A abordagem contemporânea para reconstruir cidades após desastres: o caso de Beirute

A abordagem contemporânea para reconstruir cidades após desastres: o caso de Beirute

Quase 6 meses atrás, em 4 de agosto de 2020, a cidade de Beirute foi sacudida por uma das maiores explosões não nucleares da história. Deixando o lado norte da capital em ruínas, a explosão danificou cerca de 40.000 edifícios. Novas estruturas contemporâneas concluídas recentemente por arquitetos locais conhecidos internacionalmente estão agora enfrentando dilemas de reconstrução, levantando questões existenciais: Como devem ser os esforços de reconstrução de “novos” edifícios danificados? Os arquitetos devem reconstruí-los como eram antes da explosão, apagando o que aconteceu, ou eles devem deixar cicatrizes e retratar novas realidades?

A fim de explorar ideias e destacar diferentes perspectivas, o ArchDaily teve a oportunidade de se sentar com três arquitetos cujos edifícios foram impactados pela explosão. Bernard Khoury, Paul Kaloustian, e Lina Ghotmeh conversaram sobre seus projetos e sua visão da reconstrução de Beirute com a editora-chefe do ArchDaily, Christele Harrouk, ao lado do fotógrafo de arquitetura Laurian Ghinitoiu, que documentou em uma série de fotos a extensão da destruição.

© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu+ 20

Bernard Khoury: Em Busca do Presente

Durante a explosão, três dos edifícios de Bernard Khoury foram diretamente atingidos pelas ondas de choque: Saifi #450 tower, plot #1063 (R2) e #1072, os edifícios residenciais mais próximos da explosão. Estranhamente, uma dessas estruturas tinha dois canhões no topo. Com o nome genérico de seus números de lote, esses gigantes muito jovens perderam seus elementos de revestimento, vidro, madeira, metal e alumínio junto com alguns danos estruturais. ArchDaily falou com Khoury em seu escritório em Beirute sobre sua percepção da história libanesa e seus esforços de reconstrução.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

AD: Três de seus projetos foram afetados na explosão. Qual foi o papel dessas estruturas particulares no tecido da cidade e como elas abordaram a história?

BK: Esses três edifícios, plot #450, plot #1063 (R2), e plot #1072, eram edifícios muito contextuais em muitos aspectos, abordando a geografia e tomando as cores do porto, a fim de se tornar uma extensão da cidade existente. Opostas à representação perigosa e simplista de Beirute, essas estruturas assumiram um outro tom, diferente do que alguns têm tentado dar à cidade. Beirute não é “bege”. Minha crítica a este quadro bege monocromático vem de longa data. Começa com minhas primeiras reações ao projeto Solidere, a reconstrução pós-guerra civil do centro da cidade realizada nos anos 90 e sua relação com a história, que por algum motivo se detém no mandato francês. Não há referência à história que esteve tão mais perto de mim, a República e a Nação Moderna. Infelizmente, essa visão da história ainda predomina quando se trata de patrimônio e quando se trata de falar sobre a história desta cidade. Quando há conversas sobre o patrimônio arquitetônico sendo atingido, todos apontam imediatamente para o bairro Gemmayze com suas casas coloniais e otomanas, mas ninguém nunca menciona qualquer outro edifício construído após a década de 1950. É sempre o passado ou o futuro. É impossível existir no presente, e minha definição de presente iria até os primeiros dias da Independência.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Voltando aos meus projetos, o que foi particularmente interessante no Saifi #450 é sua localização na orla de Solidere, que reflete eventos dos quais alguns de nós não se orgulham muito, e que simplesmente não queremos incluir nossa história monocromática e perigosamente simplista.

Em minha opinião, com essas realidades vem a possibilidade de formular qualquer tipo de história consensual, pertinente, relevante que anteceda qualquer iniciativa de reconstrução. Esse processo pode eventualmente levar a algum tipo de projeto que permite que você exista no presente. Se você não fizer isso, você falha politicamente, você falha culturalmente e você falha historicamente.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

O # 450 é construído como uma fortaleza, assumindo guindastes, em contradição com outros empreendimentos que eu também desenvolvia na mesma época, em áreas mais estáveis. Na verdade, eu estava dizendo uma coisa e exatamente o oposto simultaneamente. No texto descritivo inicial de # 450, o porto é mencionado na primeira frase. “Beirute é uma cidade portuária”. O edifício aborda honestamente o porto e o passado amargo deste bairro tão específico. Este não é um museu, não é um memorial ou um projeto que pode permitir qualquer tipo de postura política. Este é um empreendimento residencial para um investidor privado, e este programa permite que você assuma posturas muito radicais que de outra forma você não seria capaz de assumir.

