1. ArchDaily
  2. Materiais Reciclados

Materiais Reciclados: O mais recente de arquitetura e notícia

Pavilhão do Japão na Bienal de Veneza aborda consumo de massa e reuso na arquitetura

Para a edição deste ano da Bienal de Arquitetura de Veneza, o Pavilhão do Japão nos convida a refletir sobre o movimento de bens e mercadorias, sobre o consumo de massa, a sustentabilidade e o reaproveitamento de materiais na arquitetura. Intitulado Co-propriedade de Ação: Trajetórias de Elementos e com curadoria de Kadowaki Kozo, o Pavilhão Japonês para a Biennale deste ano será construído a partir da estrutura de uma tradicional casa japonesa de madeira, a qual será desmontada, enviada para Veneza e então reconstruída e ressignificada através do uso de novos materiais e soluções construtivas. Desta forma, o Pavilhão do Japão procura demonstrar que materiais e estruturas existentes podem ter uma segunda vida, colocando em cheque a crescente demanda por novos insumos e matérias primas, abraçado a reutilização em detrimento do consumo.

Casa de Contemplação / Virginia Kerridge Architect

© Dianna Snape© Michael Nicholson© Dianna Snape© Michael Nicholson+ 24

  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  650
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Australian Architectural Hardwoods, Bisanna Tiles, Brodware, Spence & Lyda

Arquitetos de Hong Kong transformam resíduos plásticos em mobiliário urbano para combater a poluição

O rio Shing Mun em Sha Tin, uma cidade residencial em Hong Kong, luta contra a poluição do lixo plástico há anos. Os resíduos domésticos que não são reciclados de forma adequada vão parar em aterros ou a boiar no rio. Em 2018, quase 17 milhões de itens de plástico, ou 40.000 itens por dia, foram drenados para o oceano através do rio Shing Mun, principalmente embalagens de alimentos, talheres e garrafas de plástico para uso doméstico. Essa quantidade de poluição de plástico no rio e no meio ambiente pode eventualmente colocar em risco o ecossistema natural de forma irreversível.

Foster + Partners converte edifício industrial em escritórios em Madri

O escritório britânico Foster + Partners está liderando uma grande reforma em um edifício histórico de Madri, na Espanha. O projeto consiste na construção de um conjunto corporativo para a Acciona e busca requalificar uma antiga edificação industrial de 1905, criando mais de 10 mil metros quadrados de escritórios.

Parque no entorno. Imagem Cortesia de Foster + PartnersVista do interior do escritório. Imagem Cortesia de Foster + PartnersTérreo e jardim do novo edifício. Imagem Cortesia de Foster + PartnersVista do interior do escritório. Imagem Cortesia de Foster + Partners+ 6

Materiais de demolição, uma nova vida através da reciclagem

Em muitos lugares do mundo, uma nuvem de poeira e detritos combinada com uma bola de demolição e uma escavadeira compõem uma imagem que, ainda hoje, tende a simbolizar sinais de progresso, inovação, atividade econômica e a esperança de um futuro melhor através da arquitetura e da indústria da construção civil. 

Reciclagem de telhas: 15 exemplos de reuso na arquitetura contemporânea

Nave 8 B / Arturo Franco. Image © Carlos Fernández Piñar
Nave 8 B / Arturo Franco. Image © Carlos Fernández Piñar

La Colmena / Luigi Rosselli + Raffaello Rosselli. Image © Ben HoskingCafé KOI / Farming Architects. Image © Nguyen Thai ThachClay Roof House / DRTAN LM Architect. Image © H.Lin HoNave 8 B / Arturo Franco. Image © Carlos Fernández Piñar+ 17

