Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Um urbanismo que esqueceu o urbano: o legado de John Portman em Detroit

Um urbanismo que esqueceu o urbano: o legado de John Portman em Detroit

Um urbanismo que esqueceu o urbano: o legado de John Portman em Detroit
Um urbanismo que esqueceu o urbano: o legado de John Portman em Detroit, Renaissance Centre em Detroit. Image via Wikimedia
Renaissance Centre em Detroit. Image via Wikimedia

Esse artigo foi publicado originalmente no Common Edge como "Will Detroit ever Fully Recover from John Portman's Renaissance Center?"

O Common Edge já publicou sobre a herança anti-urbana do arquiteto e empreendedor John Portman. Vale a pena entrar em mais detalhes sobre esses projetos, já que parece que aprendemos muito pouco com seus fracassos.

Vamos começar com Detroit. O Renaissance Center foi um dos seus maiores e mais celebrados projetos. Mas esse complexo de sete arranha-céus interconectados apresenta algumas questões difíceis para os planejadores urbanos hoje: pode o centro de Detroit se recuperar totalmente desse desenvolvimento gigantesco e mal pensado? E, mais importante, por que outras cidades não aprenderam com suas lições claras?

O trilho elevado de Detroit que atravessa o centro da cidade, visto do Madison Building. Image via Wikimedia
O trilho elevado de Detroit que atravessa o centro da cidade, visto do Madison Building. Image via Wikimedia

A primeira fase do Ren Cen, como é conhecido pelos habitantes locais, foi inaugurada em 1977 e aspirou o que restava da vida comercial instável, mas existente, prendendo-a dentro de uma enorme fortaleza confusa no Rio Detroit. Para agravar esse desastre de planejamento, Detroit construiu um trem elevado a partir do Ren Cen, com destinos limitados, atraindo ainda mais pessoas para longe das ruas, garantindo décadas de vida urbana escassa. Por que um empreendedor abriria uma loja no térreo, quando todos os seus clientes em potencial estavam zunindo por cima?

Embora isso não tenha começado com Portman, o Ren Cen certamente abriu as comportas para vários estádios e esquemas variados, cassinos e acres e acres de estacionamentos e garagens, apagando mais o tecido urbano necessário para um eventual renascimento. Esses locais célebres (cada um prometendo reviver o centro da cidade) atraíam suburbanos para eventos ocasionais, mas os visitantes entravam e saíam sem tocar na cidade real. O que restava era um centro picado, quase impossível de navegar por outros meios que não o carro. Trechos de vida urbana permaneciam, mas foram amplamente isolados por rodovias.

Depois de Ren Cen, a demolição continuou em ritmo acelerado. Levaria décadas para o tecido restante começar a ganhar vida novamente. Hoje, Detroit está sendo saudada como uma "cidade do retorno". Mas as sementes desse renascimento eram reconhecíveis no solo, já no início dos anos 2000. E eles não tinham nada a ver com Ren Cen, ou outros projetos de grande escala projetados para estimular o redesenvolvimento.

Iniciativas menores, de fato, surgiram em oposição quase orgânica a eles. Um bairro maravilhoso estava surgindo em torno do Slows Bar BQ na esquina da Michigan Avenue e da 14th Street, o centro de Corktown (o bairro mais antigo de Detroit), o Mexican Town (a maior área hispânica da cidade) e o centro da cidade. Quadra a quadra, um pequeno grupo de moradores locais apaixonados renovou dez pequenos prédios de tijolos de várias cores, idades e condições adjacentes ao Slows Bar BQ. Slows foi criado por Phillip Cooley, juntamente com seu irmão e seu pai, e eles criaram o restaurante de esquina de madeira e recuperaram detalhes arquitetônicos, um catalisador clássico de pequenas empresas para o renascimento urbano.

via Wikimedia
via Wikimedia

O mesmo grupo de renovadores energéticos limpou um parque há muito negligenciado do outro lado da rua que o ligava à falha mais visível da cidade, a Estação Central de Michigan (1913). Agora, depois de menos de uma década de renascimento baseado em vizinhanças, esta extraordinária estação de trem e prédio de escritórios de 18 andares, abandonada desde 1988 - projetada pelos arquitetos (Warren & Wetmore e Reed and Stem) que criaram o Grand Central Terminal de Nova Iorque - está para ser renovada.

Esta é a verdadeira história de genuíno renascimento em cidades por todo o país - pequenos projetos locais que plantam as sementes para um autêntico reavivamento. A ausência de uma compreensão fundamental das complexidades econômicas e sociais de uma cidade - sua ecologia urbana - incapacita a maioria dos especialistas e formuladores de políticas, que tendem a planejar de longe e saltar de pára-quedas para as comunidades em nome do falso progresso. As histórias importantes de força e renascimento são muitas vezes escondidas, ofuscadas pelos anúncios de grande sucesso da mais recente promessa de redenção urbana.

Observando e escrevendo sobre Detroit ao longo dos anos, estive interessado em mais do que apenas a alta concentração de notáveis prédios de antes da guerra no centro da cidade, alguns dos melhores dos Estados Unidos. Ali, quadras inteiras de edifícios permaneciam no arranjo urbano compacto que muitas cidades gostariam de ter. Nos últimos anos, os emprendedores descobriram, restauraram e converteram muitos deles para uso residencial ou misto, uma vez que os americanos vem querendo voltar a morar nos centros.

Mas Detroit possuía - como a maioria das cidades - bairros reais, cada um com uma história diferente, um catalisador diferente, uma combinação diferente de pessoas e edifícios. Mesmo uma cidade sitiada como Detroit, assolada por décadas de perda de população, era rica com eles: o Distrito da Cervejaria de Stroh, Harmonie Park, Mexican Town, Eastern Market, Cork Town. E, claro, Indian Village, um distrito histórico nacional de casas do início do século 20 construídas para a elite de Detroit. O Cass Corridor, paralelo à venerável avenida Woodward, começou a exibir, há apenas vinte anos, pequenos sinais de renascimento - uma cafeteria, uma padaria e outros pequenos empreendimentos. (Hoje uma das questões mais contenciosas é a gentrificação.) Outras áreas vem mostrando sinais de vida nova que as autoridades municipais e planejadores não reconheceram até que empreendedores inteligentes, jovens investidores e artistas começaram o processo de restauração, conversão e reavivamento celebrado hoje.

Nos últimos anos, muitos centros foram redescobertos. Mas eles o fizeram com uma ressalva: aqueles centros da cidade com tecido substancial remanescente experimentaram reviravoltas mais robustas; os que estavam excessivamente intimidados lutaram para reviver porque tinham mais espaço para estacionar do que razões reais para estacionar.

Felizmente, nem toda cidade caiu sob o feitiço do gigantismo de Portman. Em 1978, Washington, DC derrotou um plano insano que envolvia a derrubada do National Theater (1835), o mais antigo e legítimo teatro do país, onde toda grande estrela teatral da história americana passou. Não muito antes da proposta de demolição, o teatro passou por uma reforma de US $ 1 milhão. Portman tentava substituir quase uma quadra inteira de estruturas variadas com dois prédios de hotel / escritório / varejo de átrio de 16 andares. Ele argumentou contra salvar o National ou criar um novo teatro, dizendo que isso interferiria no design e na economia do novo projeto.

Centro de Boston, visto do porto. Image via Wikimedia
Centro de Boston, visto do porto. Image via Wikimedia

Por volta da mesma época, Boston também resistiu ao fascínio de Portman. Advertindo contra um projeto proposto, o colunista do Boston Globe, Ian Menzies, escreveu: “O problema é que Portman está vendendo um pacote arquitetônico que pode ser descartado em qualquer cidade… pode ser um desastre para Boston. Deve chegar uma época em que arquitetos, planejadores e desenvolvedores distinguirão entre cidades americanas, reconhecerão suas diferentes personalidades e características, e não colocarão ou sobreporão o mais novo pacote plastificado em todas as cidades americanas como fariam com uma caixa de cereais distribuída nacionalmente… Boston não precisa de Portman, mesmo que Atlanta faça; precisa de um arquiteto verdadeiramente novo e distinto, capaz de misturar o futuro com o passado e manter uma escala de valores em que os edifícios sirvam para complementar o homem, não para dominá-lo ”.

Infelizmente, isso poderia ter sido escrito sobre praticamente todas as cidades com grandes projetos de Portman. Em Nova Iorque, supostamente uma fonte de design criativo, a cidade abraçou Portman como o potencial salvador da Times Square. Esgotando seu grupo de empreendimentos com enormes subsídios públicos, o Estado e a cidade permitiram a Portman demolir dois teatros da Broadway insubstituíveis - The Morosco e Helen Hayes - juntamente com uma quadra urbana diversificada que incluía teatros menores e um hotel de médio porte bem-sucedido, que havia sido recentemente reformado. Em seu lugar, Portman construiu uma monstruosidade de 56 andares, um imenso bunker, com um teatro cavernoso sem todas as qualidades das edificações históricas destruídas. (Na década de 1970, Nova Iorque deu um bônus de zoneamento para novos edifícios que contivessem um novo teatro, mas nenhum bônus para preservar as jóias antigas que já estavam em pé.)

