Laurian Ghinitoiu

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE FOTÓGRAFO

Instalações Unterholz e Oberholz / Christoph Hesse Architects

© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu+ 19

O que é uma torre de vento?

Antes que o ar-condicionado, movido a combustível fóssil, se tornasse amplamente disponível, as pessoas que viviam em climas adversos não tinham nada além de meios naturais para ventilar seus espaços e controlar a temperatura interna. Para isso, eles consideravam vários fatores externos, como sua localização, orientação em relação ao sol e ao vento, as condições climáticas da área e os materiais locais. Neste artigo, exploramos como civilizações antigas na Ásia Ocidental e no Norte da África utilizaram as torres de vento para se adaptar ao clima rigoroso da região, de forma a fornecer soluções de resfriamento passivo. As torres de vento ainda estão sendo usadas na arquitetura contemporânea, provando que as abordagens locais para adaptabilidade climática são fundamentais para o desenvolvimento do ambiente construído de hoje.

© Amer Jaber© Shervin Abdolhamidi / BBC© Shervin Abdolhamidi / BBCTipos de torres de vento de acordo com as posições das lâminas . Imagem © Parham Kheirkhah Sangdeh and Nazanin Nasrollahi+ 18

Casa Torre / Albor Arquitectos

© Albor Arquitectos© Albor Arquitectos© Albor Arquitectos© Albor Arquitectos+ 49

Cienfuegos, Cuba
  • Arquitetos: Albor Arquitectos
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  88
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2021
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: AutoDesk, Eupinca, Industria local, REVIMCA

Arquitetos convidados na Bienal de Arquitetura de Veneza 2021: conheça as exposições

Para além da contribuição de participações nacionais, a Bienal de Arquitetura de Veneza 2021 convida arquitetos e investigadores a expor os seus trabalhos entre o Pavilhão Central do Giardini, o Arsenale e o Forte Marghera, procurando responder ao tema geral “Como viveremos juntos? ”, definido pelo curador Hashim Sarkis. Com 113 participantes de 46 países e uma representação cada vez maior da África, América Latina e Ásia, essas contribuições arquitetônicas destacam desafios globais e contextuais, bem como apresentam soluções multidisciplinares e criativas.

A 17ª Exposição Internacional de Arquitetura, que ocorre de 22 de maio a 21 de novembro de 2021, divide esses projetos entre os seguintes títulos: Co-Habitats, Stations, Among Diverse Beings, As New Households, As Emerging Communities, Across Borders e As One Planet. Após ter explorado as qualidades recorrentes observadas nos pavilhões nacionais, esta reportagem destaca o restante das intervenções pelas lentes de Laurian Ghinitoiu.

Le Consortium – Land "Grancey-le-Château, A World at the Edge" . Imagem © Laurian GhinitoiuICD Institute for Computational Design and Construction and ITKE Institute of Building Structures and Structural Design "Material Culture: Rethinking The Physical Substrate For Living Together". Imagem © Laurian GhinitoiuPhilip Beesley and the Living Architecture Systems Group / University of Waterloo School of Architecture "Grove". Imagem © Laurian GhinitoiuTVK "The Earth is an Architecture". Imagem © Laurian Ghinitoiu+ 33

A arquitetura temporária das bienais, festivais e exposições mundiais

Helsinki Biennial Pavilion by Verstas Architects. Imagem © Tuomas Uusheimo
Helsinki Biennial Pavilion by Verstas Architects. Imagem © Tuomas Uusheimo

Evento como bienais, festivais urbanos e exposições mundiais têm operado historicamente como um estimulante território de pesquisa e experimentação em arquitetura, cenários que viram nascer algumas das mais provocativas, controversas mas também inspiradoras obras de arquitetura e engenharia. A verdadeira importância das Exposições Mundiais, em particular, reside no fato de que oferecem aos arquitetos um contexto para que estes possam explorar novas ideias e tipologias em uma outra escala que diversamente, não seria possível. Nesta conjuntura, grandes feiras e exposições têm se estabelecido como uma espécie de plataforma para o intercâmbio de ideias e conhecimento. Desta forma, a arquitetura efêmera—e não apenas—tornou-se um espaço de fala para que arquitetos e urbanistas possam dar voz a novas ideias para o futuro do ambiente construído de nossas cidades.