Seja devido à demolição total ou parcial de um edifício, seja para reforma ou adaptação de uma estrutura existente — em busca de sistemas de cobertura mais eficientes —, telhas de barro e cimento são materiais que muito frequentemente acabam virando entulho. Devido ao seu baixo custo de produção, telhas não costumam ser recicladas e reaproveitadas cotidianamente, menos ainda utilizadas para cumprir outra função que não a de cobertura. Felizmente, somando-se a uma crescente conscientização sobre os custos ambientais da produção de materiais para a construção civil, a cada dia mais, arquitetos e arquitetas têm se comprometido a reciclar e reaproveitar resíduos de antigas estruturas obsoletas, estabelecendo uma arquitetura responsável e inovadora. A seguir, elencamos alguns recentes projetos que apresentam soluções alternativas para a reciclagem e reincorporação de telhas na arquitetura contemporânea, seja em paredes, fachadas, elementos de proteção solar, pisos e até mobiliário.

Casas brasileiras: 10 residências com materiais reciclados

Segundo uma pesquisa realizada pela ABRECON (Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição), houve, nos últimos anos, um crescimento na reciclagem de resíduos de construção e demolição (RCD) no Brasil. Segundo o relatório de 2015, o percentual de RCD reciclados no país naquele ano foi de 21%, enquanto em 2013 este total correspondeu a 19%.

O cenário, apesar de otimista, ainda não é ideal, e o crescimento de RCDs reciclados ainda é considerado pequeno. No Brasil, os resíduos da construção civil podem representar entre 50% e 70% da massa dos resíduos sólidos urbanos. Ou seja, ainda é preciso defender uma prática comum de reciclagem e de reuso de materiais na arquitetura, sobretudo no contexto brasileiro.

Casa Michelle / Yuri Vasconcelos Arquitetura. Imagem: © Alexandre Santos LimaCasa Pacheco Leão AL / Ateliê de Arquitetura. Imagem: © André NazarethCasa em Samambaia / Rodrigo Simão Arquitetura. Imagem: © André NazarethCasa Flamboyant / Perkins+Will. Imagem: © Nelson Kon+ 11

Materiais e técnicas construtivas tradicionais na arquitetura contemporânea chinesa

A arquitetura vernácula nasce da escassez, da restrição de materiais e recursos disponíveis assim como de barreiras físicas, geográficas e dificuldades para transportar matérias primas de um lugar para outro. Ela se adapta ao seu contexto, utilizando materiais locais e técnicas construtivas tradicionais. Como uma tendência sempre presente, muitos arquitetos ainda buscam inspiração no passado, e cada vez mais têm incorporado com sucesso materiais e técnicas construtivas locais em seus projetos. Este artigo pretende oferecer uma visão abrangente de como os materiais tradicionais, como tijolos e telhas de barro, pedras, bambu, estruturas de madeira e taipa estão sendo ressignificados em um movimento que talvez poderíamos chamar de “a nova arquitetura vernacular chinesa”.

Todos os plásticos são recicláveis? Conheça uma nova tecnologia que recupera rejeitos de plástico e vidro

Ao passo que nem todos os plásticos são reciclados, mesmo aqueles que exibem o sinal de reciclagem, o problema global causado por estes resíduos continua muito longe de ser resolvido. A reciclagem, geralmente determinada por fatores como demanda, legislação e economia, consome cerca de 20% da produção anual de plásticos, deixando uma grande quantidade não resolvida, destinada a durar para sempre em nosso ambiente. Além disso, ao competir com materiais recém-produzidos, os plásticos reciclados precisam atender aos padrões de qualidade e valor, bem como ser submetidos a uma transformação sustentável, eficiente e economicamente viável.

A ROGP ou Rejects of Glass & Plastics Technology é uma abordagem inovadora que redireciona tipos de plástico rotulados como materiais não recicláveis devido à sua complexidade técnica ou problemas relacionados à economia.

