1. ArchDaily
  2. Croquis

Croquis: O mais recente de arquitetura e notícia

De Lina Bo Bardi a Renzo Piano: quando o desenho traduz a vivência do espaço

© Mikkel Frost
© Mikkel Frost

Se hoje as tecnologias despontam para diversas formas de representação e interação com o desenho, compreender como os arquitetos se comunicam através dos traços realizados à mão pode ser fundamental para se aprofundar no tema da visualização arquitetônica. Através da simplicidade dos gestos, pequenos textos ou uma colagem de referências, é possível traduzir ideias de forma inovadora, diferentemente dos modos que um render pode apresentar. Por isso, evidenciamos aqui o trabalho de grandes nomes como Lina Bo Bardi, Renzo Piano, Pezo von Ellrichshausen e Mikkel Frost, que a partir de diferentes técnicas revelam distintos modos de representar um projeto.

De Lina Bo Bardi a Renzo Piano: quando o desenho traduz a vivência do espaçoDe Lina Bo Bardi a Renzo Piano: quando o desenho traduz a vivência do espaçoDe Lina Bo Bardi a Renzo Piano: quando o desenho traduz a vivência do espaçoDe Lina Bo Bardi a Renzo Piano: quando o desenho traduz a vivência do espaço+ 17

Da representação ao projeto arquitetônico: 19 obras que reinterpretam as técnicas de visualização

© José Hevia
© José Hevia

A representação gráfica, mesmo antes da linguagem e da escrita, foi o primeiro meio de comunicação e significado para a humanidade. O desenho é o ato de substituir a realidade pela representação, ou seja, substituir objetos por imagens codificadas em cada um dos sistemas de representação gráfica.

Na arquitetura, a representação gráfica estimula a imaginação e é a base do pensamento do projeto, uma vez que não só constitui nosso código de comunicação, mas também molda nossa capacidade de nos expressarmos em termos disciplinares. O desenho é primeiro construído na mente do arquiteto e depois transferido para o suporte determinado por qualquer tipo de instrumento.

Da representação ao projeto arquitetônico: 19 obras que reinterpretam as técnicas de visualizaçãoDa representação ao projeto arquitetônico: 19 obras que reinterpretam as técnicas de visualizaçãoDa representação ao projeto arquitetônico: 19 obras que reinterpretam as técnicas de visualizaçãoDa representação ao projeto arquitetônico: 19 obras que reinterpretam as técnicas de visualização+ 40

Estilos de renderização: aspectos, diferenças e como fazer

Os renders, enquanto composições capazes de comunicar o aspecto tridimensional de um projeto a partir de um suporte bidimensional — isto é, a imagem — permitem uma noção prévia do que a obra arquitetônica ainda virá a ser. Mas, ao contrário do que muitas vezes se imagina, a renderização não é sinônimo de uma representação realista da arquitetura.

Por se tratar de uma ferramenta de comunicação projetual, um render pode assumir diferentes estilos a depender não apenas do projeto em questão, mas também do público a quem é direcionado e, além de tudo, da identidade do arquiteto, arquiteta ou escritório de arquitetura responsável pela obra.

Estilos de renderização: aspectos, diferenças e como fazerEstilos de renderização: aspectos, diferenças e como fazerEstilos de renderização: aspectos, diferenças e como fazerEstilos de renderização: aspectos, diferenças e como fazer+ 12

Os melhores desenhos de arquitetura de 2021

O ArchDaily dá continuidade a uma tradição de sete anos que celebra e reconhece os melhores desenhos de arquitetura do ano. De pinturas a colagens, a edição de 2021 destaca uma coleção cuidadosamente curada de desenhos arquitetônicos e visualizações com uma ampla variedade de técnicas e representações, todas orientadas para o objetivo comum de compartilhar ideias, visões e projetos.

Sem experiência com renderização? 4 técnicas que você pode usar no lugar do render

Se há alguma palavra que descreve como são as renderizações arquitetônicas hoje em dia, seria: impressionante. O imenso mundo da renderização permitiu que as pessoas se envolvessem em ambientes construídos virtualmente, explorando cada espaço e experimentando o que podem ouvir ou sentir ao passar de uma sala para outra sem estar fisicamente presente no projeto.

O objetivo principal de uma renderização é ajudar a visualizar como será o resultado final do projeto. Seja para fins de apresentação ou construção, os arquitetos precisam traduzir suas visões de uma forma que ajude as pessoas que não estavam envolvidas no processo de ideação a entender o espaço e as experiências que vêm com ele. No entanto, nem todos os arquitetos têm as habilidades adequadas ou o tempo para criar tais ambientes hiper-realistas, mas com a excepcional qualidade das imagens produzidas atualmente e a crescente demanda, tornou-se obrigatório que todos os projetos sejam apresentados com um 3D realista. Então, se você é um daqueles arquitetos que não tem habilidade nem tempo, aqui estão algumas maneiras de apresentar seu projeto com uma experiência visual imersiva que traduz sua identidade sem recorrer a softwares 3D.

