Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Retrofuturismo em Buenos Aires

Retrofuturismo em Buenos Aires

Buenos Aires em 2018. Habitantes? Quase 3 milhões. Trens magnéticos de alta velocidade? Zero. Arranha-céus interconectados com vias férreas? Zero. DeLoreans voando pelos ares? Lamentavelmente, zero. Inovações no transporte? O metro-bus e a ciclovia. Em termos urbanísticos, a cidade parece não haver avançado no ritmo que se imaginava.

O que existia era uma fé cega no futuro. Um futuro onde tudo seria possível, onde o céu não era o limite e as pessoas poderiam circular livremente sobre as nuvens através de uma rede de caminhos que conectariam altas torres. O que ocorreu? Para isso, devemos viajar no tempo. Mais precisamente, ao passado.

Rostos e Máscaras, 1913. Nº 779. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
Rostos e Máscaras, 1913. Nº 779. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Buenos Aires, início do século XX. Cidade de efervescência e otimismo. Em menos 50 anos foram construíram 5 linhas de metrô, diagonal, norte e sul, o Obelisco, Gran Rex, Comega e Safico. As ruas Belgrano, Independencia e San Juan foram transformadas em avenidas, foram erguidos os edifícios comerciais, foram demolidos os edifícios academistas, chegou Le Corbusier e foi embora Le Corbusier.

Jornal Crítica 1927. Nº 5118. Image via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
Jornal Crítica 1927. Nº 5118. Image via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Tínhamos o incentivo e a capacidade, o futuro em nossas mãos. Ou, pelo menos, era o que parecia. Era tamanho o entusiasmo pelo que estava por vir que aparecem em jornais e revistas as ilustrações do futuro de Buenos Aires.

 PBT, 1910. Nº 287..Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
PBT, 1910. Nº 287..Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Arranha-céus imponentes figuram pelo céu portenho, passarelas e ruas em balanço aparente, trens sobre edifícios, aviões e ultraleves, a elevação do espaço urbano.

A Dra. arquiteta Margarita Gutman da luz à problemática por meio de uma exaustiva pesquisa no livro “Buenos Aires, el poder de la anticipación. Imágenes itinerantes del futuro metropolitano en el primer Centenario”, da editora Ediciones Infinito.

A vida moderna, 1908. Nº 64. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
A vida moderna, 1908. Nº 64. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Analisando mais 7000 exemplares de revistas especializadas e técnicas, tendências, planos e ideias, Gutman reconstrói habilmente o imaginário coletivo do início dos anos 1900: a cidade vertical, automóveis e transvias, o poder da eletricidade e a fé na ciência.

Rostos e Máscaras, 1910, Nº 601. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
Rostos e Máscaras, 1910, Nº 601. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Se a pergunta era: qual é a cidade do futuro? Nova Iorque era a resposta. E Paris também, naturalmente. Arquitetos e urbanistas argentinos queriam seguir o modelo parisiense, enquanto o restante da população almejava o modelo norteamericano. Oscilando entre essas duas metrópoles nos encontrávamos sonhando:

"Os habitantes de Buenos Aires do Centenário imaginariam e consumiram um prolífico e excitante de imagens, desejos, planos e expectativas para o futuro da cidade, em um momento de grandes mudanças e aspirações. Estavam convencidos de um futuro de grandeza ilimitada." [1]

 PBT, 1910. Nº 287..Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
PBT, 1910. Nº 287..Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Com o passar do tempo e as crises econômicas, o fervor pelo futuro foi diminuindo e dos pés voltaram para o chão, imaginando utopias mais concretas.

Uma imponente esplanada de concreto flutua sobre o Rio da Prata. Em cima, monumentais arranha-céus iluminam a noite, suas luzes ofuscam e cativam a quem observa. É o centro da city portenha. Esta foi a imagem que sonhou Le Corbusier para Buenos Aires.

Anos mais tarde, junto a Ferrari e Kurchan, propõe um plano urbanístico, o "Plano Diretor para a cidade de Buenos Aires". Recuperação do solo, zoneamento, revalorização da região sul, divisão do trânsito, integração do rio e o novo centro de negócios foram alguns dos postulados do projeto. O plano não foi implementado, mas serviu como guia para as futuras mudanças urbanísticas.

Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams
Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams

Da mesma forma, chegou o momento de Amancio Williams. Devo dizer, que ele desapontou. Com a colaboração dos arquitetos Delfina Gálvez de Williams e Jorge Vivanco, projeta "Residências no espaço", onde reina o sol e o ar.

Residências no espaço. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams. Colaboradores: Arqs. Delfina Gálvez de Williams, Jorge Vivanco
Residências no espaço. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams. Colaboradores: Arqs. Delfina Gálvez de Williams, Jorge Vivanco

Casas com jardins e flores. Amplos vidros permitem contemplar os dias de verão de céus celestes e noites estreladas. O jardim somo extensão da casa e o céu como extensão do jardim.

Residências no espaço. Conjunto de blocos. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams
Residências no espaço. Conjunto de blocos. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams
A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.
A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.

Logo, redobrou a aposta com "A cidade que precisa da humanidade" em 1974. A cidade se desenvolveria em edifícios lineares e estratificados a 30 metros do solo.

Escritórios, residências, serviços, automóveis, trens magnéticos, vias. Todos funcionando em diferentes níveis do mesmo edifício.

A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.
A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.

No primeiro setor estariam os serviços e residências. Acima, o comércio, a circulação e o transporte. Por último, as atividades de trabalho. Os tempos mortos de deslocamento seriam recuperados, já que para ir da casa ao trabalho seria necessário apenas descer de andar. Faltavam anos para o surgimento do home office, mas Williams já o antecipava.

A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.
A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.

Acertos, desacertos e um futuro que não foi. Dói não estar nas alturas. Literalmente, tudo acontece no solo e as nuvens parecem muito distantes. O que acontecerá nos próximos anos? Alguém se arrisca a dizer? Me agarro com esperança nas palavras do Dr. Emmett Brown: "Caminhos? Para onde vamos não precisamos de caminhos." [2].

[1] Gutman, Margarita, “Buenos Aires, el poder de la anticipación”, Ediciones Infinito, 2011.

[2] Robert Zemeckis, Bob Gale, “Volver al futuro”, Universal Pictures, 1985.

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos
Sobre este autor
Cita: Etulain, Mariana. "Retrofuturismo em Buenos Aires" [Retrofuturismo en Buenos Aires] 07 Dez 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Brant, Julia) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/907223/retrofuturismo-em-buenos-aires> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.