A história dos edifícios tortos de Santos

A história dos edifícios tortos de Santos

Na década de 1970 edifícios da Orla de Santos, em São Paulo, começaram a entortar, causando curiosidade nos moradores e visitantes da cidade. Esse fenômeno pode ser visto como resultado de um processo de urbanização rápida e desregulada, que se manifesta em uma questão técnica da construção dos edifícios.

Santos, uma das maiores cidades do litoral paulista, com uma população estimada de mais de 430 mil habitantes (IBGE 2020), localizada na região metropolitana da Baixada Santista e próxima à cidade de São Paulo, foi uma das primeiras vilas a serem desenvolvidas após a colonização portuguesa do século XVI. Antes disso, porém, seu território era intensamente tomado pelo bioma da Mata Atlântica e ocupado por povos indígenas, como os Guarani Mbya e Tupi-Guarani. 

Praia em Santos, São Paulo. Image © Juliana Silva SantosEdifícios tortos na Orla de Santos na década de 2010. Image via Reprodução TV TribunaPraia de Santos na década de1960. Image via Arquivo Público do Estado de São Paulo - Memória PúblicaReprodução do Mural de Benedicto Calixto, localizado na Bolsa Oficial do Café. Retratando Santos em 1822. Image via Acervo Fundação Arquivo e Memória de Santos (FAMS)+ 6

Este território foi colonizado logo no início dos anos 1530, junto de sua vizinha São Vicente, e tempos depois, por conta de sua localização geográfica, se tornou uma vila portuária. Apesar do status e das expectativas da época, as condições geográficas da área não ofereceram condições para a vila evoluir naquele momento. O solo de planície, conformado majoritariamente por areia e argila que inundava periodicamente, somado às condições naturais dos ecossistemas encontrados, como os mangues, dunas, restingas, e ainda à topografia íngreme do entorno, impossibilitaram o desenvolvimento da agricultura a partir da práxis dos colonos. 

Praia em Santos, São Paulo. Image © Juliana Silva Santos
Praia em Santos, São Paulo. Image © Juliana Silva Santos

Dessa forma, Santos só evoluiu de vila para cidade no século XIX, a partir da economia cafeeira quando o porto se tornou fundamental para a economia da época. Apesar de se passarem quase três séculos, o crescimento da vila foi rápido e concentrado. “O número de habitantes aumentava a cada dia, mas a cidade não tinha sistema de esgoto nem casas suficientes para abrigar toda a população. As condições de higiene e salubridade ficaram altamente comprometidas, propiciando o aparecimento de doenças de caráter epidêmico”. (DIAS, 2010) Assim como o crescimento populacional, o espalhamento pela cidade também seguiu esse mesmo fluxo, crescendo sem controle e sem medidas sanitárias e urbanísticas.

Devido a esse crescimento acelerado, não só populacional, mas também do tecido urbano, a cidade passou por importantes transformações a partir do final do século XIX, com a reforma do porto e o plano de saneamento da cidade, encabeçado por Saturnino de Brito. Outras grandes obras que transformariam a ocupação na cidade foram a construção da Estrada da Maioridade, que conectava Santos a São Paulo e que posteriormente seria chamada de Via Anchieta, e o Plano Regulador da Cidade, de 1951, orientado por Prestes Maia.

Reprodução do Mural de Benedicto Calixto, localizado na Bolsa Oficial do Café. Retratando Santos em 1822. Image via Acervo Fundação Arquivo e Memória de Santos (FAMS)
Reprodução do Mural de Benedicto Calixto, localizado na Bolsa Oficial do Café. Retratando Santos em 1822. Image via Acervo Fundação Arquivo e Memória de Santos (FAMS)

Todas essas intervenções da engenharia e do poder público foram feitas a partir do interesse comercial de desenvolver a cidade e a região. É a partir dessas obras que se estabelecem as condições necessárias para a expansão urbana da cidade de Santos, e é somente nesse momento, entorno da década de 1940, que os habitantes começam a ocupar as orlas das praias com palacetes usados pela elite como casas de veraneio, os quais, pouco tempo depois foram substituídos por edifícios altos com vista para o mar.

“A orla foi inicialmente renovada com edifícios que correspondiam a um programa arquitetônico de beira mar, mas que notadamente traziam consigo os traços da nova arquitetura. É um momento ímpar de crescimento econômico da cidade e de transformação urbana a partir dos anos 1940, acompanhado de uma mudança estética sem precedentes.“ (ALVES, 2009)

Praia de Santos na década de1960. Image via Arquivo Público do Estado de São Paulo - Memória Pública
Praia de Santos na década de1960. Image via Arquivo Público do Estado de São Paulo - Memória Pública

Dentre exemplares modernos e ecléticos, a orla de Santos foi se caracterizando com edifícios altos ao longo dos anos 1950 e 1960, enquanto a cidade se tornou importante ponto turístico das férias da sociedade de classe média paulistana. Esse avanço nas construções na orla, porém, teve consequência que podem ser vistas até hoje.

