1. ArchDaily
  2. Epfl

Epfl: O mais recente de arquitetura e notícia

Pavilhão temporário revestido em porcelanato aborda a noção da ornamentação na arquitetura

Cortesia de Alexander Wolhoff
Cortesia de Alexander Wolhoff

O Pavilion d'Eau, projetado pelo estudante de arquitetura da EPFL, Alexander Wolhoff, foi construído no Lago Geneva, na Suíça. O pavilhão é produto de seis meses de pesquisa, prototipagem e coordenação com diferentes organizações locais e acadêmicas, realizadas em conjunto com os laboratórios LHT3. O exterior do pavilhão octogonal tem uma estética estrutural, enquanto o interior - acessado apenas através da água - é ornamentado, revestido com peças artesanais de porcelanato.

O município de Saint-Saphorin en Lavaux, que é Patrimônio Mundial da UNESCO,  permitiu a construção do pavilhão temporário nas águas do Lago de Genebra. O projeto foi desenhado para tocar a paisagem suavemente, não afetando o leito natural do lago. O pavilhão é composto de materiais que incluem pedras de lago, madeira e peças de porcelanato. Para garantir um impacto mínimo e reversível no local, as sapatas do pavilhão são feitas de sete gabiões, gaiolas metálicas preenchidas com pedras coletadas do próprio lago.

Cortesia de Alexander WolhoffCortesia de Alexander WolhoffCortesia de Alexander WolhoffCortesia de Alexander Wolhoff+ 20

10 tipologias para iluminação natural: de padrões dinâmicos à luz difusa

A luz natural tem se mostrado um excelente elemento criador de formas com o qual a arquitetura pode criar ambientes dinâmicos. Pioneiro em projetos de iluminação, William M. C. Lam, (1924-2012) enfatizou em seu livro "Sunlighting as Formgiver" que a consideração pela luz natural vai muito mais além da economia de energia. Os arquitetos já encontraram inúmeras maneiras de implementar a luz natural e o fato de propor uma tipologia lumínica coerente pode ser um alvo valioso durante o processo de projeto. No entanto, análises de iluminação natural centram-se principalmente no consumo de energia.

Siobhan Rockcastle e Marilyne Andersen, porém, desenvolveram uma abordagem qualitativa no EPFL, em Lausanne. Seu interesse foi impulsionado pela diversidade espacial e temporal da luz do dia, criando uma matriz com 10 tons de luz natural.