O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias de Arquitetura
  3. Um laboratório de arquitetura: a história das exposições mundiais

Um laboratório de arquitetura: a história das exposições mundiais

Um laboratório de arquitetura: a história das exposições mundiais
Exposição Universal de 1889. Image © wikimedia commons
Exposição Universal de 1889. Image © wikimedia commons

Exposições Mundiais têm sido importantes no avanço da inovação e do discurso arquitetônico. Muitos dos nossos monumentos mais amados foram projetados e construídos especificamente para as feiras mundiais, apenas para permanecerem como objetos icônicos nas cidades que os hospedam. Mas como as Expos já criaram marcos arquitetônicos tão duradouros, e esse ainda é o caso hoje? Ao longo da história, cada nova Expo ofereceu aos arquitetos uma oportunidade de apresentar ideias radicais e usar esses eventos como um laboratório criativo para testar inovações ousadas em tecnologia de projeto e construção. As feiras mundiais inevitavelmente encorajam a concorrência, com todos os países se esforçando para dar o melhor de si a qualquer custo. Essa carta branca permite que os arquitetos evitem muitas das restrições programáticas das comissões diárias e se concentrem em expressar ideias em sua forma mais pura. Muitas obras-primas como o Pavilhão Alemão de Mies van der Rohe (mais conhecido como o Pavilhão de Barcelona), para a Exposição Internacional de Barcelona de 1929 são tão dedicadas à sua abordagem conceitual que só poderiam ser possíveis no contexto de um pavilhão de exposições.

Reunimos algumas das mais importantes Exposições Mundiais da história para observar mais de perto o impacto delas no desenvolvimento arquitetônico.

1964 New York World’s Fair . Image via People for the Pavillion website Domo de Buckminster Fuller. Image © Flickr user abdallahh Pavilhão Barcelona. Image © Gili Merin Kiyonari Kikutake's Landmark Tower + 19

A Grande Exposição de 1851

Palácio de Cristal. Image © wikimedia commons
Palácio de Cristal. Image © wikimedia commons

Originalmente destinada a expor inovações em tecnologia e manufaturas de todo o mundo, a Grande Exposição foi realizada em Londres em 1851 e é genericamente considerada a primeira Feira Mundial. As exposições aqui exibiam mais de 100.000 objetos, incluindo as mais recentes impressoras, carruagens e jóias raras, mas talvez a característica mais surpreendente da feira tenha sido o famoso Palácio de Cristal (Crystal Palace). Projetado por Joseph Paxton e construído principalmente de vidro e ferro, o Palácio de Cristal demonstrou incríveis proezas de engenharia e era notado pela maior quantidade de vidro já vista na construção da época. Com seus interiores abertos e iluminação natural, o Palácio de Cristal serviu como um espaço ideal para exposições, aproveitando uma estrutura autoportante apoiada em finos pilares de ferro e reduzindo os custos operacionais da exposição, evitando qualquer necessidade de iluminação artificial. O edifício foi posteriormente realocado após a conclusão da exposição, mas, foi destruído por um incêndio em 1936. Apesar do seu lamentável desaparecimento, o Crystal Palace serviria de inspiração para o desenvolvimento de técnicas de fabricação de vidro em edifícios e tornou-se um precedente para as estruturas de com cortina de vidro subsequentes. [1]

A Exposição Universal de 1889

A Torre Eiffel hoje. Image © Flickr User: Anirudh Koul
A Torre Eiffel hoje. Image © Flickr User: Anirudh Koul

A Exposição Universal de 1889 (Exposition Universelle de 1889) foi uma celebração das realizações internacionais em arquitetura, artes plásticas e tecnologia de ponta com a recém-construída Torre Eiffel como atração central. A exposição de 1889 fazia parte de uma tradição de exposições universais que ocorrem a cada onze anos em Paris, com o evento de 1889 ocorrendo no centenário da Revolução Francesa. Os comissários decidiram rejeitar os planos iniciais de uma guilhotina de 300 metros de altura em favor de um projeto de torre de ferro de Gustave Eiffel. A torre serviu como o arco de entrada, e o ícone da feira que atraiu quase 2 milhões de visitantes. Naquela época, a torre era a estrutura mais alta do mundo, e o público lotava os andares superiores para conhecer a vista da capital francesa. Embora inicialmente desprezada por muitos parisienses por sua presença sobre a cidade e destinada a durar apenas o período da exposição, a torre ainda se destaca como uma das obras de arquitetura mais icônicas do mundo.

