Olimpíadas de Tóquio 2021: esportes e cultura urbana

Olimpíadas de Tóquio 2021: esportes e cultura urbana

Depois do atraso de um ano devido à pandemia de Covid-19, as Olimpíadas de Tóquio foram iniciadas na penúltima semana do mês de Julho. Nesta edição três novas modalidades estreiam na maior competição do mundo: o basquete 3x3, o surfe e o skate. Trazendo medalhas para países como Japão, Estados Unidos, Brasil, Austrália, Rússia, Sérvia, China e Letônia, e envolvendo mais um grande número de atletas e nações, esses esportes carregam a cultura urbana em seus movimentos e histórias e são parte importante das relações na cidade.

Skate Plaza Carballo / Óscar Pedrós. Image © Óscar PedrósAllan Mesquita Skatepark / SPOT. Image © Felipe AraújoClube de Salva-vidas na praia de Bondi / Durbach Block Jaggers + Peter Colquhoun. Image Cortesia de Durbach Block JaggersPavilhão Spark / ATMOperation. Image © ACF+ 7

Se por um lado o surfe tem suas origens na região do Havaí e da Polinésia, onde o esporte era praticado por diversas classes sociais e por homens e mulheres, por outro, seu espalhamento pelo mundo durante o século XX, após a colonização e um período de proibição, foram fundamentais para a cultura popular e baby boomer dos anos 1960. 

Clube de Salva-vidas na praia de Bondi / Durbach Block Jaggers + Peter Colquhoun. Image Cortesia de Durbach Block Jaggers
Clube de Salva-vidas na praia de Bondi / Durbach Block Jaggers + Peter Colquhoun. Image Cortesia de Durbach Block Jaggers

Essa cultura do surfe se equipou com elementos estéticos que dialogam com essa identidade, como é possível ver nos projetos selecionados neste artigo. Além disso, o surfe também influenciou o surgimento de outro esporte estreante do meio olímpico, o skate. Partindo de uma adaptação dos crate scooters, uma espécie de patinete de madeira com caixas, o skate aproveitou a popularização do surfe nos Estados Unidos durante os anos 1960 para potencializar o esporte como um “surfe urbano”, praticando-o nas movimentadas ruas da orla da praia.

Allan Mesquita Skatepark / SPOT. Image © Felipe Araújo
Allan Mesquita Skatepark / SPOT. Image © Felipe Araújo

O esporte foi se desenvolvendo e se separando em duas linhas principais: o vert, que é o skate praticado dentro dos half pipes com manobras aéreas e que tem sua origem nas práticas dentro de piscinas vazias pela Califórnia; e o street, a prática que combina manobras performadas em um ambiente urbano, com escadas, corrimões, bordas e outros obstáculos.Com o passar dos tempos e a popularização do esporte, enquanto o vert se tornou um esporte monetarizado em jogos oficiais, a prática do skate street encontrou desafios no convívio urbano, sendo muitas vezes tratado como sinônimo de vandalismo.

Allan Mesquita Skatepark / SPOT. Image © Vinícius Perrone
Allan Mesquita Skatepark / SPOT. Image © Vinícius Perrone

Um exemplo disso é a experiência da cidade de São Paulo, onde o skate foi proibido pela prefeitura em 1988 por conflitos entre os skatistas e a elite paulistana, e só foi retomado como prática liberada em 1990 com a troca da gestão municipal. Assim como em outros lugares pelo mundo, o skate foi marginalizado, se tornando um movimento de resistência urbana na disputa pelo uso dos espaços, na qual de um lado temos uma elite conservadora e do outro grupos que lutam por cidades mais acessíveis e democráticas. Desde então, os skateparks se tornaram uma importante infraestrutura urbana, apesar da prática do esporte não se restringir a eles. 

Skate Plaza Carballo / Óscar Pedrós. Image © Óscar Pedrós
Skate Plaza Carballo / Óscar Pedrós. Image © Óscar Pedrós

Nessa mesma perspectiva de marginalização de esportes e de disputa pela cidade, o basquete 3x3 aparece como um importante esporte urbano de resistência. Conhecido como o esporte urbano mais praticado do mundo, o basquete 3x3 deriva do basquete convencional jogado em quadra, mas com adaptações para ser jogado nas quadras ao ar livre, muito comuns nos bairros periféricos dos Estados Unidos.

Pavilhão Spark / ATMOperation. Image © ACF
Pavilhão Spark / ATMOperation. Image © ACF

As experiências desses esportes mostram a importância das cidades envolverem as infraestruturas esportivas em seu tecido urbano, não somente pelos benefícios da prática esportiva para a saúde, mas também como espaços que permitem encontros, trocas e o desenvolvimento de culturas e diálogos necessários dentro da sociedade.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Giovana Martino. "Olimpíadas de Tóquio 2021: esportes e cultura urbana" 22 Ago 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/965976/olimpiadas-de-toquio-2021-esportes-e-cultura-urbana> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.