Este desenvolvimento desastroso deve ser usado como uma apostiva para o que nenhuma cidade deveria fazer. Eles ignoraram os protestos barulhentos e muito públicos encenados por luminares do teatro (liderados por Joseph Papp) e entusiastas de todo o mundo. A cidade não estava disposta a forçar Portman, em troca de grandes benefícios públicos, a transferir o projeto pela Broadway para um lote alternativo disponível de tamanho igual e sem muito valor para ele. Eles até se recusaram a considerar um projeto alternativo bem elaborado que teria construído o hotel sobre os teatros históricos, utilizando os andares inferiores subutilizados. O lobby de Portman fica no sétimo andar e poderia facilmente acomodar os dois teatros históricos abaixo dele.

Mariott Marquis Atlanta. Image via Wikimedia
Mariott Marquis Atlanta. Image via Wikimedia

Uma indignação após a outra ocorreu - tudo por um projeto indevidamente mal concebido. "Sr. Os edifícios de Portman são excitantes sem serem interessantes ”, escreveu Michael Sorkin no Wall Street Journal. “Paradoxalmente, seus edifícios, que praticamente gritam suas aspirações ao urbanismo, são virtualmente sem um senso de urbanismo ... como espaçonaves gigantescas, oferecendo encontros próximos com a cidade, mas não muito perto.” Todos os argumentos contra a alternativa de reconstrução (também demorado, muito caro, tarde demais no processo), soou oco e ainda o faz. Hoje apenas restos da antiga Times Square permanecem.

Esses projetos também estabelecem precedentes perigosos, fornecendo uma fórmula para empreendedores e autoridades municipais, desesperados para reviver seus baixos centros financeiros. Chamadas de parcerias público-privadas, elas eram de fato desenvolvimentos privados subsidiados publicamente. Os projetos de Portman, sem dúvida, fizeram fotos dramáticas (alguns ainda parecem deslumbrantes hoje em blogs de arquitetura), mas muitas vezes eram locais urbanos terríveis.

Pior ainda, em vez de reviver seus pretensos centros urbanos, eles eram frequentemente impedimentos para isso. E por uma boa razão: a demolição excessiva do tecido urbano em declínio e sua substituição em grande escala por um uso único nunca regenera uma cidade. Ele simplesmente substitui uma infinidade de usos por um único, geralmente estéril. O mesmo é verdade para as chamadas “cidades em declínio”, onde muitos edifícios perfeitamente viáveis foram demolidos. Demolições massivas nunca impediram o encolhimento; na verdade, eles exacerbaram o problema. A estratégia mais sábia e muito mais barata teria sido investir no nível da vizinhança para conter o encolhimento.

Mais e mais, a promessa de Portman era uma miragem, nunca cumprindo sua promessa, seu respingo arquitetônico destruindo seu dano urbano. Em praticamente todos os projetos, as vozes levantadas apontando os enganos foram abafadas por uma combinação de funcionários públicos e promotores imobiliários que acabaram sendo os verdadeiros vencedores. Um fio condutor comum percorre tudo isso. "Para cada problema complexo", disse H. Mencken uma vez, "há uma resposta clara, simples e errada".

Este artigo foi originalmente publicado em Common Edge as "Will Detroit ever Fully Recover from John Portman's Renaissance Center?" O artigo é uma continuação de um artigo publicado em 28 de agosto, intitulado "A Critical Reassessment of John Portman? No, His Buildings Were Resolutely Anti-Urban."

John Portman, o famoso arquiteto americano, morreu em 29 de dezembro de 2017. Ele é conhecido por seu extenso portfólio nos EUA e no mundo, frequentemente apresentando prédios projetados em torno de átrios.

Sobre este autor
Cita: Brandes Gratz, Roberta. "Um urbanismo que esqueceu o urbano: o legado de John Portman em Detroit" [Urbanism that Forgot the Urban: John Portman's Legacy in Detroit] 24 Set 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/902524/um-urbanismo-que-esqueceu-o-urbano-o-legado-de-john-portman-em-detroit> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.