Centro, como perspectiva estratégica, começa a partir do valor do capital social, econômico, espacial e simbólico do Centro de Madrid e o entendimento da cidade desde os processos reais que a configuram e não a partir da superestrutura normativa. Adotando, alternativamente, um estilo de gestão aberto no marco de estratégias “fortes”, capazes de suscitar um amplo respaldo social.

O espaço público como sistema organizador, referência identitária e elemento mediador entre a cidade e seus habitantes.

Sistema de organização

É necessário reinventar o espaço público local como grande argumento da transformação urbana. O Projeto Estratégico parte do convencimento da qualidade do espaço público e é o catalisador mais relevante para desencadear a transformação da cidade. Em consequência, é imprescindível a reinvenção do espaço público desde a perspectiva da limitação e racionalização da preeminência do automóvel privado e a recuperação da rua como espaço cidadão para a mobilidade dos pedestres e ciclistas, a atividade econômica, o descanso e o encontro. Trabalhar a inter-relação entre a rua e o edifício oferece a oportunidade de explorar o potencial de um tecido rico em espaço disponível e abre também a possibilidade de repensar as funções, densidades e configuração volumétrica do loteamento urbano ou de seus quarteirões.

A naturalização da cidade como estratégia ativa de construção da nova paisagem urbana.

Naturalização da cidade

O Projeto Estratégico concede uma importância capital à recuperação da memória geográfica da cidade. A topografia original, os cursos d’água e outros aspectos naturais, são ofuscados com frequência pelo predomínio da homogeneização construtiva e a mobilidade.

Sistema de mobilidade

O Projeto propõe a criação de um novo sistema verde local vertebrado em torno à recuperação do rio Manzanares, que por sua vez constitui o vínculo com os grandes espaços naturais da região de Madrid. Esta estratégia articula a conexão das grandes peças verdes do interior da Almendra Central de Madrid através duma trama capilar de ruas verdes e pequenas praças que configuram verdadeiros corredores ambientais no interior da cidade, que seriam reforçados com a incorporação da natureza ao próprio tecido construído: jardins verticais e coberturas verdes.

Madrid híbrida

Como resposta aos processos emergentes de suburbanização o projeto promove salvaguardar a localização da centralidade institucional, cultural e coorporativa, entendida como “ativa” da cidade em seu conjunto e da região metropolitana. Para isso, o Projeto opta por uma “Madrid híbrida”, defendendo a integração das mais amplas deliberações das atividades econômicas (tradicionais e inovadoras) e comerciais integradas nos tecidos residenciais. Compreendendo que esta mescla constitui a base da complexidade urbana, o Projeto aposta, igualmente, por fazer factível a implantação de atividades inovadoras assumindo a dimensão econômica que a criação científica cultural e artística tem nas metrópoles contemporâneas.

Construir a identidade desde o reconhecimento da pluralidade duma cidade complexa.

O Projeto atribui ao Centro um papel essencial na conformação duma identidade compartilhada. O Centro constitui a referência e o espaço comum para o conjunto dos cidadãos de Madrid. Historicamente, esta qualidade tem sido fortalecida pela presença e capacidade de atração dos grandes equipamentos e espaços públicos singulares. O projeto pretende conservar esta atividade e o complementar com uma “Madrid próxima”, em outras palavras, com a potencialidade do mosaico de identidades locais vinculadas aos espaços sociais diferenciados que hoje conformam a cidade.

Matriz de resultados

 

Ficha técnica:

  • Arquitetos:Dr. Arqto. José María Ezquiaga, Dr. Arqto. Juan Herreros, Dr. Arqto. Salvador Pérez Arroyo
  • Ano: 2012
  • Tipo de projeto: Urbanismo
  • Operação projetual:Projeto
  • Status:Concurso
  • Localização: Madri, Espanha

Equipe:

  1. Equipe: Dr. Arqto. José María Ezquiaga, Dr. Arqto. Juan Herreros, Dr. Arqto. Salvador Pérez Arroyo

Informação Complementar:

  1. Colaboradores especialistas: Ariadna Cantis [cultura], Juan Fisac [mobilidade], José Luís Maldonado [mobilidade], Jesús Leal [sociedade],Pep Ruiz [economia]
  2. , Salvador Rueda [meio ambiente], Belinda Tato [meio ambiente], Julio Vinuesa [habitação], Eva Hurtado [ações], Gemma Peribáñez [metodologia], Javier Barros [monitoramento e participação] e Ramon Bermudez [coordenação]
  1. Via: Ariadna Cantis @aricantis, Comunicación de Arquitectura y Urbanismo

Cita: Victor Delaqua. "Novo urbanismo de transformação e reciclagem: Projeto Madrid Centro" 12 Jun 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/53734/novo-urbanismo-de-transformacao-e-reciclagem-projeto-madrid-centro> ISSN 0719-8906