Deck ROGP para o projeto Cubetto - parte do MEDS 2018 - de Eugenio Chironna e Alexandre Marguerie. Imagem © Jan Von Der Heyde© Charbel Tannous. Cortesia de  Development Inc.Cortesia de Development Inc.© Charbel Tannous. Cortesia de  Development Inc.+ 13

Reduzir, reutilizar e reciclar: o princípio dos 3 R's aplicado à arquitetura

Com o aumento dos níveis de emissão de poluentes ao longo dos anos, tem crescido também a preocupação sobre as ações que podem ser tomadas para minimizar os danos causados ao planeta. Como forma de promover a redução ou não-geração de resíduos, surge o princípio dos 3 R's: reduzir, reutilizar e reciclar. Estas ações, unidas à adoção de padrões de consumo sustentável, têm sido promovidas como forma de proteger os recursos naturais e minimizar o desperdício.

Centro Comunitário da Vila Sen / Vo Trong Nghia Architects. Imagem: © Quang TranPavilhão dos Resíduos / Cloud-floor. Imagem: © Ketsiree WongwanQuiosque Third Wave / Tony Hobba Architects. Imagem: © Rory GardinerResidência na Prosperina / Fabrica Nativa Arquitectura. Cortesia de Fabrica Nativa Arquitectura+ 15

Cidades recicladas: como o design cíclico dá forma à vida urbana

A reciclagem tem sido um ponto de entrada para o design sustentável. É uma atividade pessoal devido à micro escala que permite às pessoas reduzir o desperdício e economizar energia. Mas entre a escassez de recursos, a perda de habitat ambiental e a crise climática global, houve uma mudança nas práticas diárias em direção a um pensamento mais cíclico. Cada vez mais, a necessidade de manter a vida faz parte de um processo contínuo de produção, reabsorção e reciclagem, onde os resíduos são convertidos em insumos para a produção.

Rely Benches. Imagem © Joe DoucetSuperblock de Sant Antoni. Imagem © Del Rio BaniKiruna Town Hall. Imagem © Hufton + CrowExpo Gate. Imagem © Filippo Romano+ 9

Arquitetura da reciclagem: uma jornada por fábricas e instalações de coleta

A reciclagem e reutilização de materiais continua a ganhar espaço e relevância na indústria da arquitetura e construção. Tal prática tem se firmado como uma importante alternativa aos métodos mais tradicionais de construção, oferecendo uma solução mais econômica e sustentável quando implementada de forma consciente. Além de contribuir substancialmente para a economia de recursos e matéria-prima, o estabelecimento de usinas de reciclagem também apresenta uma oportunidade para a geração de novos empregos, desde à coleta, o transporte e o processamento até a comercialização dos materiais e produtos resultantes dos processos de reciclagem. De forma complementar, estações de processamento de resíduos sólidos também podem incorporar sistemas de produção de energia, minimizando os custos operacionais e o impacto global da construção de tais edifícios.

© Ivan Brodey© Theo PeekstokCourtesy of Vaillo + Irigaray© Nikolas Koenig+ 11

Guia de arquitetura para projetos desmontáveis

O conceito de Design for Disassembly (DfD) ou “projetar para desmontar”, é uma prática que vem ganhando força ao longo dos últimos anos entre arquitetos do mundo todo. Tal abordagem revela uma crescente preocupação com o excessivo consumo de recursos naturais, o desperdício e a baixa taxa de reciclagem na indústria da construção civil. O artigo a seguir pretende analizar em detalhe esta nova tendência na arquitetura, apresentando algumas diretrizes de projeto que contemplam a possibilidade de desmontagem e reciclagem de edifícios no futuro, oferecendo uma melhor compreensão desse conceito e seu impacto na prática profissional da arquitetura e na economia circular.

The Circular Building by Arup was designed for disassembly and reuse. Image © Simon KennedyLendager Group’s Wasteland exhibition. Image © Rasmus Hjortshøjthe aluminium facade of Østre Havn Parking House G2 by SANGBERG Architects was designed to be easily dismantled and recycled. Image © Rasmus HjortshøjDetails of Nest We Grow / Kengo Kuma & Associates + College of Environmental Design UC Berkele. Image © Shinkenchiku Sha+ 11

Onde usar materiais reciclados na arquitetura e urbanismo? 8 aplicações possíveis

Como alternativas à produção de materiais na construção civil, caracterizada por altos gastos energéticos e altos índices de poluentes lançados na atmosfera, a reciclagem e o reuso de materiais e estruturas têm se tornado cada vez mais comuns na arquitetura. A principal diferença entre esses métodos é que, enquanto o primeiro emprega certo gasto energético no tratamento do material antes do seu reaproveitamento, o segundo não requer esse processo, reutilizando-o na forma em que foi descartado.

