Nicolás Valencia

Nicolas Valencia é o ArchDaily Editorial e Data Manager, liderando a equipe editorial global. Anteriormente foi editor do ArchDaily em espanhol | @nicolasvalencia.cl

NAVEGUE POR TODOS OS PROJETOS DESTE AUTOR

Por que continuar desenhando quando as ferramentas digitais oferecem imagens hiper-realistas?

A partir deste mês, o ArchDaily começará introduzir temas mensais que explorarão nossas histórias, postagens e projetos. Começamos este mês com a Representação Arquitetônica: do Archigram ao Instagram; de esboços de guardanapos a modelos de RV com sincronização em tempo real; de palestras acadêmicas a contadores de histórias.

Não é particularmente novidade ou inovador dizer que a Internet, as mídias sociais e os aplicativos de desenho têm desafiado a relação entre representação e construção. Há um ano previmos que "este é apenas o começo de uma nova etapa de negociação entre a precisão fria da tecnologia e a qualidade expressiva inerente à arquitetura". Mas é isso? Você diria que ferramentas digitais estão traindo a criatividade? Este é um dilema mais antigo do que você pensa.

Nesta nova edição do nosso Editor's Talk, quatro editores e curadores do ArchDaily discutem desenhos como peças de arte, postulando porque ninguém se preocupa com postes telefônicos e explorando como o próprio edifício está se tornando um tipo de representação.

In 'Ugly Lies the Bone' (2018), Es Devlin created a scenario that allowed the audience to look through a VR set as part of the presentation of the play. Image Courtesy of Es Devlin'HYPER-REALITY', um curta (2016), Keiichi Matsuda prevê o rescaldo da vida em uma cidade altamente saturada pela realidade aumentada, onde as ruas exibem uma camada completamente nova de representação. Imagem © Keiichi MatsudaColagem de fala atelier House In Rua do Paraíso em Portugal. Imagem © fala atelierGoogle Dublin. Imagem © Peter Wurmli+ 9

9 lições para enfrentar a Arquitetura depois de sair da universidade

Você prepara seu trabalho final de graduação por um longo tempo. Sonha muito com a apresentação, com a banca, com o projeto, com sua maquete, com o memorial, com as suas palavras. Avança, mas crê que será péssimo. Logo sente que não, que será um êxito e que tudo terá valido a pena. E logo tudo se repete e tens vontade de suicidar-se. Que isso é uma montanha russa e não sabes quando tudo acabará. 

Até que chega o dia. Você apresentar seu projeto. Explica suas ideias. A banca faz perguntas. Você responde. Você percebe que sabe mais do que pensava e que nenhum de seus sonhos constantes durante o ano não estiveram perto do que realmente aconteceu no exame. A banca murmura. Acaba a apresentação e te pedem que saia por um tempo. Ali você espera uma eternidade, minutos que rastejam lentamente. Passa, por favor. A comissão recita uma breve introdução e você não pode deduzir se foi bem ou mal. A comissão vai direto ao ponto. Você passou! Parabéns, você é um novo colega e todos te felicitam pela sua realização. A alegria invade você, apesar do cansaço que vêm arrastando. A adrenalina baixa. Passam-se semanas ou meses para ter um descanso merecido. E você começa a se perguntar: e agora?

A universidade -essa instituição que te forma como profissional- te entrega o diploma e agora você enfrentará o mercado de trabalho pela primeira vez (se é que nunca trabalhou antes). Antes de sair e definir suas próprias métricas de êxito pessoal (o êxito já não é medido em avaliações acadêmicas), compartilhamos com você 9 lições para enfrentar o mundo, agora que você é uma arquiteta ou um arquiteto.

Perkins + Will e ASL Arquitectos projetarão o novo Instituto Hebraico em Santiago

Cortesía de Instituto Hebreo
Cortesía de Instituto Hebreo

Os escritórios ASL Arquitectos (Chile) e Perkins + Will (Estados Unidos) receberam o primeiro lugar no projeto do novo Instituto Hebraico em Santiago, Chile.

