Marília Matoso

Arquiteta e urbanista, Marília também é Mestre em Design, educadora e é criadora da Tabulla, revista digital onde escreve sobre criatividade, tendências e inovação para arquitetos e designers. Tem um escritório focado em estratégias criativas e inovadoras para ambientes e produtos e também atua como docente em cursos de graduação e pós-graduação em universidades brasileiras.

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Desenhando para todos os corpos e pessoas

A deficiência e a variedade de corpos e pessoas deve ser um assunto estimulante para os arquitetos: trata-se da experiência vivida, da resolução de problemas e do design de um ambiente melhor construído.

Embora o tópico envolva a teoria crítica e as aspirações para a vida coletiva, muitas vezes é visto como um campo que requer o cumprimento de requisitos, ou pior, um assunto delicado repleto de termos desatualizados e hábitos de pensamento antiquados. As rotinas típicas de design nem sempre levam em consideração a variedade de corpos humanos.

Repensando os ciclos de produção e uso dos materiais na arquitetura

Já ouviu falar em agrowaste design ou “design com agroresíduos”? É assim a arquiteta filipina-ganesa Mae-Ling Lokko intitula o seu trabalho, uma pesquisa pioneira sobre o uso dos biomateriais na arquitetura. Junto com a crescente demanda por produção de alimentos e habitação no século XXI, há um fluxo de recursos materiais de crescimento igualmente rápido na forma de subprodutos de agrotóxicos. Isso tem o potencial não apenas de fechar as lacunas do ciclo de vida de produtos, mas também de impulsionar formas de cidadania generativa por meio do upcycling.

Ling procura repensar os ciclos e uso dos produtos na construção civil através da economia circular, ou seja, nada é desperdiçado, tudo pode ser reutilizado, mesmo depois de obsoleto.

Reinventando espaços para o bem-estar pós pandemia

Há cerca de um ano, a palavra bem-estar tinha um efeito diferente do que hoje. A pandemia da Covid 19 cristalizou a necessidade que todos temos de saúde mental e física, e tivemos de parar para refletir sobre nosso ritmo de vida e o impacto da tecnologia e de tudo que nos cerca nas nossas vidas.

Designers e arquitetos estão olhando para o amanhã precisando pensar em como criar ambientes seguros, funcionais e confortáveis. De plantas baixas mais abertas a materiais que ajudam a mitigar a propagação de doenças, os profissionais estão olhando para o futuro considerando o que nos dá espaço para respirar e viver juntos. 

O Paimio Sanatório de Alvar Aalto na Finlândia é um dos primeiros edifícios a adotar regras sanitárias em ambientes para preservação da saúde. Imagem © Fabrice FouilletLuminária da Philips com raios ultravioleta que impedem a multiplicação de vírus e bactérias. Via TabullaEscola de Meditação MNDFL em NY, projejto de Shelly Lynch-Sparks. Imagem via MNDFLSecond Home Holland Park / Selgascano. Imagem © Iwan Baan+ 5

Por que o modelo tradicional de shoppings centers vai acabar

Os shoppings centers foram uma grande moda no começo dos anos 80 e 90 e quase todas as grandes capitais do mundo começaram a investir em super complexos climatizados de lojas com praças de alimentação e cinemas. 

No Brasil, esse boom dos shoppings como modelo de desenvolvimento ainda perdura nas principais cidades e até no interior do país. O shopping center adquiriu uma importância crucial para o desenvolvimento e a manutenção da lógica do capital. Toda cidade que se “desenvolve” tem um ou mais shoppings em seu tecido urbano.

Como construir cidades e moradias mais criativas?

“Desde a Revolução Industrial, linhas de montagem ditaram um mundo feito de partes enquadrando a imaginação de arquitetos e designers que foram treinados a pensar nos seus projetos como resultados de pedaços com funções distintas”, essa foi uma frase proferida pela arquiteta israelense e pesquisadora do MIT Media Lab, Neri Oxman em sua palestra do TED intitulada “Projetando na intersecção entre tecnologia e biologia”.

