1. ArchDaily
  2. Livro

Livro: O mais recente de arquitetura e notícia

Guia arquitetônico da África subsaariana: explorando a arquitetura de Bangui e Kinshasa

Quando olhamos para a arquitetura africana, vemos a diversidade arquitetônica de um continente moldado em sua forma atual, por uma combinação de fatores internos e externos. Ao analisar a arquitetura africana, há também uma tendência de certas regiões terem precedência sobre outras partes do continente. As obras modernistas tropicais de Maxwell Fry e Jane Drew em Gana e na Nigéria, por exemplo, são extremamente bem documentadas. Assim como a arquitetura da era colonial extremamente bem preservada da capital da Eritreia, Asmara. No entanto, parecem haver partes do continente que “escapam do radar” nas conversas sobre arquitetura africana — assim o livro Architectural Guide: Subsaharan Africa é uma adição bem-vinda aos estudos da arquitetura africana.

"Formgiving": novo livro do BIG explora a arquitetura de transformar ficção em realidade

Se alguma vez nos perguntarmos como será o futuro, tudo o que temos a fazer é olhar para o nosso passado e observar o quão longe avançamos desde milhares, centenas ou mesmo décadas atrás. A vida era radicalmente diferente naquela época e será tão diferente no futuro. E como sabemos que o futuro apenas se parece com o presente, temos a possibilidade de moldar o nosso futuro da maneira que quisermos. O mais recente livro publicado pela TASCHEN do BIG, Formgiving - Uma história do futuro arquitetônico explora o passado, o presente e o futuro, desenhando uma linha do tempo do ambiente, desde conceituar até construir a forma.

© Dubai Media OfficeCortesia de Rasmus Hjortshøj / BIGCortesia de TASCHENCortesia de TASCHEN+ 17

Livro reúne detalhes das arquiteturas anônimas residenciais de Curitiba

A maioria das paisagens urbanas que marcam nossas vidas é feita de casas populares, aquelas construídas no século 20 por imigrantes, artesãos e construtores anônimos. Porém, essa arquitetura vernacular cheia de afetividade, bons projetos e detalhes riquíssimos não é objeto de estudos tão frequentes como deveria. Mas isso começa a mudar. Pelo menos em Curitiba.

Os arquitetos Fábio Domingos Batista e Paula Domingos Fraiz Morais passaram meses se debruçando sobre a arquitetura residencial da capital paranaense e lançam agora um box de dois livros, o "Inventário de Arquitetura Residencial Curitibana", voltados ao grande público com detalhes da arquitetura de aproximadamente 160 casas de Curitiba, construídas de 1920 a 1960.

© Paula Morais© Paula Morais© Paula Morais© Paula Morais+ 16

Ruy Ohtake ganha livro monográfico pela Romano Guerra Editora

A Romano Guerra Editora e o Instituto Tomie Ohtake lançam um novo livro sobre a obra de Ruy Ohtake, trazendo aspectos ainda pouco explorados em outras publicações sobre o arquiteto. Segundo os organizadores Abilio Guerra e Silvana Romano Santos, “nas nove publicações monográficas anteriores, destacava-se a carência de desenhos técnicos consistentes e, graças ao acesso franco ao acervo do arquiteto, foi possível analisar e apresentar a complexidade dos projetos”.

Hotel Renaissance. Foto © Tatewaki NioOhtake Cultural. Foto © Tatewaki NioHeliópolis. Foto © Antonio SaggeseEdifício Quatiara. Foto © Tatewaki Nio+ 14

Des-Habitat: publicação questiona a relação entre o modernismo brasileiro e a arte indígena

Neste ensaio visual, Paulo Tavares intervém em Habitat, revista de artes e design editada pela arquiteta Lina Bo Bardi nos anos 1950. Habitat propagava não apenas imagens de arte e arquitetura moderna, mas também imagens de artefatos indígenas. Desta forma, simultaneamente apresentava ao seu público o vocabulário do modernismo e formas nativas de expressão cultural, alinhando-se aos imaginários primitivistas das vanguardas.

Ressignificando imagens e imaginários dominantes, Des-Habitat nos carrega através uma narrativa visual sobre a colonialidade da arquitetura moderna e suas mídias, abrindo um horizonte para a potencial descolonização de seus legados.

UFMT lança livro sobre tecnologias e arquiteturas indígenas em Mato Grosso

O Núcleo de Estudos e Pesquisas em Tecnologias Indígenas, o Tecnoíndia, criado pelo professor da UFMT, José Afonso Botura Portocarrero, arquiteto com doutorado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, e pela antropóloga aposentada pela UFMT, Maria Fátima Roberto Machado, doutora pelo Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, está lançando uma nova obra, reunindo artigos produzidos ao longo de 20 anos de pesquisa e ensino sobre tecnologias e arquitetura indígenas em Mato Grosso.