Liderados por Abraham Senerman, Diego Rossel e José Gelabert-Navia, a equipe explicou em sua apresentação que "o projeto mantém sua inspiração na letra Shin, mas evolui sua forma para acomodar os três pátios de cada um dos ciclos de ensino. Cada um deles tem uma conexão visual direta com o estádio, permitindo assim a amplitude e a integração com a comunidade".

Dois brasileiros entre os escritórios emergentes eleitos pela Bienal de Arquitectura Latinoamericana 2019

Com o objetivo de internacionalizar a produção arquitetônica emergente na América Latina, a Bienal de Arquitetura Latino-Americana (BAL 2019) anunciou os escritórios que participarão da próxima edição do evento, a ser realizado em setembro de 2019 em Pamplona, Espanha. Dois escritórios brasileiros aparecem na lista.

Projeto de graduação de estudante brasileira entre os nomeados para o Archiprix International 2019

Como iniciativa da Fundação Archiprix, a Archiprix International 2019 recentemente convidou todas as escolas de Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo de todo o mundo a selecionar e apresentar seu melhor projeto de graduação. "Estes trabalhos de graduação apresentam uma riqueza de ideias para uma ampla gama de desafios contemporâneos e futuros", explica a organização em seu site.

Depois de analisar todas as submissões enviadas por universidades de mais de 100 países, o júri composto por Francisco Díaz, Rosetta Elkin, Marta Moreira, Martino Tattara e Sam Jacoby, indicou 22 projetos para os prêmios em uma sessão especial realizada em Santiago, Chile. Os vencedores dos prêmios serão anunciados na cerimônia de premiação em 3 de maio de 2019 na mesma cidade.

Confira a lista completa (em ordem alfabética) dos projetos indicados para os prêmios, a seguir:

Fundação Norman Foster, medalha de ouro ao mérito das Belas Artes de 2018

A Fundação Norman Foster é uma das vinte e uma instituições e personalidades premiadas com a Medalha de Ouro ao Mérito nas Belas Artes de 2018, uma condecoração concedida anualmente pelo Ministério da Educação, Cultura e Esporte da Espanha. A honraria é entregue à personalidades e instituições do mundo todo que, "se destacaram no campo artístico e cultural ou na prestação de serviços para o fomento, o desenvolvimento e a difusão da arte e da cultura ou para a conservação do patrimônio artístico internacional".

Bogotá pelas lentes de 10 fotógrafos

A partir de um interesse comum entre as cidades, a arquitetura e a fotografia, o grupo de pesquisa FORM+ da Universitat Politècnica de Catalunya (UPC) em colaboração com o ArchDaily em espanhol, realizaram neste ano de 2018 um importante acordo editorial, divulgando as pesquisas realizados pelo FORM+ em relação à recente exposição realizada na capital colombiana: Bogotá pelas lentes de 10 fotógrafos

Assim, nossos leitores agora podem conhecer o trabalho de alguns dos precursores da fotografia de arquitetura e da paisagem graças à pesquisa desenvolvida pelos responsáveis pelo projeto: María Pía Fontana (UdG), Miguel Mayorga (UPC) e Margarita Roa (USB, Cali), todos integrantes do grupo FORM+. "A fotografia é uma forma de mediação intelectual e sensível para com o mundo, que abrange a nossa experiência perceptiva e renova a nossa sensibilidade visual: um instrumento que educa o olhar, um recurso da criatividade que ensina a reconhecer o espaço e o entorno construído", explicaram os responsáveis pelo projeto.