Sem experiência com renderização? 4 técnicas que você pode usar no lugar do renderSem experiência com renderização? 4 técnicas que você pode usar no lugar do renderSem experiência com renderização? 4 técnicas que você pode usar no lugar do renderSem experiência com renderização? 4 técnicas que você pode usar no lugar do render+ 11

Os melhores tutoriais de desenho para arquitetos no youtube

Seja pelas linhas um pouco trêmulas, os cantos com linhas passantes, as hachuras paralelas ou as letras em caixa alta, é inegável que os arquitetos desenvolveram um estilo de desenho com o passar do tempo. Por mais que as perspectivas à mão-livre não sejam mais a única forma de representação de um projeto de arquitetura, elas ainda têm uma importância enorme durante o processo projetual, tornando-se mais uma ferramenta de projeto do que uma forma de representação.  

Uma linha com espessura grossa demais, uma cor mal colocada, uma escala humana fora de proporção, pode chamar mais atenção do que queremos, de fato, mostrar no desenho. Mesmo para um croqui despretensioso e rápido, algumas regras são muito importantes. Além de, é claro, muito treino, algumas dicas ajudam a transformar um croqui ordinário em algo que você se orgulha e quer mostrar aos outros. Aproveitando o enorme acervo de vídeos do youtube, selecionamos alguns criadores de conteúdo que se dedicam a esse assunto e trazem dicas muito boas.

Concurso público nacional de croquis e fotografias do CAU/SC

O concurso pretende estimular o olhar documental e artístico sobre a arquitetura catarinense e oferecerá premiação em dinheiro para os primeiros colocados.

A premiação terá quatro categorias ligadas aos eixos temáticos do Congresso Mundial de Arquitetos (UIA2020RIO): Diversidade e Mistura; Mudanças e Emergências; Fragilidades e Desigualdades; Transitoriedades e Fluxos. Cada participante poderá inscrever até 03 fotografias e/ou croquis que tenham relação com uma ou mais destas categorias. A comissão julgadora também escolherá peças alinhadas com o tema do ano do CAU/SC: “Arquitetura e Urbanismo: Responsabilidade, Ação, Transformação”.

O concurso considerará exclusivamente imagens e croquis com referências arquitetônicas e urbanísticas de Santa

A relevância do croqui na obra de Renzo Piano

Através de seus croquis, Renzo Piano apresenta a verdadeira intenção de seus projetos, evidenciando em muito deles a preocupação com a escala humana, estudos de insolação, conforto, diálogo com o entorno imediato e outros elementos que serão protagonistas de suas obras. Compilamos aqui dez projetos do arquiteto acompanhados de seus croquis, através dos quais é possível traçar um paralelo entre a criação e execução das obras do vencedor do Prêmio Pritzker de 1998.

Suas representações da escala humana dizem muito sobre você

Desenhos de escalas humanas podem ser vistos como uma assinatura arquitetônica. Estas representações do ser humano não só trazem escala e compreensão para um desenho, mas eles também oferecem um vislumbre da personalidade do arquiteto. Alguns arquitetos automaticamente buscam desenhar pessoas realistas, anatomicamente corretas, enquanto outros tem interpretações mais abstratas do corpo humano. Mas o que exatamente essas preferências dizem sobre seu ilustrador? Leia mais para descobrir:

Dicionário ilustrado ajuda a compreender a terminologia da arquitetura

O desenho, enquanto ferramenta arquitetônica, não serve apenas como meio de comunicação; através dele também podemos obter uma compreensão mais profunda de nossa disciplina. Nesse sentido, Alessandro Luporino criou o Dicionário Ilustrado de Arquitetura, uma série de ilustrações evocativas que serve de acompanhamento para o famoso livro Dicionário Enciclopédico de Arquitetura, de Nikolaus Pevsner, John Fleming e Hugh Honor.

Dicionário ilustrado ajuda a compreender a terminologia da arquiteturaDicionário ilustrado ajuda a compreender a terminologia da arquiteturaDicionário ilustrado ajuda a compreender a terminologia da arquiteturaDicionário ilustrado ajuda a compreender a terminologia da arquitetura+ 43

As muitas faces do projeto "Vessel" em Hudson Yards

Colmeia, kebab, abacaxi... chame do que quiser, mas o projeto Vessel em Nova Iorque conseguiu atrair a atenção da mídia e do público desde que foi inaugurado há algumas semanas - e não apenas por sua inusitada forma, mas também pelas belas vistas panorâmicas que oferece em sua cobertura.

