1. ArchDaily
  2. Crianças

Crianças: O mais recente de arquitetura e notícia

Como qualificar espaços públicos para a infância? Experiências e aprendizados em São Paulo

Cortesia de Prefeitura de Jundiaí
Cortesia de Prefeitura de Jundiaí

Logo que um bebê começa a se movimentar pela casa, a família adapta esse ambiente para garantir proteção e as melhores condições para o desenvolvimento do filho. Conforme a criança cresce, novas adequações são feitas, sempre tendo como objetivo tornar o lar um local acolhedor, seguro e estimulante. Na cidade, as ruas, praças e parques são uma extensão da casa. E, como na casa, esses espaços públicos devem acolher e proteger as crianças, estimular o seu desenvolvimento e, ao mesmo tempo, convidá-las a experimentar a cidade.

Como qualificar espaços públicos para a infância? Experiências e aprendizados em São PauloComo qualificar espaços públicos para a infância? Experiências e aprendizados em São PauloComo qualificar espaços públicos para a infância? Experiências e aprendizados em São PauloComo qualificar espaços públicos para a infância? Experiências e aprendizados em São Paulo+ 6

Fundação Bienal de São Paulo realiza o programa Pavilhão aberto 2022

A Fundação Bienal de São Paulo convida a população da cidade, em especial os frequentadores do Parque Ibirapuera, a conhecer o Pavilhão Ciccillo Matarazzo de outra maneira. A iniciativa faz parte da segunda edição do programa Pavilhão aberto, que acontece de maio a novembro e será composta por conversas com convidados de perfis diversos (os nomes envolvem desde o professor de arquitetura Guilherme Wisnik até o Padre Júlio Lancellotti), oficinas para crianças, visitas mediadas ao Pavilhão e conteúdos digitais complementares.

O primeiro encontro, Moderno na arquitetura acontece no domingo, 15 de maio, e contará com a oficina Birutas Voadoras, com

Como desenvolver bairros amigáveis à primeira infância?

Para quem você projeta uma cidade? Dificilmente sua resposta terá em mente um bebê ou uma criança de até seis anos de idade, período que define a primeira infância. No entanto, são diversas as diretrizes e ações que podem ser tomadas para incluir esse público no planejamento urbano. Afinal, é nesse momento que começam as primeiras relações de um cidadão com a urbanidade e é fundamental que haja o melhor acolhimento possível. 

Por que precisamos ensinar crianças a serem arquitetas?

Quer eles cresçam ou não para serem arquitetos, as habilidades básicas que impulsionam o design e a arquitetura podem ter enormes benefícios para nossos filhos. A maneira como as crianças crescem para pensar, se comportar, resolver problemas e criar pode ser aprimorada incomensuravelmente, ensinando-as desde tenra idade a pensar como arquitetos.

Espaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensino

Erlev School by Arkitema. Image © Niels Nygaard
Erlev School by Arkitema. Image © Niels Nygaard

Em espaços para crianças, "temos a oportunidade de criar um projeto que em muitos aspectos é uma arquitetura não-formulada. As crianças reagem aos ambientes de forma completamente espontânea. É quase uma arquitetura aprimorada", diz Dorte Mandrup. A implicação descrita é que o projeto pode contribuir para formar um pensamento crítico, incentivando a autonomia, a responsabilidade e ajudando a formar futuros cidadãos. Em sua maior parte, o sistema educacional e sua expressão espacial não mudaram significativamente nos últimos cem anos. No entanto, com o acesso à informação se tornando onipresente, o foco está lentamente se deslocando do acúmulo de informação para o desenvolvimento do pensamento crítico, e novos métodos de ensino abrem uma nova área de experimentação arquitetônica. A seguir exploramos o impacto do espaço no aprendizado, especificamente no ensino primário e secundário, discutindo como a arquitetura poderia auxiliar o processo educacional, tornando-se uma ferramenta de ensino.

Espaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensinoEspaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensinoEspaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensinoEspaços de aprendizagem: a arquitetura como ferramenta de ensino+ 6

Arquitetura em miniatura: 17 projetos que exploram o design de interiores para crianças

O mundo certamente se revela de forma diferente aos olhos de uma criança; tudo parece enorme, curioso e também desafiador. Não é por acaso que há muito se acredita que a nossa perspectiva de mundo é moldada justamente nos primeiros anos de nossas vidas. Quando questionado sobre suas memórias de infância na Suíça, Peter Zumthor afirmou que é exatamente na experiência de mundo de uma criança que reside a mais profunda sensibilidade arquitetônica. É neste lugar que Zumthor diz encontrar os as atmosferas e as imagens arquitetônicas que ele procura explorar em seu trabalho como arquiteto hoje.

Para melhor compreender a forma como uma criança cresce e se desenvolve física e psicologicamente ao longo dos anos é preciso estar atento a uma série de diferentes fatores, como a herança genética, as interações que têm com outras crianças e adultos, assim como as características dos ambientes onde vivem, aprendem e se divertem. Penando nisso, e em comemoração ao Dia Mundial da Criança, nós do ArchDaily decidimos listar aqui alguns projetos da nossa base de dados que nos oferecem um vislumbre sobre algumas das estratégias utilizadas por arquitetos e designers para estimular a autonomia das crianças e promover seu bem-estar físico e mental através do espaço construído.

Arquitetura em miniatura: 17 projetos que exploram o design de interiores para criançasArquitetura em miniatura: 17 projetos que exploram o design de interiores para criançasArquitetura em miniatura: 17 projetos que exploram o design de interiores para criançasArquitetura em miniatura: 17 projetos que exploram o design de interiores para crianças+ 20

Quartos de bebês e crianças: 20 exemplos para inspirar a imaginação

Casa Jardim / asdesign. Foto: © Rafael Renzo
Casa Jardim / asdesign. Foto: © Rafael Renzo

Quartos de bebês e crianças: 20 exemplos para inspirar a imaginaçãoQuartos de bebês e crianças: 20 exemplos para inspirar a imaginaçãoQuartos de bebês e crianças: 20 exemplos para inspirar a imaginaçãoQuartos de bebês e crianças: 20 exemplos para inspirar a imaginação+ 27

O quarto para bebês ou crianças é um espaço imaginado não apenas para a hora do descanso e sono, mas também para incentivar a imaginação, trazer símbolos que ajudem a construir uma percepção de mundo e, sem esquecer, brindar diversão aos pequenos. Além de abrigar a infância, trazer funcionalidade para este ambiente e adequar tantas funções na mesma área exigem muitas vezes uma criatividade imensa por parte das mães e pais, por isso, a busca por um profissional de arquitetura pode ser mais do que bem-vinda. 

Arquitetura para crianças: como conceber espaços que estimulam e protegem

Family Box Qingdao / Crossboundaries. Foto: © Xia Zhi
Family Box Qingdao / Crossboundaries. Foto: © Xia Zhi

Arquitetura para crianças: como conceber espaços que estimulam e protegemArquitetura para crianças: como conceber espaços que estimulam e protegemArquitetura para crianças: como conceber espaços que estimulam e protegemArquitetura para crianças: como conceber espaços que estimulam e protegem+ 7

Os modos de abordar o tema infantil ao redor da arquitetura são infinitos: desde projetar em outra escala que não a padrão pensada para adultos até campos mais lúdicos como o projeto de brinquedos e artefatos. O olhar arquitetônico para a infância aposta na construção de uma qualidade espacial que, além de representar espaços mais seguros no ponto de vista urbano, também são um investimento para um melhor futuro da sociedade, visto que a arquitetura pode desempenhar papel fundamental no desenvolvimento infantil.