A seguir apresentamos os perfis dos 10 fotógrafos incluidos neste pacto editorial:

Sady González. Image © Archivo de BogotáManuel H.. Image © Museo de BogotáDaniel Rodríguez. Image © Museo de BogotáGermán Téllez. Image © Archivo Personal de Germán Téllez+ 11

O seu celular tem muito o que dizer sobre segregação urbana

Independentemente de onde você mora ou trabalha e com quem você interage, você geralmente passa pelos mesmos bairros e ruas da sua cidade. Seja em Santiago, Madri, Xangai ou Nova Iorque, certamente há bairros onde você nunca esteve, não importa o quanto você tenha vivido toda a sua vida na mesma cidade. Você realmente já pensou em quantas cidades existem na sua cidade?

Um artigo escrito por pesquisadores chilenos e publicado recentemente na Royal Society Open Science aposta no big data para analisar e visualizar a segregação urbana, oferecendo ferramentas espaciais que nos permitem planejar em uma "cidade de muitas cidades". "Sabemos que Santiago tem bolhas e que há segregação", diz Teodoro Dannemann, co-autor da pesquisa, em conversa com o ArchDaily via e-mail. "Sabemos que cada indivíduo explora apenas uma pequena parte da cidade, que é basicamente o percurso casa-trabalho, o que significa que apenas interagimos com um pequeno grupo de cidadãos", acrescenta.

WIO: 21 equipes universitárias imaginam intervenções em 7 estruturas obsoletas em Santiago

No contexto da Semana UTEM 2018 no Chile, o workshop Infraestruturas em Obsolescência (WIO) reuniu 21 equipes da Faculdade de Arquitetura da Universidade Tecnológica Metropolitana (UTEM), que desenvolveram propostas para intervir em 7 estruturas em obsolescência em Santiago, a partir de uma ponte para pedestres atualmente fechada por uma estação de trem deteriorada.

Com a presença internacional dos arquitetos Luis Tombé (Colectivo720, Colômbia) e Walter Leone (Leone Arquitectura, Venezuela) - que também participaram do ciclo de palestras CONTRAPOSICIONES que deram palestras no Colégio de Arquitetos do Chile -, cada equipe foi composta por 7 membros de diferentes anos, acompanhados por dois tutores que orientaram os projetos.

Primer Lugar: Equipo 01. Image Cortesía de WIOPrimer Lugar: Equipo 01. Image Cortesía de WIOSegundo Lugar: Equipo 07. Image Cortesía de WIOSegundo Lugar: Equipo 07. Image Cortesía de WIO+ 28

Centro Cultural Teopanzolco é o projeto vencedor na Bienal de Quito 2018

O projeto mexicano do Centro Cultural Teopanzolco, projetado por Isaac Broid e PRODUCTORA, foi escolhido como vencedor internacional da categoria Projeto Arquitetônico na Bienal Pan-Americana de Arquitetura de Quito 2018 (BAQ2018).

Localizado em frente à zona arqueológica de Teopanzolco, em Cuernavaca, o projeto "levanta duas estratégias fundamentais: por um lado, para melhorar a relação com o sítio arqueológico e, por outro, conformar espaço público significativo", segundo os autores no memorial de projeto.

Plaza de España e Herzog & de Meuron entre os vencedores do Prêmio Manuel de Oraá e Arcocha 2018

No âmbito da Semana de Arquitetura celebrada pelo Colégio Oficial de Arquitetos de Tenerife, La Gomera e El Hierro (Espanha), os Prêmios Oraá de Arquitetura foram concedidos, distinguindo as melhores realizações arquitetônicas dos últimos 10 anos nas ilhas de Tenerife, La Gomera e El Hierro.

O reconhecimento espanhol destaca novas obras, restaurações, reabilitações, paisagismo, espaço público e arquitetura de interiores, bem como distinções especiais para arquitetos em destaque por sua carreira profissional, nomes emergentes, patrocínio e melhor fotografia arquitetônica.

