As cidades devem permitir que as pessoas brilhem

As cidades devem permitir que as pessoas brilhem

Se sentir livre na cidade. Se sentir livre e seguro na cidade. Quantas vezes caminhamos com plenitude por nosso bairro, ao voltar para casa, ao passear em um parque? Alguns espaços nos parecem mais cômodos e tranquilos. Mas, para manter essa calma, até que ponto nos expressamos e até que ponto nos contemos? Como nos protegemos para nos sentir o melhor possível ao habitar nosso entorno?

Além das claras diferenças na qualidade de vida de cada país e cidade em particular, em todos os casos formamos uma falsa ideia do cidadão e cidadã que é realmente livre. Porque embora seja contrário à nossa natureza, todos nós seguimos certas modas e comportamentos - divergindo da nossa essência - para não entrar na zona de perigo. O perigo de não pertencer, o perigo de ser deixado de fora. A sobrevivência do mais apto nos governa e nos força a nos adaptarmos e a nos aproximarmos de uma suposição ideal que aparentemente nos mantém seguros e que nos dá melhores opções para prosperar.

Assim, muitos de nós nos acostumamos a não ser o que realmente somos, evitando um olhar indiferente, um comentário desagradável, um insulto violento, uma agressão física e, pior ainda, o exílio em direção ao ilegítimo. Pode parecer exagerado, mas não é. A crise nos ambientes urbanos se intensifica junto com o conflito entre seus habitantes; entre os que parecem legítimos e os que não o são. Provavelmente, todos nós já nos sentimos assim em algum momento.

"A universidade significou ver uma diversidade a qual eu não via em minha bolha. Comecei a ver outros tipos de pessoas e isso me abriu a cabeça".  Imagem © Espacios Oscuros
"A universidade significou ver uma diversidade a qual eu não via em minha bolha. Comecei a ver outros tipos de pessoas e isso me abriu a cabeça". Imagem © Espacios Oscuros

Espacios Oscuros: Revelando a Cidade Ilegítima

"A diversidade inerente das cidades, fonte de riqueza material e imaterial, também pode ser seu grande problema. Porque a diversidade implica em ideias contraditórias, interesses conflitantes, às vezes projetos incompatíveis. Isso significa que cidades reais, vivas e dinâmicas também são intrinsecamente, inevitavelmente, cenários de conflitos, espaços de enfrentamento". [1]

Como articular uma certa coesão baseada na diferença?

Para começar, é necessário assimilar que existem diferenças latentes. Pensando em Nova York, Tóquio, Cairo ou Santiago do Chile, uma imagem é imediatamente gerada em nossa mente e de alguma forma parecemos pensar que entendemos como cada cidade funciona. No entanto, diariamente, a percepção das cidades é diferente para cada pessoa, ainda mais se essa pessoa se afastar do ideal dominante. Historicamente, a comunidade LGBTQIA+, em sua pluralidade e em seu status de minoria, teve que habitar e se apropriar da cidade de um ângulo diferente do oficial, movendo-se principalmente entre a clandestinidade (repressão, sigilo) e o exibicionismo (libertação, protesto). Flutuando nesta dicotomia, a cidade de cada indivíduo é configurada em resposta às suas necessidades específicas; seus espaços de liberdade e segurança diferem da norma, e embora não sejam iguais para todos, começam a compartilhar certos códigos que os ligam como parte de um coletivo. "A proibição da homossexualidade forçou uma minimização dos riscos e uma otimização da eficácia. Um sistema de comunicação é criado com base em códigos específicos que acompanham o surgimento de um mercado quase ad hoc (Pollak, 1987: 78). Tudo isso é reconhecido e aprendido na 'vida homossexual'. [...] Lugares, formas e códigos são aprendidos; a lógica da vida homossexual é descoberta". [2]

Isto é o que chamamos de Espacios Oscuros. Todos aqueles espaços ambíguos e indeterminados, às vezes temporários e momentâneos, que dão origem a esta comunidade. Espaços que são tão secretos e subversivos quanto sensuais, protetores e libertadores. Espaços cujos limites começam a se desfocar junto com o resto da cidade, já que nunca foram realmente separados dela. "Nos banheiros construídos para a limpeza e nos parques feitos para a paz, e também através das figuras do policial e do flâneur, a cidade moderna é cruzada, desmontada e transformada em um arrastão de si mesma. O calabouço torna-se lúdico, o labirinto protetor, e os banheiros eróticos". [3]

"A mesma subdivisão do resto da sociedade, a replicamos dentro do nosso gueto".  Imagem © Espacios Oscuros
"A mesma subdivisão do resto da sociedade, a replicamos dentro do nosso gueto". Imagem © Espacios Oscuros

Como o respeito ao ser humano torna-se imperativo, os limites desaparecem e o atrito das realidades se intensifica, aumentando a sensação de desconforto, insegurança e perigo em todos aqueles que ainda não encontram espaços que os aceitem e que os representem adequadamente. A estrutura aparentemente estática das cidades é embaçada em virtude da sexualidade, enquanto surgem novas problemáticas para aqueles de nós que têm a oportunidade de imaginar e projetar o entorno urbano:

* As seguintes conclusões foram compiladas e resumidas a partir de sessões de conversa em grupo com diversos membros da comunidade LGBTQIA+, realizadas em Santiago do Chile durante 2019 e 2020, usando um formato íntimo e guiadas por uma diretriz semi-estruturada.