A arte de misturar os usos: a história de 10 edifícios mistos

Edifícios mistos são dispositivos urbanos que se caracterizam pela diversidade de usos. Eles compartilham uma existência repleta de obstáculos e contratempos e, aqueles que conseguem ser construídos, resistem como verdadeiros sobreviventes de uma espécie vigorosa que cresce em lugares de oportunidade, abrindo caminho através da especulação imobiliária.

West Village. Basis Yard / Jiakun Architects. Image Cortesia de a+t architecture publishers‘t KARREGAT / Frank van Klingeren. Image Cortesia de a+t architecture publishersBLOX / OMA. Image Cortesia de a+t architecture publishersAuditorium Building / Adler & Sullivan. Image Cortesia de a+t architecture publishers+ 21

Série fotográfica de Cássio Vasconcellos explora o caos das paisagens urbanas contemporâneas

Coletivos é um projeto desenvolvido pelo fotógrafo e artista brasileiro Cássio Campos Vasconcellos, uma série de fotos aéreas capturadas com um helicóptero. Lançado há aproximadamente cinco anos, o projeto consiste em imagens de grande formato retratando paisagens urbanas caóticas que revelam “situações contraditórias típicas de nossa época”. Com o objetivo de evidenciar o impacto da atividade humana na paisagem natural e urbana, Coletivos é uma espécie de pesquisa visual sobre a sociedade de consumo.

COLLECTIVES. Imagem © Cássio VasconcellosCOLLECTIVES. Imagem © Cássio VasconcellosCOLLECTIVES. Imagem © Cássio VasconcellosCOLLECTIVES. Imagem © Cássio Vasconcellos+ 18

Lançamento do livro "Manifestações da linguagem híbrida no design contemporâneo: fundamentos e aplicações"

É com grande prazer que convidamos para o lançamento do livro “Manifestações da linguagem híbrida no design contemporâneo: fundamentos e aplicações”!!!

Neste livro, buscamos evidenciar que os hibridismos no campo do design se manifestam através da linguagem dos produtos e se revelam por meio das formas, dos significados e das funções. Assim, a investigação de como os processos de hibridização se constituem no campo do design partiu das premissas de que (1) design é linguagem e (2) as linguagens na contemporaneidade têm-se manifestado cada vez mais por meios híbridos.

A tipologia da linguagem híbrida do design discutida nesta obra serve tanto como

Lançamento do livro "Arquitetura e Urbanismo em Juiz de Fora: bancos, clubes, museus e universidades"

É com grande prazer que lançamos o segundo volume do livro ""Arquitetura e Urbanismo em Juiz de Fora".

A proposta deste livro é trazer mais alguns resultados de estudos do Núcleo de Pesquisa Ágora (vinculado ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – FAU e ao Programa de Pós-Graduação em Ambiente Construído da Universidade Federal de Juiz de Fora – PROAC/UFJF) sobre a cidade de Juiz de Fora, dando continuidade ao trabalho que foi desenvolvido no volume 1, do livro de título homônimo “Arquitetura e Urbanismo em Juiz de Fora”.

Anteriormente, foram abordados

Lançamento do livro Gustavo Penna 73/83

No dia 23 de agosto, às 19h00, no IAB SP, o projeto Gustavo Penna 73/23 – 50 anos de Arquitetura, Desenho e Palavra, lança o primeiro volume da coleção de 5 livros que serão produzidos até 2023. O livro intitulado Gustavo Penna 73/83 trata da primeira década de produção do arquiteto, seus mestres, colegas de profissão, os primeiros anos do escritório e remonta um grande quebra-cabeças cronológico.

A publicação traz ao leitor análises de pesquisadores de diferentes escolas de arquitetura: Rosana Parisi, Esther Cervini de Melo, Larissa Pereira, João Marcelo Danza Gandini, da PUC Minas Poços de Caldas; Flávio Carsalade e

Subúrbios de concreto: a arquitetura brutalista da Europa Oriental

Após a Segunda Guerra Mundial, o brutalismo se espalhou pela Europa, redefinindo a arquitetura moderna e estabelecendo um novo estilo para moradias populares e edifícios comunitários. Embora a maior parte da atenção tenha se detido em monumentos nas principais cidades, os subúrbios europeus também abrigam muitos edifícios brutalistas excepcionais.

Para apresentar a arquitetura brutalista "despercebida" da Europa Central e Oriental, a editora Zupagrafika registrou e reuniu mais de 100 fotografias em um livro intitulado Eastern Blocks, convidando os leitores a explorar conjuntos habitacionais brutalistas em Moscou, Berlim Oriental, Varsóvia, Budapeste, Kiev e São Petersburgo.

