O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Os "quatro pilares" de B.V. Doshi: o que todos nós podemos aprender com o Pritzker 2018

Os "quatro pilares" de B.V. Doshi: o que todos nós podemos aprender com o Pritzker 2018

Os "quatro pilares" de B.V. Doshi: o que todos nós podemos aprender com o Pritzker 2018
Os "quatro pilares" de B.V. Doshi: o que todos nós podemos aprender com o Pritzker 2018, CEPT. Image © Laurian Ghinitoiu
CEPT. Image © Laurian Ghinitoiu

Este artigo foi originalmente publicado pela Common Edge como "The Genius, Heart and Humility of Indian Architect B.V. Doshi."

Estou sentado em um movimentado café com o arquiteto indiano Jitendra Vaidya. Quando comecei minha vida como estagiário de arquitetura no final dos anos 90, Jitendra era um dos projetistas técnicos mais experientes que eu conhecia. Igualmente confortável pesando os méritos relativos de vários detalhes brilhantes enquanto discute conceitos projetuais abstratos, Jitendra é um arquiteto universal da velha escola. Depois de mais de meio século em uma profissão famosa por prazos apertados, Jitendra ainda mantém um brilho alegre em seus olhos quando fala sobre arquitetura. Então não é nenhuma surpresa que Jitendra esteja visivelmente animado hoje, enquanto ele me conta sobre seu professor, o homem que acabou de ser reconhecido como um dos maiores arquitetos vivos do mundo, B.V. Doshi.

O Prêmio Pritzker - a mais alta honra da profissão - a ser concedido a um urbanista acadêmico de 90 anos que passou sua longa carreira ensinando principalmente estudantes de arquitetura e atendendo a comunidades pobres na Índia é um desenvolvimento impressionante. Para ser justo, a caricatura dos vencedores do Pritzker como arrogantes, Euro-Americanos, Starchitects, é exagerada e desatualizada. Os vencedores recentes, como Alejandro Aravena, Wang Shu e Shigeru Ban, estão ligados em sua mútua dedicação em servir as comunidades pobres e deslocadas através de projetos inovadores e culturalmente autênticos. Mas mesmo aceitando essa nuance, Doshi é fundamentalmente diferente dos vencedores recentes.

Para começar, o trabalho de Doshi não é obviamente sexy. Não possui uma geometria complicada ou tecnologia avançada. Não é a moda ou atual. Até o recente anúncio do prêmio, não havia muitos projetos de Doshi espalhados por blogs de arquitetura e em revistas de projeto. Em um mundo onde os prêmios vão para os projetos mais fotogênicos, o trabalho de Doshi é a antítese: é difícil capturar com uma câmera - não é "instagramável".

Como a maioria das coisas na minha vida, minha experiência com a arquitetura de Doshi foi uma extensão não planejada do meu trabalho. Passei uma década gerenciando o escritório de Xangai da minha empresa e ocasionalmente visitando a Índia para colaborar com colegas. Em uma visita memorável, passamos um dia explorando o país das maravilhas modernista que é a cidade de Ahmedabad. O dia começou como uma peregrinação a dois locais sagrados de arquitetura moderna dos quais Doshi foi responsável para dar vida: o prédio da Associação de Proprietários de Moinhos de Le Corbusier e o Instituto Indiano de Administração de Louis Kahn - talvez meus dois prediletos favoritos de meus dois arquitetos favoritos . Mas, por mais que eu ame esses projetos, os momentos mais memoráveis ​​do dia vieram durante a nossa turnê do Instituto de Indologia de Doshi, e seu Centro de Planejamento Ambiental e Tecnologia, onde Doshi era o reitor fundador. No Instituto de Indologia, meu amigo Nick e eu estávamos cercados de alunos da escola primária, ansiosos para ver nossas fotos do prédio. Na CEPT, sentamos no chão do pátio comendo dosa com os estudantes universitários. Nas fotografias, ambos os prédios parecem ser exemplos “bons, mas padronizados” do tipo de arquitetura moderna e concreta típica dessa década. Pessoalmente, porém, esses projetos são serenamente emotivos: sensivelmente conectados a seu ambiente e acolhedores à atividade comunal. Na época, percebi que havia algo importante para aprender com esses projetos. Mas então, eu provavelmente mudei para o próximo prazo, e os anos se passaram, Doshi desvaneceu-se para uma boa memória. Então, no mês passado, Doshi ganhou o Pritzker e liguei para meu velho amigo Jitendra.

