1. ArchDaily
  2. Pritzker Prize

Pritzker Prize: O mais recente de arquitetura e notícia

Resultado: Se o próximo Pritzker fosse alguém que fala português, em quem você apostaria? Veja as sugestões que recebemos.

Há algumas semanas, apresentamos um panorama para encorajar nossos leitores e leitoras a imaginarem o seguinte: se o próximo Pritzker fosse alguém que fala português, em quem você apostaria?

Se o próximo Pritzker fosse alguém que fala português, em quem você apostaria?

Estamos próximos do anúncio do maior prêmio da arquitetura mundial. Abrimos aqui a discussão sobre quais seriam as arquitetas ou arquitetos que mereceriam esse prêmio nos países de língua portuguesa. Qual a sua opinião? 

Em foco: Toyo Ito

Toyo Ito, laureado com o Prêmio Pritzker em 2013, completa hoje 76 anos. Conhecido por seus espaços flexíveis que aguçam os sentidos humanos, Ito busca inspiração nas formas orgânicas da natureza, priorizando, em seus projetos, a fluidez entre o mundo natural e as formas construídas. A obra de Ito desafia definições; cada um de seus muitos trabalhos, do Domo Odate ou o White U à sua obra mais comentada, a Mediateca de Sendai, é único.

Conheça o trabalho do RCR Arquitectes, vencedores do Pritzker 2017, através de vídeos

O trabalho do escritório espanhol RCR Arquitectes, que acaba de receber o Prêmio Pritzker 2017, era, até então, pouco difundido no Brasil, restrito sobretudo à Europa e aos círculos acadêmicos. Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramon Vilalta mantêm seu escritório na pequena cidade de Olot, na região da Catalunha, há quase 30 anos, onde nasceram e estão construídas a maioria de suas obras. Como salientou o júri do Pritzker, uma de suas maiores qualidades é a de mostrar como os arquitetos podem ter "raízes firmes no local e os braços estendidos para o resto do mundo". Através da seleção de vídeos abaixo, é possível conhecer um pouco mais sobre a obra do escritório, e mais especificamente, apreciar a atmosfera de suas obras construídas.

Ramon Vilalta, do RCR Arquitectes, fala sobre receber o Pritzker e as ambições após a premiação

Há dois dias atrás, o ArchDaily teve a honra de entrevistar Ramon Vilalta, um dos três arquitetos agraciado com o Prêmio Pritzker de 2017. Vilalta nos ofereceu uma perspectiva única sobre a história por trás de sua colaboração com Rafael Aranda e Carme Pigem, e como sua conexão com a sua pequena cidade natal Olot, na Espanha, influenciou uma carreira que tem produzido projetos excepcionais em seu escritório RCR Arquitectes.

Como foi o início do escritório? Porque vocês se juntaram tão rápido após terem concluído a faculdade?

RV: Nesse sentido fomos pessoas bastante disciplinadas. Nós fizemos o curso rapidamente e depois de sair decidimos criar um escritório; tomar a decisão de enfrentar a arquitetura através da partilha, realmente compartilhando ela. Somos pessoas com personalidades diferentes, cada um é de uma maneira, mas o que sai da química dos três acho que nos torna especiais. É isso que sinto, uma grande decisão que não foi fácil de tomar naquele momento.

Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramon Vilalta vencem o Prêmio Pritzker 2017

Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramon Vilalta foram nomeados os vencedores do Prêmio Pritzker 2017. Seus projetos destacam a materialidade e as técnicas construtivas - fazendo intenso uso da cor, transparências e luz - e abrangem uma ampla gama de programas, de museus e teatros a escolas e residências.

Os três arquitetos, todos catalães e originários de Olot, trabalham conjuntamente como RCR Arquitectes desde 1988 e se formaram em arquitetura pela ETSAV (Escola Tècnica Superior d’Arquitectura del Vallès) um ano antes. Esta 39ª edição do Pritzker é a primeira vez em que três arquitetos são premiados simultaneamente a apenas a segunda vez que o prêmio é concedido a algum arquiteto espanhol - a primeira vez que isso ocorreu foi com a premiação de Rafael Moneo em 1996.

