O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Como funcionam as estruturas geodésicas

Como funcionam as estruturas geodésicas

Como funcionam as estruturas geodésicas
Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller. Image via Flickr Dan Sorensen
Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller. Image via Flickr Dan Sorensen

Dificilmente você passou por seu curso de Arquitetura sem ver ou mesmo ajudar a construir uma geodésica. Tratam-se de estruturas definidas a partir de uma malha composta por uma rede de polígonos – geralmente triângulos em aço, madeira ou bambu – que, tridimensionalizados, conformam espaços. Pela amarração das arestas (barras) e tridmensionalização da peça, este modelo apresenta resistência e leveza estrutural pela distribuição uniforme do peso próprio ao solo. Do ponto de vista técnico-estrutural, esta cúpula é uma estrutura composta por uma série de barras similares, que a partir de triângulos, criam uma superfície semi-esférica. Na complexa composição, a resistência e a leveza são atingidas a partir da distribuição uniforme dos esforços.

Elas foram amplamente difundidas pelos experimentos do arquiteto estadunidense Buckminster Fuller, ao longo de mais de 50 anos de atuação. Foi ele que cunhou o termo Domo Geodésico a partir da relação entre os diferentes componentes estruturais que compõem este modelo, que se destaca pela liberdade espacial e rapidez construtiva. Após diversos experimentos teóricos, gráficos e matemáticos, o arquiteto materializou na segunda metade da década de 1960, aquela que seria sua obra de maior prestígio: a conclusão do Pavilhão norte-americano da Exposição Mundial de 1967 na Ilha de Santa Helena, no Canadá, um projeto que nasceu a partir de sua observação microscópica à estrutura dos vírus e comportamento dos cristais do corpo humano, traduzindo os fundamentos geométricos da natureza na arquitetura e originando a popularmente conhecida, Biosfera.

Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller. Image via Flickr abdallahh
Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller. Image via Flickr abdallahh

Para Fuller, suas experimentações deveriam refletir os conceitos de versatilidade, flexibilidade, eficiência energética e leveza estrutural. Ele compactuava com a ideia já afirmada anteriormente por Le Corbusier de liberdade espacial. Nesse sentido, através da inexistência de apoios internos típicos das cúpulas, a estrutura permitiria adaptações pelo tempo. Desenvolveu a ideia de "geometria energético-sinergética" - conceito que engloba a filosofia teórica e geometria que se conecta a partir do elo entre as arestas.

Residência geodésica / Ecoproyecta. Image © Superlumen
Residência geodésica / Ecoproyecta. Image © Superlumen

Com este modelo estrutural, entendeu que a ideia de cúpula permitiria vencer maiores vãos, uma vez que o desenho de arco estruturalmente funciona de modo superior se comparado a estruturas retilíneas dado a atuação da peça aos intrínsecos esforços, e pela ideia de amarração das barras a partir de nós que permitiriam a distribuição das forças atuantes de maneira homogênea pelo corpo do domo. Em outras palavras, cada parte depende da outra e na falta de uma delas, toda a estrutura seria comprometida. Trata-se, de fato, além de um modelo estrutural interessante, uma estrutura extremamente didática.

Conjunto Nacional / David Libeskind. Image © Revista Acrópole n° 238 (CC BY-NC-ND 4.0). Via Arquivo Arq
Conjunto Nacional / David Libeskind. Image © Revista Acrópole n° 238 (CC BY-NC-ND 4.0). Via Arquivo Arq

Compilamos, a seguir, algumas obras e artigos já publicadas no ArchDaily que utilizam este sistema. Confira:

Conjunto Nacional / David Libeskind. Image © Revista Acrópole n° 238 (CC BY-NC-ND 4.0). Via Arquivo Arq
Conjunto Nacional / David Libeskind. Image © Revista Acrópole n° 238 (CC BY-NC-ND 4.0). Via Arquivo Arq

Dome of Visions 3.0 / Atelier Kristoffer Tejlgaard

Domo das Visões 3.0 / Atelier Kristoffer Tejlgaard. Image © Atelier Kristoffer Tejlgaard, Helle Arensbak and Jonathan Bisagni
Domo das Visões 3.0 / Atelier Kristoffer Tejlgaard. Image © Atelier Kristoffer Tejlgaard, Helle Arensbak and Jonathan Bisagni

Residência geodésica / Ecoproyecta

Residência geodésica / Ecoproyecta. Image © Superlumen
Residência geodésica / Ecoproyecta. Image © Superlumen

Domo para el encuentro / Kristoffer Tejlgaard & Benny Jepsen

Cortesia de Kristoffer Tejlgaard & Benny Jepsen
Cortesia de Kristoffer Tejlgaard & Benny Jepsen

Conjunto Nacional / David Libeskind

Conjunto Nacional / David Libeskind. Image © Revista Acrópole n° 238 (CC BY-NC-ND 4.0). Via Arquivo Arq
Conjunto Nacional / David Libeskind. Image © Revista Acrópole n° 238 (CC BY-NC-ND 4.0). Via Arquivo Arq

Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller

Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller. Image via Flickr Rodrigo Maia
Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller. Image via Flickr Rodrigo Maia

Geodésica adaptável de bambu vence o Buckminster Fuller Challenge 2016 para estudantes

Cortesia de CHHAT
Cortesia de CHHAT

Referência Bibliográficas:
REBELLO, Y. Bases para Projeto Estrutural na Arquitetura. 4.ed. São Paulo: Zigurate, 2007.                   
REBELLO, Y. A Concepção Estrutural e a Arquitetura. 9. ed. São Paulo: Zigurate, 2000.

Sobre este autor
Cita: Matheus Pereira. "Como funcionam as estruturas geodésicas" 24 Out 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/904613/como-funcionam-as-estruturas-geodesicas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.