1. Os espaços públicos não são locais de reunião eficazes para os membros desta comunidade. De acordo com as primeiras explorações, com exceção de algumas ruas e parques, a maior parte da cidade aparece como uma área hostil, enfatizando o fato de que as periferias - sem distinção de classe social - são áreas que também proporcionam uma certa sensação de perigo.

O sentimento de liberdade e segurança tende a se transformar rapidamente no sentimento de desconforto e insegurança entre uma rua e outra, razão pela qual vários indivíduos se expressam vivendo em permanente estado de alerta e vulnerabilidade. "Há lugares onde me sinto inseguro, mas há também milhares de lugares onde me sinto desconfortável. Para mim, praticamente toda a cidade é desconfortável, e isso é um problema".

Vizinhanças inclusivas com habitantes tolerantes, teoricamente gays, podem se tornar subitamente lugares perigosos, levando algumas pessoas a pensar que espaços mais seguros poderiam representar um risco maior: "Embora existam bairros supostamente tolerantes, eu sinto que os gays são um alvo fácil, que menos pessoas vão nos defender quando se trata de um ataque. Acho que o perigo de 'espaços seguros' é que nos sentimos tão seguros, que deixamos de estar em alerta".

Às vezes, o único fato de compartilhar ambientes frequentados majoritariamente por heterossexuais já representa insegurança, especialmente para a comunidade lésbica. "Uma vez fomos a um clube noturno. E como éramos duas mulheres, isso se tornou um assédio constante. Você está em um espaço onde você poderia perfeitamente ser você mesma, mas se sente constantemente desconfortável e insegura, você não está em seu habitat".

" Eu tinha que me produzir e me vestir de maneira diferente para entrar no código, deveria me arrumar de acordo porque queria ter amigos diversos".  Imagem © Espacios Oscuros
" Eu tinha que me produzir e me vestir de maneira diferente para entrar no código, deveria me arrumar de acordo porque queria ter amigos diversos". Imagem © Espacios Oscuros

2. O desconforto e o estado de alerta permanentes forçam os indivíduos a buscar locais de encontro alternativos. Espaços privados e clandestinos (portanto ilegítimos), vão configurando para cada um sua própria versão de cidade, em busca de espaços seguros onde seja possível se expressar livremente ou confortavelmente. Em muitos desses espaços, existe uma convivência sem precedentes entre pessoas de diferentes classes sociais, idades e características, já que agora o principal vínculo é a sexualidade, permitindo-lhes identificar-se com outros indivíduos que vivem uma experiência semelhante.

Ao se apropriar dos espaços descartados pelo sistema, uma rede de pontos de encontro é gerada inconscientemente fora das áreas oficiais. "Em bairros muito específicos, são realizadas festas clandestinas, em casas abandonadas, e as pessoas vêm de toda a cidade. É uma cena subterrânea; há pessoas heterossexuais, bi, não binárias, transgêneros e performances de pós-pornô. Tudo se abre ali e é uma atmosfera onde me sinto muito seguro".

Paradoxalmente, em lugares escondidos e escuros, muitos frequentemente sentem mais proteção e libertação do que na cidade que foi formalmente projetada para ser percebida como "segura". "Fui a uma festa erótica e me senti seguro por estar em um lugar muito escuro, com luzes de néon vermelhas, o que até me deu uma sensação de calor. Quando saí da festa e enfrentei a cidade, o bairro se tornou hostil para mim, era completamente outro mundo".

A espontaneidade destes espaços, como lugares que surgem de uma necessidade básica e urgente, instintivamente começa a desencadear uma série de situações urbanas únicas. "Nestes espaços, existem certos códigos que só eu e meus amigos conhecemos. Sentimo-nos protegidos e livres porque entendemos como eles funcionam". Não preciso explicar a ninguém, porque já conheço esses espaços e sei como me mover; é um espaço onde encontro outros como eu e nos entendemos".

"En estos espacios existen ciertos códigos que solo yo y mis amigas conocemos. Nos sentimos protegidas y libres, porque entendemos cómo funcionan".  Imagem © Espacios Oscuros
"En estos espacios existen ciertos códigos que solo yo y mis amigas conocemos. Nos sentimos protegidas y libres, porque entendemos cómo funcionan". Imagem © Espacios Oscuros

3. A liberdade se expressa mais confortavelmente em espaços programaticamente heterogêneos e socialmente diversos, assim como em bairros ou espaços relacionados à arte e cultura. "Estar em um lugar onde a arte é vista, onde a arte é praticada e onde a arte é feita, é uma zona de conforto para nós em comparação com lugares onde os ternos e gravatas são priorizados".

