1. ArchDaily
  2. Educação

Educação: O mais recente de arquitetura e notícia

Como a arquitetura pode contribuir com o ensino?

Wish School / Garoa. Foto © Pedro Napolitano Prata
Wish School / Garoa. Foto © Pedro Napolitano Prata

A arquitetura escolar tem uma grande importância na criação de ambientes de ensino mais efetivos, principalmente na relação da pedagogia proposta pela escola e espaços mais equitativos. A partir deste pressuposto foi realizada uma pesquisa abarcando quatro escolas nas quais a arquitetura dialoga e contribui com a pedagogia adotada por cada uma delas. 

A história das cozinhas: dos grandes banquetes aos móveis embutidos

A descoberta do fogo foi um dos grandes acontecimentos que mudou a organização social dos aglomerados humanos, que passaram aos poucos do nomadismo ao sedentarismo. O fogo, que naquele contexto servia para manter as pessoas aquecidas e proteger o grupo, foi também sendo explorado como fonte de cocção de alimentos, o que não só mudou os hábitos alimentares dos humanos, como também possibilitou a  conservação de mantimentos, alterando a organização social das comunidades. O preparo e as refeições eram atos coletivos, que reuniam as pessoas para se alimentar, se aquecer e se proteger. É desse hábito que herdamos a prática dos grandes banquetes e a valorização da alimentação e do momento de refeição. A preparação dos alimentos, em contrapartida, foi sendo paulatinamente marginalizada. 

Ao passo que egípcios, assírios, fenícios, persas, gregos e romanos compartilhavam do hábito de realizar grandes banquetes, o preparo ganhava cada vez menos prestígio, perdendo sua dimensão social coletiva até ser fisicamente segregado em um cômodo específico: a cozinha. 

A história das cozinhas: dos grandes banquetes aos móveis embutidosA história das cozinhas: dos grandes banquetes aos móveis embutidosA história das cozinhas: dos grandes banquetes aos móveis embutidosA história das cozinhas: dos grandes banquetes aos móveis embutidos+ 8

Iphan abre inscrições para 2º edição do curso de Educação Patrimonial no Distrito Federal

A segunda edição do curso autoinstrucional “Educação Patrimonial, Diversidade e Meio Ambiente no Distrito Federal” já está com suas inscrições abertas. O curso é aberto a todos os interessados e faz parte do plano de trabalho de um termo de cooperação assinado entre o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Distrito Federal (DF) e a Secretaria de Estado e Educação do DF (SEEDF).

Design é para aqueles que podem pagar?

A pioneira feminista negra Gloria Jean Watkins – mais conhecida por seu pseudônimo em minúsculas bell hooks – faleceu recentemente aos 69 anos. Ela deixa para trás inúmeras ideias que servem de base para a crítica moderna de raça, classe e gênero.

Por conta de sua morte, um antigo texto publicado por bell em 1998 foi divulgado em um blog que ela costumava escrever ocasaionalmente chamado Lion´s Roar. O texto intitulado “Design: A Happening Life” é tão atual que nem parece que foi escrito há 25 anos atrás.

Dentro da Pós promove Conversa com Coordenadores

O Dentro da Pós oferece diferentes estratégias de aproximação e formas de apresentar o projeto pedagógico, estrutura, objetivos e grade horária do Programa de Pós-graduação lato sensu da Escola da Cidade.

Semestralmente, um encontro gratuito é promovido para possibilitar que pessoas interessadas na Pós possam conversar, tirar dúvidas e saber mais sobre cada um dos sete cursos oferecidos, falando diretamente com seus respectivos professores e coordenadores.

No primeiro semestre de 2022, o evento ocorre no dia 14/2, segunda-feira, às 18h, e segue em formato remoto. Além da possibilidade de conhecerem mais profundamente as especializações, participantes do Dentro da Pós têm desconto de

Espaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensino

Erlev School by Arkitema. Image © Niels Nygaard
Erlev School by Arkitema. Image © Niels Nygaard