Neri reforça que a maneira tradicional de se construir é feita do mesmo modo há milênios e precisa ser reinventada. De fato, fomos ensinados a construir edifícios e cidades de forma racionalizada, em partes, sem pensar no todo. Até hoje essa lógica ainda é ensinada nas universidades.

O futuro da alimentação é flexível, autônomo e passa pelas cidades

Há 12 mil anos, nossos ancestrais perceberam que onde caía uma semente ou um fruto, nascia uma planta. A partir daí, eles analisaram que poderiam plantar as sementes e um tempo depois colher os seus frutos. Por isso, pararam de se mudar de um lugar para outro em busca de alimentos e começaram a morar somente no lugar onde podiam plantar. E assim começaram a se estabelecer nas primeiras cidades do mundo e criar o que hoje chamamos de agricultura.

Fazenda Urbana de Paris. Crédito: Valode & Pistre Architectes Atlav AJNFazenda Vertical Urbanda em estudo da  Vertical Harvest. Crédito: Vertical HarvestFazenda urbana em Bangkok. Crédito: World Landscape ArchitectsPrimeiros registros de agricultura no Rio Nilo: Sennedjem e Lineferti nos campos de Iaru. Fonte: Met Museum+ 6

Autoconstrução assistida: um caminho inexplorado no Brasil

Você sabia que, em quase todo o mundo, pessoas constroem diariamente suas casas sem ajuda de arquitetos e engenheiros?

Comum nas regiões periféricas do Brasil, a autoconstrução é uma opção de quem deseja ter sua casa própria personalizada, sem enfrentar burocracias indesejadas ou dívidas de longo prazo. No entanto, a escolha por construir a própria residência sem o apoio técnico de engenheiros e arquitetos frequentemente é acompanhada pela falta de informação, o que pode acarretar em irregularidades, má qualidade da construção e riscos para os moradores.

Há cerca de 2.700 assentamentos informais em toda a África do Sul. O projeto Empower Shack, da U-TT, no município de Khayelitsha, perto da Cidade do Cabo, visa melhorar esses assentamentos por meio de uma metodologia inovadora e inclusiva para a distribuição justa do espaço público, prestação de serviços básicos e um esquema de urbanização que combina melhorias habitacionais com um ambiente urbano mais seguro e novas possibilidades econômicas e sociais . A abordagem concentra-se na construção de ambientes vivos que abrangem microfinanciamento, energia renovável, gestão da água e desenvolvimento de habilidades. Cortesia de O Futuro das CoisasLiving Board na India. Fonte: Carlo Ratti Associatti. Cortesia de O Futuro das CoisasMódulo de madeira autoconstruída. Crédito: Studio Bark. Cortesia de O Futuro das CoisasAntiga Kowloon em Hong Kong. Foto: © Greg Girard. Cortesia de O Futuro das Coisas+ 5

Criando projetos a partir de um olhar decolonial

Descolonizar. Provavelmente você já ouviu essa palavra, mas se não fizer ideia do que se trata, talvez possa imaginar que tem a ver com colonização. Nós brasileiros, conhecemos bastante o que é colonização: fomos colônia de Portugal por muito anos, falamos português, comemos bacalhau na Páscoa e somos em grande maioria católicos por conta disso.

Já entender a palavra descolonizar é compreender que a colonização não trouxe só heranças linguísticas, religiosas e culinárias, mas também envolveu muita exploração: culturas foram apagadas, líderes locais foram mortos, riquezas foram roubadas e memórias destruídas.

Projeto do escritório mexicano Roth Architecture que utiliza os princípios do Bem Viver. Imagem: IK LAB. Cortesia de O Futuro das CoisasIntervenção do Black Lives Matter, na icônica Quinta Avenida, em frente à Trump Tower. Imagem: The New Tork Times. Cortesia de O Futuro das CoisasEdifício de Freddy Mamani em El Alto na Bolívia. Foto © Alfredo ZeballosCentro do Rio de Janeiro e suas bases neoclássicas no final do século XIX. A foto mostra o Teatro Municipal, por volta de 1910. Foto: Marc Ferrez | Acervo IMS. Cortesia de O Futuro das Coisas+ 5