Ampliar imagem | Tamanho original
A ampliação da Ala Sainsbury da Galeria Nacional, desenvolvida pelo escritório Venturi Scott-Brown (1991) nasceu de um embate entre os neo-modernistas e os tradicionalistas que passaram grande parte da década anterior discutindo sobre a direção das cidades britânicas. O local da extensão tornou-se um dos campos de batalha mais simbólicos da arquitetura britânica, uma vez que uma campanha para interromper seu redesenvolvimento com um esquema Hi-Tech de Ahrends Burton Koralek levou à recusa desse projeto em 1984. Isso foi iniciado pelo príncipe Charles, espetacularmente entrando no debate com um discurso feito no aniversário de 150 anos do Instituto Real de Arquitetos Britânicos (RIBA). Agendado para simplesmente introduzir e conceder a medalha de ouro real do RIBA naquele ano a Charles Correa, ele lançou uma abordagem sobre o estado da arquitetura britânica, com o destino da ampliação de Sainsbury posicionado como o apogeu simbólico das péssimas condições da profissão, começando seu ataque, proclamando que o esquema ABK era "como um carbúnculo monstruoso no rosto de um amigo muito querido e elegante". Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar