Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Feminismo

Feminismo: O mais recente de arquitetura e notícia

Representatividade importa: conheça 31 arquitetas negras

08:00 - 8 Março, 2019

Mulheres pensam, planejam e constroem nossos edifícios e cidades, nossos espaços de vida. Contudo, a igualdade de gênero ainda não é uma realidade em diversas práticas sociais e profissionais. Constatamos isso diante da violência física e psicológica sofrida pelas mulheres, da falta de reconhecimento, das imposições ocupacionais, diferenças salariais, além de tantas outras. Esse panorama diz respeito às mulheres de todo o mundo, mas também dentro da arquitetura há estatísticas que comprovam como as mulheres ainda não são valorizadas social e profissionalmente.

Dentro desse quadro de desvalorização e desigualdade, as mulheres negras enfrentam um panorama de invisibilidade ainda maior. O preconceito racial enraizado em nossa sociedade, assim como as oportunidades ainda segmentadas geram uma disparidade de quantidade e reconhecimento de profissionais negras nos cursos e áreas de atuação da Arquitetura e do urbanismo.

9 lições para enfrentar a Arquitetura depois de sair da universidade

06:00 - 11 Fevereiro, 2019

Você prepara seu trabalho final de graduação por um longo tempo. Sonha muito com a apresentação, com a banca, com o projeto, com sua maquete, com o memorial, com as suas palavras. Avança, mas crê que será péssimo. Logo sente que não, que será um êxito e que tudo terá valido a pena. E logo tudo se repete e tens vontade de suicidar-se. Que isso é uma montanha russa e não sabes quando tudo acabará. 

Até que chega o dia. Você apresentar seu projeto. Explica suas ideias. A banca faz perguntas. Você responde. Você percebe que sabe mais do que pensava e que nenhum de seus sonhos constantes durante o ano não estiveram perto do que realmente aconteceu no exame. A banca murmura. Acaba a apresentação e te pedem que saia por um tempo. Ali você espera uma eternidade, minutos que rastejam lentamente. Passa, por favor. A comissão recita uma breve introdução e você não pode deduzir se foi bem ou mal. A comissão vai direto ao ponto. Você passou! Parabéns, você é um novo colega e todos te felicitam pela sua realização. A alegria invade você, apesar do cansaço que vêm arrastando. A adrenalina baixa. Passam-se semanas ou meses para ter um descanso merecido. E você começa a se perguntar: e agora?

A universidade -essa instituição que te forma como profissional- te entrega o diploma e agora você enfrentará o mercado de trabalho pela primeira vez (se é que nunca trabalhou antes). Antes de sair e definir suas próprias métricas de êxito pessoal (o êxito já não é medido em avaliações acadêmicas), compartilhamos com você 9 lições para enfrentar o mundo, agora que você é uma arquiteta ou um arquiteto.

Djamila Ribeiro e Juliana Borges lançam livros da coleção Feminismos Plurais

08:00 - 16 Abril, 2018
Djamila Ribeiro e Juliana Borges lançam livros da coleção Feminismos Plurais, Djamila Ribeiro e Juliana Borges fazem lançamento de livros em João Pessoa. (foto Djamila: RICARDO MATSUKAWA / foto Juliana: Cauê Gomes-Carta Capital)
Djamila Ribeiro e Juliana Borges fazem lançamento de livros em João Pessoa. (foto Djamila: RICARDO MATSUKAWA / foto Juliana: Cauê Gomes-Carta Capital)

Juliana Borges e Djamila Ribeiro protagonizarão a noite de 26/04 no palco da Semana Acadêmica de Arquitetura e Urbanismo do IESP, a SAAU'18, em João Pessoa. Ao lado de outros nomes de referência na militância feminista, a Deputada Estadual Estela Bezerra (PB) e a advogada Liana Cirne Lins (PE), ambas conduzirão uma discussão sobre as invisibilidades sociais no processo de produção da cidade contemporânea. A mediação do debate ficará a cargo da arquiteta, urbanista e atriz, Natália Sá (PB). Além disso, Juliana e Djamila farão o lançamento dos seus respectivos livros, “O que é encarceramento em massa?” e “O

Uma cidade coletiva é uma cidade feminista

15:00 - 12 Abril, 2018
Uma cidade coletiva é uma cidade feminista, Berlim, 2015. Imagem © Ana Asensio
Berlim, 2015. Imagem © Ana Asensio

A Fundación Arquia, junto à arquiteta Ana Asensio, nos convida a pensar em como foram desenhadas -até agora- as cidades; espaços de fricção que foram concebidos sem igualdade de participação na tomada de decisões e que, portanto, nos levam a falar de feminismo.