Ninguém vai responsabilizá-lo por tudo o que você está dizendo, portanto, você pode dizer o que quiser. Beirute me forçou a praticar a arquitetura como um ato político.

Minha arquitetura tem sido muito nessa linha, desde o projeto de cicatrizes em evolução em 1991, até os primeiros edifícios que executei, B018 em 1998, seguido pelo Centrale em 1999 e Yabani no início dos anos 2000. Embora fossem prédios do pós-guerra, para mim a guerra não acabou.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

AD: Como você imaginaria os esforços de reconstrução em Beirute?

BK: Eu consideraria caso a caso. Quando se trata de Mar Mkhayel e desses setores, acho que a reconstrução será orgânica. Afinal, não é uma zona deserta, é um cenário totalmente diferente do projeto Solidere. Também acho que será muito mais rápido do que pensamos.

AD: Como você atuaria em seus projetos? E já está conversando com investidores para encontrar soluções?

BK: É estranho operar seu próprio bebê. Veja desta forma. Já trabalhei em prédios antigos que não eram meus, mas agora esses são meus próprios bebês e são bem novos. Eu vejo isso como uma operação cirúrgica e é definitivamente muito interessante ver até que ponto o seu paciente vai querer apagar totalmente ou reconhecer algumas cicatrizes. Já conversei com os investidores do projeto mais danificado dos três, o #1072, e concordamos em uma coisa: não será exatamente como antes. Acho que é uma afirmação. Você poderia pensar que, após este trauma, as pessoas iriam querer apagar totalmente qualquer vestígio do que aconteceu, mas não é o caso.

Quando começamos a trabalhar nesse projeto em 2009, há mais de 10 anos, os investidores corporativos tinham suas receitas, números que você precisa combinar, métodos e materiais de construção específicos. Uma grande porcentagem do custo estava em moeda estrangeira na época. Vivíamos em uma bolha financeira, a indústria fazia parte dela e os investidores queriam trabalhar com certos padrões. Eles pagariam, por exemplo, grandes quantias por revestimentos importados da China, em vez de correr o risco de desenvolver algo localmente que poderia custar menos, mas que não pode ser avaliado pelo livro ou especificado em papéis.

Agora a pele se foi, e voltar à nossa maneira anterior de fazer as coisas será financeiramente suicida. O que proponho é substituir o que foi danificado por algo que se transforma localmente. No momento, estamos avaliando a porcentagem de superfícies que podem ser aproveitadas e a porcentagem de superfícies que não existem mais e, com base nisso, teremos ideias mais claras. Começamos a discussão puramente de um ângulo financeiro e econômico, mas também pode ser muito político.

Acho que trabalhar com artesanato e artesãos locais é um ato político e também fez parte do início da minha carreira. Meus primeiros prédios foram totalmente feitos de material transformado como o Centrale, tudo foi construído no local.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Paul Kaloustian: Mudando a Realidade

Considerando que os prejuízos de seus projetos foram menores em comparação com a magnitude da explosão, Paul Kaloustian se deparou com a constatação de que grande parte de sua profissão foi afetada e nunca mais será a mesma. Ver seus projetos em apuros, como a famosa boate Ballroom Blitz, trouxe muita amargura. O ArchDaily conversou com Paul em uma de suas intervenções remodeladas no bairro de Gemmayze, sobre sua visão arquitetônica.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

AD: Como você acha que esta explosão afetará a cena arquitetônica?

PK: Acho que os três principais eventos que ocorreram no ano passado, o colapso econômico, o coronavírus e a explosão, deram à comunidade arquitetônica libanesa, ou às pessoas que estão interessadas em pensar mais, tempo para dar um passo atrás, olhar de longe e refletir sobre nossa realidade. Na verdade, eu sinto que, agora, estamos vivendo no limbo fora da realidade, a realidade sendo nossa vida passada infectada e corrompida. Nós, como arquitetos, encontramos uma maneira de trabalhar neste caos.