UAE Pavilion at the Venice Biennale 2021. Imagem © Frederico Torra for PLAN-SITE© Raul BettiUS Pavilion at the Venice Biennale 2021. Imagem © Laurian GhinitoiuUK Pavilion atShanghai Expo 2010. Imagem © Daniele Mattioli+ 7

Arquitetura efêmera: inovação, experimentação e entretenimento

Além do “turismo de experiência” e da arquitetura de entretenimento, construções efêmeras e temporárias também podem ser um terreno fértil para se testar novas ideias, soluções e tecnologias. Assumindo uma ampla variedade de diferentes tipologias e formas, desde estruturas emergenciais a instalações lúdicas, estruturas temporárias têm a capacidade de nos projetar no futuro, questionando as regras estabelecidas além de pôr à prova novas tecnologias e sistemas construtivos. Ainda assim, a arquitetura temporária muitas vezes é vista como um passo atrás em relação à sustentabilidade, por isso, a seguir discutiremos alguns dos principais valores da arquitetura efêmera seja como um veículo de experimentação de novas soluções e tecnologias seja como uma oportunidade para engajar comunidades.

Courtesy of ICD-ITKE. Imagem 2012 ICD/ITKE Research PavilionLoud Shadows by Plastique Fantastique. Imagem © Marco CanevacciStair of Kriterion by MVRDV. Imagem © Laurian GhinitoiuTemporary Site of Shengli Market by LUO studio. Imagem © Weiqi Jin+ 9

RIBA anuncia os vencedores do National Award 2021

MK Gallery (Milton Keynes) by 6a architects  . Image Courtesy of RIBA
MK Gallery (Milton Keynes) by 6a architects . Image Courtesy of RIBA

O Royal Institute of British Architects acaba de anunciar a lista dos 54 projetos premiados na última edição do RIBA National Awards, destacando algumas das mais significativas realizações arquitetônicas dos últimos anos no Reino Unido. Abarcando uma vasta gama de diferentes tipologias, desde residenciais unifamiliares a conjuntos habitacionais, edifícios educacionais, culturais, instalações esportivas e hospitais, os projetos celebrados nesta edição do RIBA National Awards revelam uma preocupação crescente com a manutenção e salvaguarda do patrimônio construído na industria da arquitetura e construção, bem como um investimento significativo em educação e cultura no país. Criado em 1966, o prêmio nacional do Real Instituto de Arquitetos do Reino Unido oferece um panorama bastante amplo sobre o ambiente construído e as principais tendências da industria da arquitetura e construção no país.

Bayes Centre, University of Edinburgh by Bennetts Associates . Image © Keith HunterBrighton College - School of Science and Sport by Office for Metropolitan Architecture  . Image © Laurian GhinitoiuAberdeen Art Gallery by Hoskins Architects  . Image © dapple photographyCentre for Creative Learning, Francis Holland School (London, SW1W) by BDP  . Image © Nick Caville+ 55

Steel framing: vantagens de um sistema modular de construção seca

O steel frame é um sistema composto por perfis de aço galvanizado, de espessura entre 0,80 mm e 3 mm, dobrados a frio, e montados como quadros estruturais, com montantes verticais e horizontais. Para envolver os perfis estruturais, são utilizadas chapas de OSB, cimentícias ou de gesso acartonado, que podem receber acabamentos e pinturas interna e externamente. No interior das paredes pode-se incluir materiais isolantes, como lã mineral, de vidro, ou outros, para aumentar o isolamento termo acústico. No sistema steel frame, toda a parte elétrica e hidráulica é instalada antes do fechamento dos painéis, tornando o processo mais eficiente e sem quebras e desperdícios de materiais. Limpeza da obra, eficiência e rapidez são pontos chave neste sistema construtivo altamente disseminado pelo mundo.

