Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Recomendações básicas (e necessárias) para projetar habitações acessíveis

Recomendações básicas (e necessárias) para projetar habitações acessíveis
Br adtopic accessibility banner
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco

Um bom projeto de arquitetura deve ser acessível a todas as pessoas, independente de suas capacidades físicas e cognitivas. Para aumentar a conscientização sobre esses problemas e ajudá-lo no processo projetual, compilamos algumas operações básicas que devem ser concluídas para que as pessoas possam habitar espaços residenciais confortavelmente e sem obstáculos.

É importante lembrar que cada país tem suas próprias normas em relação ao desenho universal, portanto, as dimensões específicas apresentadas abaixo - baseados no Guia de Acessibilidade Universal da Ciudad Accesible– são conceituais e podem variar em cada projeto. Antes de projetar uma casa acessível, reveja as normas locais e aprofunde as necessidades e exigências de seus usuários, garantindo assim uma boa qualidade de vida para eles a longo prazo.

Corredores ou passagens devem ser contínuos e seguros

Como regra básica, as circulações devem ser fluidas e ininterruptas desde a rua até os espaços internos da casa. Todos os tipos de obstáculos devem ser evitados. Se existirem, devem ser facilmente identificados, agrupando elementos ou indicando sua localização. Em geral, os corredores de 150 cm de largura funcionarão corretamente em todos os casos, considerando uma largura mínima de 90 cm. Embora esta medida possa parecer exagerada para casas pequenas, pode ser incorporada criativamente através de mobiliário flexível ou áreas de uso duplo.

Materiais recomendados

Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco

As escadas não são acessíveis, mas certas precauções podem ser tomadas

Uma casa que requer circulação vertical, para acessar pisos inferiores ou superiores, não é acessível a menos que sejam tomadas certas medidas. Incluindo elevadores pode ser viável em edifícios institucionais ou públicos, mas a habitação é muito cara. Se a casa tiver que ser inevitavelmente projetada com dois ou mais níveis, rampas, elevadores de escada ou plataformas elevatórias devem ser incluídos.

Escadas tradicionais não são totalmente acessíveis, mas podem incluir algumas melhorias para pessoas com mobilidade reduzida. Por exemplo, incorporando degraus uniformes, com pisos de no mínimo 28 cm e um espelho não maior que 18 cm, evitando o degrau "vazado" e os obstáculos na altura de todo o caminho. Eles devem sempre incluir corrimãos.

Materiais recomendados

  • Pisos e espelhos: superfície antiderrapante, com texturas que marquem seu início e final.

Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco

Se houver mudanças de nível, rampas são essenciais

É claro: se enchermos a casa com escadas, os seus habitantes dificilmente poderão percorrer os espaços fluidamente. A rampa é a opção natural para a escada e deve ser adequadamente incorporada para funcionar de forma eficaz.

Idealmente, as rampas não devem exceder 8% do declive longitudinal e devem ser projetadas com uma largura mínima de 90 cm, embora seja recomendável atingir 150 cm de largura. Os corrimãos devem ser incluídos sem interrupções a 70 cm e 95 cm de altura. Se a rampa for muito longa, ela deve ser dividida aproximadamente a cada 9 metros, incluindo quebras sem declive. As quebras e os espaços onde a rampa começa e termina devem ser superfícies planas de 150 x 150 cm.

Materiais recomendados

  • Rampas: superfície antiderrapante, com texturas que marcam seu início e fim.
  • Corrimãos: material confortável para o movimento da mão até o final do passeio.

Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco

Nem todas as portas são adequadas

Em geral, recomenda-se a inclusão de portas entre 90 e 100 cm de largura, que podem ser abertas ou deslizadas completamente, incluindo alças ou barras anatômicas a 95 cm de altura. Não permita que as portas obstruam o movimento de pessoas, especialmente em áreas próximas às rampas.

As portas giratórias não são totalmente acessíveis, enquanto as portas envidraçadas devem ser claramente marcadas, com marcas que contrastam com o fundo. Portas automáticas ou hidráulicas, por outro lado, devem ser reguladas para fornecer o tempo necessário para uma pessoa transferi-las sem problemas. As portas giratórias devem ser cuidadosamente projetadas e dependendo das características de cada espaço; não importa se eles abrem para dentro ou para fora.

