O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Em foco: Lina Bo Bardi

Em foco: Lina Bo Bardi

Em foco: Lina Bo Bardi
Em foco: Lina Bo Bardi, © Ioana Marinescu, Instituto Lina Bo e P.M. Bardi
© Ioana Marinescu, Instituto Lina Bo e P.M. Bardi

Hoje, 05 de dezembro, a arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi (1914-1992) completaria 103 anos. Uma das arquitetas de maior importância e expressividade na arquitetura brasileira do século XX, Lina estudou arquitetura na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Roma e, logo após se graduar, mudou-se para Milão, onde chegou a ser editora da Revista Quiaderni di Domus após ter trabalhando para Gio Ponti.

Durante a Segunda Guerra Mundial enfrentou um período difícil após seu escritório ter sido bombardeado. Nesta época fundou, juntamente com Bruno Zevi, a publicação A Cultura della Vita, e fez parte do Partido Comunista Italiano, vindo a conhecer o crítico e historiador de arte Pietro Maria Bardi, com quem se mudou definitivamente para o Brasil.

Casa de Vidro. © flickr selmie. Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a> Sesc Pompéia. © Flickr DAW (CC BY-NC-SA). Used under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/2.0/'>Creative Commons</a> Casa do Chame-Chame. Via Blogspot Mila Machado MASP. © Pedro Kok + 15

Foi no Brasil, morando no Rio de Janeiro, que Lina expandiu suas influências, consolidando sua importância no cenário da arquitetura moderna a partir do momento que se muda para São Paulo devido a um convite feito a Pietro para fundar e dirigir o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - MASP. Lina se destacou por compreender a cultura brasileira a partir de uma perspectiva antropológica, atenta sobretudo à convergência entre vanguarda estética e tradição popular. 

Casa de Vidro. © wordpress casasbrasileiras
Casa de Vidro. © wordpress casasbrasileiras

Em 1950 cria a revista Habitat, e em 1951 projetou sua própria residência, a famosa Casa de Vidro, no bairro Morumbi, em São Paulo, considerada uma das obras paradigmáticas do racionalismo artístico no Brasil. Em 1957 começou a construir a nova sede do MASP, na Avenida Paulista, com um vão de 70 metros que cobre uma praça.

MASP. © Pedro Kok
MASP. © Pedro Kok

Ao se mudar para Salvador, por convite para dirigir o Museu de Arte Moderna da Bahia, segue sua carreira com emblemáticos projetos, dos quais se destaca o restauro do Solar do Unhão, um conjunto arquitetônico do século XVI catalogado como patrimônio histórico na década de 1940, o edifício do Sesc Pompéia, de 1977, o Teatro Oficina, de 1984, e a Casa do Chame-Chame.

Sesc Pompéia. © Pedro Kok
Sesc Pompéia. © Pedro Kok

Sua obra, entretanto, não engloba apenas projetos de arquitetura, mas envolve também trabalhos de cenografia, artes plásticas, desenho de mobiliários e design gráfico. Lina veio a falecer em 1992, em um momento de rica produção em curso e diversos outros projetos em mente.

Casa do Chame-Chame. © AA School Positive Dialogues
Casa do Chame-Chame. © AA School Positive Dialogues

A arquitetura é criada, 'inventada de novo', por cada homem que anda nela, que percorre o espaço, subindo as escadas, ou descansando sobre um guarda-corpo, levantando a cabeça para olhar, abrir, fechar uma porta, sentar-se ou levantar-se e ter um contato íntimo e ao mesmo tempo criar 'formas' no espaço; o ritual primitivo do qual surgiu a dança, primeira expressão do que viria a ser a arte dramática. Este contato íntimo, ardente, que era outrora percebido pelo homem, é hoje esquecido. A rotina e os lugares comuns fizeram o homem esquecer a beleza de seu 'mover-se no espaço', de seu movimento consciente, dos mínimos gestos, da menor atitude... -- Lina Bo Bardi

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Romullo Baratto
Autor
Cita: Romullo Baratto. "Em foco: Lina Bo Bardi" 05 Dez 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/758576/em-foco-lina-bo-bardi> ISSN 0719-8906