Urban95: iniciativa que promove cidades adequadas a crianças já conta com 24 municípios brasileiros

A partir de julho, 11 novas cidades brasileiras passam a fazer parte da iniciativa Urban95. No total, são 24 cidades no Brasil que já assumiram o compromisso de criar e fortalecer ações com foco na primeira infância em espaços públicos, gerenciamento de dados, programas e serviços. E que essas ações sejam transformadas em políticas públicas.

A Urban95 parte da seguinte pergunta: "Se você tivesse 95 cm de altura (a altura média de uma criança de três anos), o que você faria diferente na cidade?". Com essa visão em mente, a proposta é desenhar e implementar políticas de transformação urbana e de serviços. A meta é construir cidades que sejam boas para as crianças e, consequentemente, para todos e todas. 

Neuroarquitetura aplicada a projetos para crianças

Neuroarquitetura aplicada a projetos para criançasNeuroarquitetura aplicada a projetos para criançasNeuroarquitetura aplicada a projetos para criançasNeuroarquitetura aplicada a projetos para crianças+ 21

É inquestionável que os ambientes influenciam diretamente no comportamento e nas emoções de seus usuários. Estima-se que os seres humanos passem cerca de 90% de seu tempo de vida em espaços internos, por isso é tão importante que eles favoreçam positivamente nossa capacidade cerebral. Um termo específico para relacionar os estímulos que o cérebro recebe dependendo do ambiente em que está é neuroarquitetura. Diversos estudos têm sido publicados sobre esse tema, a maioria sobre o impacto em ambientes de trabalho. Este artigo pretende abordar sobre esse conceito, enfatizando sua importância no projeto de espaços destinados a crianças na primeira infância.

Olson Kundig projeta uma Arca de Noé para o Museu Judaico em Berlim

Concluído em 2020, em meio à pandemia, ANOHA- The Children’s World, projetado por Olson Kundig para o Museu Judaico de Berlim, está finalmente abrindo suas portas para o público. O projeto reinterpreta o mito da Arca de Noé e promove o conceito e as ideias de uma instalação semelhante construída no Skirball Cultural Center em Los Angeles, desenvolvida pelo escritório então chamado Olson Sundberg Kundig Allen. Mais do que uma experiência espacial, o projeto é um lugar de imaginação e brincadeira que materializa uma fábula universal, oferecendo um ambiente inclusivo para crianças.

Olson Kundig projeta uma Arca de Noé para o Museu Judaico em BerlimOlson Kundig projeta uma Arca de Noé para o Museu Judaico em BerlimOlson Kundig projeta uma Arca de Noé para o Museu Judaico em BerlimOlson Kundig projeta uma Arca de Noé para o Museu Judaico em Berlim+ 45

A escala das crianças: breve histórico sobre mobiliários infantis

A escala das crianças: breve histórico sobre mobiliários infantisA escala das crianças: breve histórico sobre mobiliários infantisA escala das crianças: breve histórico sobre mobiliários infantisA escala das crianças: breve histórico sobre mobiliários infantis+ 53

Mobiliários infantils são aqueles - fixos ou móveis - desenhados pensando nas crianças, seja de acordo com os seus princípios ergonômicos e anatômicos, ou de forma a assessorá-las da forma mais adequada. Seguindo essa linha, podemos identificar dois tipos de móveis: (1) aqueles que facilitam a relação entre o cuidador e a criança e (2) os que permitem que a criança os utilize de forma independente.

A grande diferença entre esses dois tipos é que os primeiros possuem dimensões que se adaptam à ergonomia do adulto e o segundo são projetados para atender às necessidades ergonômicas da criança, em cada etapa de seu desenvolvimento. Como o crescimento das crianças ocorre de forma relativamente rápida, é comum que os móveis deste segundo grupo sejam multifuncionais ou mesmo extensíveis.