Estes são os projetos vencedores:

Bogotá, segundo a fotografia de Germán Téllez

A modernização de Bogotá entre 1940 e 1970 captada em reportagens fotográficas urbanas e arquitetônicas, foi consignada em diversos livros, revistas e fotolivros da época, assim como imagens de arquivos públicos e privados da cidade. Todos esses registros revelam uma aproximação intencional, e inclusive crítica, de como a arquitetura moderna reconfigurou os centros das cidades e colocou em relação os novos edifícios e espaços urbanos com paisagem existente.

Quando se trata se analisar o impacto da fotografia a partir da arquitetura, é necessário falar em Paul Beer e Germán Téllez. Dentro do amplo espectro de temas retratados, esses fotógrafos se dedicaram de maneira mais específica à fotografia de arquitetura. Receberam encomendas dos mais prestigiosos escritórios de arquitetura da época e suas imagens mostram valores, relações e aspectos diferentes e complementares da arquitetura e da cidade moderna.

Nesta edição de Bogotá no olhar de 10 fotógrafos conheceremos o legado de Germán Téllez.

© Arquivo Pessoal de Germán Téllez© Arquivo Pessoal de Germán Téllez© Arquivo Pessoal de Germán Téllez© Arquivo Pessoal de Germán Téllez+ 6

Equipe chilena vence o Concurso Alacero Internacional 2018

Com a proposta  'Máquina Fitorremediadora de Relave ,Minero', a equipe chilena ganhou o primeiro lugar do 11º Concurso Alacero de Projeto em Aço para estudantes de Arquitetura 2018 na Colômbia.

A equipe formada por alunos da Universidade Finis Terrae - Diego Concha, Tomás Aguirre e Trinidad Hermosilla - apresentou um projeto que busca "recuperar e reutilizar resíduos de mineração através do uso de plantas com alta resistência a minerais para a redução e futura mitigação dos riscos ambientais do terreno", segundo os autores explicam no memorial, cujos tutores foram os professores Andrés Echeverría e Cristián Lecaros.

Uruguai vence o Prêmio CICOP Chile 2018

Projetos do Uruguai, Argentina, Chile e Brasil foram escolhidos como vencedores do Prêmio CICOP Chile 2018. Esta é a quarta edição nacional — e a segunda edição internacional — da chamada aberta latino-americana de projetos que desenvolvam intervenções em edifícios, conjuntos edificados ou áreas de valor patrimonial.

"Atuar com sensibilidade e propriedade técnica no patrimônio construído colabora para unir forças em favor da conservação e reforçar a contribuição que o campo profissional pode dar para a transmissão de valores patrimoniais às futuras gerações", explicam os organizadores na chamada que recebeu 92 propostas nesta edição.

O diretor do concurso foi Nicolas Iza, enquanto a coordenação geral ficou a cargo de Marco Antonio Orellana. Por sua vez, o júri foi composto por Arturo López Bachiller e David Avila, representantes do escritório Luis Vidal + Arquitectos; juntamente com María Inés Arribas, Mabel Briceño, Antonino Pirozzi e Carolina Vergara, representantes da CICOP Chile.

Mención Especial: Maderoteca, mediateca en Puerto Madero. Image Cortesía de Premio CICOPMención honrosa: Ágora suburbana en terreno ex-CCU. Image Cortesía de Premio CICOPMención honrosa: Tipología de claustro como oportunidad de reinserción urbana. Image Cortesía de Premio CICOPMención honrosa: Tava Mbyá-Guarani. . Image Cortesía de Premio CICOP+ 22

Peru, Equador e Venezuela, vencedores do V concurso de desenvolvimento urbano e inclusão social da CAF

Um projeto cuja metodologia se concentra em meninos e meninas como agentes de mudança nos bairros de Lima é o vencedor da quinta edição do concurso de desenvolvimento urbano e inclusão social do CAF. O concurso buscava propostas em cidades latino-americanas que proponham uma melhoria integral do habitat nas comunidades, especificamente a melhoria da qualidade de vida de seus cidadãos, e a integração de assentamentos espontâneos à cidade através da concepção e desenho de propostas inovadoras, relevantes, justificadas e viáveis.