Acção! Oficina de Urbanismo Feminista

06:00 - 20 Março, 2018
Acção! Oficina de Urbanismo Feminista, Evento enquadrado pelo 1.º Festival Feminista de Lisboa
Evento enquadrado pelo 1.º Festival Feminista de Lisboa

A concretização e a vida das cidades são reflexos das estruturas de poder e decisão das sociedades que a sustentam. Assim, numa sociedade patriarcal será que se pode esperar que as mulheres tenham efetivo espaço, voz e ação nas decisões que configuram os seus quotidianos? Colocando esta questão como base, propõe-se aplicar uma metodologia participativa, com enfoque feminista, para perceber, da pluralidade das participações, o que são, entre outras, as estratégias de: 1. Invisibilização das estruturas de poder urbanas opressivas; 2. Consolidação física das desigualdades; 3. Questionamento e identificação das opressões urbanas; 4. Respostas e reações às condicionantes e 5. Avaliação dos processos em desenvolvimento. Toda estas questões são trabalhadas in situ. As cidades, os bairros, as ruas são os próprios campos de trabalho, reflexão e proposição, também campos de batalha.

Perspectivas Feministas sobre as Práticas Espaciais

05:30 - 20 Março, 2018
Perspectivas Feministas sobre as Práticas Espaciais

Na Arquitectura portuguesa, a procura pelo entendimento sobre a lenta integração das mulheres no exercício da profissão é uma discussão recente. Contudo, os debates sobre Mulheres em Arquitectura ou sobre as relações entre Feminismo e Arquitectura começaram pelo menos nos anos 70 e não se esgotam nos direitos das mulheres. Têm-se materializado em encontros, bibliografia, percursos individuais e colectivos que contribuem para a transformação teórica e prática da Arquitectura.
As três arquitectas convidadas, Gabriela Salhes e Lia Antunes têm construído percursos em diferentes áreas da prática arquitectónica. É sobre o que é mais concreto; as formas, os meios, os intervenientes

Gênero e estudos urbanos, uma conciliação necessária

12:00 - 11 Outubro, 2017
Gênero e estudos urbanos, uma conciliação necessária, ‘Marcha Internacional “Mundos de Mulheres por Direitos” em Florianópolis, Seminário Internacional Fazendo Gênero 11, 2017 . Image © Diana Helene
‘Marcha Internacional “Mundos de Mulheres por Direitos” em Florianópolis, Seminário Internacional Fazendo Gênero 11, 2017 . Image © Diana Helene

Algumas iniciativas recentes demonstram o ressurgimento do movimento feminista em uma nova onda [1] que tem afetado diversos campos da sociedade brasileira. Toda essa movimentação de debates e ações realizadas pelas lutas das mulheres tem reverberado em diferentes áreas do conhecimento, e a arquitetura e urbanismo não estão de fora. No campo da arquitetura, por exemplo, se destaca a criação do grupo “Arquitetas invisíveis”, em Brasília (2014), um grupo voltado para dar visibilidade a prática arquitetônica de mulheres. Assim como o surgimento de alguns grupos pesquisa, trabalhos de graduação, dissertações, teses e debates públicos sobre a questão. Iniciativas especialmente de estudantes e jovens arquitetas.

Arquitetura na periferia: ajude a capacitar mulheres em serviços de construção

06:30 - 2 Outubro, 2017
Arquitetura na periferia: ajude a capacitar mulheres em serviços de construção, © Carina Guedes e Pedro Thiago
© Carina Guedes e Pedro Thiago

O déficit de moradia sempre foi um pesadelo para as famílias de baixa renda. No Brasil golpeado a questão se agrava e gera muito sofrimento, principalmente, para mulheres e crianças.

Para fugir da asfixia do aluguel, a busca por um teto finca na terra bruta das periferias a estaca do sonho da casa.

Arquitetas e Arquitetura na América Latina do Século XX / Ana Gabriela Godinho Lima

14:00 - 22 Outubro, 2016
Arquitetas e Arquitetura na América Latina do Século XX / Ana Gabriela Godinho Lima, Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Ana Gabriela Godinho Lima, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo do Mackenzie, realizou um levantamento da atuação das arquitetas latino-americanas do século XX, no campo da produção teórica e prática do edifício, que gerou o livro "Arquitetas e Arquitetura na América Latina do Século XX".

Veja o livro completo e saiba mais, a seguir.

Mulheres no espaço urbano: como fazer cidades melhores para elas?