Em espaços para crianças, "temos a oportunidade de criar um projeto que em muitos aspectos é uma arquitetura não-formulada. As crianças reagem aos ambientes de forma completamente espontânea. É quase uma arquitetura aprimorada", diz Dorte Mandrup. A implicação descrita é que o projeto pode contribuir para formar um pensamento crítico, incentivando a autonomia, a responsabilidade e ajudando a formar futuros cidadãos. Em sua maior parte, o sistema educacional e sua expressão espacial não mudaram significativamente nos últimos cem anos. No entanto, com o acesso à informação se tornando onipresente, o foco está lentamente se deslocando do acúmulo de informação para o desenvolvimento do pensamento crítico, e novos métodos de ensino abrem uma nova área de experimentação arquitetônica. A seguir exploramos o impacto do espaço no aprendizado, especificamente no ensino primário e secundário, discutindo como a arquitetura poderia auxiliar o processo educacional, tornando-se uma ferramenta de ensino.

Espaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensinoEspaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensinoEspaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensinoEspaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensino+ 6

Pós-graduação da Escola da Cidade tem inscrições abertas para 2022

As inscrições para a pós-graduação lato sensu da Escola da Cidade estão abertas até 11 de março de 2022. Existente há mais de 10 anos, o programa é composto por sete cursos e está estruturado a partir de dois aspectos centrais: a prática e o fazer projetual, entendidos como pesquisa e estratégia de aproximação do espaço em suas múltiplas escalas. Tendo ainda como temática geral e abrangente “Civilização América: um olhar através da arquitetura” – que propõe a compreensão e enfrentamento das condições históricas, geográficas, territoriais e sociais que nos constituem. É a partir dessa visão que os cursos de

Formei, e agora? Dúvidas e desafios após a graduação

Uma questão sempre muito comentada por nossos ouvintes é sobre as dúvidas que pairam após a conclusão da graduação. Já vai o tempo em que, logo ao formar, tínhamos um cenário profissional relativamente estável e a possibilidade de colocar um planejamento de carreira em ação. Hoje, uma realidade bem menos legível aguarda o recém-formado. E ela traz boas e más notícias. 

15° Semana de Urbanismo da UNEB

A Semana de Urbanismo da UNEB é um evento realizado anualmente pelo corpo discente e docente do Bacharelado em Urbanismo, único ainda no Brasil, e propõe às pessoas participantes, a possibilidade de assistir, dialogar e debater sobre temas relevantes à temática urbana na contemporaneidade. Tem como objetivo oferecer a estudantes, movimentos sociais, e especialistas do campo do urbanismo e do planejamento urbano-territorial, assim como estudiosos de áreas transversais, um espaço de aprofundamento e sistematização da compreensão do fenômeno urbano. Na edição a ser realizada esse ano, nos aprofundaremos num olhar introspectivo acerca dos 20 anos de promulgação do estatuto da

O que a arquitetura pode aprender com Paulo Freire?

Um dos teóricos mais importantes do século XX, o educador brasileiro Paulo Freire faria 100 anos em 19 de setembro de 2021, não fosse seu falecimento em 1997. Um mês depois, o Brasil comemora o Dia dos Professores no dia 15 de outubro, ao mesmo tempo em que a educação pública enfrenta cortes massivos no orçamento federal, dando continuidade a um antigo processo de sucateamento do ensino brasileiro. Dentro desse contexto, Freire se tornou um dos teóricos mais lidos e citados no mundo na área das humanas. Apesar do reconhecimento mundial, sua teoria ainda não foi totalmente incorporada à bibliografia da arquitetura e urbanismo. Propomos aqui uma breve reflexão sobre como as práticas da arquitetura podem visitar a teoria de Paulo Freire. 

O que a arquitetura pode aprender com Paulo Freire?O que a arquitetura pode aprender com Paulo Freire?O que a arquitetura pode aprender com Paulo Freire?O que a arquitetura pode aprender com Paulo Freire?+ 10

Novos campi universitários brasileiros: processos e impactos

Novos campi universitários brasileiros: processos e impactos, reúne experiências de implantação de nove novas universidades federais brasileiras criadas, ou que passaram por expressiva expansão, entre 2004 e 2014. Trata-se de um período fecundo de experimentações pedagógicas, metodológicas e arquitetônico-urbanísticas decorrentes do envolvimento do governo federal e das instituições de ensino superior.

