1. ArchDaily
  2. Ciclovias

Ciclovias: O mais recente de arquitetura e notícia

Você sabe o que é necessário para promover o uso da bicicleta como meio de transporte nas cidades brasileiras?

Como já tem sido discutido em diversos países do mundo, a promoção da bicicleta como meio de transporte tem diversos benefícios para as cidades e seus cidadãos, tais como: redução de doenças crônicas (como hipertensão e doenças cardiorespiratórias), taxas menores de sobrepeso e obesidade, menos mortes e lesões no trânsito, níveis mais baixos de poluição do ar, entre outros. Apesar de constantemente disseminados todos esses impactos positivos, na América Latina menos de 10% [1] da população adulta usa a bicicleta como meio de transporte, enquanto que em países europeus como Holanda e Dinamarca, esse número ultrapassa 25% das viagens [2].

Com o objetivo de melhor compreender a relação entre ambiente construído e promoção da bicicleta no Brasil, um estudo [3] buscou entender as associações entre uso da bicicleta como meio de transporte e ciclovias e transportes de massa na cidade de São Paulo. A pesquisa foi

O que é planejamento cicloinclusivo?

A bicicleta é um meio de transporte presente há décadas em cidades brasileiras, principalmente pela capacidade de dar acesso, a baixíssimo custo, ao trabalho, equipamentos públicos, serviços e lazer. Com dificuldade para arcar com o custo da tarifa do transportes públicos das grandes cidades, uma parcela da população sempre usou a bicicleta para os deslocamentos cotidianos. Mais recentemente, o aumento constante de níveis de congestionamentos, ruídos urbanos e poluentes levou também outro segmento da sociedade a adotar a bicicleta diariamente, buscando para além da qualidade de vida mostrar às pessoas como uma cidade pode ser melhor e mais sustentável através da bicicleta. Isso tem gerado um efeito surpreendente para o debate público, que está cada vez mais abordando a importância de tornar nossas cidades mais cicloinclusivas.

Adaptado para o português do termo em inglês bike friendly, o termo cicloinclusivo se refere à promoção do uso da bicicleta de forma integrada ao sistema de mobilidade urbana de uma cidade. O planejamento cicloinclusivo é muito mais do que construir ciclovias: trata-se de transformar a cidade em um lugar seguro e confortável para todos, com pertencimento, cidadania e interações entre as pessoas nos espaços públicos.

O Invisível Respeito à Bicicleta nas ruas

Texto por Germano Johansson Neto e João Pedro Maciente Rocha 

Pedalando pela cidade é possível perceber, cada vez mais, que embora nós tenhamos muito a evoluir como sociedade ainda, as pessoas se respeitam mais do que a gente pensa. Na maioria das vezes, nós, ciclistas, acabamos nos apegando a uma ou duas buzinadas que recebemos de motoristas impacientes. No entanto, muitas vezes não lembramos das centenas de veículos que cruzam nossos caminhos de forma respeitosa, ultrapassando a bicicleta com distância segura, reduzindo a velocidade, ou pacientemente seguindo-nos até o próximo semáforo. 

Os 30 mitos mais comuns sobre o uso da bicicleta e como respondê-los

Todas as cidades do mundo em algum momento tiveram de lidar com mitos relacionados ao uso da bicicleta. Em alguns lugares os pressupostos equivocados sobre a importância da mobilidade em duas rodas movidas a pedais são coisa do passado.

Há no entanto um longo caminho para garantir que verdades comuns para quem pedala rotineiramente sejam transformadas em senso comum.

O site “Cycling Fallacies” [falácias ciclísticas] traz resposta para algumas das argumentações mais comuns de quem é contra o uso da bicicleta mas usa informações incorretas para disfarçar.

Lisboa planeja ampliar sua rede de ciclovias devido ao aumento de ciclistas

A rede de ciclovias prevista para a cidade está disponível na página da Câmara Municipal na internet e, segundo o presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), José Manuel Caetano, até junho ou julho de 2017, Lisboa terá "mais do dobro do que já existe" em termos de ciclovias.

Segundo Caetano,  "o que está em execução vai permitir que exista uma rede muito importante" de ciclovias na região. "Já não somos um mau exemplo para a Europa" e "já não é por faltas de ciclovias que as pessoas não andam de bicicleta", comentou o presidente da FPCUB.

Primeira ciclovia solar do mundo gera mais energia que o previsto

A primeira ciclovia solar do mundo está localizada em Amsterdã, na Holanda. Um ano após ser finalizada, a estrutura, construída através de financiamento coletivo, se mostrou mais eficiente do que era estimado nos testes laboratoriais.