Galerie des Machines . Image © wikimedia commons
Galerie des Machines . Image © wikimedia commons

Uma estrutura menos conhecida e igualmente significativa construída para a exposição foi a Galerie des Machines projetada pelo arquiteto Ferdinand Dutert e o engenheiro Victor Contamin. O salão de máquinas tinha 111 metros e era o maior espaço interior do mundo na época, construído utilizando um sistema de arcos articulados feitos de ferro. Sem suportes internos, essa enorme estrutura de ferro e vidro provavelmente baseou-se no Palácio de Cristal como um precedente e foi reutilizada para a exposição de 1900, antes de ser demolida em 1910 para abrir a vista ao longo do Champ de Mars. [2]

Exposição Internacional de Barcelona de 1929

Barcelona International Exhibition. Image © Canaan, via Wikimedia Commons
Barcelona International Exhibition. Image © Canaan, via Wikimedia Commons

A segunda Feira Mundial a ser realizada em Barcelona depois de 1888, a Exposição de Barcelona de 1929 resultou em uma série de estruturas proeminentes e duradouras de vários estilos arquitetônicos. Muitos destes edifícios rodeiam a Plaça d'Espanya no sopé de Montjuïc e estão situados ao longo de um eixo axial. Esta grandiosa sequência de espaços culminados no Palau Nacional, agora o Museu Nacional de Arte da Catalunha, chama a atenção pelo fato de essas estruturas ornamentadas e inspiradas historicamente terem sido construídas no mesmo período e para o mesmo evento como o Pavilhão de Barcelona de Mies Van der Rohe. Essa justaposição entre história e modernidade foi um dos elementos mais originais da exposição e é um notável desvio do comum tema de ficção científica visto em tantas outras feiras mundiais.

Pavilhão Barcelona. Image © Gili Merin
Pavilhão Barcelona. Image © Gili Merin

O Pavilhão de Barcelona original foi desmontado em 1930, logo após a conclusão da exposição, mas foi reconstruído em 1983 por um grupo de arquitetos catalães no mesmo local, usando apenas as poucas fotografias e desenhos recuperados que permaneceram. [3]

Feira Mundial de Nova York de 1964

via rSnapshotPhotos / Shutterstock.com
via rSnapshotPhotos / Shutterstock.com

Com tudo, desde foguetes, carros e cidades futuristas, até um animatrônico Abraham Lincoln, a Feira Mundial de Nova York de 1964 realmente abraçou a novidade da ficção científica. Com o tema "Peace Through Understanding", a exposição aconteceu no Flushing Meadows Corona Park, Queens, no mesmo local da Feira Mundial de 1939-40. Aqui 650 acres de pavilhões, exposições e instalações públicas pontuaram a paisagem do parque. para mostrar as mais recentes idéias e realizações de corporações e países a mais de 50 milhões de visitantes. Mesmo a arquitetura da exposição parecia inspirar-se na era espacial e incluía o famoso pavilhão de Nova Iorque de Phillip Johnson. O teto principal do pavilhão principal é suportado por dezesseis colunas côncavas de concreto. Os anéis de compressão e tensão dos cabos de aço deram à cobertura a sua forma convexa e suportaram folhas de Kalwall de plástico. Ambas as técnicas representavam inovações arquitetônicas radicais na época sendo muito diferente de muitas das outras obras de Johnson. Ao lado do pavilhão, três torres de observação em forma de disco atingem uma altura de 68 metros e fornecer aos visitantes um novo ponto de vista no site da exposição.

Um laboratório de arquitetura: a história das exposições mundiais, Exposição Universal de 1889. Image © wikimedia commons
Exposição Universal de 1889. Image © wikimedia commons

O pavilhão de Johnson ainda pode ser visto no local da Exponos dias de hoje, embora seu destino nos próximos anos seja incerto. Abandonado por muitos anos, o pavilhão necessita de extrema restauração e um pequeno grupo de voluntários tem dedicado seu tempo a cada ano desde 2009 para repintar suas paredes vermelhas, brancas e amarelas, mas é necessária novas medidas para preservar esse marco arquitetônico único. [4]

Exposição do século 21 em 1962

Exposição de 1962. Image © Seattle Municipal Archives via Wikimedia Commons
Exposição de 1962. Image © Seattle Municipal Archives via Wikimedia Commons

Ocasionalmente, as exposições têm impactos de longo alcance não apenas no ambiente construído, mas também na vida econômica e cultural de suas cidades-sede. Semelhante a muitas outras feiras mundiais, a exposição de 1962 focou em temas de espaço, ciência e tecnologia e o futuro, e foi fortemente influenciada pela Corrida Espacial em andamento na época. A Exposição do Século 21 de 1962, em Seattle, é uma das relativamente poucas exposições na história para obter lucro, e algumas até creditam a isso revitalizar a economia da cidade e incentivar seu desenvolvimento cultural. Mais notavelmente, a feira resultou na construção da Space Needle e do Monotrilho Alweg, que ainda está funcionando hoje. Movimentos de infraestrutura pública como esse foram possíveis no contexto de mostrar a mais recente tecnologia para a exposição, mas também resultaram em uma melhoria dramática da infra-estrutura para a vida da cidade. [5]

