O fim do concreto armado está próximo?

O fim do concreto armado está próximo?

Concreto armado é o material de construção mais usado no mundo. No Brasil, o maior expoente da arquitetura nacional, Oscar Niemeyer, era um apaixonado pelo elemento, pois dizia que era o único que conseguia dar forma às suas curvas sinuosas.

Construtores amam o concreto, tornando-o o material de construção mais usado no mundo – mas a produção do cimento usado na maioria do concreto é responsável por 8% das emissões globais de gases do efeito estufa.

O fim do concreto armado está próximo? - Imagem 2 de 3
Pavilhão Ciccillo Matarazzo / Oscar Niemeyer. Foto de Sailko, via Wikimedia Commons. Licença CC BY 3.0

Existe solução?

As novas indústrias da construção estão correndo em busca de uma solução mais limpa, com startups e gigantes da manufatura desenvolvendo maneiras de reduzir as emissões, mas a natureza do material e como ele é feito significa que o concreto carbono zero pode não ser possível.

O concreto é feito de materiais como areia, rochas e agregados colados por cimento e, nos últimos 200 anos, isso significa em grande parte  o cimento Portland, uma invenção inglesa que mudou a forma como construímos. Mas há um problema: para produzir cimento Portland, o calcário é aquecido a 1.450 graus Celsius, gerando uma reação química que solta uma molécula de dióxido de carbono do calcário, também chamada de carbonato de cálcio.

“As reações químicas inerentes a este processo liberam enormes quantidades de dióxido de carbono – não há como escapar disso”, diz Brant Walkley, professor de engenharia química na Universidade de Sheffield. Ele acrescenta que metade das emissões da produção de cimento vem desse processo. “Para cada molécula de calcário usada para fazer o cimento Portland, uma molécula de dióxido de carbono é liberada.”

O cimento também pode ser feito sem calcário. Alternativas como geopolímeros e sulfoaluminato de cálcio não eliminam essa molécula de carbono prejudicial, diz Kevin Paine, professor da Universidade de Bath, mas há menos matéria-prima necessária em todo o mundo. “Nenhum deles pode ser feito na escala de que precisamos atualmente”, diz ele. Além disso, a troca de sistemas de produção é cara para a indústria, o que significa que o progresso tem sido lento.

Isso significa que ainda não podemos – se é que nunca – nos livrarmos totalmente do cimento Portland, mas existem outras maneiras de reduzir seu impacto. A startup canadense CarbonCure Technologies injeta dióxido de carbono no concreto enquanto o mistura, não apenas prendendo o gás, mas reduzindo o volume de cimento necessário. Uma vez injetado, o CO2 se converte quimicamente em um mineral, o que elimina o CO2 de forma permanente e, na verdade, melhora a resistência à compressão do concreto. A técnica reduz em até 6% as emissões, diz a empresa, economizando 125 toneladas de CO2 ao fazer um edifício de altura média.

Receitas ajustadas, alternativas de cimento, projetos de cura com carbono e autocura ajudarão, mas reduzir o uso de concreto pode ser a maneira mais simples de reduzir as emissões. Pontes, arranha-céus e usinas nucleares exigem concreto, mas por que estamos usando esse material de engenharia de precisão para fazer trilhas ou paredes de contenção?

Novos materiais além do concreto

Árvores têm sido usadas para construir estruturas desde a pré-história, mas especialmente após desastres como o Grande Incêndio de Chicago de 1871, a madeira passou a ser vista como insegura e instável em relação aos dois materiais que desde então se tornaram básicos da indústria da construção em todo o mundo: concreto e aço.

No entanto, uma nova forma de usar a madeira colocou o material novamente em destaque. O hype está focado em madeira estrutural ou, como é mais popularmente conhecido, “madeira maciça”.

O fim do concreto armado está próximo? - Imagem 3 de 3
Wood Innovation Design Centre / Michael Green Architecture. Foto © Ema Peter

Para criar CLT, as tábuas de madeira serradas aparadas e secas em estufa são coladas umas sobre as outras em camadas, transversalmente, com o grão de cada camada voltado contra o grão da camada adjacente. Empilhar placas juntas dessa maneira pode criar grandes placas, com até 30 centímetros de espessura e tão grandes quanto 5,5 metros de comprimento por 30 metros de largura, embora a média seja algo em torno de 10 por 40. Lajes de madeira tão grandes podem igualar ou exceder o desempenho do concreto e do aço. O CLT pode ser usado para fazer pisos, paredes, tetos – edifícios inteiros.

Além disso, a madeira em massa sequestra CO2, transformando edifícios em sumidouros de carbono ecológicos, alternativa muito mais interessante do que o concreto.

Agroresíduos e Biomateriais

Já ouviu falar em agrowaste design ou “design com agroresíduos”? É assim a arquiteta filipina-ganesa Mae-Ling Lokko intitula o seu trabalho, uma pesquisa pioneira sobre o uso dos biomateriais na arquitetura. Junto com a crescente demanda por produção de alimentos e habitação no século XXI, há um fluxo de recursos materiais de crescimento igualmente rápido na forma de subprodutos de agrotóxicos. Isso tem o potencial não apenas de fechar as lacunas do ciclo de vida de produtos, mas também de impulsionar formas de cidadania generativa por meio do upcycling.

Ling procura repensar os ciclos e uso dos produtos na construção civil através da economia circular, ou seja, nada é desperdiçado, tudo pode ser reutilizado, mesmo depois de obsoleto.

Além da pesquisa com agroresíduos, Mae-Ling também estuda sobre o uso do micélio, que é a parte vegetativa de um fungo ou colônia bacteriana, uma massa de ramificação formada por um conjunto de hifas emaranhadas, e é responsável por carregar nutrientes até onde o fungo necessita além de fazer processos de simbiose com algumas espécies.

Se pudermos falar sobre micélio e outros materiais orgânicos com o mesmo nível de aceitação e paciência que falamos de outros inorgânicos, como a cerâmica e o concreto, muitas ideias revolucionárias poderiam dar curso a transformações profundas no campo da arquitetura e construção.

Você gostaria de repensar esses ciclos?

O Guia Nichos do Futuro da Tabulla fala da profissão de especialista em pré-moldados que são profissionais que defendem o uso de materiais pré-moldados e processos construtivos previamente estudados e trazidos prontos para reduzir substancialmente as emissões de gases de efeito estufa, diminuir o desperdício, a poluição e os custos associados à construção.

Michael Green, arquiteto especializado em construções de madeira pré-moldada, citou em sua palestra no TED que bilhões de pessoas em todo o mundo não têm casa – meio milhão na América do Norte – e precisarão ser alojadas no próximo século, principalmente nas cidades. Se toda aquela habitação urbana for feita com concreto e aço, o clima está prejudicado.

Não seria o uso de madeira aliada aos processos de pré-moldados e pré-fabricação uma inovação que precisamos explorar urgente no Brasil?

Via Tabulla.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Marília Matoso. "O fim do concreto armado está próximo?" 08 Fev 2022. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/975290/o-fim-do-concreto-armado-esta-proximo> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.