Conforme informado pelos responsáveis pela estrutura, em entrevista ao site Fast Co. Exist, após um ano de testes, a ciclovia solar está gerando 70 quilowatts/hora por metro quadrado/ano , o suficiente para abastecer três casas. Os bons resultados mostram que o investimento é viável e a expectativa é de que ele se pague em 15 anos.

Rio de Janeiro inaugura ciclovia que conecta o Leblon a São Conrado

Foi inaugurada recentemente no Rio de Janeiro a aguardada ciclovia que conecta os bairros Leblon e São Conrado, na zona sul da cidade. Apoiada nas rochas da costa, quase em suspensão, a nova rota cicloviária recebeu boas críticas por parte de seus usuários, sobretudo devido às belas vistas que oferece para o mar.

Seus 3,9 quilômetros de extensão somam-se aos 435km da malha cicloviária já instalada atualmente no Rio de Janeiro e estabelece uma importante conexão com esta região da cidade. Evidência disso está no fato de que a nova estrutura já vinha sendo usada por ciclistas antes mesmo de ser inaugurada, destacando a necessidade do equipamento.

Vídeo: Como a Holanda conquistou suas ciclovias

A Holanda é o paraíso para os ciclistas. Muitos se perguntam como eles são uma sociedade tão respeitosa e civilizada em relação as bicicletas, mas raramente são mencionadas as manifestações massivas e constantes da população para obter essas conquistas. O que hoje é uma realidade, foi fruto do árduo trabalho de grupos e organizações civis que contaram com a ajuda de um poder público local bastante atuante.

São Paulo poderá ter mais de 1.500km de ciclovias até 2030

A Prefeitura de São Paulo divulgou no início deste mês o Plano de Mobilidade de São Paulo – Modo Bicicleta (PlanMob), com diretrizes para a implementação da infraestrutura cicloviária da cidade até 2030. O PlanMob prevê a expansão da rede de ciclovias, o aumento do número de bicicletas compartilhadas, a criação de bicicletários e paraciclos e a implementação de programas educacionais que promovam o uso da bicicleta como meio de transporte urbano.

Passarelas, pontes, travessias subterrâneas e viadutos também receberão atenção da prefeitura. Se cumpridas as metas estabelecidas pelo PlanMob, até 2030 São Paulo terá 1522 km de infraestrutura cicloviária, além de 24 pontes, 32 viadutos, 50 passarelas, quatro passagens subterrâneas, três túneis sob os trilhos adaptados para travessia de bicicletas e de dez ciclopassarelas.

Três prazos foram definidos pelo PlanMob - 2016, 2014 e 2030 -, garantindo o avanço gradual das estratégias implementadas.

Prefeito de Londres apoia plano de construção da maior ciclovia da Europa

Segundo um documento publicado mês passado, o desejo de Londres de se converter em uma "cidade de ciclistas" está mais próximo de se tornar realidade. O prefeito da cidade aprovou recentemente um plano para desenvolver a ciclovia mais extensa da Europa, após modificações na proposta original que levantou duras críticas por parte dos habitantes e turistas. O novo plano, apoiado por diversas empresas privadas e organizações públicas, tem como objetivo manter a capacidade de tráfego de veículos e, ao mesmo tempo, permitir a circulação de bicicletas em uma pista segregada de alta capacidade.

Ciclistas de Roma decidem solucionar por sua própria conta a falta de ciclovias

Em Roma, os ciclistas se cansaram da falta de ciclovias, sobretudo nos locais mais inseguros.

Um desses lugares é o túnel de Santa Bibiana que conecta os bairros de Esquilino e San Lorenzo, próximo à estação de trem Roma Termini. Há alguns anos os ciclistas pediram às autoridades de ambos os bairros uma ciclovia para o túnel, porém, sem resultados positivos. Assim, decidiram solucionar o problema por sua própria conta e em apenas 45 minutos.

Mais informações a seguir.

Início das obras da ciclovia na Avenida Paulista

A noite deste último domingo, 04 de janeiro, marcou oficialmente o início das obras da aguardada ciclovia da Avenida Paulista. O projeto recebeu recentemente o parecer favorável do Condephaat, conselho estadual que tem como função identificar, proteger e preservar patrimônio histórico do estado de São Paulo.

Havia a preocupação - ou esperança, para alguns - de que o órgão vetasse a implantação da ciclovia, porque a avenida é considerada área envoltória de prédios tombados, como o Masp e o Conjunto Nacional.