Alain Badiou é um filósofo francês que fala sobre a teoria do acontecimento. Por evento, ele realmente quer dizer uma mudança nas realidades, uma mudança que torna as coisas diferentes e sem ela, nenhuma transformação teria sido possível. Talvez devêssemos perceber essa explosão como um acontecimento, com um “antes” e um “depois”. As pessoas geralmente reagem imediatamente, especialmente em nossa cultura, e consertam o que está quebrado. Elas reconstroem e, em outras palavras, elas voltam ao passado. O que estou propondo para mim mesmo é me distanciar para pensar em novas possibilidades, em um novo mundo, tomar isso como um acontecimento e não me ocupar em reconstruir sem ter tempo de inventar algo novo. Não estou dizendo que vou fazer uma revolução e mudar o sistema, mas pelo menos nossa forma de pensar deve ser diferente. Não tenho certeza como, mas pelo menos é sobre sair desse caos predominante e começar a criar fora desta realidade.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Re-questionar tudo para reinventar, em vez de ficar preso em nossa própria versão do Mito de Sísifo de Albert Camus, onde construímos falsos sentimentos de realização, felicidade e o que chamamos de resiliência. Essa resiliência de que falam os libaneses está deslocada, na minha opinião, e não consigo deixar de questionar: somos robôs, imbecis ou super-heróis?

Distanciar-se e produzir algo diferente. Mudando nossa arquitetura no sentido de que começamos a pensar na natureza com mais frequência, na permeabilidade e nas conexões externas, etc., deixando o extravagante para trás. Devemos voltar à nossa escala humana. Nossa chance é este passo para trás. É onde estou no momento, não está muito nítido, mas se isso acontecer em grande escala, haverá algum impulso de mudança. A revolução deve estar nas ideias.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

AD: Como você percebe a Reconstrução? O que deve ser reconstruído exatamente da mesma forma e o que não deve? Como você salvaria o tecido urbano e a memória coletiva?

PK: Zumthor considera a história como algo que está em movimento. Se ele tiver ruínas, ele construirá sobre elas, criando uma nova camada. Isso é bastante ousado, mas também muito interessante para nós. A fórmula é fácil em termos de restauração, mas quando se trata do tecido urbano, é muito mais complexo, principalmente porque já estava em perigo. Acredito que, como arquitetos, não podemos resolver esse problema, deve haver regulamentos e políticas especiais.

Por outro lado, os edifícios não podem ser reconstruídos exatamente como eram antes da explosão. Até edifícios de assinatura. Algo deve dizer que esta é uma época diferente. Lebbeus Woods propôs organismos conectados a estruturas existentes, por exemplo. Seguindo essa mesma lógica, e se imaginarmos algo semelhante no nosso caso, novos acréscimos aos nossos edifícios residenciais privados, criando espaços semi públicos abertos para a cidade. Isso mostra o positivismo ao injetar o que nós, como arquitetos, pensamos ser importante no setor privado, como espaços públicos, natureza etc. O mais importante é não cair no kitsch, no simbolismo e nas abordagens românticas cafonas.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

AD: Como você acha que este evento mudará seu futuro processo conceitual e sua abordagem na arquitetura?

PK: Antes da explosão, eu já estava interessado em um novo tipo de arquitetura e o estava perseguindo através de novas formas, novos espaços. Eu estava no caminho certo em termos de visão, mas acho que preciso levar esses conceitos um pouco mais adiante.

Primeiro, temos que nos localizar dentro da situação do planeta e da situação local. Meu direcionamento é um pouco mais voltar à essência do humano, introduzindo abordagens de iluminação, criando novas percepções, experimentando escalas, e sempre perguntar: por que não e como fazer diferente? Basicamente, trata-se de fazer as pessoas se reconectarem com o encantamento do mundo. Na minha opinião, não há mais lugar para dogmas ou movimentos, cada arquiteto tem a liberdade de seguir seu próprio estilo, indo em sua própria direção.

Não existe ideologia, tudo é possível. O poder dos humanos reside na intuição, criatividade, percepções, em coisas que não podemos explicar. Acho que devemos tirar mais proveito disso.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Lina Ghotmeh: A Memória do Evento

O projeto Stone Garden de Lina Ghotmeh estava em seus últimos estágios de acabamento quando a explosão aconteceu. A menos de um quilômetro de distância do local da explosão, a massa esculpida resistiu ao choque, mas todos os seus elementos de vidro e metal foram completamente destruídos. O ArchDaily discutiu com a arquiteta sobre o impacto do desastre em seu projeto, bem como sobre sua opinião em relação à reconstrução da arquitetura contemporânea em Beirute.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

AD: Quais projetos seus foram afetados na explosão? Qual é a extensão dos danos?