Durante a década de 1970, alguns desses edifícios da orla foram “entortando” em direções e angulações variadas, grandes o bastante para serem vistas a olho nu. O fenômeno dos “prédios tortos de Santos” foi noticiado nacionalmente, e se tornou um marco da cidade, despertando a curiosidade de moradores e turistas e constituindo-se como elemento da paisagem urbana. Esse fenômeno, porém, tem uma justificativa técnica que relaciona a natureza geográfica do lugar com as decisões políticas e técnicas da época. 

O "entortamento" dos prédios da orla de Santos é causado pelo recalque que suas fundações sofreram devido à movimentação nas camadas de solo onde foram implantadas. O recalque consiste na movimentação de um ou mais pilares ou fundações de uma edificação, deixando-a torta. A fundação de um edifício deve encontrar uma camada de solo rígida para se apoiar, o que é possível constatar a partir de sondagens e análises daquele local. Em edifícios altos, a depender do solo, as fundações chegam a mais de 50 metros de profundidade.

Edifícios tortos na Orla de Santos na década de 2010. Image via Reprodução TV Tribuna
Edifícios tortos na Orla de Santos na década de 2010. Image via Reprodução TV Tribuna

As fundações dos edifícios tortos de Santos foram construídas em uma época onde o conhecimento técnico de construções em altura ainda era pouco desenvolvido. Havia também grande interesse econômico em construir muito e rápido, o que resultou em edifícios com fundações rasas, de 3 ou 4 metros, que tocam apenas a primeira camada de solo: uma areia fina e argilosa, relativamente firme. A grande questão é que abaixo desta areia firme há uma camada de areia fina siltosa, mais mole que a primeira camada. Esta camada, ao ser exposta a uma série de estresses causados pelo volume de construções, começou a se movimentar, ocasionando o recalque das fundações rasas dos edifícios da orla.

Diversos estudos e tentativas foram feitas para resolver o problema, desde introdução e intervenção nas fundações existentes, até a retirada do solo mole. Porém, com o passar do tempo, e apesar de alguns resultados positivos dessas intervenções, os edifícios foram ficando cada vez mais tortos e, apesar disso, ainda continuaram sendo habitados. As consequências desse período continuam até hoje, como pode ser visto nesta reportagem de 2012 que traz uma leitura da situação atual: “Segundo o levantamento, das 651 edificações, 65 precisam de uma análise mais detalhada por possuir uma inclinação entre 0,5m a 1,8m. Esses prédios, que reúnem 2.832 apartamentos, abrigam 16.590 pessoas, cerca de 3% da população da cidade”

Esquema que exemplifica diferença da profundidade de fundações. Image © Giovana Martino
Esquema que exemplifica diferença da profundidade de fundações. Image © Giovana Martino

O caso dos edifícios tortos de Santos nos traz três pontos importantes para serem ponderados. Primeiramente, é importante destacar a importância de todas as disciplinas complementares em uma construção, especialmente no caso de edifícios em altura. Para além do projeto de arquitetura, para o qual convergem todos os outros, é importante se ater às especificidades dos projetos complementares – como, por exemplo, o de fundações, estrutura, elétrica e hidráulica – o que faz da etapa de compatibilização uma das mais importantes no processo de projeto.

Outro ponto é a importância de se levantar informações sobre o local onde se irá construir. Apesar dos atrasos técnicos do contexto dos edifícios tortos, o caso mostra como é importante executar todos os testes e análises necessários para se desenvolver um projeto seguro. Por último, este caso lança luz sobre os processos urbanísticos que ocorrem de forma desregulada e veloz, comuns no Brasil, e seus diversos impactos nas cidades e na vida das pessoas, colocando em cheque os processos que prezam mais pela velocidade das obras do que pela qualidade dela.

Referências:
ALVES, Jaqueline Fernández. O Moderno Santista, 8º Seminário Docomomo Nacional, 2009.
DIAS, Mariana Silva. Análise do Comportamento de Edifícios Apoiados em Fundação Direta no Bairro da Ponta da Praia na Cidade de Santos, 2010.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2010. Resultado dos Dados do Censo 2010 e estimativas de 2020
https://terrasindigenas.org.br/pt-br/ (acessado em maio 2021)
https://engenharia360.com/por-que-os-predios-de-santos-sao-tortos/ (acessado em maio 2021)
http://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2012/06/moradores-dos-predios-tortos-de-santos-sofrem-com-desvalorizacao.html (acessado em maio 2021)
https://www.jornaldaorla.com.br/noticias/6050-santos-a-cidade-dos-predios-tortos/ (acessado em maio 2021)

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Giovana Martino. "A história dos edifícios tortos de Santos" 31 Mai 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/961668/a-historia-dos-edificios-tortos-de-santos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.