Instituto de Indologia em Ahmedabad. Image © Michael Tunkey
Instituto de Indologia em Ahmedabad. Image © Michael Tunkey

Cinquenta anos: é quanto tempo Jitendra está pensando em Doshi. Como todos os bons pais, ele tem entediado seus filhos com histórias dos "dias de glória" de seu tempo como um dos primeiros alunos da CEPT em 1965. Hoje, abri as comportas. Jitendra fala rápido com o uso frequente das palavras "mágico", "surreal", "espiritual". Ele me diz que muitas vezes reflete a sorte de ser criado em Ahmedabad por pais de mente aberta, na esteira da Independência de 1947 da Índia. exatamente no momento em que Doshi retornou da Europa. Enquanto ele fala, eu vejo por que Doshi não é apenas a escolha perfeita para o Pritzker deste ano, mas também um antídoto para muito do que aflige a arquitetura acadêmica e profissional contemporânea.

Jitendra divide sua experiência com Doshi em três fases distintas: o novo aluno, o estudante maduro e o jovem empregado. Na primeira fase, como um novo aluno, Jitendra estava entrando em uma escola que não era apenas experimental, era essencialmente um ato de fé. Quando Doshi fundou a Escola de Arquitetura, Ahmedabad, em 1962, era um programa privado não certificado que só mais tarde se tornaria o CEPT. Jitendra e seus colegas sabiam que não iam se formar com um diploma aceito. Na sociedade indiana orientada por certificados, isso significava simplesmente que eles provavelmente não seriam elegíveis para emprego profissional após a formatura. No entanto, Jitendra não só teve que competir contra estudantes de toda a Índia por um cargo na escola, mas insiste que depois de um ano no programa ninguém se preocupou com o diploma porque "todos sabíamos que teríamos sucesso na vida".

Nesses primeiros anos, a vida de Jitendra como estudante era o ideal platônico do aprendizado, com Doshi como a figura carinhosa do centro, que não só ensinava uma grande variedade de aulas de ateliê - cerâmica, carpintaria, dança indiana - como também atraía os alunos. maiores arquitetos vivos de todo o mundo para ensinar na escola. Le Corbusier e Kahn eram visitantes regulares, e os estudantes passeavam frequentemente em IIM para ver os tijolos subirem na obra-prima de Kahn. Mas o que Jitendra lembra mais desse período era a pedagogia inovadora de Doshi para jovens estudantes, que foi ao mesmo tempo totalmente prática e absolutamente intelectual.

Para as aulas práticas, Doshi traria professores, como um mestre carpinteiro idoso sem educação formal, para demonstrar a sabedoria coletiva de seu ofício. Os alunos experimentariam materiais comumente disponíveis, como madeira, tijolo, barro, juncos e produtos industriais reciclados. Ao mesmo tempo, Doshi introduziu a teoria contemporânea, como o trabalho de Lewis Mumford, para contextualizar o trabalho dos alunos.

Michael Tunkey em sua visita em Ahmedabad. Image © Nick W. Cameron
Michael Tunkey em sua visita em Ahmedabad. Image © Nick W. Cameron

Na segunda fase, como um estudante avançado, Jitendra foi encaminhado a um compromisso com a comunidade. Os estudantes trabalhariam diretamente em comunidades onde as pessoas viviam com menos de dez dólares por mês. Eles entrevistaram os moradores, realizaram pesquisas, monitoraram as programações diárias, observaram o uso de animais domésticos como burros, mediram tudo em casa e documentaram a estrutura e a dinâmica da família. Jitendra descreve como, nessa época, na Índia, a maioria das pessoas vivia apenas sobrevivendo: a classe média era pobre e os pobres não tinham nada. Então, eles começaram a aprender o significado por trás do dito de Doshi, “dar-lhes a base e construir o telhado”. Eles desenvolveram modelos para “abrigo básico”, que Doshi descreveu como a casa mínima que até mesmo a pessoa mais pobre poderia construir, com cerca de cinquenta dólares. Eles aprenderam que você projetou em torno do estilo de vida. Eles também aprenderam o poder de dar até mesmo a menor quantidade de “propriedade” aos muito pobres. Trabalhar nessas comunidades não era estranho ou desconfortável para Jitendra. Apesar de ter crescido na classe média, ele caminhava para a escola todos os dias através do que ele descrevia apenas como “favelas”. Ele entendia as estruturas ásperas construídas com materiais disponíveis que exigiam manutenção constante dos moradores. Mas Doshi incentivou os alunos a não vê-las como inferiores ou de baixa tecnologia. Ao mesmo tempo, a CEPT tinha instalações avançadas como um túnel de vento e uma sala de testes de ângulo solar. Doshi incentivou a inovação em todos os níveis de projeto, independentemente do custo ou do cliente.