Cortesia de AubiconCortesía de Idea-TecPavilhão construído com material reciclado transforma espaço público na África do Sul. Imagem: © Ella PetousisCourtesy of a3p+ 9

Wang Shu e a reciclagem de materiais na arquitetura chinesa contemporânea

Ao longo dos dois últimos séculos, a China passou por um vertiginoso processo de expansão demográfica e urbana, resultando na completa descaracterização de sua paisagem histórica, onde inúmeras pequenas cidades e vilarejos acabaram sendo varridos do mapa, substituídos por novas infra-estruturas urbanas e edifícios cada vez mais altos. À medida que a antiga paisagem chinesa vai desaparecendo sob o novo tecido urbano da China do século XXI, importantes elementos da cultura cívica e social também estão sendo esquecidos e negligenciados. Wang Shu, o primeiro arquiteto chinês a ser galardoado com o Prêmio Pritzker, tem lidado com esta delicada situação cotidianamente desde o início de sua carreira, desenvolvendo uma arquitetura que busca construir pontes entre o passado e o presente. Utilizando materiais reciclados e recuperados de antigas estruturas abandonadas ou destruídas, Wang Shu está resignificando a arquitetura tradicional chinesa no contexto de um país em rápido e incansável processo de desenvolvimento e expansão urbana. A seguir, discutiremos algumas das principais obras construídas por Wang Shu, como o Museu de arte contemporânea (2005) e o Museu Histórico de Ningbo (2008), e o Campus da Nova Academia de Arte de Hangzhou (2004).

Fachadas de espuma de alumínio: textura, porosidade e brilho

CaixaForum Sevilla / Vázquez Consuegra. Image © Jesús Granada
CaixaForum Sevilla / Vázquez Consuegra. Image © Jesús Granada

Habitualmente, os revestimentos modulares para fachadas e envoltórias fornecem soluções rápidas e eficientes, mas muitas vezes carecem de riqueza e caráter para serem repetidos infinitamente, sem entrar em relação com o projeto arquitetônico e suas distintas funções e exigências.

Estes painéis de espuma de alumínio são fabricados mediante um processo de injeção de ar no alumínio fundido, que contém uma fina dispersão de partículas cerâmicas. Essas partículas estabilizam as bolhas de ar e criam painéis que oferecem um nível interessante de detalhes e variabilidade, gerando fachadas exclusivas com diferentes níveis de textura, transparência, brilho e opacidade. Seus painéis ultraleves podem ser usados como pranchas planas, são 100% recicláveis e estão disponíveis em formatos de tamanho padrão de até 3,66 metros de comprimento, embora também existam painéis personalizados mais longos.

Alusion™. Image Cortesía de Cymat Technologies Ltd.Alusion™. Image Cortesía de Cymat Technologies Ltd.Alusion™. Image Cortesía de Cymat Technologies Ltd.Alusion™. Image Cortesía de Cymat Technologies Ltd.+ 20

Pavilhão é construído com molas recicladas de colchões

O escritório Fahed + Architects desenvolveu um pavilhão temporário para o Abwab 2017, destaque da Dubai Design Week, que exibe designers talentosos de todo o Oriente Médio, norte da África e sul da Ásia.

O compromisso com o meio ambiente é o núcleo da filosofia de Fahed + Architects, por isso foi necessário criar uma estrutura a partir de um material 100% reciclado da empresa local de gerenciamento de resíduos, Bee'ah. A pele externa do pavilhão é uma malha de molas de colchões entrelaçadas que naturalmente conforma um volume orgânico, flutuando entre os edifícios circundantes.