Lições do único arranha-céu de Frank Lloyd Wright, válidas até hoje

Lições do único arranha-céu de Frank Lloyd Wright, válidas até hoje

A Price Tower é o único edifício de grande altura feito pelo famoso arquiteto americano Frank Lloyd Wright e um de seus únicos projetos orientados verticalmente. Localizado em Bartlesville Plains, Oklahoma e encomendado pela empresa local de petróleo e produtos químicos H.C. Price Company, a torre de uso misto é significativa não só pela sua singularidade dentro da obra do arquiteto, mas também pelos seus materiais e desenho estrutural. Algumas das inovações desenvolvidas por Wright, que surgiram pela primeira vez em meados do século 20, ainda são úteis e eficazes até hoje.

© MWaits / Shutterstock
© MWaits / Shutterstock

Wright apelidou a torre de "a árvore que escapou da densa floresta". Esta frase curta, mas evocativa, destaca muito do que torna a Price Tower tão significativa até hoje. O arranha-céu foi projetado em torno de um núcleo central ou “tronco” com quatro poços de elevadores, que funcionam como suporte estrutural principal e como elemento integrador, a partir do qual se desdobra o restante do projeto. Cada uma das lajes do piso da torre se projeta a partir desse tronco central, lembrando os galhos de uma árvore. Consequentemente, as paredes externas do edifício são revestidas com longas asas de cobre, sugerindo a criação de folhas através de uma pátina verde texturizada. Supostamente, o desenho assimétrico parece diferente de todos os ângulos e, dessa forma, lembra as imperfeições naturais, mas ainda mais bonitas, de uma árvore. Assim, a torre combina primorosamente questões práticas e conceituais por meio de uma consideração ponderada de projeto material e estrutural, incluindo elementos estruturais essenciais que servem simultaneamente como peças de design abstratas. Apesar da peculiaridade de encontrar dentro do portfólio de Wright um projeto de escritório de grande altura, o arquiteto consegue trazer seu interesse pela natureza para uma estrutura de grande altura - o arranha-céu - considerado um exemplo de capacidade construtiva do homem e um símbolo tradicional do urbano. À medida que os arquitetos de hoje buscam cada vez mais inspiração no natural, e até mesmo os arranha-céus mais altos são instados a aderir às diretrizes de sustentabilidade mais rígidas, essa reaproximação entre a natureza e um arranha-céu dos anos 1950 parece mais relevante. –e profética– do que nunca.

Corte. Via es.wikiarquitectura.com
Corte. Via es.wikiarquitectura.com
© Flickr user Graela
© Flickr user Graela

Os motivos conceituais se fundem com as plantas estruturais de maneiras importantes: a planta é baseada no logotipo da Price Company, reproduzido em uma placa de bronze localizada no centro exato do andar térreo. A forma única do paralelogramo também delimita os quatro quadrantes que permitem a configuração dos diferentes programas: um para residências e três para escritórios. Em outras palavras, Wright inclui discretamente seu cliente nos próprios alicerces de seu design, inovando sua estrutura de novas maneiras. Além disso, seu magnífico olho para a geometria, reproduzido literalmente nas placas de cobre estampadas da fachada, também aparece em todos os andares da torre.

© Flickr user Graela
© Flickr user Graela

Materialmente, a torre era muito avançada para a época: usava paredes e pisos de concreto, janelas e portas com molduras de alumínio e painéis de cobre patinado. Hoje, alguns desses materiais, especialmente o concreto, podem ser considerados pouco sustentáveis, mas podemos continuar a tirar lições interessantes de seu uso neste projeto. Wright, como um arquiteto constantemente interessado na reprodução e reflexão da natureza em seus projetos, usou os mesmos materiais no interior e no exterior da torre, borrando deliberadamente seus limites. As grandes janelas do edifício também abriam a pradaria de Oklahoma para todos os seus habitantes, graças às "folhas" verdes patinadas na fachada. Wright, como todos os arquitetos deveriam ser, teve grande consideração pelo ambiente de sua construção e, portanto, pelos materiais e seus usos. A Price Tower ficava em um cenário natural único, as planícies de Oklahoma, e, portanto, ele teve que refleti-la e tirar proveito dela.

Interior. Image © PriceTower.org
Interior. Image © PriceTower.org

Essa consideração do contexto oferece outra dimensão à frase de Wright "a árvore que escapou da floresta densa". Longe dos arranha-céus congestionados da cidade, a Price Tower foi capaz de revelar suas muitas inovações - uma fachada de cobre, pisos em balanço, design assimétrico, uma configuração espacial flexível e grandes janelas - sem inibição. Ainda está lá, agora como monumento protegido devido à fama de seu arquiteto. Mas por mais que tenha sido designado como uma relíquia - um marco histórico nacional, nomeado pelo governo dos Estados Unidos - muitas de suas inovações estruturais e materiais permanecem uma referência para a arquitetura hoje. Setenta anos depois, sua consideração da paisagem circundante, seu manuseio hábil de considerações conceituais e práticas e seu uso engenhoso de materiais servem como um modelo útil para arquitetos contemporâneos.

Confira mais detalhes do projeto aqui.

© Flickr user ercwttm
© Flickr user ercwttm
© Flickr user Graela
© Flickr user Graela

Planta e corte via es.wikiarquitectura.com. Imagem interior via PriceTower.org.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos
Sobre este autor
Cita: Cao, Lilly. "Lições do único arranha-céu de Frank Lloyd Wright, válidas até hoje" [“The Tree that Escaped the Crowded Forest”: Lessons from Frank Lloyd Wright’s Price Tower] 28 Mar 2021. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/959013/licoes-do-unico-arranha-ceu-de-frank-lloyd-wright-validas-ate-hoje> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.