Quem são os RCR Arquitectes? 9 coisas que você deve saber sobre os vencedores do Prêmio Pritzker 2017

Hoje, o Pritzker, o prêmio mais importante da arquitetura, anunciou Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramon Vilalta, os três fundadores do escritório catalão RCR Arquitectes, como vencedores da edição de 2017. Como projetistas de uma arquitetura estilística e fisicamente local - o trabalho do RCR Arquitectes encontra-se principalmente na Catalunha, embora tenham desenvolvido recentemente projetos na França e na Bélgica - o escritório criou um forte perfil no nordeste da Espanha e uma espécie de culto entre os círculos acadêmicos em todo o mundo. No entanto, outros membros da comunidade arquitetônica se vêem forçados a procurar um mecanismo de busca mais próxima. Para essas pessoas, os seguintes 9 fatos ajudarão a obter as informações necessárias para entender aos mais novos ganhadores do Prêmio Pritzker de Arquitetura.

Mais um dia de alegria!

Para os oitenta anos de Álvaro Siza, em 2013, escrevi um texto para o jornal Público e a Ordem dos Arquitectos de Portugal. Falei no mestre utilizando palavras e expressões como luta corpo a corpo, capacidade de pensamento sincrético, treino de alta competição, intervenções cirúrgicas, serenidade, densidade, silêncio, combates, esforço, paciência, entusiasmo, reserva, prudência e medo, mas, principalmente, alegria.

"Frei Otto: Spanning The Future", um documentário sobre Frei Otto

Desde 2012 o documentário Frei Otto: Spanning The Future está em produção com colaboração do canal de televisão PBS CPT12. O filme busca traçar o perfil do arquiteto de renome internacional e engenheiro, Frei Otto, laureado com o Prêmio Pritzker 2015. Meio século atrás, Otto, que faleceu ontem durante a noite, tornou-se mundialmente famoso como o primeiro a utilizar estruturas tensionadas feitas de estrutura metálica e membranas leves.

Benedetta Tagliabue nomeada a nova jurada do Prêmio Pritzker

A arquiteta barcelonense Benedetta Tagliabue foi nomeada a mais nova jurada do Prêmio Pritzker de Arquitetura, juntando-se a Martha Thorne (diretora executiva), Peter Palumbo (presidente), Alejandro Aravena, Stephen Breyer, Yung Ho Chang, Kristin Feireiss, Glenn Murcutt, Juhani Pallasmaa e Ratan N. Tata.

Segundo descreveu Tom Pritzker, presidente da Hyatt Foundation, Tagliabue foi escolhida por seu "conhecimento profundo e internacional sobre o melhor da arquitetura de hoje", trazendo "novas perspectivas" ao júri. 

“O Prêmio Pritzker se tornou o prêmio que destaca as principais tendências na arquitetura", comentou Tagliabue. "Por mais de 35 anos, a qualidade da arquitetura em todas as escalas e independente do tamanho do escritório tem sido o valor mais destacado pelo prêmio. Sinto-me incrivelmente honrada por fazer parte do júri e estou ansiosa para compartilhar ideias e belos momentos com meus colegas."

Saiba mais sobre a nomeação de Tagliabue, a seguir.

Ao vivo de Amsterdã: Shigeru Ban é laureado na cerimônia de premiação do Pritzker

A cerimônia de premiação do Pritzker 2014, que concederá oficialmente o prêmio a Shigeru Ban, acontece hoje em Amsterdã, às 14h (horário de Brasília).

Prêmio Pritzker: Tornando arquitetos "starchitects" desde 1979 (Mas a que custo?)

O cobiçado título "vencedor do Prêmio Pritzker" é hoje mais ou menos sinônimo de "star-architect", um termo que eu detesto e que a maioria daqueles descritos como tal provavelmente consideram irritante e constrangedor. E com razão. Estrelato no sentido de celebridade não ajuda a causa da arquitetura. A esposa de Wang Shu, Lu Wenyu, disse o mesmo quando pediu para não ser nomeada "co-laureada" com seu marido. Em uma entrevista para El Pais, observou "Estou feliz de poder fazer a arquitetura que acredito que ajude a melhorar nossas cidades. Estou convencida de que falar sobre isto desperta o interesse nos outros - e não ser famoso."

É claro que o Prêmio Pritzker não pretende criar uma escola de arquitetos famosos por serem famosos, mas reconhecer, celebrar e apoiar o talento, persistência e talvez uma contribuição única à causa da arquitetura. Cada um dos vencedores do prêmio merece este reconhecimento quer concordemos ou não com a escolha de um destinatário individual.

