O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Clássicos da Arquitetura: Ala de Sainsbury da Galeria Nacional de Londres / Venturi Scott Brown

Clássicos da Arquitetura: Ala de Sainsbury da Galeria Nacional de Londres / Venturi Scott Brown

  • 12:00 - 19 Junho, 2018
  • por Adam Nathaniel Furman
  • Traduzido por Eduardo Souza
Clássicos da Arquitetura: Ala de Sainsbury da Galeria Nacional de Londres / Venturi Scott Brown
Clássicos da Arquitetura: Ala de Sainsbury da Galeria Nacional de Londres / Venturi Scott Brown, A ala de Sainsbury vista de Trafalgar Square. Image © Valentino Danilo Matteis
A ala de Sainsbury vista de Trafalgar Square. Image © Valentino Danilo Matteis

A ampliação da Ala Sainsbury da Galeria Nacional, desenvolvida pelo escritório Venturi Scott-Brown (1991) nasceu de um embate entre os neo-modernistas e os tradicionalistas que passaram grande parte da década anterior discutindo sobre a direção das cidades britânicas. O local da extensão tornou-se um dos campos de batalha mais simbólicos da arquitetura britânica, uma vez que uma campanha para interromper seu redesenvolvimento com um esquema Hi-Tech de Ahrends Burton Koralek levou à recusa desse projeto em 1984.

A Fachada Ecoada. Image © Valentino Danilo Matteis Átrio do térreo. Image © Valentino Danilo Matteis © Valentino Danilo Matteis Escada. Image © Valentino Danilo Matteis + 17

Isso foi iniciado pelo príncipe Charles, espetacularmente entrando no debate com um discurso feito no aniversário de 150 anos do Instituto Real de Arquitetos Britânicos (RIBA). Agendado para simplesmente introduzir e conceder a medalha de ouro real do RIBA naquele ano a Charles Correa, ele lançou uma abordagem sobre o estado da arquitetura britânica, com o destino da ampliação de Sainsbury posicionado como o apogeu simbólico das péssimas condições da profissão, começando seu ataque, proclamando que o esquema ABK era "como um carbúnculo monstruoso no rosto de um amigo muito querido e elegante".

Venturi Scott Brown, os vencedores do concurso seguinte que se destinava a apaziguar as facções em guerra, elaborou e forneceu uma das peças mais sofisticadas - se não a mais - da arquitetura pública construída no repertório pós-moderno. Consegue o que apenas um edifício composto ao longo das linhas pós-modernas poderia esperar alcançar com tal vigor, ou seja, um encontro tenso e às vezes emocionante do modernismo, da construção contemporânea, o classicismo inglês, aço, pedra e vidro, simbolismo, contexto e criatividade espacial.

A Fachada Ecoada. Image © Valentino Danilo Matteis
A Fachada Ecoada. Image © Valentino Danilo Matteis

É um edifício que se enquadra, ao mesmo tempo que sinaliza a sua novidade, uma manobra melhor resumida pela "fachada ecoada" voltada para a Trafalgar Square que repete os ritmos e formas do edifício principal da Galeria, mas corroendo-os progressivamente, reduzindo sua profundidade e presença, até que desapareçam completamente assim que o prédio vira a esquina. Ele também apresenta fachadas texturizadas diferentes para todas as ruas que enfrenta, nunca escondendo seu tamanho, mas moderando-o com interesse, seja através da implantação de colunas de ferro fundido policromáticas, dos tijolos de Londres, uma parede envidraçada modernista ou uma epigrafia em escala supergráfica.

O arranjo interno é também uma resolução corajosa de demandas conflitantes. Com o grande conjunto de arcos, as galerias superiores lembram simultaneamente a escala eclesiástica de uma igreja florentina, apropriada para as peças da coleção, enquanto rompem lateralmente as proporções íntimas de um ambiente mais doméstico, apropriado para as obras devocionais particulares que compõem muito mais da coleção. As duas escalas coexistem simultaneamente nos espaços interligados da galeria, todos os quais são unificados em uma linguagem calmante, que se refere à pedra cinza, madeira e as paredes brancas da catedral de Brunelleschi em Florença.

Espaços de Exposição. Image © Valentino Danilo Matteis
Espaços de Exposição. Image © Valentino Danilo Matteis

Era uma exigência que as primeiras galerias do Renascimento fossem locadas no segundo nível para alinhar com as galerias do prédio principal vizinho, e Venturi e Denise Scott Brown aproveitaram o arranjo para criar um sanduíche vertical de programas, todos eles unidos por uma grandiosa escada que lembra a de um pátio de um palazzo italiano.

