O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Espaço De Exibições
  4. Canadá
  5. Buckminster Fuller
  6. 1967
  7. Clássicos da Arquitetura: Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller

Clássicos da Arquitetura: Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller

Clássicos da Arquitetura: Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller
Clássicos da Arquitetura: Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller, © Flickr user abdallahh
© Flickr user abdallahh

Arquitetos nunca tiveram uma posição de mais suprema proeminência do que na visão de Buckminster "Bucky" Fuller. Para ele, apenas os arquitetos eram capazes de compreender e navegar as complexas inter-relações da sociedade, tecnologias e meio ambiente, visto através do paradigma compreensivo da teoria dos sistemas. A arquitetura, neste modelo, era destinada a existir em contato estreito com tanto a humanidade como a natureza, exercendo o papel mais crítico da civilização em elevar o estado da humanidade e promover sua gestão responsável do meio ambiente. Emergindo da positividade ética do modernismo do pós-guerra, esta perspectiva meliorista marca, talvez, o auge da ascensão do otimismo no pensamento de meados do século XX, e deu a Fuller um diagrama exclusivamente moral para seus projetos revolucionários.

© Flickr user Ehsan © Flickr user Ehsan © Flickr user Richard Winchell © Flickr user Rodrigo Maia + 12

Foi a partir deste contexto social e filosófico que Fuller concebeu seu projeto para a Biosfera de Montreal, o pavilhão dos Estados Unidos para a Exposição Mundial de 1967. Por quase vinte anos, Fuller vinha aperfeiçoando seus projetos de cúpulas geodésicas, pontilhando o país com edifícios experimentais de aparência esférica e constantemente cultivando sua notoriedade profissional e popular. Sua obsessão com este tipo particular de estrutura emergiu de seus interesses na eficiência material, integridade estrutural e modularidade, os ingredientes-chave do que ele esperava que se tornaria uma intervenção de design sustentável, facilmente replicável. Implantando essas cúpulas em todos os lugares desde restaurantes a instalações militares, a estrutura versátil tornou-se singularmente associada com Fuller, como foi humoristicamente ilustrado através de uma capa de janeiro de 1964 na Revista Time.

Time Magazine, January 10, 1964. Image © Time Inc.
Time Magazine, January 10, 1964. Image © Time Inc.

De todos os domos de Fuller, a biosfera é talvez o mais espetacular. Em um diâmetro de setenta e seis metros, a esfera expansiva atinge espantosos sessenta e dois metros para o céu e domina completamente a ilha em que está localizada. O volume contido dentro dele é tão espaçoso que acomoda confortavelmente um edifício de exposições de sete pavimentos, destacando os vários elementos programáticos da exposição. Mesmo em meio a outras atrações impressionantes, incluindo o pavilhão alemão, de estrutura tensionada, de Frei Otto e  o icônico Habitat 67, de Moshe Safdie - a Biosfera reinou suprema, atraindo mais de 5,3 milhões de visitantes nos primeiros seis meses após sua abertura. [1]

© Flickr user Rodrigo Maia
© Flickr user Rodrigo Maia

Geometricamente, a cúpula é um icosaedro, uma forma de 20 lados formado pela intercalação de pentágonos em uma grade hexagonal. No entanto, a clareza dessa forma é ofuscada pela fragmentação das suas faces, que são subdivididas em uma série de triângulos equiláteros com mínimas distorções que curvam as seções planas individuais em conchas. Como resultado, a composição agregada da cúpula esférica é substancialmente mais esférica do que simplesmente icosaédrica, enquanto as unidades menores criam uma complexidade visual através da pura repetitividade. Essa estrutura em grade é criada inteiramente de tubos de aço de três polegadas, soldados nas articulações e afinando-se suavemente em direção ao topo da estrutura, com o intuito de otimizar a distribuição das forças através do sistema.

© Flickr user Ehsan
© Flickr user Ehsan

Originalmente revestida com uma membrana acrílica fina que foi destruída pelo fogo em 1976, a cúpula como foi originalmente construída era mais opaca e visualmente sólida do que a versão atual. No entanto, sua presente nudez estrutural, embora não intencional pelo arquiteto, cria uma transparência muito bem legível que revela plenamente a ingenuidade do projeto de Fuller. Do lado de fora do edifício, linhas de visão através da esfera penetram a casca em duas superfícies sem diferenciação de materiais, resultando em uma leitura contínua de superfícies interiores e exteriores como facetas de uma única malha estrutural curvando-se sobre si mesma. Com o enchimento acrílico removido, a ênfase experimental do domo muda do fechamento espacial à maravilha sensorial da própria estrutura. A visibilidade não coreografada do interior do edifício de exposição, no entanto, é perdoavelmente menos atraente, por vezes se assemelhando a uma tomada inquietantemente moderna no kitsch do globo de neve em uma escala enorme.

