Pagina inicial

Conheça a história por trás da nova identidade da nossa marca

Saiba mais

Breve história da automação na arquitetura

Breve história da automação na arquitetura

Eficiência no canteiro de obras, reduzir desperdícios, diminuir custos, aprimorar a segurança, melhorar o planejamento e trazer as máquinas para auxiliar na construção e processo projetual. Hoje estes tópicos podem ser associados à automação na arquitetura, no entanto, para que a tecnologia chegasse até esse ponto, de brindar maior possibilidade de ousadia criativa e sustentabilidade, houve um longo caminho. Para conhecer essa trajetória, apresentamos uma breve linha do tempo que ajuda a compreender como ela se desenvolveu e quais são as possibilidades que ela traz para o futuro da profissão. 

A história da automação predial provavelmente se inicia a partir de uma invenção realizada em 1883 por Warren Johnson: o termostato. Este dispositivo que impede a variação de temperatura em um determinado sistema, nos seus primórdios, ficava numa sala de caldeira e acendia uma luz quando havia queda de temperatura, alertando aos zeladores a necessidade de colocar mais carvão no forno para manter o aquecimento do edifício. 

Seagram Building. Image by dandeluca, CC BY 2.0 <https://creativecommons.org/licenses/by/2.0>, via Wikimedia Commons
Seagram Building. Image by dandeluca, CC BY 2.0 , via Wikimedia Commons

Já a mecanização na arquitetura, que hoje coincide com processos automatizados, foi introduzida no Movimento Moderno. O funcionalismo e a construção em série abrangeram os ideais modernos e influenciam em grande parte o modo como pensamos a tecnologia associada à arquitetura até hoje. No contexto pós-guerra, com efeitos do Plano Marshall e estabilidade econômica, a construção civil foi impulsionada por meio de políticas desenvolvimentistas e habitacionais, resultando em cada vez mais tecnologias de automação predial - tendo como um dos principais símbolos o Seagram Building, realizado em 1958. Além disso, é nessa mesma época que surgem as vanguardas futuristas como o ArchiGram e os metabolistas japoneses, que em suas propostas vislumbravam as possibilidades da tecnologia aplicada à arquitetura para imaginar diferentes formas de experienciar a vida e o ambiente construído.

Ilustração do ArchiGram. © Deutsches Architekturmuseum
Ilustração do ArchiGram. © Deutsches Architekturmuseum

Sistemas automáticos de controles foram se aprimorando com o decorrer dos anos, até que as técnicas de hidráulica e pneumática - que ajudavam a controlar a temperatura do ambiente a partir de termostatos, válvulas e estações centrais em grandes edifícios -, que predominaram até as décadas de 1970 e 1980, começassem a ser revistas com o advento dos computadores. Junto deles, nasce a relação com as teorias cibernéticas e, nos Estados Unidos, surge o paradoxal conceito de "Edifícios Inteligentes", o qual abarca as edificações que possuem qualquer tipo de mecanismo de supervisão e controle automático - que se tornava um grande diferencial na época gerando um status no qual a tecnologia exercia papel fundamental para a venda do empreendimento, associando o edifício a ideias futuristas por adotarem sistemas informatizados. É neste cenário que sensores prediais despontam e começam a identificar e reagir de acordo com o calor, fumaça, intensidade lumínica etc. Aqui ainda são mecanismos baseados em ações programadas pelo homem, ou seja, um sistema que não é capaz de aprender a partir de situações ocorridas.

Com o avanço tecnológico a conceituação de um Edifício Inteligente, após inúmeras críticas, passou a contemplar uma preocupação com o processo projetual, técnicas e elementos construtivos, e gerenciamento ambiental. O BIM se torna mais sofisticado e a partir desse sistema, por exemplo, tornou-se possível conjugar de forma racional e econômica os recursos técnicos disponíveis que tornam o canteiro mais inteligente e viabilizam uma obra mais econômica.

NUBO Kindergarten / PAL Design. Image © Michelle Young, Amy Piddington
NUBO Kindergarten / PAL Design. Image © Michelle Young, Amy Piddington

Como desfecho dessa era, destaca-se o final da década de 80, quando o computador central dá lugar a equipamentos independentes que se comunicam a partir de um sistema único e com a popularização da internet, a partir de 1995, quando os dispositivos passam a suportar softwares baseados em nuvem, tornando possível a operação por qualquer computador que esteja conectado à web. Com controladores locais de baixo custo conectados numa rede global, tornou-se possível reportar uma enorme quantidade de dados que disponibilizam as informações necessárias para avaliar e aprimorar a própria tecnologia de acordo com seu uso. Assim, problemas de conforto, desperdício de materiais e energia passam a ser mitigados ao ponto que ocorre uma operação mais eficiente dos sistemas construtivos e automatizados na arquitetura. 

Assim, com o encontro entre a inteligência artificial, processos de digitalização e automatização com a arquitetura, vemos uma rápida inovação na indústria, de modo que a criatividade arquitetônica ganha cada vez mais possibilidades para ser executada. O design computacional e o design generativo, por exemplo, ajudam a automatizar tarefas cotidianas, economizam tempo ao otimizar compatibilizações e também geram desenhos de altíssima complexidade. Para além disso, o grande diferencial se vê numa digitalização da construção que é mais segura, possibilita novas estruturas e melhora a eficiência do projeto e sua execução.

© Block Research Group, ETH Zürich / Michael Lyrenmann
© Block Research Group, ETH Zürich / Michael Lyrenmann

Para o futuro, certamente podemos esperar sistemas no qual ferramentas digitais entrem cada vez mais em contato com o mundo físico, de modo que aquilo que projetamos em um computador tenha a possibilidade de ser impresso ou fabricado no mundo real. Com o uso de tecnologias de projeto e fabricação digitais esta sentença já é uma realidade. Como exemplo, podemos citar o trabalho do Block Research Group da ETH Zurich, que pôde calcular e construir uma estrutura de casca autoportante usando o material mínimo necessário, resultando numa sistema de cobertura sinuosa ultra-fina de concreto, com uma espessura média de apenas cinco centímetros. Outro grupo que se destaca nesse campo é o ICD/ITKE University of Stuttgart, que através de suas pesquisas e construções aponta para a crescente influência da robótica na arquitetura, culminando no seu último projeto, a Maison Fibre, exposta na Bienal de Arquitetura de Veneza deste ano.

A história provavelmente nos mostrará que quem acessar e dominar essas tecnologias poderá ampliar o campo de inovação na arquitetura. Se a automação foi lentamente integrada à construção civil no passado, de agora em diante elas parecem estar fadadas a uma parceria que pode vislumbrar o inédito, mas também repensar o vernacular e aprimorar todo o ambiente construído, visto que o que se inicia, na verdade, é a busca por uma precisão absoluta que permite materializar de forma mais eficiente o que for imaginado.

Este artigo é parte do Tópico do ArchDaily: Automação na Arquitetura. Mensalmente, exploramos um tema específico através de artigos, entrevistas, notícias e projetos. Saiba mais sobre os tópicos mensais. Como sempre, o ArchDaily está aberto a contribuições de nossos leitores; se você quiser enviar um artigo ou projeto, entre em contato.

Sobre este autor
Cita: Victor Delaqua. "Breve história da automação na arquitetura" 10 Jul 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/963502/breve-historia-da-automacao-na-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.