Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Qual o papel da arquitetura durante a crise social no Chile? Nenhum.

Qual o papel da arquitetura durante a crise social no Chile? Nenhum.

O aumento da passagem do metrô de Santiago em 30 pesos (4 centavos) foi o início de uma agitação social no Chile que, após dias de evasões em massa e manifestações espontâneas, explodiu na sexta-feira, 18 de outubro. Naquele dia, o sistema Metro entrou em colapso, os protestos se multiplicaram e os saques e incêndios saíram fora de controle. Na mesma noite, o Estado de Exceção Constitucional declarado pelo presidente Sebastián Piñera encerrou uma sexta-feira obscura.

Santiago, na maior manifestação da democracia no Chile, em 25 de outubro de 2019. Imagem © Nicolás Valencia Santiago, na maior manifestação da democracia no Chile, em 25 de outubro de 2019. Imagem © Nicolás Valencia Plaza Italia, o centro simbólico de Santiago, na maior manifestação do Chile em democracia, em 25 de outubro de 2019. © Nicolás Valencia Plaza Italia, o centro simbólico de Santiago, na maior manifestação do Chile em democracia, em 25 de outubro de 2019. © Nicolás Valencia + 5

O descontentamento social tomou as ruas de Santiago de surpresa, mas rapidamente reconhecemos que o aumento da passagem revelou a raiva, a injustiça e a desigualdade acumuladas pelas classes médias, vulneráveis e pobres de um país em crescimento, mas que distribui mal sua riqueza. Sem porta-vozes ou bandeiras oficiais, e com demonstrações diárias em todo o país, na última sexta-feira, 25 de outubro, 1,2 milhão de pessoas se reuniram na Plaza Itália, o centro simbólico de Santiago, para exibir a força de um movimento socialmente. transversal.

Diferentemente das revoluções estudantis de 2006 e 2011, as demandas atuais apontam para mudanças estruturais no sistema econômico e social chileno. Como esperado, pela intriga genuína ou pela arquitetura simples, nós - arquitetas e arquitetos - nos perguntamos qual é a contribuição da profissão nessa crise social.

Nenhum, eu acredito.

Santiago, na maior manifestação da democracia no Chile, em 25 de outubro de 2019. Imagem © Nicolás Valencia
Santiago, na maior manifestação da democracia no Chile, em 25 de outubro de 2019. Imagem © Nicolás Valencia

Me explico: até agora, vimos intervenções físicas que respondem mais a uma necessidade legítima de documentar e denunciar (como #PorUnHabitarDigno) do que a ações que oferecem respostas às demandas do movimento social. Também não é hora de discutir quais tipologias ou projetos arquitetônicos podem resolver uma crise social, porque as possíveis soluções passam pela cidadania, pelas ruas, pela política, pelo Estado e pelo mercado.

Nesse sentido, o projeto arquitetônico não contribui com nada nesse momento preciso, mas a boa notícia é que arquitetas e arquitetos são, antes de tudo, cidadãs e cidadãos. E podemos demonstrar, denunciar, exigir, discutir, promover e votar. É nisso que está o nosso valor.

O projeto arquitetônico contribuiu para a desigualdade econômica? Nos últimos tempos, a segregação urbana tem sido ativamente documentada e advertida por arquitetos, planejadores urbanos e geógrafos. Não apenas por instituições como a IEUT (Universidade Católica), a CIT (Universidade Adolfo Ibáñez), a Fundação Habitacional e a INVI (Universidade do Chile), mas também pesquisas privadas, como as de Dannemann, Sotomayor-Gómez, Samaniego e alertas claros como o da socióloga María Emilia Tijoux. Curiosamente, um mapeamento da distribuição socioeconômica de Santiago, desenvolvido pelo geógrafo e pesquisador Juan Correa Parra para a Fundação Habitacional, serviu de cartaz na grande marcha de 25 de outubro.

O valor da terra é precisamente um ator da desigualdade social em Santiago e a atual distribuição de serviços e equipamentos a potencializa, mas isso pode ser atribuído a estratégias sistemáticas, ferramentas e instrumentos de políticas públicas e ações de mercado, e não ao desenho final de um edifício. Se não projetássemos essas obras, a segregação desapareceria ou pelo menos, diminuiria? A ideia de uma grupo monolítico, unificado e alinhado que se recusa categoricamente a absorver essas demandas é um pensamento mágico desconectado do que realmente acontece nas sociedades neoliberais e, especialmente, em uma profissão tão precária quanto a arquitetura. A resposta não está aí.

Santiago, na maior manifestação da democracia no Chile, em 25 de outubro de 2019. Imagem © Nicolás Valencia
Santiago, na maior manifestação da democracia no Chile, em 25 de outubro de 2019. Imagem © Nicolás Valencia

Certamente, o anúncio de apartamentos de 18 metros quadrados no centro de Santiago - nanoapartamentos - exacerbou em setembro passado o cansaço da classe média, enquanto a Câmara de Construção do Chile (CChC) reconheceu em um relatório que "a aquisição de uma casa no Chile é "severamente inacessível", meses após avisar que essa crise habitacional pode "escalar em um nível social". No entanto, o problema dos nanoapartamentos é muito mais do que uma questão de projeto: optar por um empréstimo hipotecário para os 18 metros quadrados requer pelo menos uma renda mensal de US $ 1.150 e, segundo a Fundação Sol, apenas 11,9% dos trabalhadores no Chile poderiam fazê-lo.Você acha que a arquitetura é capaz de reverter esse cenário exclusivamente com "melhores projetos"?

Se aprovadas, as reformas estruturais não passarão diretamente pelo projeto arquitetônico, mas provavelmente por melhorias nas ferramentas e mecanismos de governança e planejamento urbano que influenciarão o que será projetado, construído e recompensado nos próximos anos (se for consistente com o que a rua grita, apesar de historicamente estarmos atrasados para as transformações), mas nosso treinamento disciplinar na graduação não nos fornece ferramentas suficientes para intervir nesse exato momento.

Quantos arquitetas e arquitetos trabalham no Estado? Quantos participam da elaboração de políticas públicas? Quantas organizações não-governamentais possuem arquitetos especializados em espaço urbano? Quantos arquitetos são ouvidos pelos meios de comunicação de massa? Quantos arquitetos participaram de debates na televisão hoje em dia? Quantas colunas de opinião escritas por arquitetos lemos nas últimas semanas?

Devemos entender que apenas o projeto - a necessidade de construir um edifício - não é suficiente para resolver uma crise social. É irreal e exagerado o que a arquitetura pode alcançar, precisamente por discursos monofocais em que nossa disciplina acredita que pode resolver todos os problemas da sociedade. Ser arquiteta ou arquiteto significa ter um pensamento metodológico e um conjunto de ferramentas que estamos desperdiçando porque acreditamos que edificar e construir é nossa única resposta.

Que essa crise social também nos torne mais conscientes de tudo isso.

Plaza Italia, o centro simbólico de Santiago, na maior manifestação do Chile em democracia, em 25 de outubro de 2019. © Nicolás Valencia
Plaza Italia, o centro simbólico de Santiago, na maior manifestação do Chile em democracia, em 25 de outubro de 2019. © Nicolás Valencia

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos
Sobre este autor
Cita: Valencia, Nicolás. "Qual o papel da arquitetura durante a crise social no Chile? Nenhum." [¿Cuál es el rol de la arquitectura durante el estallido social en Chile? Ninguno.] 05 Nov 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/927668/qual-o-papel-da-arquitetura-durante-a-crise-social-no-chile-nenhum> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.