O vermelho de Lina

O vermelho de Lina

Dentre as muitas marcas deixadas pela arquiteta Lina Bo Bardi na arquitetura brasileira está o uso da cor vermelha como elemento de destaque em suas obras. Seja trazendo leveza e vividez à dureza do concreto paulistano do Sesc Pompeia ou aquecendo a alvura do Solar do Unhão da Bahia, o vermelho transcendeu o status meramente visual e estético para tornar-se uma característica distintiva da arquiteta ítalo-brasileira, tecendo conexões entre muitas de suas obras.

O vermelho de Lina - Imagem 2 de 16O vermelho de Lina - Imagem 3 de 16O vermelho de Lina - Imagem 4 de 16O vermelho de Lina - Imagem 5 de 16O vermelho de Lina - Mais Imagens+ 11

Uma das figuras mais proeminentes da arquitetura moderna nacional do século XX, Lina Bo Bardi deixou um legado expressivo no Brasil, marcado por uma abordagem singular em seus procedimentos projetuais. Sua maneira de conceber e desenvolver projetos combinava sensibilidade cultural, pesquisa meticulosa e um forte compromisso técnico e estético, que buscava alinhar elementos modernos de vanguarda com a tradição popular.

O vermelho de Lina - Imagem 16 de 16
MASP. Foto © Romullo Baratto

Dentre esses procedimentos estava o uso da cor como um elemento criativo de composição da arquiteta, especialmente a cor vermelha, que muitas vezes aparecia nos projetos já nos croquis e ideias iniciais. Seja em fachadas externas ou ambientes internos, volumes estruturais ou de circulação, esquadrias, móveis ou revestimentos, a cor realçava elementos nas criações de Lina, tornando-os ainda mais marcantes e importantes no contexto geral da obra.

No Sesc Pompeia, centro de cultura e lazer localizado no bairro da Pompeia, na zona oeste da capital paulista, o vermelho é visto em inúmeros elementos definidos pela arquiteta, mas já se fazia presente no local desde antes de sua intervenção na década de 1980, no avermelhado terroso dos tijolos das paredes dos galpões da antiga fábrica de tambores. Em seu projeto, corrimãos, dutos, estruturas e esquadrias são alguns dos itens que parecem ganhar vida no vermelho que contrasta com o cinza do concreto das edificações.

O vermelho de Lina - Imagem 6 de 16
Sesc Pompeia. Foto © Pedro Kok

No Solar do Unhão, projeto empreendido no final da década de 1950, é diante do mar da Baía de Todos os Santos que a cor vermelha se destaca, compondo a paisagem da orla soteropolitana. Se o destaque do projeto está na famosa escada helicoidal de madeira do Museu de Arte Moderna da Bahia desenhada por Lina, não se pode também negligenciar o vermelho das grandes esquadrias coloniais, que parece se juntar ao sol para criar um dos crepúsculos mais bonitos de Salvador, aquecendo a capital baiana.

O vermelho de Lina - Imagem 9 de 16
Solar do Unhão. Foto © Paul R. Burley via Wikimedia Commons

Em alguns casos, como no Museu de Arte de São Paulo, a cor vermelha ainda ganha outros contornos mais complexos, com uma camada política importante. Inaugurado em 1968, durante a ditadura civil militar brasileira, apesar de suas duas escadas-rampas terem sido sempre rubras, os famosos pórticos do MASP permaneceram acinzentados durante mais de duas décadas. Hoje, o edifício não é somente um dos maiores ícones da obra de Lina Bo Bardi, como também sinônimo da Avenida Paulista e um dos símbolos da cidade de São Paulo.

O vermelho de Lina - Imagem 12 de 16
Vista externa do MASP na avenida Paulista, década de 1980. Crédito: Luiz Ossaka. Arquivo do Centro de Pesquisa do MASP

Segundo a arquiteta, a ideia de utilizar o vermelho era antiga. A cor aparece em alguns elementos do projeto arquitetônico: nos primeiros desenhos, as gárgulas da cobertura eram vermelhas; em uma perspectiva, destaca-se o cinza-escuro da laje, envolto por um céu tingido de vermelho; as escadas-rampas do salão cívico sempre foram vermelhas; e, além disso, Lina de fato pensara em pintar a estrutura de vermelho, como indica um croqui provavelmente do final da década de 50. A cor vermelha como “idéia original” incorporava-se à origem mítica do edifício. A história gloriosa do MASP reconquistava uma glória adiada: a pintura, descartada em 1968, porque o “impacto seria ainda maior” – porque, talvez, a ditadura militar visse o vermelho como subversivo (Lina, como sabemos, era comunista). — Alex Miyoshi

O uso da cor vermelha na obra de Lina Bo Bardi transcende a simples escolha estética para tornar-se parte constituinte da narrativa visual e conceitual de muitas de suas criações, revelando muito da abordagem singular dos procedimentos projetuais da arquiteta que marcou a história da arquitetura nacional.

Sesc Pompeia / Lina Bo Bardi

O vermelho de Lina - Imagem 8 de 16
Sesc Pompeia. Foto © Pedro Kok
O vermelho de Lina - Imagem 7 de 16
Sesc Pompeia. Foto © Pedro Kok
O vermelho de Lina - Imagem 4 de 16
Sesc Pompeia. Foto © Flick beatriz marques

Solar do Unhão / Lina Bo Bardi

O vermelho de Lina - Imagem 10 de 16
Solar do Unhão. Foto © Nelson Kon
O vermelho de Lina - Imagem 2 de 16
Solar do Unhão. Foto © Manuel Sá
O vermelho de Lina - Imagem 11 de 16
Solar do Unhão. Foto © Manuel Sá

MASP / Lina Bo Bardi

O vermelho de Lina - Imagem 3 de 16
MASP. Foto © Pedro Kok
O vermelho de Lina - Imagem 15 de 16
Vão do MASP. Foto © Romullo Baratto
O vermelho de Lina - Imagem 13 de 16
Escada-rampa do MASP. Foto © Flick lauromaia

Teatro Gregório de Mattos / Lina Bo Bardi

O vermelho de Lina - Imagem 14 de 16
Teatro Gregório de Mattos. Foto © Nelson Kon

Cadeira Bown / Lina Bo Bardi

O vermelho de Lina - Imagem 5 de 16
Imagem Cortesia de Arper

Este artigo é parte dos Temas do ArchDaily: Cor na arquitetura. Mensalmente, exploramos um tema em profundidade através de artigos, entrevistas, notícias e projetos de arquitetura. Convidamos você a conhecer mais sobre sobre os temas do ArchDaily. E, como sempre, o ArchDaily está aberto a contribuições de nossas leitoras e leitores; se você quiser enviar um artigo ou projeto, entre em contato.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Adele Belitardo. "O vermelho de Lina" 02 Set 2023. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/1005363/o-vermelho-de-lina> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.