1. ArchDaily
  2. Meio Ambiente

Meio Ambiente: O mais recente de arquitetura e notícia

Vaticano publica mais de 200 "mandamentos" para proteção ambiental do planeta

No dia 18 de junho, quinto aniversário da publicação de Laudato Si – encíclica do Papa Francisco que apela à unificação global no combate às mudanças climáticas – o Vaticano publica novas diretrizes com mais de 200 recomendações em defesa do ambiente.

O documento intitulado “Caminhando em direção ao cuidado de nosso lar comum: cinco anos depois de Laudato Si” sugere medidas práticas para conter o aquecimento global e faz alertas severos contra os perigos da degradação ambiental. O documento convida o mundo a descarbonizar os setores energético e econômico, tornando as energias renováveis acessíveis a todos, e pede uma reforma dos subsídios aos combustíveis fósseis e tributação das emissões de CO2. 

Como o Brasil pós-COVID-19 tratará os resíduos sólidos urbanos?

No Dia Mundial do Meio Ambiente, lhe perguntamos: Você sabe para onde vai o “lixo” da sua casa? Como as cidades lidam com as toneladas de materiais eliminados diariamente? Tudo o que você joga “fora” deveria ser desperdiçado ao ser destinado para aterros sanitários?

A crise do coronavírus vem nos mostrando que certas atitudes, políticas e práticas devem ser abandonadas se quisermos ter um outro futuro. Socialmente, e também ambientalmente. Porém, a responsabilidade não é apenas individual. Para falar do futuro dos resíduos nas cidades é preciso jogar luz no fio da história recente, a construção da Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS, aprovada em 2010 e nos desafios para sua implementação.

Sem turistas, canais de Veneza voltam a ter água cristalina

A propagação do coronavírus está afetando todo o mundo e a previsão é que enfrentemos momentos difíceis. Mas, com a diminuição da circulação de pessoas, muitas cidades estão experimentando uma diminuição significativa em seus problemas ambientais.

Sem água na obra: 11 projetos que utilizam técnicas de construção seca

Bar Mundial / Apiacás Arquitetos. Imagem: © Leonardo Finotti
Bar Mundial / Apiacás Arquitetos. Imagem: © Leonardo Finotti

Muito se discute a respeito das formas de reduzir o impacto ambiental que o mercado da construção civil gera, seja pelos resíduos que as atividades de canteiro tradicionais produzem, ou, ainda, pelo consumo de água vinculado aos processos produtivos que alguns tipos de edificação demandam. Os atuais movimentos de revisão destes parâmetros tradicionais da construção são impulsionados pela pauta ecológica, mas também, e talvez, sobretudo, respondem às possibilidades de melhorar a logística e rentabilidade dos processos do canteiro, tornando as obras mais ágeis e econômicas para quem constrói. A construção a seco é uma alternativa à qual o mercado tem recorrido, já que se trata de uma opção que promove uma obra rápida, limpa, eficiente e, em geral, com menor demanda material.

Rede de polinizadores urbanos: arquitetura a serviço da conservação socioambiental em Salvador

Trata-se de um projeto que envolve “arquitetura não solicitada” motivado pela busca da pratica profissional de efetiva contribuição, por um compromisso ético de difusão do campo da arquitetura e do urbanismo e pelo enfrentamento, com uma perspectiva diferenciada, positiva e transversal multidisciplinar, dos prementes desafios que hoje se apresentam na escala local - global.

Veja o aumento da temperatura nas maiores cidades do mundo até 2050

Em 2050, o clima em Madri será muito semelhante ao atual clima de Marrakech no Marrocos. Estocolmo será mais parecida com Budapeste, Londres a Barcelona, ​​Moscou com Sofia, o clima em Seattle será como em San Francisco enquanto que Tóquio, apresentará condições climáticas como aquelas da cidade de Changsha, na China.

A pesquisa "entendendo as mudanças climáticas a partir de uma análise global entre cidades" publicada na revista científica PLOS ONE pelo The Crowther Lab da ETH Zurich, nos apresenta uma visão de futuro bastante preocupante.