A importância de projetar corretamente as janelas

Janelas dobráveis (que abrem para dentro), deslizantes (com deslocamento horizontal) ou pivotantes (com deslocamento horizontal ou vertical), são boas opções para incluir em uma casa. Ao projetá-las, é importante observar e entender profundamente o usuário, lidando com a iluminação e a ventilação naturais, além das vistas que serão enquadradas. Não podemos esquecer que muitas vezes estes podem ser o principal ponto de conexão entre as pessoas e o mundo exterior.

Materiais recomendados

  • Portas e janelas: incluem alças com mecanismos de pressão ou alavanca em portas e janelas dobráveis e barras ou alças em portas e janelas de correr. As fechaduras ou travas devem ser fáceis de operar e podem ser abertas externamente em caso de emergência.

Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco

Os banheiros podem ser um projeto à parte, com dimensões muito específicas

Quanto à acessibilidade, os banheiros são um mundo em si. Suas dimensões e aberturas devem permitir o acesso e movimentação de uma cadeira de rodas; Recomenda-se um diâmetro mínimo de 150 cm (pelo menos 70 cm de altura) e uma porta corrediça ou dobrável (que se abre para o exterior). Barras de apoio, fixas e dobráveis, e acessórios que permitam o uso de muletas ou bengalas devem ser incorporados. A superfície do banho deve ser antiderrapante quando secas ou molhadas.

Recomendações para artefatos principais

  • Vasos sanitários: recomenda-se instalá-los a uma altura máxima de 50 cm, liberando pelo menos um acesso lateral a 80 cm de distância. Os mecanismos de download devem poder ser facilmente operados pelo usuário.
  • Pias: deve estar localizada a uma altura de 80 cm, evitando que ela se sente em móveis ou pedestais, liberando o espaço para uma cadeira de rodas se aproximar (mínimo 70 cm).
  • Chuveiros: é aconselhável incluir chuveiros no mesmo nível do chão do banheiro, com uma área mínima de 90 x 120 cm, assento dobrável e um declive de 2% em direção ao ralo. Barras de segurança devem ser incluídas a 85 cm de altura e alavancas ou torneiras de alavanca única, gerenciáveis a partir do assento. Chuveiros com mangueiras flexíveis facilitam as ações do usuário.

Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco

Cozinhas funcionais e ajustáveis

É preciso ter cuidado ao distribuir espaços de trabalho, promovendo um movimento fluido entre a cozinha, a pia e a geladeira. Recomenda-se liberar o espaço sob a mesa de trabalho, localizado a 80 cm de altura, para permitir a aproximação de um usuário de cadeira de rodas, se aplicável. Todos os utensílios e artefatos devem ser facilmente atingíveis; no caso de móveis superiores, há alguns sistemas ajustáveis no mercado que os aproximam da altura do usuário.

Materiais recomendados

Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco

Dormitórios confortáveis e de uso independente

Os dormitórios devem ser agradáveis, promovendo o descanso e repouso de seus habitantes, com ênfase especial em sua iluminação (e escuridão). Ao projetá-los, devemos seguir as mesmas chaves descritas acima, incluindo as dimensões mínimas necessárias para o movimento independente de pessoas: circulações de 90 cm e áreas de rotação de 150 cm para cadeiras de rodas, altura do leito próxima a 50 cm e Espaços de armazenamento de baixo crescimento, com portas de correr. Os interruptores devem ser facilmente atingíveis e marcados com luzes fluorescentes.

Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco
Imagem esquemática com medidas recomendadas. As normas locais devem ser revisadas antes de projetar. Imagem © José Tomás Franco

Salas de estar como ambientes sensoriais e dinâmicos

Enquanto cumpram dimensões mínimas indicadas acima, as salas de estar são espaços flexíveis que nos dão maior liberdade de projeto em favor da qualidade de vida. As texturas e cores, combinadas com condições térmicas, acústicas e de iluminação, podem fazer a diferença na forma como as pessoas habitam e percebem os espaços onde passam a maior parte do tempo, ajudando-as a curar através de estímulos sensoriais. A automação residencial, cada vez mais acessível e fácil de incorporar em novos edifícios, pode ajudar a impulsionar essas operações, ativando ambientes predefinidos por meio de sensores de movimento, painéis de controle ou comandos de voz.

Encontre mais detalhes e informação completa no Guia de Consulta Acessibilidade Universal de Ciudad Accesible.

Sobre este autor
Cita: Franco, José Tomás. "Recomendações básicas (e necessárias) para projetar habitações acessíveis" [Recomendaciones básicas (y necesarias) para diseñar casas accesibles] 21 Ago 2019. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/923234/recomendacoes-basicas-e-necessarias-para-projetar-habitacoes-acessiveis> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.