Edgar Jerins registra o confinamento na cidade de Nova Iorque

Edgar Jerins registra o confinamento na cidade de Nova Iorque

Este artigo foi publicado originalmente em Common Edge.

Nova York: fechada, vazia. Foi comovente, é claro, mas também foi lindo. Para o artista Edgar Jerins, essa revelação foi uma surpresa. Quem imaginaria que essa cidade movimentada, caótica, suja, vibrante, profana e incrível poderia parecer tão ... linda mesmo sem as pessoas e atividades? Durante anos, Jerins andou de metrô até seu estúdio perto da Times Square. Quando as notícias da pandemia se espalharam pela primeira vez - mais como uma ameaça vaga e indefinida, inicialmente - ele fugiu, com medo para o ônibus e, depois que a gravidade do evento se tornou aparente e o isolamento começou, ele pegou emprestada a bicicleta da filha.

Times Square, New York City, 7:40 p.m., May 8, 2020. Imagem © Edgar Jerins
Times Square, New York City, 7:40 p.m., May 8, 2020. Imagem © Edgar Jerins

A intenção de Jerins não era criar um registro visual do evento; ele é um pintor, que utiliza a fotografia como uma ferramenta de referência em sua carreira - mas logo percebeu que isso poderia ser exatamente o que ele estava fazendo. Sua primeira fotografia, feita com o celular, como todas as suas fotos, capturou uma misteriosa Times Square, com luzes brilhando: “A encruzilhada do mundo” agora um palco sonoro vazio e urbano. "Estou andando de bicicleta para casa, na 42nd Street", diz Jerins. "Estou vendo centenas de táxis, todos com as luzes acesas, sem ninguém para pegar e eu tiro uma foto."

No início, Jerins decidiu, talvez por sua própria sanidade, que ele precisava responder criativamente ao evento, de modo que a foto digital, regularmente tirada rapidamente do ponto de vista de um ciclista, se tornou seu principal meio de expressão. Como uma espécie de gesto cívico, ele primeiro documentou os pontos de referência (Radio City, Carnegie Hall, Apollo Theatre) precisamente porque eram muito familiares, mas agora foram apresentados em um conjunto completamente diferente de condições de iluminação e cenários. "Depois de um tempo, certas coisas começam a se revelar", diz ele. "Sou quase como um pintor de paisagens fotografando a cidade. As luzes da rua são diferentes à medida que o sol muda, abrindo um novo campo para exploração".

One World Trade Center, New York City, 6:30 p.m., 4 de Abril, 2020. Imagem © Edgar Jerins
One World Trade Center, New York City, 6:30 p.m., 4 de Abril, 2020. Imagem © Edgar Jerins

Todos os dias aproximadamente no mesmo horário - entre as 17h e 18:00 - Jerins se aventura na bicicleta de sua filha. Ele cobriu praticamente toda a cidade de Manhattan, do Battery Park à George Washington Bridge. Em contraste com suas pinturas, que podem levar um ano para serem concluídas, a maioria das fotos do isolamento de Jerins são impressões rápidas, tiradas antes que a luz, o tráfego ou a proximidade de outras pessoas mudem. Ocasionalmente, uma joia se apresenta (pedras úmidas em uma rua do SoHo ao entardecer) e ele faz uma série. "Parte disso", ele admite, "é sorte".

SoHo, Nova York, 7:10 p.m., 13 de Abril, 2020. Imagem © Edgar Jerins
SoHo, Nova York, 7:10 p.m., 13 de Abril, 2020. Imagem © Edgar Jerins

Embora ele esteja fotografando uma cidade derrotada, documentando uma tragédia urbana de proporções sem precedentes, as imagens ainda são formalmente bonitas. Acontece que Manhattan em repouso é uma maravilha física: grandiosa, bonita, assombrada, vulnerável, mesmo sem a força vívida de seus habitantes irreprimíveis. Existe uma tensão inerente a esse paradoxo, que certamente não se perde para o artista. "Foi muito, muito emocional no começo", diz ele.“Mas tomei a decisão de que seria assim que responderia. Ao mesmo tempo, não abandonaria nenhuma das minhas forças criativas: composição, luz, cor, uma resposta emocional a cada imagem. Eu só queria pegar todas as minhas habilidades e tentar aplicá-las a essas fotografias ".

Estação Central, Nova York, 6:20 p.m., 31 de Março, 2020. Imagem © Edgar Jerins
Estação Central, Nova York, 6:20 p.m., 31 de Março, 2020. Imagem © Edgar Jerins

Manhattan já está derretendo lentamente em uma nova realidade, as restrições diminuíram. Existem sinais de renovação (ou inquietação imprudente, dependendo com qual especialista você falar). Os parques estão lotados (talvez demais). Bares estão transbordando nas calçadas com jovens. Toda essa necessidade acumulada de interação pode ser inevitável: visitamos Nova York, moramos, trabalhamos lá para estar perto de outras pessoas, mesmo em solidão, como uma vez E.B. White apontou. É a razão de ser da cidade. No entanto, chegar ao que está do outro lado do "normal" é provavelmente um processo gradual, suscetível a contratempos. Jerins planeja documentar tudo. Uma vez superada a crise, as fotos resultantes serão um registro histórico importante (elas são perfeitas para um livro e uma exposição). Mais importante ainda, será uma declaração visual dramática de onde estávamos e o que vencemos.

Fifth Avenue, Nova York, 5:30 p.m., 5 de Maio, 2020. Imagem © Edgar Jerins
Fifth Avenue, Nova York, 5:30 p.m., 5 de Maio, 2020. Imagem © Edgar Jerins

Convidamos você a conferir a cobertura do ArchDaily relacionada ao COVID-19, ler nossas dicas e artigos sobre Produtividade ao trabalhar em casa e aprender sobre as recomendações técnicas para criar uma arquitetura saudável em seus futuros projetos. Além disso, lembre-se de revisar os conselhos e informações mais recentes sobre COVID-19 no site da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Pedersen, Martin . "Edgar Jerins registra o confinamento na cidade de Nova Iorque" [Edgar Jerins: Photographing the Locked-Down City of New York] 10 Jun 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Bisineli, Rafaella) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/941115/edgar-jerins-registra-o-confinamento-na-cidade-de-nova-iorque> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.