The Guardian elege as melhores infraestruturas para o ciclismo urbano

Um antigo túnel ferroviário convertido no túnel mais longo do mundo para ciclistas, uma ciclovia construída em torno de um aeroporto e rotas que margeiam rios urbanos são alguns dos casos que o jornal britânico The Guardian destacou como as melhores infraestruturas para o ciclismo urbano.

Diferente de outras listas, esta foi elaborada a partir de imagens que os próprios leitores enviaram com a infraestrutura que consideram segura e que poderia servir de exemplo para outras cidades do mundo.

Na continuação, veja 13 bons exemplos de infraestrutura cicloviária:

O uso da bicicleta nos EUA: As mudanças geradas pelas ciclovias segregadas

O aumento recente do número de ciclistas nas cidades brasileiras coloca em pauta a necessidade de uma infraestrutura cicloviária que proporcione mais segurança aos trajetos em duas rodas e que conviva pacificamente com quem se desloca a pé, em transporte público ou de carro. 

Para conhecer soluções para esta necessidade, é útil ver o que têm feito outras cidades em relação a esse assunto.

Assim, mostramos a seguir um estudo que revela algumas cifras dos efeitos positivos gerados pela implementação de ciclovias segregadas das pistas dos veículos automotores em cinco cidades estadounidenses, onde não apenas os trajetos se tornaram mais seguros, como também o número de ciclistas aumentou. 

Vídeo: As iniciativas de Buenos Aires para se tornar uma cidade mais humana

"A cidade é para as pessoas e devemos mudar o uso das ruas, dos automóveis para as pessoas."

Com isso em mente, as autoridades de Buenos Aires propuseram intervenções em alguns espaços públicos da cidade, particularmente no centro, com o objetivo de promover uma cidade mais amigável, sustentável e saudável.

Através da implementação de corredores de ônibus na Avenida 9 de Julho, a principal da cidade, o tempo de alguns trajetos foi reduzido de 55 para 18 minutos. Além disso, foram criadas diversas zonas peatonais e foi restringido o tráfego de automóveis no centro. Outra inciativa foi a construção de uma rede de ciclovias e a criação de um sistema público de bicicletas, que colocou o veículo de duas rodas entre as opções viáveis de transporte urbano diário.

Saiba mais detalhes sobre essas intervenções a seguir.

4 cidades que investiram em infraestrutura cicloviária

Há alguns anos, o prefeito de Londres, Boris Johnson, definiu a cidade como "um centro de revolução do ciclismo", pois entre 2000 e 2011 o número de ciclistas na capital inglesa duplicou. Isso, longe de ser tratado como um problema, foi visto como uma oportunidade que levou à criação de um ambicioso Plano Diretor de Ciclovias.

Embora o Plano de Londres seja recente, outras cidades também tiveram a oportunidade de colocar em prática seus projetos, que não apenas incentivaram o uso da bicicleta, mas transformaram-na no principal meio de transporte urbano.

Veja os projetos abaixo:

“EuroVelo”: A rede de 14 ciclovias que conectará 43 países da Europa

70 mil quilômetros é a extensão estimada da EuroVelo, uma grande rede formada por 14 ciclovias que, em 2020, conectará diversas cidades de 43 países europeus, incluindo os pertencentes à União Europeia.

A iniciativa foi criada pela Federação Europeia de Ciclistas (ECF) com o objetivo de criar uma rede de ciclovias que possam ser usadas diariamente nos trajetos urbanos e que também sirvam para os turistas que queiram percorrer grandes distâncias.

Ruas solares: podem se tornar uma realidade?

Trazer conceitos de eficiência energética aos nossos espaços públicos é uma ideia que já vem sendo estudada há década. Neste contexto, alguns projetos interessantes têm surgido, como a ciclovia Solarpath no parque Christ’s Pieces em Cambridge, na Inglaterra.

Nos Estados Unidos, dois pesquisadores estão desenvolvendo o Solar Roadways, um sistema que, se implementado, substituirá o asfalto das ruas e ciclovias por painéis solares e luzes LED cobertos por vidro reforçado e, segundo eles, reduziria em até 70% os acidentes de trânsito à noite. Além disso, a proposta conta com um sistema de aquecimento que ajudaria a derreter a neve.

Embora o vídeo do projeto tenha sido avisto por sete milhões de pessoas, algumas pessoas acham que seu alto custo pode ser uma barreira. De acordo com um dos desenvolvedores, 1,5 quilômetros destas ruas poderiam produzir energia para 428 lares nos EUA