7 Pavilhões na Bienal de Veneza que exploram as migrações e seus impactos no espaço construído

Buscando responder a intrigante pergunta proposta por Hashim Sarkis como tema central da 17ª Bienal de Arquitetura de Veneza, “Como viveremos juntos”, diversos arquitetos e curadores dos pavilhões nacionais apresentaram uma série de propostas e leituras sobre os principais problemas e as mais recorrentes questões que permeiam a nossa disciplina. A inquietação do curador da Bienal de Veneza de 2021, foi encarada como um chamado à comunidade de arquitetos “a imaginar espaços que nos permitam viver juntos generosamente”, espaços que não sejam limitados por contratos ou regras e sejam suficientemente flexíveis para acolher uma maior diversidade de pessoas, promovendo a sensação de pertencimento ainda que em um lugar completamente alheio a nossas próprias raízes. Ao contrário do que foi visto ao longo das últimas décadas, a migração hoje não é mais um fenômeno local—do campo para a cidade—, e sim uma questão bastante abrangente, complexa e que transcende fronteiras. As novas tecnologia e a consequente transformação dos espaços de trabalho, além é claro da recente pandemia, alteraram profundamente a forma como nos relacionamos com o espaço construído e não-construído. Atualmente, 85% dos nossos afazeres diários podem ser cumpridos sem precisarmos sair de casa. Dito isso, o que estamos observando no mundo hoje, é uma necessidade cada vez maior de flexibilizarão dos nossos espaços construídos e habitáveis.

Romanian Pavilion. Image © Laurian GhinitoiuPolish Pavilion. Image © Laurian GhinitoiuFrench Pavilion. Image © Laurian GhinitoiuGreek Pavilion. Image © Dima Stouhi+ 24

SOM apresenta habitações lunares na Bienal de Arquitetura de Veneza 2021

Convidados a participar da 17ª Bienal Internacional de Arquitetura de Veneza, os arquitetos da Skidmore, Owings & Merrill (SOM) apresentam Life Beyond Earth, uma intervenção que retrata um vilarejo na lua. Desenvolvido em parceria com a European Space Agency (ESA), a instalação apresenta uma proposta para um ecossistema sustentável que tem como objetivo habilitar a presença humana na lua, explorando a oportunidade para expandir o escopo da arquitetura. O projeto reafirma a importância da exploração do espaço, ao mesmo tempo que destaca seu potencial para avançar com reflexões sobre como isso pode ajudar a vida na Terra.

Cortesia de Skidmore Owings and Merrill© Laurian GhinitoiuCortesia de Skidmore Owings and MerrillCortesia de Skidmore Owings and Merrill+ 9

MVRDV desenvolve catálogo com soluções para requalificar coberturas de edifícios

Voltando a atenção para um recurso espacial ainda pouco explorado, o MVRDV produziu um catálogo com 130 ideias inovadoras para coberturas planas em Roterdã, apresentando uma potencialidade para o desenvolvimento da cidade. Encomendado pela prefeitura e desenvolvido em conjunto com o Rotterdam Rooftop Days, o Rooftop Catalogue ilustra como a requalificação de coberturas pode contribuir em questões como escassez de solo urbano e mudanças climáticas, ao passo que também aborda o lado prático de se reaproveitar esses espaços.

Cortesia de MVRDVCortesia de MVRDVCortesia de MVRDVCortesia de MVRDV+ 18

Gottfried Böhm, arquiteto alemão vencedor do Prêmio Pritzker, morre aos 101 anos

Gottfried Böhm, o primeiro arquiteto alemão a receber o prestigioso Prêmio Pritzker, faleceu aos 101 anos, segundo informações da Deutsche Welle e WDR.

Igreja de Peregrinação de Neviges. Imagem © Laurian GhinitoiuIgreja de Peregrinação de Neviges. Imagem © Laurian GhinitoiuPrefeitura de Bensberger. Imagem © Dr. Norbert Lange | ShutterstockIgreja Matriz São Luiz Gonzaga em Brusque-SC. Imagem © Ronaldo Azambuja+ 5

O melhor dos pavilhões nacionais na Bienal de Veneza 2021

Respondendo ao tema, “Como viveremos juntos” de 115 maneiras diferentes, a Bienal de Arquitetura de Veneza 2021 deu as boas-vindas, fisicamente, ao grande público, em 22 de maio de 2021. Ao se abrir para o mundo, o tema atemporal, porém sensível ao contexto, gerou um coletivo imaginário, destacando um mundo que prefere viver junto a ficar separado. Construindo uma narrativa arquitetônica do presente, que reflete sobre um futuro resiliente, o interrogatório, feito pela primeira vez em 2019, ganhou mais relevância com a pandemia, que paralisou o mundo. Com muito otimismo e amor a arte, a mostra de arquitetura abriu as portas a um público ansioso e revelou qualidades recorrentes nas intervenções apresentadas.