Os visitantes deslocam-se da rua através de uma pequena entrada em um espaço térreo apertado, quase exageradamente comprimido, de teto baixo, cuja parede posterior enfatiza a sensação de estar "por baixo" através de sua grande fachada rústica em pedra Portland. A ponderação dessa recepção é então poderosamente contrastada pela generosidade das escadas que se adentra para se elevar em direção aos outros programas e às galerias renascentistas acima, ou descer aos espaços temporários de exibição abaixo.

Átrio do térreo. Image © Valentino Danilo Matteis
Átrio do térreo. Image © Valentino Danilo Matteis

É um ensaio sobre como transformar demandas conflitantes (de ser contextual, de ser moderno, de mostrar criatividade e de mostrar moderação). Deveria ter sido a prova de que os edifícios não precisam ser dogmáticos, que eles não têm que ser revivalistas para se adequarem, nem precisam ser agressivamente modernos e anti-contextuais para serem contemporâneos e criativos. Em vez de ser uma prova da eficácia do pós-modernismo, na Grã-Bretanha, pelo menos - apenas no momento de maior triunfo - a sentença de morte para qualquer abordagem desse tipo.

Como Margaret Thatcher disse, "ficar no meio da estrada é muito perigoso; você é derrubado pelo tráfego de ambos os lados", uma metáfora apropriada para a maneira pela qual a Ala Sainsbury foi recebida após a conclusão. O ponto de vista totalitário tanto dos tradicionalistas quanto dos neo-modernistas rejeitava o projeto de Venturi Scott Brown como comprometido e falso para a tradição, por um lado, e como pastiche, um "lodo medíocre pitoresco" do outro. A complexidade inteligente, rica e produtiva da navegação de requisitos conflitantes oportunista e criativa do pós-modernismo foi considerada degenerada e fácil por ambos os lados.

© Valentino Danilo Matteis
© Valentino Danilo Matteis

Charles Jencks aponta quão de perto os modernistas e revivalistas opostos foram posicionados em termos de seu espírito totalitário compartilhado em seu ensaio Morte para o Renascimento (Death for Rebirth):

Quando ele [Princípe Charles] atacou o esquema original de ampliar a National Gallery de Londres, ele reformulou o argumento modernista para consistência: “Eu entenderia melhor esse tipo de abordagem Hi-Tech se você demolisse toda a Trafalgar Square e começasse novamente com um único arquiteto para todo o layout ”[...] A implicação, com sua ironia pesada, é que muitos carbúnculos esteticamente unificados seriam aceitáveis.

A oposição pós-moderna a esse espírito de coesão universal, de uma solução singular universal aplicável a todos os projetos, uma posição compartilhada por modernistas e revivalistas, foi incorporada arquitetonicamente em sua melhor forma e, pela primeira vez em escala cívica, na Ala Sainsbury. Este caminho do meio, como sinalizado por Venturi e Scott-Brown, em que o contexto é reconhecido, mas sem recorrer ao revivalismo, foi aceito como dado por todos os arquitetos praticantes nos anos de intervenção. Aceito, mas assumido de uma forma totalmente desprovida da complexidade e do espírito lúdico do pós-modernismo, numa espécie de rigor mortis modernista-contextual.

O espectro completo de inteligência arquitetônica, complexidade, sagacidade e riqueza que foi usado na composição de obras como a Ala Sainsbury, uma abordagem que foi rotulada de "pós-moderna", no entanto, tornou-se um tabu, juntamente com a apreciação desse marco seminal. na arquitetura pública britânica. Este é um edifício maravilhoso e importante que, juntamente com o estilo que representa, necessita, merece - exige - uma robusta reavaliação crítica.

Este ensaio, escrito por Adam Nathaniel Furman, foi publicado pela primeira vez como parte da série Twentieth Century Society (C20) 'Building of the Month'. Furman é um arquiteto, escritor e palestrante sediado em Londres e autor de Style: In Defence Of... Postmodernism (disponível em Apple iBookstore e Google Play).

Bibliografia

'Death for Rebirth' by Charles Jencks, AD Post-Modernism on Trial 1990

'In Defence of the Sainsbury Wing', BD, 22nd July 2011, Ellis Woodman and Denise Scott Brown

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Adam Nathaniel Furman
Autor
Cita: Adam Nathaniel Furman. "Clássicos da Arquitetura: Ala de Sainsbury da Galeria Nacional de Londres / Venturi Scott Brown" [AD Classics: Sainsbury Wing, National Gallery London / Venturi Scott Brown] 19 Jun 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/896404/classicos-da-arquitetura-ala-de-sainsbury-da-galeria-nacional-de-londres-venturi-scott-brown> ISSN 0719-8906