Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. Retrofuturismo em Buenos Aires

Retrofuturismo em Buenos Aires

Retrofuturismo em Buenos Aires
Retrofuturismo em Buenos Aires, Buenos Aires no futuro. Fonte: El Hogar, 1929. Nº 1021. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
Buenos Aires no futuro. Fonte: El Hogar, 1929. Nº 1021. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Buenos Aires em 2018. Habitantes? Quase 3 milhões. Trens magnéticos de alta velocidade? Zero. Arranha-céus interconectados com vias férreas? Zero. DeLoreans voando pelos ares? Lamentavelmente, zero. Inovações no transporte? O metro-bus e a ciclovia. Em termos urbanísticos, a cidade parece não haver avançado no ritmo que se imaginava.

O que existia era uma fé cega no futuro. Um futuro onde tudo seria possível, onde o céu não era o limite e as pessoas poderiam circular livremente sobre as nuvens através de uma rede de caminhos que conectariam altas torres. O que ocorreu? Para isso, devemos viajar no tempo. Mais precisamente, ao passado.

Rostos e Máscaras, 1913. Nº 779. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
Rostos e Máscaras, 1913. Nº 779. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Buenos Aires, início do século XX. Cidade de efervescência e otimismo. Em menos 50 anos foram construíram 5 linhas de metrô, diagonal, norte e sul, o Obelisco, Gran Rex, Comega e Safico. As ruas Belgrano, Independencia e San Juan foram transformadas em avenidas, foram erguidos os edifícios comerciais, foram demolidos os edifícios academistas, chegou Le Corbusier e foi embora Le Corbusier.

Jornal Crítica 1927. Nº 5118. Image via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
Jornal Crítica 1927. Nº 5118. Image via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Tínhamos o incentivo e a capacidade, o futuro em nossas mãos. Ou, pelo menos, era o que parecia. Era tamanho o entusiasmo pelo que estava por vir que aparecem em jornais e revistas as ilustrações do futuro de Buenos Aires.

 PBT, 1910. Nº 287..Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
PBT, 1910. Nº 287..Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Arranha-céus imponentes figuram pelo céu portenho, passarelas e ruas em balanço aparente, trens sobre edifícios, aviões e ultraleves, a elevação do espaço urbano.

A Dra. arquiteta Margarita Gutman da luz à problemática por meio de uma exaustiva pesquisa no livro “Buenos Aires, el poder de la anticipación. Imágenes itinerantes del futuro metropolitano en el primer Centenario”, da editora Ediciones Infinito.

A vida moderna, 1908. Nº 64. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
A vida moderna, 1908. Nº 64. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Analisando mais 7000 exemplares de revistas especializadas e técnicas, tendências, planos e ideias, Gutman reconstrói habilmente o imaginário coletivo do início dos anos 1900: a cidade vertical, automóveis e transvias, o poder da eletricidade e a fé na ciência.

Rostos e Máscaras, 1910, Nº 601. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
Rostos e Máscaras, 1910, Nº 601. Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Se a pergunta era: qual é a cidade do futuro? Nova Iorque era a resposta. E Paris também, naturalmente. Arquitetos e urbanistas argentinos queriam seguir o modelo parisiense, enquanto o restante da população almejava o modelo norteamericano. Oscilando entre essas duas metrópoles nos encontrávamos sonhando:

"Os habitantes de Buenos Aires do Centenário imaginariam e consumiram um prolífico e excitante de imagens, desejos, planos e expectativas para o futuro da cidade, em um momento de grandes mudanças e aspirações. Estavam convencidos de um futuro de grandeza ilimitada." [1]

 PBT, 1910. Nº 287..Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman
PBT, 1910. Nº 287..Imagem via Ediciones Infinito e Dra. Arq. Margarita Gutman

Com o passar do tempo e as crises econômicas, o fervor pelo futuro foi diminuindo e dos pés voltaram para o chão, imaginando utopias mais concretas.

Uma imponente esplanada de concreto flutua sobre o Rio da Prata. Em cima, monumentais arranha-céus iluminam a noite, suas luzes ofuscam e cativam a quem observa. É o centro da city portenha. Esta foi a imagem que sonhou Le Corbusier para Buenos Aires.

Anos mais tarde, junto a Ferrari e Kurchan, propõe um plano urbanístico, o "Plano Diretor para a cidade de Buenos Aires". Recuperação do solo, zoneamento, revalorização da região sul, divisão do trânsito, integração do rio e o novo centro de negócios foram alguns dos postulados do projeto. O plano não foi implementado, mas serviu como guia para as futuras mudanças urbanísticas.

Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams
Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams

Da mesma forma, chegou o momento de Amancio Williams. Devo dizer, que ele desapontou. Com a colaboração dos arquitetos Delfina Gálvez de Williams e Jorge Vivanco, projeta "Residências no espaço", onde reina o sol e o ar.

Residências no espaço. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams. Colaboradores: Arqs. Delfina Gálvez de Williams, Jorge Vivanco
Residências no espaço. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams. Colaboradores: Arqs. Delfina Gálvez de Williams, Jorge Vivanco

Casas com jardins e flores. Amplos vidros permitem contemplar os dias de verão de céus celestes e noites estreladas. O jardim somo extensão da casa e o céu como extensão do jardim.

Residências no espaço. Conjunto de blocos. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams
Residências no espaço. Conjunto de blocos. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams
A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.
A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.

Logo, redobrou a aposta com "A cidade que precisa da humanidade" em 1974. A cidade se desenvolveria em edifícios lineares e estratificados a 30 metros do solo.

Escritórios, residências, serviços, automóveis, trens magnéticos, vias. Todos funcionando em diferentes níveis do mesmo edifício.

A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.
A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.

No primeiro setor estariam os serviços e residências. Acima, o comércio, a circulação e o transporte. Por último, as atividades de trabalho. Os tempos mortos de deslocamento seriam recuperados, já que para ir da casa ao trabalho seria necessário apenas descer de andar. Faltavam anos para o surgimento do home office, mas Williams já o antecipava.

A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.
A cidade que precisa da humanidade. Arquivo Williams. Diretor Claudio Williams.

Acertos, desacertos e um futuro que não foi. Dói não estar nas alturas. Literalmente, tudo acontece no solo e as nuvens parecem muito distantes. O que acontecerá nos próximos anos? Alguém se arrisca a dizer? Me agarro com esperança nas palavras do Dr. Emmett Brown: "Caminhos? Para onde vamos não precisamos de caminhos." [2].

[1] Gutman, Margarita, “Buenos Aires, el poder de la anticipación”, Ediciones Infinito, 2011.

[2] Robert Zemeckis, Bob Gale, “Volver al futuro”, Universal Pictures, 1985.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Etulain, Mariana. "Retrofuturismo em Buenos Aires" [Retrofuturismo en Buenos Aires] 07 Dez 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Brant, Julia) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/907223/retrofuturismo-em-buenos-aires> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.