Argentina: A Casa Infinita / Gerardo Caballero. Image © Laurian GhinitoiuAlemanha: 2038. “Nova Serenidade”/ 2038. Imagem © Laurian GhinitoiuMéxico: Desplazamientos / Deslocamentos / Isadora Hastings, Mauricio Rocha, Elena Tudela. Imagem © Laurian GhinitoiuEspanha: Incertezas / Domingo Jacobo, González Galván, Sofía Piñero Rivero, Andrzej Gwizdala, Fernando Herrera Pérez. Imagem © Laurian Ghinitoiu+ 19

O que é arquitetura, de acordo com nossos leitores?

Seguindo nossa busca para redefinir como a arquitetura é percebida hoje, e expondo suas diferentes interpretações, o ArchDaily deu espaço para seus usuários responderem a quatro questões fundamentais: “O que é arquitetura? O que a arquitetura pode fazer? Qual é a sua posição arquitetônica? Qual a sua metodologia de projeto? ” Com cerca de 200 respostas por questão, recolhidas em todo o mundo, as ideias partilhadas são na sua maioria complementares e não conflituosas, sublinhando uma compreensão geral do papel e da essência da arquitetura.

Na mesma linha, em colaboração com a WIA, 16 diferentes figuras notáveis do cenário arquitetônico, como Odile Decq, Kjetil Thorsen do Snøhetta, Peter Cook, Anna Heringer, Yona Friedman, Ma Yansong do MAD Architects, Liam Young e Wolf D. Prix da Coop Himmelb (l) au, para citar alguns, também responderam as mesmas questões. Este artigo destaca as melhores respostas de nossos leitores à interrogação atemporal "O que é arquitetura?"

Bathing Pavilion Tossols-Basil, Olot, Espanha por RCR Arquitectes. Imagem © Tzu Chin YuHabitação em Irkutsk, Rússia. Imagem © Ma ChengRongMuseu Twist, Parque de Esculturas Kistefos, Jevnaker, Noruega por Bjarke Ingels Group. Imagem © Laurian GhinitoiuSede de Recursos da China, Shenzhen, China por Kohn Pedersen Fox. Imagem © Su Zhewei+ 10

Instituto Internacional de Ciências do Esporte / Karamuk Kuo

© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu© Laurian Ghinitoiu+ 21

  • Arquitetos: Karamuk Kuo
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2018
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Veralubois, dormakaba

Uma nova camada de espaços públicos: explorando as coberturas dos edifícios

A medida que os ambientes urbanos se tornam cada vez mais densos, é preciso aproveitar ao máximo cada centímetro quadrado de área disponível. Pensando nisso, arquitetos e arquitetas do mundo todo recentemente descobriram o enorme potencial das coberturas existentes dos edifícios urbanos, na maioria das vezes, espaços subutilizados e de difícil acesso. Além do mais, coberturas e telhados chegam a somar juntas até 25% da área de superfície total disponível em uma cidade. Podendo ser utilizadas tanto como áreas verdes e cultiváveis quanto como espaços públicos e acessíveis, estes jardins suspensos estão sendo pouco a pouco incorporados à infraestutura urbana de várias cidades ao redor do mundo. Neste contexto, este artigo procura analisar em profundidade o real potencial desta estratégia para a criação de uma nova camada de espaços públicos acessíveis em cidades densamente ocupadas.

CopenHill by BIG. Image © Hufton+CrowGreen Cloud by ZHUBO-AAO. Image © John SiuRodeph Sholom School Playdecks by Murphy Burnham & Buttrick Architects. Image © Francis DzikowskiYOU+International Youth Community Shenzhen by officePROJECT. Image © Chao Zhang+ 10