© Zupagrafika© Zupagrafika© Zupagrafika© Zupagrafika+ 22

O peso da Terra

No próximo dia 12/04 sexta-feira as 19h no Museu da Cidade – MUCI – Fundição Lidgerwood, inaugura a exposição O Peso da Terra, primeira exposição individual do arquiteto e artista visual Alexandre Silveira. A exposição reúne uma seleção de obras, nas mais diferentes linguagens, dos últimos dez anos de produção dentro das artes visuais incluindo alguns trabalhos inéditos entre eles o vídeo O peso da Terra, filmado durante a residência artística realizada no Chão SLZ em 2015 em São Luís do Maranhão. Os trabalhos do artista, convergem na busca de uma saída frente ao ciclo de construções e ruínas da

Guia Global de Desenho de Ruas: O livro que todo estudante, arquiteto e urbanista deveria ler

O espaço público urbano entre dois maciços arquitetônicos é intitulado como rua. Por ela criamos uma relação entre veículos motorizados, não motorizados e pedestres. No relacionamento entre pedestres e veículos, o espaço público carece de uma série de sistemas à garantia da permanência, além de infraestrutura e segurança. Posto isso, o correto desenho de vias e entorno imediato público torna-se imprescindível. Indo além do que os olhos veem, redes de água, gás, eletricidade, telecomunicação, etc., são dispostas sob nossos pés sem que percebamos.

Lançamento do livro "Casacadabra: Cidades para Brincar" no SESC Av. Paulista

Segundo título da série mostra a cidade como um lugar de encontros e de brincadeiras; evento será no Sesc Avenida Paulista com atividade educativa. Gratuito.

São Paulo, 2018 – Falar sobre espaço público e urbanismo com as crianças de forma divertida: esta é a proposta do livro Casacadabra – Cidades para Brincar, que será lançado dia 11 de novembro (domingo) no Sesc Avenida Paulista, em São Paulo. O evento acontece das 12h às 16h, com uma atividade educativa com as crianças das 14h às 15h30.

Com texto de Bianca Antunes e Simone Sayegh, e ilustrações de Luísa Amoroso, este é o

Livro resgata a memória do arquiteto Hans Broos e sua contribuição à arquitetura brasileira

Nascido na Eslováquia em 1921, o arquiteto Hans Broos iniciou sua carreira no Brasil em 1953, após diplomar-se na Alemanha em 1949. Sua curta carreira europeia foi marcada pela reconstrução da Alemanha, quando trabalhou ao lado do arquiteto Egon Eiermann, sendo seu assistente na Universidade Técnica de Karlsruhe. Nesse período, Broos teve contato com Le Corbusier e seus preceitos da arquitetura moderna. Desde o princípio alinhado aos arquitetos do movimento moderno, Broos desenvolveu seus primeiros trabalhos em Blumenau e Florianópolis, em Santa Catarina, longe dos grandes centros brasileiros. Ao longo de sua vida profissional, o arquiteto sempre se debruçou sobre diversos tipos de programa: do residencial ao industrial, passando pelo religioso, pelo comercial e pelo social ao longo de mais de 50 anos de carreira e cerca de 400 projetos. Destes, aproximadamente 100 foram executados em vários estados como Santa Catarina, São Paulo, Pernambuco e Goiás. O arquiteto faleceu em 2011.

Snøhetta projeta biblioteca móvel para o London Design Festival de 2018

Para celebrar a primeira participação da Paddington Central no London Design Festival, o escritório de arquitetura Snøhetta desenvolveu o projeto de uma biblioteca rotativa patrocinado pela empresa britânica British Land. Os arquitetos procuraram reimaginar o espaço de uma biblioteca de rua, transformando-a em um espaço automatizado capaz de criar distintas espacialidades. Concebida como um pavilhão imersivo, o projeto da biblioteca móvel de Paddington pretende estimular a exploração, interação e reflexão dos visitantes.

Pavilhão do livro. Imagem Cortesia de SnøhettaPavilhão do livro. Imagem Cortesia de SnøhettaPavilhão do livro. Imagem Cortesia de SnøhettaPavilhão do livro. Imagem Cortesia de Snøhetta+ 9

Laura Carvalho lança "Valsa Brasileira" no IAB.pb, em João Pessoa

O Instituto de Arquitetos do Brasil, Departamento da Paraíba, tem o prazer de convidar toda a comunidade paraibana para o lançamento do livro Valsa Brasileira, da economista e professora da USP Laura Carvalho. O evento será aberto ao público!
_____

O livro:

Entre 2006 e 2017, a economia brasileira viveu numa montanha russa. Do segundo mandato de Lula ao impeachment de Dilma Rousseff, o país passou por alguns dos anos de maior prosperidade de sua história, mas também viveu uma crise sem precedentes. O que aconteceu? Este livro sugere uma resposta. Segundo a autora, os obstáculos para a continuidade do crescimento inclusivo de