Simpósio "Arquitetura e Desafios Ambientais"

PLATAFORMA DA ESCOLA DA CIDADE PROMOVE SIMPÓSIO SOBRE DESAFIOS AMBIENTAIS

Encontro que acontece em maio discute a responsabilidade ambiental na decisão de projeto de arquitetura e urbanismo. Inscrições abertas

O Simpósio 'Arquitetura e Desafios Ambientais' acontece de 13 a 17 de maio, e visa contribuir para a conscientização, por parte dos agentes transformadores da cidade (arquitetos, construtores, incorporadores e investidores), sobre o impacto da ação do homem no globo e a necessidade de mudança na maneira como construímos e vivemos. Para tanto, são convidados para debater alguns representantes de diferentes formações, com várias entradas quanto ao grande tema dos Desafios Ambientais. O

Por um meio ambiente mais arRUAdor

Porventura não haverá conceito tão mais genérico e abrangente quanto impessoal e difícil de consensualizar como o meio ambiente (fixando a atenção na própria definição de meio ambiente da Conferência das Nações Unidas – o meio ambiente é o conjunto de componentes físicas, químicas, biológicas e sociais capazes de causar efeitos diretos e indiretos, em prazo curto ou longo, sobre os seres vivos e as atividades humanas – e descobrimos, de imediato, que a pacificação de um suporte conceitual comum e assertivo é difícil de atingir e de generalizar o seu reconhecimento…)

Roda-gigante de Balneário Camboriú viola legislação ambiental, diz Ministério Público de SC

O projeto que propõe a construção da maior roda-gigante da América do Sul em Balneário Camboriú (SC) passou por mais uma audiência pública nesta segunda-feira (11), desta vez para apresentação do Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) da obra, que prevê a construção de um complexo com 57,2 mil m² na região da Praia do Coco.

Alemanha sugere transporte público gratuito para reduzir poluição

Até o final de 2018, ao menos cinco cidades na Alemanha poderão testar uma maneira exemplar de combater a poluição. O teste consistirá no desestímulo ao veículo privado ao passo que o transporte público será de graça. Uma solução que hoje é adotada em poucos lugares.

Bonn, Essen, Herrenberg, Reutlingen e Mannheim são as cidades alemãs que fazem parte da proposta elaborada pelo governo federal. “Estamos considerando disponibilizar transporte público gratuito para reduzir o número de carros particulares”, afirmam ministros alemãs em uma carta enviada à Comissão Europeia. “A luta contra a poluição do ar efetivamente sem atrasos desnecessários é a maior prioridade para a Alemanha”, diz ainda o documento.  

8 Materiais biodegradáveis que o setor da construção civil precisa conhecer

Na arquitetura, estamos tão envolvidos na criação de coisas novas que muitas vezes esquecemos o que acontece no final do ciclo de vida de um edifício - a infeliz e inevitável demolição. Podemos querer que nossos prédios sejam atemporais e vivam para sempre, mas a dura realidade é que eles não são. Então, para onde espera-se que todo o lixo vá?

Assim como a maioria dos resíduos não recicláveis, eles acabam nos aterros e, como a terra necessária para esse tipo de infraestrutura torna-se um recurso cada vez mais escasso, precisamos encontrar soluções alternativas. Todos os anos, apenas no Reino Unido, 70 a 105 milhões de toneladas de resíduos são criados a partir da demolição de edifícios, e apenas 20% disso é biodegradável, de acordo com um estudo realizado pela Universidade de Cardiff. Com um projeto inteligente e uma melhor percepção dos materiais biodegradáveis disponíveis na construção, cabe a nós, arquitetos, tomarmos as decisões corretas durante toda a vida útil de um edifício.

Curso explica os impactos das tecnologias digitais no ambiente

Esse curso oferece um panorama histórico do desenvolvimento das tecnologias de comunicação digitais e sua relação com o espaço urbano. Também iremos entender por que hoje existe um movimento chamado "cidades inteligentes" e quais as implicações e limites da distribuição dessa "inteligência" nas cidades.
Nosso objetivo é fornecer aos cursantes ferramentas críticas para interpretação e intervenção em ambientes urbanos hiperconectados.
O curso é relevante para arquitetos, urbanistas, designers, comunicadores, professores, e todos aqueles que estão buscando entender os impactos socioambientais das tecnologias digitais.

A próxima crise da sustentabilidade: nós estamos usando tanta areia que ela pode realmente acabar

Objects made of Finite, a material developed by students from Imperial College London using desert sand. Image © Finite
Objects made of Finite, a material developed by students from Imperial College London using desert sand. Image © Finite

A areia é o recurso natural mais consumido no mundo depois da água e do ar. Cidades modernas são construídas a partir dela. Somente na indústria da construção, estima-se que 25 bilhões de toneladas de areia e cascalho sejam utilizados a cada ano. Isso pode soar muito, mas não é um número surpreendente quando você considerar como quase tudo o que está ao seu redor provavelmente tem o material em sua constituição.