LG: Acabei de concluir o projeto do Stone Garden, uma torre perto do porto e a menos de um quilômetro de distância do local da explosão. Este é um edifício dedicado à habitação com uma galeria de arte dedicada à imagem e produção no Médio Oriente (Mina Image Center). O projeto teve um significado arquitetônico e social. Arquitetonicamente, pretendo que esta torre seja uma expressão da cidade de Beirute, sua paisagem construída, sua história. É uma torre esculpida, ancorada no solo, ornada à mão por artesãos habilidosos; com uma visão positiva da cidade e da natureza nas alturas de Beirute. Todas as janelas tinham jardins embutidos. É uma espécie de Renascimento esperançoso. O prédio também tinha um significado social, a galeria reviveu a fotografia do Oriente Médio, a produção de imagens. Cruzando as civilizações e culturas de Beirute em seu conteúdo. Os apartamentos são todos diferentes, individualizados pelos proprietários. Pode-se escapar com liberdade aqui dos planos genéricos típicos e prototípicos de apartamentos que ditaram continuamente uma estrutura social familiar na cidade.

A explosão impactou muito meus planos em finalizar os últimos acabamentos e entregar o projeto. O prédio com sua fachada de vidro funcionou como um bunker. Seu enorme corpo estava intacto. As árvores jovens permaneceram em suas posições e alturas. No entanto, todas as janelas e a estrutura de metal foram completamente destruídas, os elevadores totalmente empenados. Os interiores dos apartamentos estão todos fora do lugar….

O investidor já escaneou em 3D todo o edifício para avaliar os danos. A grande dificuldade hoje é o financiamento, como financiar todas as obras de reabilitação. É muito difícil, todos estão à beira da falência e não têm meios no momento ...

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

AD: Como você gostaria de ver a reconstrução da arquitetura danificada contemporânea em Beirute?

LG: Devemos pensar em como queremos reconstruir? O que oferecer à cidade? Como aproveitar a memória desse evento? Que mensagem deixará?

Talvez devesse haver um fio condutor, um gesto físico que deveríamos ver se repetindo em todos os edifícios que foram danificados. Um lembrete da responsabilidade social da governança. Da responsabilidade das gerações de não aceitar e ser submetida ao status quo.

A nova realidade está aí e devemos integrá-la em nossa reconstrução; Eu sou uma arqueóloga de coração. Gosto de escavar, de traçar, de deixar marcas do passado, de reinterpretar. Acho que devemos construir esse palimpsesto de histórias, tornar essa memória física de certa forma. Não se trata de perpetuar o drama, mas de aprender com o passado e a arquitetura é uma de nossas ferramentas.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

AD: Você pode nos contar mais sobre sua filosofia em relação ao assunto - sobre como devem ser os esforços de reconstrução de "novos" edifícios?

LG: Deve-se questionar a dimensão pública dos edifícios, a explosão - por mais violenta que seja - provou que todas essas estruturas estão interligadas, ficaram mais ou menos danificadas. A questão agora é que nova relação com o espaço público podemos estabelecer e integrar.

Também estou questionando esse tempo entre a destruição e o início da reconstrução. Como podemos explorar essa ruína?

Há quase a possibilidade de transformar este estado intermediário dos edifícios. E se essas estruturas se tornassem laboratórios públicos enquanto aguardam a reconstrução, ou refúgios acentuados de vida verde. Também sinto que há um aspecto poético a ser trazido para o interior do edifício, ainda estou muito marcada com a quebra do vidro. Eu continuo vendo os interiores todos envoltos em fragmentos de vidro em minha mente.

© Laurian Ghinitoiu
© Laurian Ghinitoiu

Este artigo faz parte do Tópico do ArchDaily: O Futuro das Cidades. Todos os meses exploramos um tópico em profundidade por meio de artigos, entrevistas, notícias e projetos. Saiba mais sobre nossos tópicos mensais. Como sempre, no ArchDaily agradecemos as contribuições de nossos leitores; se você deseja enviar um artigo ou projeto, entre em contato conosco.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Harrouk, Christele. "A abordagem contemporânea para reconstruir cidades após desastres: o caso de Beirute" [The Contemporary Approach to Rebuilding Cities Post-Disaster: The Case of Beirut] 31 Jan 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/955774/a-abordagem-contemporanea-para-reconstruir-cidades-apos-desastres-o-caso-de-beirute> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.