Ecossistema Urbano repensa o uso de espaços públicos para a educação com soluções microclimáticas

Ecossistema Urbano, um dos vencedores do Prêmio J. Irwin e Xenia S. Miller, propõe Cloudroom como parte da edição de 2021 da Exhibit Columbus em Columbus, Indiana. Trata-se de uma instalação que procura repensar os espaços públicos para a educação através da conscientização a respeito dos desafios ambientais contemporâneos. Esta nuvem inflável flutuando sobre uma estrutura de madeira está localizada na área verde da Escola de Ensino Médio Central e cria um espaço comunitário com um microclima sombreado para aprender, brincar e compartilhar. Incentivando novas metodologias de aprendizagem através da experiência direta, o projeto apresenta um ambiente acolhedor e adequado para uma série de atividades entre a escola e o espaço público.

Um enfoque ecológico e social conforma os dois pilares que norteiam o projeto da Cloudroom, esta instalação projetada com a participação dos alunos e funcionários da escola, e que responde ao mote "New Middles: From Main Street To Megalopolis, What Is The Future of The Middle City?", proposto pelos curadores Iker Gil e Mimi Zeiger.

Pela preservação da Escola de Artes e Arquitetura Professor Edgar Albuquerque Graeff

A Reitoria da Pontifícia Universidade Católica de Goiás pretende extinguir a Escola de Artes e Arquitetura Professor Edgar Albuquerque Graeff.

A justificativa para o ato inesperado é a redução de custos da instituição. O argumento seria até admissível. Administrar ou reduzir despesas é um procedimento habitual, não apenas para universidades filantrópicas. Mas não está claro — e sequer razoável — é porque que, para reduzir os custos ordinários de uma instituição, seja necessária a extinção de uma de suas partes mais antigas e mais reconhecidas; uma Escola que se destacou excepcionalmente, em cenário nacional, com uma história que precisa ser lembrada aqui, a fim de darmos conta da atitude trágica que se exaspera; uma atitude tomada sem diálogo com os professores, artistas e arquitetos, que lá estão; sem considerar, também, a identidade e a memória de milhares de arquitetos, artistas e designers que nela estiveram nos últimos 70 anos.

Como o ensino da arquitetura pode se manter relevante em tempos de mudanças?

Este artigo foi publicado originalmente em Common Edge.

No artigo do Commom Edge desta semana, Duo Dickinson faz uma análise de seu percurso como arquiteto, das salas de aula à prática profissional e finalmente, a volta à escola de arquitetura como professor. Explorando a fundo as transformações na prática da arquitetura ao longo destes anos, Dickinson afirma que “ninguém mais acredita que as nossas escolas de arquitetura estejam hoje preparadas para educar os profissionais que a arquitetura precisará daqui a dez anos”. Nesta jornada, o autor explica como o ensino da arquitetura evoluiu ao longo do tempo, apontando possíveis direções para garantir que o ensino da arquitetura permanece relevante no futuro. 

Neuroarquitetura aplicada a projetos para crianças

Neuroarquitetura aplicada a projetos para criançasNeuroarquitetura aplicada a projetos para criançasNeuroarquitetura aplicada a projetos para criançasNeuroarquitetura aplicada a projetos para crianças+ 21

É inquestionável que os ambientes influenciam diretamente no comportamento e nas emoções de seus usuários. Estima-se que os seres humanos passem cerca de 90% de seu tempo de vida em espaços internos, por isso é tão importante que eles favoreçam positivamente nossa capacidade cerebral. Um termo específico para relacionar os estímulos que o cérebro recebe dependendo do ambiente em que está é neuroarquitetura. Diversos estudos têm sido publicados sobre esse tema, a maioria sobre o impacto em ambientes de trabalho. Este artigo pretende abordar sobre esse conceito, enfatizando sua importância no projeto de espaços destinados a crianças na primeira infância.

Saúde mental e arquitetura: seria este o momento de mudança?

A relação entre saúde mental e os arquitetos, especialmente os estudantes de arquitetura, não é uma questão inédita. Em um contexto onde o estresse é um dos grandes problemas do século, atingindo mais de 90% da população mundial segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o universo da arquitetura e suas práticas, tanto profissionais quanto estudantis, normalizaram o estresse e a ansiedade como parte integrante da profissão. Entretanto, pesquisas recentes de estudantes mostram insatisfação com essa realidade, agora agravada devido a pandemia. Seria, portanto, o momento de rever as práticas institucionais e pressionar para uma mudança de cultura?