Dormitórios infantis: como projetar um ambiente saudável para o sono

Dormitórios infantis: como projetar um ambiente saudável para o sonoDormitórios infantis: como projetar um ambiente saudável para o sonoDormitórios infantis: como projetar um ambiente saudável para o sonoDormitórios infantis: como projetar um ambiente saudável para o sono+ 43

Muitos fatores influenciam no bem-estar das pessoas, mas poucos tem um poder tão grande quanto a qualidade do sono. Adultos passam, em média, um terço de seu dia (e de sua vida) dormindo. No caso das crianças pequenas essa proporção é ainda maior. De acordo com um estudo publicado pela OMS em 2019, bebês (de 4 a 11 meses) devem dormir entre 12 e 16 horas/dia; e crianças até 4 anos devem dormir entre 10 e 13 horas/dia.

Um sono de qualidade atua diretamente no desenvolvimento cerebral da criança, principalmente durante sua primeira e segunda infância (do nascimento até os 12 anos). Durante o período de descanso o corpo libera os hormônios necessários para o crescimento e aprendizado, e isso relaciona-se diretamente ao desenvolvimento físico, motor, emocional e cognitivo. É sabido também que o ambiente onde se dorme interfere na qualidade desse sono, e alguns aspectos importantes devem ser considerados na hora de projetar espaços de dormir para crianças e bebês.

Como desenhar espaços urbanos mais seguros e saudáveis para crianças

Frequentemente as crianças não recebem prioridade ou até são desconsideradas no planejamento urbano. Estima-se que morram até 500 crianças por dia no mundo em acidentes de trânsito. Outras milhares acabam feridas em decorrência das colisões ou desenvolvem traumas psicológicos que podem acompanhá-las por anos. Seja nas ruas ou em espaços públicos, o sentimento de insegurança ou desconforto desencoraja as crianças da atividade física ao ar livre – e isso em um momento em que 80% das crianças entre 11 e 17 anos não são fisicamente ativas e outras 38 milhões com até 5 cinco anos estão acima do peso ou obesas.

Como desenhar espaços urbanos mais seguros e saudáveis para criançasComo desenhar espaços urbanos mais seguros e saudáveis para criançasComo desenhar espaços urbanos mais seguros e saudáveis para criançasComo desenhar espaços urbanos mais seguros e saudáveis para crianças+ 9

Pedagogia Pikler na arquitetura: jogos de madeira e espaços de liberdade

Emmi Pikler era uma pediatra húngara que introduziu, nos anos pós segunda grande guerra, uma nova filosofia sobre o cuidado e aprendizado durante a primeiríssima infância (crianças até 3 anos). Foi depois do nascimento de seu primeiro filho que decidiu iniciar um experimento: 'o que acontece quando se permite que a criança se desenvolva livremente?'. Os resultados observados culminaram na introdução de uma nova metodologia.

A abordagem Pikler segue o procedimento de observar o livre desenvolvimento da criança utilizando como ferramentas o cuidado com a saúde física, o afeto, o respeito à individualidade e a autonomia de cada criança. Seguindo essa lógica, torna-se desnecessária alguma estimulação ou intervenção por parte do adulto. Para que a criança possa vivenciar o espaço com liberdade de movimentos, alguns cuidados devem ser tomados na preparação desses ambientes.

Projeto Bird House: uma atividade de arquitetura e fabricação digital para crianças

A arquitetura é uma disciplina profundamente ligada à percepção do espaço, assim como à sua construção, e poderia ser introduzida na educação infantil. Pensando nisso, os arquitetos do Studio dLux propuseram o projeto Bird House, workshop voltado a crianças do ensino fundamental que tem como objetivo apresentar os processos de desenho e construção de uma casa de passarinho.

Projeto Bird House: uma atividade de arquitetura e fabricação digital para criançasProjeto Bird House: uma atividade de arquitetura e fabricação digital para criançasProjeto Bird House: uma atividade de arquitetura e fabricação digital para criançasProjeto Bird House: uma atividade de arquitetura e fabricação digital para crianças+ 18