Tecnologias digitais podem salvar o patrimônio cultural de Veneza das inundações

Tecnologias digitais podem salvar o patrimônio cultural de Veneza das inundações

A Factum Foundation, uma organização sem fins lucrativos dedicada ao uso de tecnologia digital para a conservação do patrimônio cultural, em colaboração com a Fondazione Giorgio Cini, Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne (EPFL) e a Iconem, escaneou a Ilha de San Giorgio Maggiore, em Veneza, em sua totalidade. Ao longo de 10 dias, a equipe digitalizou a ilha de 10 hectares usando fotogrametria e tecnologias LiDAR. Intitulado ARCHiVe, o projeto visa “auxiliar de forma eficiente e eficaz a preservação do frágil patrimônio cultural de Veneza”.

Nuvem de pontos da escada Longhena, extraída de dados de fotogrametria. Imagem Cortesia da Fundação FactumImagem do mapa tonal de toda a ilha de San Giorgio, gerada a partir de uma nuvem de 6 bilhões de pontos. A altura e a profundidade são representadas em cores que variam do vermelho ao azul . Imagem Cortesia da Fundação FactumMapa mostrando alguns dos 600 pontos de digitalização na ilha de San Giorgio. Imagem Cortesia da Fundação FactumO altar da basílica de San Giorgio, gravado com um scanner LiDAR. © Otto Lowe. Imagem Cortesia da Fundação Factum+ 29

Mapa tonal de toda a ilha de San Giorgio. Imagem Cortesia da Fundação Factum
Mapa tonal de toda a ilha de San Giorgio. Imagem Cortesia da Fundação Factum

Após a inundação de 2019 que registrou o nível mais alto dos últimos tempos, uma equipe de especialistas, incluindo a Fundação Factum, a Fondazione Giorgio Cini, a EPFL e a Iconem, decidiu tomar medidas urgentes para preservar o delicado patrimônio cultural de Veneza. A cidade, que poderia se tornar inabitável até 2100, exigia medidas imediatas.

A equipe da Fundação Factum gravando a escada Longhena com um scanner LiDAR. © Otto Lowe. Imagem Cortesia da Fundação Factum
A equipe da Fundação Factum gravando a escada Longhena com um scanner LiDAR. © Otto Lowe. Imagem Cortesia da Fundação Factum

A primeira fase do projeto ARCHiVe envolveu o registro da Basílica de San Giorgio Maggiore, uma igreja do século XVI projetada por Andrea Palladio, usando digitalização LiDAR (com uma Leica RTC360) e fotogrametria terrestre (com uma câmera Sony A7Riv). O grupo digitalizou primeiramente o interior da igreja paladiana para, em seguida, se dedicar ao exterior e à cripta.

Nuvem de pontos do claustro. Imagem Cortesia da Fundação Factum
Nuvem de pontos do claustro. Imagem Cortesia da Fundação Factum

Capturando imagens de cada edifício, por dentro e por fora, a equipe registrou a ilha a partir de mais de 600 locais diferentes, gerando uma nuvem digital de 60 bilhões de pontos. Agora, “os dados adquiridos através de fotogrametria estão sendo mesclados com as nuvens de pontos com o objetivo de criar um modelo 3D de toda a ilha”.

Nuvem de pontos do Labirinto de Borges. Imagem Cortesia da Fundação Factum
Nuvem de pontos do Labirinto de Borges. Imagem Cortesia da Fundação Factum

Na esperança de criar modelos precisos da arquitetura, o ARCHiVe utiliza duas tecnologias: digitalização LiDAR, usando lasers para capturar “relações espaciais dentro de uma grande área”; e fotogrametria, gravando imagens e dados de alta resolução para gerar modelos 3D precisos.

Via Factum Foundation.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Harrouk, Christele. "Tecnologias digitais podem salvar o patrimônio cultural de Veneza das inundações" [New Technologies Might Save Venice’s Cultural Heritage from the Floods] 31 Out 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/950408/tecnologias-digitais-podem-salvar-o-patrimonio-cultural-de-veneza-das-inundacoes> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.