Este concurso é uma iniciativa do Programa Cidades com Futuro do CAF, cujo objetivo é acompanhar as autoridades latino-americanas na criação de cidades cada vez mais inclusivas, conectadas, integradas espacialmente, econômicas e socialmente com acesso universal a serviços básicos, oportunidades de formação e ambientalmente responsáveis.

Estes são os projetos premiados:

Ecosistema Urbano apresenta Febres Cordero, a transformação de uma escola em um espaço de uso misto no Equador

O escritório espanhol Ecosistema Urbano apresentou os detalhes de um dos primeiros espaços em Cuenca (Equador) que emergirão do projeto Cuenca RED: Febres Cordero. Trata-se de um edifício emblemático e histórico que funcionou como uma escola durante décadas e que agora será transformado em um edifício de uso misto que servirá de referência para a sustentabilidade econômica, ambiental e social de Cuenca.

O marco do desenvolvimento do programa ICES (Iniciativa Cidades Emergentes e Sustentáveis) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento, em conjunto com a prefeitura de Cuenca, Cuenca RED é um projeto no qual o Ecosistema Urbano tem proposto atividades e programas para criar uma nova rede de espaços públicos reativados no centro histórico da cidade inscrito na Lista de Patrimônio Mundial pela UNESCO desde 1999.

Laura Martínez de Guereñu obtém a primeira Bolsa Lilly Reich para igualdade na arquitetura

A historiadora e crítica de projetos Laura Martínez de Guereñu foi selecionada na primeira edição da Bolsa Lilly Reich, tal como anunciou a Fundação Mies van der Rohe e a prefeitura de Barcelona nessa terça-feira.

"Queremos contribuir com esse grão de areia para corrigir a desigualdade das mulheres e sua invisibilidade. É uma obrigação e uma dívida de justiça que queremos materializar colocando o nome de Lilly Reich à essa iniciativa", declarou Janet Sanz, presidenta da Fundação Mies van der Rohe, no ato realizado nesta terça-feira com a presença de diretora Anna Ramos e da própria Laura Martínez de Guereñu.

Estes são os 20 finalistas do Prêmio Oscar Niemeyer 2018 para a arquitetura latino-americana

O júri do Prêmio Oscar Niemeyer apresentou as 20 obras finalistas da segunda edição do prêmio. Os organizadores procuram destacar bienalmente o melhor da produção arquitetônica "em momentos de inegável empoderamento e presença da arquitetura latino-americana no contexto internacional".

Emergindo da Rede Bienal de Arquitetura da América Latina (REDBAAL), a iniciativa premia uma obra construída por "seus valores como proposta arquitetônica e tecnológica, sua relação com o contexto, com aspectos sociais, culturais e ambientais". Na edição inaugural do Prêmio Oscar Niemeyer de 2016, o primeiro lugar foi o O lugar para a memória, projetado por Barclay & Crousse (Peru); seguido pela Biblioteca Brasiliana da USP, projetado por Eduardo de Almeida + Mindlin Loeb + Dotto Arquitetos (Brasil) e o terceiro lugar pela Capela San Bernardo, projetado por Nicolás Campodónico (Argentina).

"Devemos reconhecer o valor do local e enriquecê-lo com o global, apropriando-nos de tudo que nos enriquece como povos e sociedades." A arquitetura protege e comunica, é uma realização pública, do qual não podemos abstrair, a cidade também é composta de realizações arquitetônicas, com os quais a arquitetura deve pensar para e da cidade", explica a organização do prêmio no comunicado oficial.

O júri formado pelos arquitetos Carla Juaçaba, Carlos Jiménez, Fabián Farfán, Jean Pierre Crousse e César Shundi avaliou todos os projetos e determinou os vinte selecionados: