1. ArchDaily
  2. Iluminação Artificial

Iluminação Artificial: O mais recente de arquitetura e notícia

Estratégias de iluminação artificial em projetos de interiores

A iluminação, seja ela natural ou artificial, é um dos elementos mais importantes da arquitetura, impactando diretamente na percepção dos espaços em geral. É a partir dela que se entende a relação entre dimensão, proporção e contrastes. É na ação dela que podemos ler as texturas, definir volumes e enfatizar cores. A arquitetura tem como um de seus desafios moldar espaços a partir da luz e sombra, sendo que muitas vezes é necessário conduzir a iluminação para além da natural, introduzindo e controlando outras fontes de luz.

 Loft Solar / Talita Nogueira Arquitetura. Image © Eduardo MacariosLoja Fast Shop Lifestyle Ibirapuera / Kengo Kuma & Associates. Image © Nelson KonClínica MJanson Ortodontia / Caracho Arquitetos. Image © Daniel SantoLoja Conceito da Dengo Chocolates / Matheus Farah + Manoel Maia Arquitetura. Image © Fran Parente+ 26

Para além da iluminação artificial: museus que exploram os benefícios da luz natural

O desenvolvimento de um projeto de iluminação para os espaços expositivos de museus pode revelar-se uma tarefa bastante desafiadora, pois, ao mesmo tempo, a luz deve ser responsável por valorizar o espaço, preservar ao máximo a integridade das obras e enfatizá-las de forma a fornecer ao visitante as melhores condições para a sua fruição.

Além de possuir o mais alto CRI (Índice de reprodução de cor), a luz solar atribui uma sensação de conforto e bem-estar aos usuários de determinado espaço. Assim, em espaços expositivos, a iluminação natural é importante tanto para revelar com precisão as cores dos objetos expostos — o que adquire particular relevância ao tratar-se de obras de arte — como para proporcionar uma maior sensação de conforto aos visitantes, possibilitando uma leitura clara daquilo que está exposto.

Museu Jumex / David Chipperfield Architects. Imagem: © Simon MengesMuseu Cantonal de Belas Artes / BAROZZI VEIGA. Imagem: © Simon MengesMuseu de História Natural Yingliang Stone / Atelier Alter Architects. Cortesia de Atelier Alter ArchitectsMuseu de Belas Artes das Astúrias / Francisco Mangado. Imagem: © Pedro Pegenaute+ 13

As possibilidades da iluminação artificial para melhorar (ou piorar) a arquitetura

Das diferentes etapas que regem o trabalho em arquitetura ou interiores, a iluminação é algo capaz de valorizar ou destruir visualmente um espaço concebido. Isso porque existem diferentes possibilidades de iluminação artificial e fontes de luz pensadas para as mais diferentes tarefas, ambientes e finalidades dentro de um espaço interno ou mesmo, externos, como em fachadas e projetos paisagísticos. Pensemos em dois ambientes com as mesmas dimensões e layout. Suponhamos que no primeiro, fosse aplicado apenas um ponto de luz – geral no caso – enquanto no segundo fosse realizado um projeto luminotécnico considerando cada um dos usos do espaço, valorizando determinados aspectos. Sem dúvidas, a segunda opção constitui-se de um espaço mais agradável. Da mesma forma que um projeto luminotécnico equivocado pode estragar um espaço. Mas como é possível atingir esses diferentes resultados?

Neste artigo já aprendemos como calcular a intensidade de luz necessária para cada ambiente. Aqui, de maneira prática, compilamos a seguir uma lista com alguns dos conceitos-chave para os diferentes tipos de sistemas de iluminação.