Depois de seis anos como estudante, Jitendra passou para a terceira fase, trabalhando como jovem empregado no escritório de Doshi por dois anos antes de se mudar para os EUA para pós-graduação (ironicamente, universidades britânicas e americanas aceitariam um diploma da CEPT muito antes de serem certificadas na Índia). Jitendra encontrou o culminar de seus estudos em seu trabalho. Doshi sempre foi extremamente gentil, educado e generoso com a jovem equipe. Seus arquitetos seniores não eram apenas brilhantes, mas também focados em nutrir e preparar a equipe. Embora havia muito a aprender, havia também continuidade entre o que eles estudaram na CEPT e o que faziam na prática. A equipe de Jitendra desenvolveu um projeto habitacional muito grande para trabalhadores da indústria de gás. Eles viram como os conceitos de “abrigo básico” poderiam criar uma comunidade que os moradores adorassem. Os projetos habitacionais de baixo custo de Doshi eram de alta densidade, mas de baixa escala; edifícios simples, de dois ou três andares, que encorajavam a vida em comunidade a acontecer no nível da rua. Doshi foi cedo para identificar os problemas que os carros representariam para as comunidades e separar cuidadosamente o tráfego de pedestres e veículos, priorizando sempre as pessoas. Ele também se concentrou na sustentabilidade prática e barata. Isso foi em um contexto em que as pessoas não eram apenas pobres demais para o ar condicionado, eram pobres demais para o isolamento e em um clima onde o telhado de zinco é um grande problema para os moradores. Mais do que tudo, Jitendra viu como, mesmo nesses projetos extremamente humildes, Doshi mantinha uma agenda artística. Algo da beleza nesses projetos deu uma identidade à comunidade, e os novos moradores se sentiram orgulhosos de suas casas. Essa foi a lição fundamental de posse e identidade de Doshi.

CEPT. Image © Laurian Ghinitoiu
CEPT. Image © Laurian Ghinitoiu

E então, com uma recomendação de Doshi, Jitendra deixou a Índia para estudar, praticar e começar uma família na América. Jitendra permaneceu em contato com seu mentor nas décadas seguintes. Com o tempo, com o benefício da retrospectiva, Jitendra desenvolveu algo como uma “teoria unificada de Doshi”. Ele acredita que a maioria das pessoas interpreta erroneamente Doshi principalmente como arquiteto ou urbanista. Jitendra acredita que o verdadeiro brilho de Doshi está em “quatro pilares”: construtor de instituições, educador, comunicador e visionário.

O excepcionalismo de Doshi como um construtor de instituições e educador pode ser inferido através da própria experiência de Jitendra como estudante. Eu desafiaria qualquer professor universitário ou administrador atual a imaginar que talentos seriam necessários para inventar uma nova escola, arrecadar fundos para o terreno e construção, coordenar com agências governamentais, atrair os melhores talentos de ensino do mundo, inventar uma pedagogia única e culturalmente relevante, convencer os alunos (e seus pais) a arriscar um modelo não testado e a crescer, década por década, para se tornar uma das instituições mais renomadas do país. Doshi fez isso aos 30 anos, enquanto também ensinava seus próprios cursos e iniciava sua prática profissional. Difícil de imaginar.

Mas os outros dois pilares da persona de Doshi - comunicador e visionário - são as qualidades que são totalmente desvalorizadas e desesperadamente necessárias na cultura do projeto contemporâneo.