14:00 - 4 Julho, 2016
Mulheres no espaço urbano: como fazer cidades melhores para elas?, © Tatiane Melo
© Tatiane Melo

Texto por Mariana Morais e Bruno Avila

Mulheres segregadas em vagões de metrôs exclusivos; locais coletivos que reprimem a necessária amamentação; dominação masculina nos espaços públicos. Uma sociedade excludente produzirá cidades excludentes. Quem nunca ouviu que “rua não é lugar de menina”? As conquistas do espaço das mulheres na nossa sociedade podem ser recentes, mas a necessidade de melhorar o modo como as cidades as acolhem é urgente.

Mulheres e Arquitetura Moderna: II Seminário de Pesquisa do NEG

16:00 - 8 Março, 2016
Mulheres e Arquitetura Moderna: II Seminário de Pesquisa do NEG , Banner do evento. Designer: Eduardo Nóbrega.
Banner do evento. Designer: Eduardo Nóbrega.

Aproveitando o mês de março e o dia internacional da mulher, o Núcleo de Estudos em Espaço e Gênero (NEG) convida a todos e todas a participarem do evento "Mulheres e Arquitetura Moderna: II Seminário de Pesquisa do NEG", que acontecerá no dia 11 de março, das 9h às 12h, no Auditório Evaldo Coutinho do Centro de Artes e Comunicação (CAC), na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

15 projetos liderados por mulheres

10:00 - 8 Março, 2016

Zaha Hadid, Di Zhang, Carme Pinos, Jeanne Gang, Carla Juaçaba, Bia Lessa, Elisabete de Oliveira Saldanha, Sandra Barclay, Kazuyo Sejima, Sharon Davis, Elisa Burnazzi,Tatiana Bilbao, Jô Vasconcellos, Odile Decq, María Victoria Besonías, Lina Bo Bardi. Arquitetas. Mulheres.

Se antes as arquitetas eram invisíveis, agora elas possuem seus trabalhos reconhecidos. Sabemos que o campo da Arquitetura ainda é desigual e há muito o que batalhar para alcançar a igualdade de gêneros, no entanto acreditamos que cada vez mais as mulheres demonstram sua importância para a profissão e queremos encorajar ainda mais este ato ao apresentar quinze projetos do nosso arquivo que foram feitos por elas.

Esta seleção traz um panorama vasto do trabalho feminino. Há edifícios criados pelas únicas mulheres vencedoras do Prêmio Pritzker - Zaha Hadid e Kazuyo Sejima -, passando por outros que venceram o "Building of the Year 2016" - projetados por Sharon Davis Design e Elisabete de Oliveira Saldanha - e seguindo por obras presentes em contextos completamente distintos e projetos não tão famosos, mas nem por isso de menor qualidade. Estes são exemplos que demonstram todo o potencial existente em cada arquiteta e ao apresentar eles pretendemos inspirar a todos.

Veja todos os projetos, a seguir.

Público e privado, masculino e feminino / Gabriela Cascelli

05:00 - 8 Março, 2016
 Público e privado, masculino e feminino / Gabriela Cascelli, Wood & Paint. Image © www.strook.eu
Wood & Paint. Image © www.strook.eu

Arquiteta e urbanista formada pela UnB, Gabriela Cascelli é uma das fundadoras do coletivo Arquitetas Invisíveis. Num esforço de iniciar uma discussão sobre arquitetura, urbanismo e gênero, ela escreveu este texto no qual pretende debater questões de contrastes entre o "público e privado" e o "masculino e feminino", presentes na construção social e urbana.

Leia o texto, a seguir.

Porque espaços não deveriam ser descritos como "masculinos" ou "femininos"

15:00 - 13 Janeiro, 2015
Porque espaços não deveriam ser descritos como "masculinos" ou "femininos", O projeto de interiores de quartos é frequentemente descrito como "feminino". Imagem © robinimages2013 via Shutterstock
O projeto de interiores de quartos é frequentemente descrito como "feminino". Imagem © robinimages2013 via Shutterstock

Qual é a palavra mais mal usada no mundo da escrita arquitetônica? Seria "icônico"? Ou talvez "inovador"? A equipe do Curbed tem uma opinião: referir-se aos espaços como "masculino" ou "feminino". Em um artigo publicado mês passado, eles dizem que "as pessoas que escrevem sobre decoração deveriam parar de descrever espaços com terminologias de gênero", argumentando o seguinte: "Digamos que dois espaços foram descritos em um blog de decoração, e um foi descrito como masculino e o outro como feminino. Qual deles tem paredes brancas? Qual tem piso de concreto aparente? ... Se essas questões forem fáceis de responder, estamos na esfera dos estereótipos."