A cultura da fama é gerada não tanto por instituições culturais altruístas, mas em grande parte por uma mídia deslumbrada que busca criar um elenco de personagens famosos para escrever sobre. Há, é claro, pressão dos editores para fazê-lo, temendo talvez que com qualquer outro assunto possam perder leitores famintos pela cultura de celebridades. Os críticos, é claro, recebem também um status de celebridade secundária através da associação a esta cultura do estrelato.

Por que Lu Wenyu renunciou ao Pritzker?

Em setembro deste ano foi realizado o oitavo Hay Festival, na cidade de Segovia, Espanha. O festival reuniu um interessante programa de atividades culturais, que este ano celebravam os 40 anos de relação entre a Espanha e a China, ocasião que atraiu o laureado do Pritzker 2012, Wang Shu. No entanto, Shu não apenas aceitou o convite, mas também participou de conferências e debates sobre a arquitetura contemporânea chinesa, juntamente com sua esposa, Lu Wenyu.

A arquiteta Lu Wenyu fundou, ao lado de Wang Shu, o escritório "Amateur Architecture" em 1998, e tem participado, juntamente com seu marido, de todos os projetos do estúdio. Por isto, a nomeação de Shu, apenas, para o Prêmio Pritzker causou reações diversas no mundo da arquitetura. Em ocasiões anteriores, o renomado prêmio já havia sido entregue a sócios, como em 2001 para Herzog & de Meuron, e em 2010 para o SANAA, estúdio liderado por Kazuyo Sejima e seu sócio e companheiro Ryue Nishizawa. Décadas antes, o Pritzker já havia experienciado um episódio polêmico ao entregar o prêmio exclusivamente a Robert Venturi, desmerecendo, assim, o trabalho conjunto que realizara com sua esposa e sócia Denise Scott Brown. Ressurge, então, a pergunta: Por que a esposa de Wang Shu e sócia fundadora do "Amateur Architecture" não havia recebido o prêmio Pritzker?

O Projeto Opera House: Contando a História do Ícone Australiano

Para coincidir com o 40º aniversário da conclusão de Sydney Opera House do arquiteto dinamarquês Jørn Utzon Sydney Opera House, O Projeto Opera House o leva para uma jornada desde o início do projeto em 1954 - conhecido como Projeto 218 - até a obra concluída em 2012, e todas as lutas pessoais, políticas e técnicas com que os projetistas foram confrontados. Conforme expresso por Sam Doust, escritor e diretor do projeto, a jornada épica é baseada em uma "aspiração à perfeição" e, em seguida, o "fracasso para alcançá-la".

Denise Scott Brown Exige o Reconhecimento pelo Pritzker

Durante um discurso no almoço de AJ Mulheres na Arquitetura em Londres na semana passada, Denise Scott Brown, ícone pós-moderno, exigiu ser reconhecida retrospectivamente por seu papel na premiação de Robert Venturi pelo Pritzker Prize de 1991, descrevendo a incapacidade do Pritzker em reconhecer seu envolvimento como algo "muito triste".

Embora no momento da concessão do Prêmio, Brown tinha co-parceria com o escritório Venturi Scott Brown and Associates por mais de 22 anos e tenha desempenhado um papel fundamental na evolução da teoria arquitetônica e do design juntamente com Venturi por mais de 30 anos, assim como foi co-autora do livro transformador da década de 1970, Aprendendo com Las Vegas, seu papel de "esposa" parece ter superado o papel de sócia igualitária quando o juri do Pritzker escolheu homenagear somente seu marido, Venturi.

Mais informações e uma petição online após o intervalo...

Toyo Ito e o Desing de Produtos

Sendai 2005 - Toyo ito
Sendai 2005 - Toyo ito

por Giuliano Pastorelli

Durante mais de 40 anos de carrera, vimos sempre em Toyo Ito uma busca constante por expandir os limites não só da arquitetura, mas também da forma, da tecnologia, dos materiais e como estas constantes inovações repercutiam no uso cotidiano de suas criações.

Dentro dessa busca, a carreira de Toyo Ito nos brinda uma interessante faceta: o design de produtos. Sua produção contempla peças de média e pequena escala, desde mobiliário até louças. Entre as empresas que possuem objetos assinados por Ito estão Oribe, Olivari, Horm e Alessi.

Cerimônia Pritzker Prize 2012: Wang Shu