Percebendo a infinidade de apelidos atribuídos à nova atração de Hudson Yards, o designer de arquitetura e ilustrador Chanel Dehond selecionou alguns dos mais divertidos e os transformou em desenhos.

E você, de que chamaria o Vessel?

As muitas faces do projeto Vessel em Hudson YardsAs muitas faces do projeto Vessel em Hudson YardsAs muitas faces do projeto Vessel em Hudson YardsAs muitas faces do projeto Vessel em Hudson Yards+ 11

Os melhores desenhos de 2018

Com a missão de fornecer ferramentas e inspiração para arquitetos em todo o mundo, os curadores do ArchDaily estão constantemente em busca de novos projetos, ideias e novas formas de expressão. Nos últimos três anos, o ArchDaily apresenta as melhores descobertas do nosso ano e, nesta oportunidade, queremos compartilhar os melhores desenhos de arquitetura publicados durante este ano.

Qual é o papel do desenho contemporâneo na arquitetura? Abordamos a definição de desenho como projeto em si. Desenhos são usados para explicar princípios, fornecer idéias, para construir nova arquitetura e para documentar processos criativos.

Abaixo, você verá a seleção dos desenhos organizados em seis categorias: Contexto, Desenhos Arquitetônicos, Croquis e Desenho à Mão, Colagens Digitais, Desenhos e Diagramas Conceituais e Gifs Animados. Cada desenho escolhido reforça a construção proposta ou aprimora o trabalho construído.

Você também pode revisar as coleções de anos anteriores aqui ou outras postagens relacionadas a desenhos selecionadas pelos nossos editores no link a seguir.

Dicas para desenhar árvores na representação de arquitetura

Todos temos a memória de infância de desenhar uma casinha com uma porta e uma janela, um telhado de duas águas e uma árvore do lado. Mas, o que diferencia os arquitetos do restante da população, é que continuamos desenhando isso depois de adultos, geralmente com um pouco mais de técnica. E, da mesma forma que nossos desenhos de casas foram se tornando mais complexos e completos, o desenho das vegetações precisou melhorar um pouco. (Aquela forma parecida com um brocólis não agradaria muito clientes e professores). Ainda que geralmente as árvores não sejam os focos principais dos desenhos, elas desempenham um papel importante na composição dos croquis, principalmente para representar a escala, sombreamento pretendido ou alguma intenção de paisagismo.

Como um croqui diário melhorará sua arquitetura

Este artigo foi publicado originalmente na Common Edge com o título "How the Quick Daily Drawing Puts Humanity Back Into Architecture."

O arquiteto Frank Harmon tem um compromisso diário: ele tenta fazer um desenho à mão livre todos os dias. Ele não gasta muito tempo com cada um. Cerca de cinco minutos. Esses gestos rápidos de representação são como capturar relâmpagos em uma garrafa ou, como Virginia Woolf disse uma vez sobre a importância de escrever todos os dias, “bater a rede para capturar a borboleta do momento”. Para capturar esses momentos, você deve ser rápido. O minuto se move. Os desenhos de Harmon parecem soltos, confusos nas bordas. Você sente sua duração de cinco minutos.

World Architecture Festival anuncia os vencedores do Prêmio de Desenho de 2018

O World Architecture Festival, com os co-curadores Make Architects e o Museu Sir John Soane, anunciaram hoje os vencedores do seu anual Architecture Drawing Prize, estabelecido em 2017 para reconhecer a “importância contínua do desenho manual, ao mesmo tempo que abraça o uso criativo das renderizações digitalmente produzidas.”

Quatro dicas para aprimorar seus desenhos digitais

Quer aproveitar ao máximo o seu Apple Pencil no aplicativo Trace? O vencedor do Prêmio Roma, Javier Galindo, compartilha alguns recursos que ajudarão a aprimorar seus desenhos feitos no Trace.

Representações "pós digitais": a fetichização do retrô

Este artigo foi originalmente publicado pela Metropolis Magazine como "Can’t Be Bothered: The Chic Indifference of Post-Digital Drawing."

No universo da arquitetura, o termo “pós-digital” pode ser usado com diferentes significados. Alguns o utilizam para referir-se a um estilo de renderização que se tornou popular entre estudantes, e cada vez mais, também entre os escritórios de arquitetura. Outros emprestam o seu significado para definir objetos arquitetônicos construídos, assim como tudo aquilo que tange a onipresença da esfera “digital” em nossa vida contemporânea.

Representações pós digitais: a fetichização do retrô Representações pós digitais: a fetichização do retrô Representações pós digitais: a fetichização do retrô Representações pós digitais: a fetichização do retrô + 7