O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Os princípios de Gehl Architects para que as cidades sejam mais habitáveis

Os princípios de Gehl Architects para que as cidades sejam mais habitáveis

Os princípios de Gehl Architects para que as cidades sejam mais habitáveis
Os princípios de Gehl Architects para que as cidades sejam mais habitáveis, © Piazza del Campo, Siena (Itália) © schoeband, via Flickr
© Piazza del Campo, Siena (Itália) © schoeband, via Flickr

Se um lugar proporciona o contato visual entre os cidadãos e tem uma infraestrutura adequada para evitar uma experiência sensorial desagradável, está cumprindo dois dos 12 princípios criados pelo arquiteto e urbanista Jan Gehl, juntamente a Lars Gemzøe e Sia Karnaes, para determinar se um espaço público é bom ou não.

Esses dois princípios foram retomados por Gehl em uma recente entrevista com o jornal The Guardian, na qual, junto à arquiteta Helle Søholt, divulgou novos tópicos para que as cidades sejam mais habitáveis.

Veja a seguir os 12 princípios de Gehl Architects:

No ano 2000, Jan Gehl e Helle Søholt fundaram o escritório Gehl Architects através da qual dedicaram-se a desenvolver projetos urbanos pensados para as pessoas segundo seus interesses, comportamentos e movimentos com o objetivo de criar cidades habitáveis.

© Fonte: Gehl Architects
© Fonte: Gehl Architects

Segundo Søholt, uma cidade habitável é aquela que conta com bairros que garantem o acesso à infraestrutura social, isto é, a escolas, estações de transporte público, hospitais e locais de trabalho, entre outros. Para que isso seja possível, é necessário que a cidade tenha regiões de uso misto, algo que acontece quando são compactas, de acordo com o que disse ao The Guardian.

Com exemplo, mencionou o projeto de remodelação do vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo. Segundo o memorial do projeto, as deficiências desse lugar se devem às diferenças de nível que atual como obstáculos e dificultam os deslocamentos, à insuficiência de assentos e iluminação pública e ao fato das estações de transporte público não estarem sinalizadas, aspectos que tornam esse lugar pouco acessível e seguro.

© Fonte: Gehl Architects
© Fonte: Gehl Architects

Para mudar isso, o projeto consistiu em fazer com que o local se adequasse à escala humana, ou seja, que tivesse um desenho peatonal unificado, tipo uma esplanada; que os espaços públicos estivessem bem conectados às estações de transporte público; e que o lugar fosse inclusivo e seguro. 

Outra qualidade citada por Søholt para tornar uma cidade mais habitável é quando esta oferece "liberdade de escolhas em termos de mobilidade". Nesse sentido, essa liberdade é dada pela possibilidade de eleger um meio de transporte dentre várias alternativas e, assim, satisfazer as necessidades diárias de deslocamento. Em sua opinião, as alternativas são três: andar de bicicleta, caminhar ou usar o transporte público. 

De acordo com o que disse ao jornal britânico, a cidade que considera estar avançando nessa ideia é Helsinki, que conta com um serviço de transporte público on demand que integra diferentes meios de transporte e está desenvolvendo uma plataforma única para efetuar os pagamentos.

© Fonte: Video Kutsuplus
© Fonte: Video Kutsuplus

Por sua vez, Gehl opina que "podemos facilmente fazer cidades onde não seja necessário um carro para deslocar uma pessoa". O arquiteto considera que os cidadãos sabem que, se usarem a bicicleta, não correm o risco de se atrasarem em engarrafamentos, cuidam de sua saúde e fogem dos altos preços do combustível. 

Na entrevista, os arquitetos também se referiram à densificação urbana. Sobre esse tema, Gehl considera que, ao planejar uma cidade, é necessário assegurar-se de que ela será um bom lugar tanto para as crianças como para o número cada vez maior de adultos e aposentados. Nesse sentido, destacou Copenhague, cuja prefeitura estabeleceu que 20% das habitações em novos bairros devem ter preços acessíveis.

Por sua vez, Søholt relaciona a densidade urbana com a diversidade dos bairros e a necessidade de equilíbrio entre áreas verdes, centros de transporte e áreas adensadas.

© © andrea_minoia, via Fickr
© © andrea_minoia, via Fickr

Voltando aos 12 princípios que determinam a qualidade de um bom espaço público, Gehl acredita que na Piazza del Campo, principal praça do centro histórico de Siena, todos os princípios são cumpridos.

Via Plataforma Urbana.

Sobre este autor
Constanza Martínez Gaete
Autor
Cita: Gaete, Constanza Martínez. "Os princípios de Gehl Architects para que as cidades sejam mais habitáveis" [Las claves de Gehl Architects para que las ciudades sean más habitables] 20 Jan 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/760642/os-principios-de-gehl-architects-para-que-as-cidades-sejam-mais-habitaveis> ISSN 0719-8906