The 1976 fire. Image from Reddit.
The 1976 fire. Image from Reddit.
© Flickr user Dan Sorensen
© Flickr user Dan Sorensen

Como uma realização arquitetônica, a Biosfera resume a idealização da promessa de tecnologia de Fuller. Através de uma análise holística, sistematização e produção em massa, ele viu este projeto como um exemplo de como os arquitetos poderiam exercer e implantar os instrumentos de inovação para criar novas espécies de máquinas hiper-eficientes para o bem da humanidade. A beleza das geometrias puras da Biosfera foi um bônus estético, o sucesso intencional, mas subordinado, de um funcionalista e exercício ético. No entanto, a capacidade da estrutura para comunicar essa mensagem de otimismo através da otimização pode ter sido perdida para aqueles que buscaram e lutaram para encontrar aplicações práticas para a invenção de Fuller. Embora as estruturas de cascas tenham sofrido como dispositivos padrões no repertório da arquitetura internacional, as cúpulas geodésicas, em particular, nunca alcançaram a adoção em massa que Fuller esperava, e seus trabalhos idealistas foram traduzidos em poucos ganhos tangíveis para a condição humana que ele ansiava melhorar.

© Flickr user Richard Winchell
© Flickr user Richard Winchell

Infelizmente, a filosofia exclusivamente esperançosa de Fuller sobre o poder do arquiteto e o potencial da tecnologia foi recebida com a mesma recepção de ceticismo intrigado que se abateu sobre sua cúpula. Em resposta às agitações sociais do final dos anos 1960 e os cada vez mais aparentes fracassos do modernismo, os teóricos começaram a afastar-se do positivismo ético e do humanismo em geral, em sua busca por um significado mais profundo na arquitetura. Logo, com a chegada difundido de teoria pós-estrutural e suas devoluções, a convicção de Fuller na primazia de um imperativo moral arquitetônico foi praticamente abandonada pelos seus pares. Após o incêndio de 1976, a Biosfera foi abandonada e isolada do público, um monumento trágico para uma era passada de esperança e idealismo.

© Flickr user Ehsan
© Flickr user Ehsan

Em 1990, após quase 15 anos em desuso, a Biosfera foi comprada pelo governo canadense e reutilizada como um espaço de exposição ambiental, dedicada a promover uma compreensão do rio St. Lawrence e do ecossistema dos Grandes Lagos. Foi uma homenagem a Fuller, que tem sido amplamente reconhecido como um dos primeiros arquitetos a trazer o conceito de sustentabilidade em seu uso global. O renascimento da Biosfera também marcou o surgimento da teoria da sustentabilidade como um realinhamento do pensamento arquitetônico com as preocupações mundanas que a academia já havia descontado, validando a defesa incansável de Fuller de uma profissão da arquitetura baseada em serviços para a natureza e a humanidade.

© Flickr user Dan Sorensen
© Flickr user Dan Sorensen

[1] “Richard Buckminster Fuller: A Visionary Architect.” Environment Canada. Acesso em 18 Novembro de 2014 em http://www.ec.gc.ca/biosphere/default.asp?lang=En&n=30956246-1

[2] Mallgrave, Harry Francis and David Goodman. An Introduction to Architectural Theory: 1968 to the Present. Wiley-Blackwell, United Kingdom: 2011.

[3] Martin, Reinhold. "Crystal Balls." ANY: Architecture New York, No. 17, Forget Fuller? Everything you always wanted to know about Fuller but were afraid to ask (1997), pp. 35-39.

[4] Section Drawing: Kalin, Survey of Building Materials, Systems, and Techniques. From Massey, Jonathan. "Buckminster Fuller's Cybernetic Pastoral: The United States  Pavilion at Expo 67." Journal of architecture 11.4 (2006): 463-83.

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: Langdon, David. "Clássicos da Arquitetura: Biosfera de Montreal / Buckminster Fuller" [AD Classics: Montreal Biosphere / Buckminster Fuller] 26 Set 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/796023/classicos-da-arquitetura-biosfera-de-montreal-buckminster-fuller> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.