Em áreas majoritariamente homogêneas, a "aparência diferente" é geralmente destacada negativamente, enquanto em espaços ativos com múltiplos usos e usuários, a sensação de liberdade aumenta consideravelmente. "Onde eu moro as pessoas são todas iguais e eu sou como um estranho, tenho que me comportar 'heteronormativamente'. No centro, no entanto, você vê tantas coisas que começa a sentir que não importa, que elas não estão mais prestando atenção em você, que você pode ser a pessoa que você quer ser. 

A diversidade não implica necessariamente em encontrar membros da comunidade LGBTQIA+, mas sim, com qualquer tipo de diversidade. "Aos 16 ou 17 anos, eu ia a alguns shoppings onde as pessoas costumavam jogar cartas. Eles não eram espaços gays, eram espaços diversos. Grupos urbanos diferentes se reuniam ali; góticos, emos, otakus, punks. Era preciso se produzir e se vestir de maneira diferente para entrar no código, eu tinha que me arrumar de acordo porque queria ter amigos diversos".

"Nós buscamos nos encaixar, mas os espaços que consideramos seguros não possuem tantas etiquetas".  Imagem © Espacios Oscuros
"Nós buscamos nos encaixar, mas os espaços que consideramos seguros não possuem tantas etiquetas". Imagem © Espacios Oscuros

4. No entanto, a existência da diversidade em um espaço físico não é sinônimo de que todas as pessoas sejam verdadeiramente bem-vindas. Há mais diversidades aceitas que outras, e os participantes concordaram que as diferenças sociais, culturais e econômicas também são replicadas dentro da mesma comunidade. "Se chegarmos a um certo nível de análise, vamos descobrir que de repente os bairros onde as mulheres gays se sentem confortáveis não são necessariamente os mesmos onde os homens gays se sentem confortáveis. E também não são os mesmos lugares onde as pessoas transgêneros se sentem confortáveis. Existem certos 'distritos de entretenimento' que antes eram entendidos como 'para homens gays' versus 'para mulheres gays'. No final, replicamos a mesma subdivisão do resto da sociedade dentro do nosso gueto".

É possível concluir que nem todos os bairros estabelecidos como queer oferecem segurança, conforto e liberdade a todos os seus membros. Muitos concordaram que os privilégios sociais e econômicos tornam a diversidade de certa forma "negociável". "Há estereótipos muito fortes dentro da própria comunidade. As pessoas que não são de um setor rico são subvalorizadas por artistas drag queens em seus shows (stand-up comedy). [...] Também me lembro de um comentário que foi feito muito antes, foi horrível, mas muito decisivo, rotulando as pessoas como 'gays' ou 'bichas', dependendo da vizinhança em que viviam. E é algo que ainda é válido, estávamos boicotando a nós mesmos. "

"Acredito que o perigo dos 'espaços seguros' é que a gente se sinta tão seguro, que deixamos de estar em alerta".  Imagem © Espacios Oscuros
"Acredito que o perigo dos 'espaços seguros' é que a gente se sinta tão seguro, que deixamos de estar em alerta". Imagem © Espacios Oscuros

Cidades moldadas por seres humanos

As observações aqui apresentadas são apenas uma abordagem inicial a uma questão complexa, que requer a ação conjunta e determinada de todos os atores envolvidos na configuração e gestão de nossas cidades. No entanto, tudo parece indicar que a observação profunda do ser humano e suas diferenças, a fim de dar espaço à diversidade e à inclusão, será um dos principais temas que a arquitetura enfrentará nos próximos anos. Estudar a honestidade e eficácia desses espaços - nascer como uma resposta espontânea de um grupo de cidadãos - pode ser um bom ponto de partida.

Espacios Oscuros é um projeto chileno iniciado pela arquiteta María Francisca González e pelo arquiteto José Tomás Franco, analisa as experiências urbanas de vários membros da comunidade LGBTQIA+ em espaços públicos e privados em Santiago do Chile, revisando a situação urbana oculta. É uma observação das interações ilegítimas, de todas aquelas ações que ficaram de fora do desenho predominante, da cidade travestida. Um registro que nos permite compreender o uso, o tratamento e o significado do espaço, com o objetivo de tornar visível e disponível uma realidade até agora ignorada por aqueles de nós que estão projetando as cidades do futuro.

Referências

  • [1] Ramoneda, J. (2006) 'Ciudades Inclusivas: Retos de la Diversidad Urbana', Centre de Cultura Contemporànea de Barcelona. Recuperado de CCCB.
  • [2] Balbuena, R. (2010). 'La Construcción Sociocultural de la Homosexualidad. Enseñando a Vivir en el Anonimato'. Recuperado de Universidad Autónoma de Baja California.
  • [3] Pierre-Alexandre Mateos, Rasmus Myrup, Octave Perrault, Charles Teyssou. (2018). Cruising Pavilion Manifesto, 16th Venice Architecture Biennale. Recuperado de Cruising Pavilion.

Galeria de Imagens

Ver tudo Mostrar menos
Sobre este autor
Cita: María Gonzalez & José Tomás Franco. "As cidades devem permitir que as pessoas brilhem" [Las ciudades deben permitir a las personas brillar] 04 Jul 2020. ArchDaily Brasil. (Trad. Delaqua, Victor) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/942588/as-cidades-devem-permitir-que-as-pessoas-brilhem> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.