Balkrishna Doshi. Image Courtesy of VSF
Balkrishna Doshi. Image Courtesy of VSF

Para Doshi, a comunicação estava fortemente enraizada na empatia e na curiosidade. Mais e mais em nossa discussão, Jitendra enfatizou que Doshi era "tão simples, tão claro". Ficava igualmente feliz em dar uma palestra para um público acadêmico internacional, conversar com um construtor experiente ou sentado em um chão de barro com um grupo de pessoas idosas da aldeia. Em todos os casos, ele se importava genuinamente com as pessoas em cada situação. Ao visitar, Jitendra se preocupava em desperdiçar o valioso tempo de Doshi. Mas Doshi gostava de conversar, para descobrir como você estava fazendo pessoalmente e profissionalmente. Apesar de seus milhares de contatos, ele se lembraria do que você discutiu, coisas como os nomes de seus filhos e seus interesses. Essa foi a curiosidade que surgiu da empatia sem fim de Doshi. Nas palestras, Doshi sempre se sentava na frente, no chão, tomando notas cuidadosas em seu diário como um estudante ansioso. Mas Jitendra percebeu o que seu mentor fez em seguida, “todos tomamos notas, mas Doshi voltava para casa e conectava os pontos”. Esse é o poder de comunicação de Doshi, um poder de escutar e conectar culturas, classes, teorias, paradigmas e disciplinas.

A natureza do estilo de comunicação de Doshi é tão ponderada, respeitosa e filosófica que é difícil até mesmo se relacionar com as críticas de opinião em maiúsculas que dominam as discussões de projeto contemporâneas nas seções de mídia social e comentários online. Nesse contexto, é fácil ver como Jitendra e muitos outros alunos dos Doshi o vêem como um líder quase espiritual dentro da arquitetura.

CEPT. Image © Laurian Ghinitoiu
CEPT. Image © Laurian Ghinitoiu

Isso leva à Visão, a lição final e talvez mais importante de Doshi e seu Prêmio Pritzker, especialmente para os jovens arquitetos de hoje que tentam criar uma carreira autêntica em uma profissão cheia. O que eu realmente queria aprender com Jitendra é como Doshi se tornou Doshi. Em um momento ele era um “designer estrangeiro” de 30 anos de idade, trabalhando nos estúdios europeus e americanos dos “Grandes Mestres”, e no momento seguinte ele emergiu como um ícone totalmente formado do Arquiteto Indiano Moderno. Como isso acontece? Jitendra não tem certeza, mas ele adivinha que a transformação foi rápida e total, "como quando Gandhi percebeu que ele iria parar de usar ternos ocidentais". A mudança de guarda-roupa de Gandhi era tudo menos superficial; foi baseado em uma redefinição radical do eu com implicações da raiz para o ramo. Curiosamente, a transformação de Doshi não rejeita suas influências estrangeiras. Ao contrário, ele as incorpora em uma nova visão de mundo de um arquiteto indiano cosmopolita que projeta estilos de vida locais e pessoas que usam materiais e tradições locais. Com pouco mais de 30 anos, Doshi tinha a visão de criar comunidades sustentáveis, habitáveis ​​e de baixo custo para o seu povo. Ele fez isso dentro do contexto de sua cultura local, sem ficar preso no óbvio beco sem saída provincial, nacionalista ou nostálgico. Ele então passou o meio século seguinte, pacientemente, comunicando essas ideias através de silos culturais, construindo coalizões e instituições para impulsioná-las e treinando a geração para implementá-las ...

Foi isso. Eu entendi o porquê a Teoria Unificada de Doshi de Jitendra é tão vitalmente relevante para a arquitetura hoje. Terminamos nossos cafés, conversamos sobre crianças e nos despedimos. Voltei para o meu carro pensando no meu trabalho.

Michael Tunkey é diretor da CannonDesign e arquiteto de Buffalo, que viveu e trabalhou ao redor do mundo. Com um foco consistente em arte, arquitetura e comunidade, ele busca a definição mais ampla possível da prática: projetista, construtor, organizador, curador, professor e escritor.

Sobre este autor
Michael Tunkey
Autor
Cita: Tunkey, Michael. "Os "quatro pilares" de B.V. Doshi: o que todos nós podemos aprender com o Pritzker 2018" [The "Four Pillars" of B.V. Doshi: Why All Architects Can Learn From the 2018 Pritzker Laureate] 29 Mai 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/895356/os-quatro-pilares-de-bv-doshi-o-que-todos-nos-podemos-aprender-com-o-pritzker-2018> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.