O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. As possibilidades da iluminação artificial para melhorar (ou piorar) a arquitetura

As possibilidades da iluminação artificial para melhorar (ou piorar) a arquitetura

As possibilidades da iluminação artificial para melhorar (ou piorar) a arquitetura

Das diferentes etapas que regem o trabalho em arquitetura ou interiores, a iluminação é algo capaz de valorizar ou destruir visualmente um espaço concebido. Isso porque existem diferentes possibilidades de iluminação artificial e fontes de luz pensadas para as mais diferentes tarefas, ambientes e finalidades dentro de um espaço interno ou mesmo, externos, como em fachadas e projetos paisagísticos. Pensemos em dois ambientes com as mesmas dimensões e layout. Suponhamos que no primeiro, fosse aplicado apenas um ponto de luz – geral no caso – enquanto no segundo fosse realizado um projeto luminotécnico considerando cada um dos usos do espaço, valorizando determinados aspectos. Sem dúvidas, a segunda opção constitui-se de um espaço mais agradável. Da mesma forma que um projeto luminotécnico equivocado pode estragar um espaço. Mas como é possível atingir esses diferentes resultados?

Neste artigo já aprendemos como calcular a intensidade de luz necessária para cada ambiente. Aqui, de maneira prática, compilamos a seguir uma lista com alguns dos conceitos-chave para os diferentes tipos de sistemas de iluminação.

Iluminação direta

Iluminação direta. Image © Matheus Pereira
Iluminação direta. Image © Matheus Pereira

A iluminação direta é aquela em que o fluxo luminoso incide diretamente sobre uma superfície, permitindo que não haja perdas percentuais lumínica por absorção das paredes ou forro. De maneira prática, é aquela utilizada para áreas de trabalho ou tarefa, como bancadas de cozinhas, áreas de serviço, mesas de escritórios, etc.

Deve ser utilizada com cautela, já que pode tornar-se visualmente cansativa, posto que tende a criar sombras “duras”. Vale pontuar que este sistema não é adequado ser posicionado sobre superfícies que emitam brilho ou reflexo, como espelhos ou vidros.

© Tinnaphop Chawatin
© Tinnaphop Chawatin

Iluminação indireta

Iluminação indireta. Image © Matheus Pereira
Iluminação indireta. Image © Matheus Pereira

Diferente do caso anterior, este sistema lumínico direciona a fonte luminosa a outro anteparo, de modo que parte da luz seja absorvida e que outra parte seja refletida na direção contrária, produzindo uma luz suave sem grandes cargas lumínica sobre uma superfície. Portanto, em síntese, podemos dizer que a luz é refletida na superfície e somente depois se amplia por todo o ambiente.

© Jonathan Friedman
© Jonathan Friedman

No geral, transmite conforto e bem estar visual, frequentemente aplicada em espaços de relaxamento como salas de estar, dormitórios, hospitais e spas.

Iluminação difusa

Iluminação difusa. Image © Matheus Pereira
Iluminação difusa. Image © Matheus Pereira

Nesta, o fluxo luminoso de uma fonte passa por um elemento difusor (que pode ser um vidro leitoso ou uma chapa de acrílico, por exemplo), sendo dirigido a todas as direções, sem fachos de luz. O sistema apresenta poucas variações de zonas de sombra e boa parte da intensidade lumínica chega à superfície por reflexão do teto e paredes, e portanto torna a iluminação do ambiente bastante homogênea.

© Fernando Lazlo
© Fernando Lazlo

Iluminação de efeito

Iluminação de efeito. Image © Matheus Pereira
Iluminação de efeito. Image © Matheus Pereira

Neste sistema a fonte luminosa mantém-se embutida no forro ou em algum elemento arquitetônico e serve para evidenciar apenas a luz em si, conformando um efeito dramático. É frequentemente utilizada a ambientes internos em sancas e nos ambientes externos no paisagismo ou fachadas.

© Atelier XYZ
© Atelier XYZ

Iluminação de destaque

Iluminação  de destaque. Image © Matheus Pereira
Iluminação de destaque. Image © Matheus Pereira

Indicada a iluminar pontos ou zonas de interesse, esse sistema lumínico apresenta a fonte luminosa posicionada de modo direto sobre um objeto em destaque, como quadros ou esculturas, por exemplo. Frequentemente empregada em ambientes residenciais e comerciais, mas também em espaços museográficos. Indica-se que sejam adotadas lâmpadas corretas a cada situação, pois pela projeção direta da luz, certas lâmpadas tendem a elevar a temperatura sob a peça, ocasionando deterioração.

© Nelson Kon
© Nelson Kon

Wall Washing

Wall washing. Image © Matheus Pereira
Wall washing. Image © Matheus Pereira

Como efeito cênico de iluminação, é aquele que ao empregar uma série de pontos de luz de modo seriado ou por meio de uma fita de led, produz as chamadas “lavagens de luz” sobre a superfície. É ideal para destacar fachadas e valorizar a arquitetura.

Cortesia de Studio MK27
Cortesia de Studio MK27
Sobre este autor
Matheus Pereira
Autor
Cita: Matheus Pereira. "As possibilidades da iluminação artificial para melhorar (ou piorar) a arquitetura" 12 Jul 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/898026/as-possibilidades-da-iluminacao-artificial-para-melhorar-ou-piorar-a-arquitetura> ISSN 0719-8906