Mas está se esgotando.

Este é um fato assustador para se pensar quando você percebe que a areia é necessária para fazer tanto concreto como asfalto, para não mencionar todos os vidros do planeta. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente descobriu que de 2011 a 2013, somente a China usou-se mais cimento do que os Estados Unidos usaram em todo o século 20 e em 2012, o mundo usou concreto suficiente para construir uma parede ao redor da Linha do Equador com 27 metros de altura e 27 metros de espessura.

Maior purificador de ar do mundo é testado na cidade de Xi'an na China

A torre de purificação de ar de 100 metros de altura construída na cidade de Xi'an na China - considerada o maior purificador de ar do mundo - melhorou consideravelmente a qualidade do ar da cidade, como sugerem os dados que estão sendo avaliados desde o início de sua operação.

Segundo pesquisadores do Institute of Earth Environment da Academia Chinesa de Ciências, a estrutura é capaz de filtrar até 10 milhões de metros cúbicos de ar por dia. Uma área de observação de 10 quilômetros quadrados está sendo monitorada. Os níveis de smog foram reduzidos à níveis moderados, até mesmo nos piores dias, uma considerável melhora em relação às péssimas condições as quais a cidade tem sido submetida ao longo dos últimos anos.

Nova Iorque é a primeira cidade a exigir que edifícios reduzam emissões de gases de efeito estufa

Recentemente, o prefeito de Nova Iorque, Bill de Blasio, anunciou novas regras para reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa da cidade. A ideia é fazer com que os proprietários dos edifícios modernizem seus prédios com projetos que visem a redução do impacto ambiental.

A queima de combustíveis fósseis utilizados para disponibilizar calefação e água quente em edifícios é a maior fonte de emissão de gases de efeito estufa da cidade de Nova Iorque. Em breve, espera-se que haja melhorias em aquecedores de água quente, telhados e janelas, caldeiras e sistemas de distribuição de calor.

What Design Can Do São Paulo aponta saídas para a bolha climática

O What Design Can Do São Paulo – WDCD SP volta ao Brasil destacando o impacto social do design. A conferência anual se dedicará à questão mais importante de nosso tempo: as mudanças climáticas. Palestrantes de renome de todas as disciplinas do design farão parte do evento e irão explorar o papel que o design pode cumprir. Em paralelo, a Violência contra a Mulher segue sendo tema de pesquisa do evento.

Neste ano, a conferência será mais dinâmica do que nunca, com um expressivo conjunto de palestrantes do Brasil e do mundo. Incluindo o designer de comunicação Naresh Ramchandani (Pentagram

Concurso Nacional de Ideias para o Parque do Cocó

O Concurso Nacional de Ideias para o recém-regulamentado Parque Estadual do Cocó foi lançado oficialmente no dia 5 de julho, no Centro de Referência do equipamento, pelo governador do Ceará, Camilo Santana, pelo Presidente do IAB-CE, Custódio Santos e pelo Secretário Estadual do Meio Ambiente, Artur Bruno.

O concurso visa selecionar, entre arquitetos nacionais e estrangeiros, a melhor proposta urbanística, paisagística e arquitetônica para as áreas disponíveis. O intuito é dotar o Cocó de equipamentos de contemplação, lazer, esporte e educação ambiental.

Como fazer um estudo de impacto ambiental apenas com software livre

O estudo do meio ambiente, dos processos dos ciclos hídrico e atmosférico e da interação entre os ecossistemas aquáticos e terrestres, tão importante e necessário para algumas obras de engenharia e urbanismo, necessita de ferramentas avançadas de análise. É necessário compreender o funcionamento dos ecossistemas e qual o impacto de nossos projetos em cenários futuros. Isso vai além de um enfoque legislativo, e exige uma constante pesquisa e evolução dos códigos e modelos.

Os softwares necessários para estas análises, entretanto, não são tão populares quanto os tradicionais programas de projeto, desenho e representação usados na arquitetura. São variados, cada qual para uma finalidade específica, e para usá-los, geralmente é preciso pagar licenças bastante onerosas.