Expo de 67

Pavilhão alemão. Image © Frei Otto
Pavilhão alemão. Image © Frei Otto

A Expo 67 em Montreal foi a principal característica das comemorações do Centenário do Canadá em 1967. Intitulado “Man and His World”, o tema da exposição exibiu os avanços culturais e tecnológicos do homem e incentivou a participação de países de todo o mundo. A escolha do local para a exposição provou ser um desafio, e uma nova ilha foi criada no centro do Rio St. Lawrence para fornecer espaço adicional. Com o objetivo de demonstrar aplicações inovadoras de arquitetura e engenharia, a exposição contou com vários grandes pavilhões contribuídos por diversos países. Alguns dos pavilhões mais significativos incluíam o homem piramidal de Arthur Erickson em sua comunidade de estruturas de madeira hexagonais, a estrutura de tração de Frei Otto e Rolf Gutbrod para o pavilhão alemão e a cúpula geodésica de Buckminster Fuller para o pavilhão dos EUA.

Domo de Buckminster Fuller. Image © Flickr user abdallahh
Domo de Buckminster Fuller. Image © Flickr user abdallahh

Mais tarde conhecida como a Biosfera de Montreal, a cúpula de Fuller teve influência de longo alcance como protótipo para uma nova tendência na construção. A estrutura é feita de aço e células acrílicas e inclui um complexo sistema de sombreamento para controlar as temperaturas internas. O visitante circulava por meio de quatro plataformas temáticas divididas em sete níveis e acessadas pela escada rolante mais longa já construída na época. Além disso, o visual futurista do pavilhão foi amplificado pelo monotrilho Minirail que passava pelo pavilhão. Infelizmente, o edifício foi vítima de um incêndio devastador em maio de 1976, no qual todas as seções de acrílico transparente do prédio foram destruídas. Em 1990, a propriedade foi comprada e transformada em um museu ambiental que continua a ocupar o edifício até hoje.

Habitat 67. Image © Wladyslaw via Wikimedia Commons
Habitat 67. Image © Wladyslaw via Wikimedia Commons

Outro famoso remanescente arquitetônico da Expo 67 é o Habitat 67 da Moshe Safdie. O prédio foi inicialmente destinado a fornecer habitação de alta qualidade em ambientes urbanos densos usando unidades modulares pré-fabricadas. Sua configuração tentou combinar elementos de casas suburbanas com a densidade de um arranha-céu urbano. Embora o projeto não tenha conseguido provocar uma tendência nos edifícios pré-fabricados radicais, uma nova tipologia foi criada que expandiu nossas idéias para o que é possível na construção pré-fabricada. Como várias outras estruturas que temos visto nas feiras mundiais, o Habitat 67 não foi desmontado após a conclusão da Feira e continua a servir como um complexo habitacional hoje. [6]

Expo Mundial de Osaka de 1970

Toshiba-IHI Pavilion por Kisho Kurokawa. Image © Flickr CC user m-louis
Toshiba-IHI Pavilion por Kisho Kurokawa. Image © Flickr CC user m-louis

Com o tema “Progresso e Harmonia para a Humanidade”, a Exposição Mundial de Osaka em 1970 foi a primeira Feira Mundial a ser realizada no Japão e representou o desejo de abraçar a tecnologia moderna e criar o potencial para padrões mais elevados de vida. Esta exposição aconteceu em um momento particular e progressivo na história do Japão, depois de ter experimentado um período extremamente rápido de desenvolvimento na década de 1960 e promover o desenvolvimento do metabolistas. É também uma das exposições mais frequentadas da história, com mais de 64 milhões de visitantes. [7]

Kiyonari Kikutake's Landmark Tower
Kiyonari Kikutake's Landmark Tower

Expo 2010 Shanghai China

Entrada da Expo Xangai. Image © Weixuan Wei
Entrada da Expo Xangai. Image © Weixuan Wei

A Expo 2010 em Xangai aconteceu nas margens do rio Huangpu e quebrou vários recordes na história das feiras mundiais. Com o tema "Better City - Better Life", a exposição buscou mostrar os incríveis avanços da China nas últimas décadas como uma potência global e elevar o status de Xangai como a "próxima grande cidade mundial". Conhecida como a exposição mais cara da história das feiras mundiais, ela recebeu o maior número de participantes e também foi o maior local de feiras de todos os tempos, com impressionantes 5,28 quilômetros quadrados. Não é surpreendente, dado o seu alcance e escala, que também tenha atraído um recorde de 73 milhões de visitantes e superado o recorde de público de um único dia em 1,03 milhão de visitantes. Ultrapassando o custo de limpar Pequim para as Olimpíadas de 2008, a preparação para a exposição de Xangai incluiu a limpeza de grandes extensões de terra e a movimentação de edifícios e fábricas existentes no local, a construção de seis novas linhas de metrô e o planejamento de uma extensa preparação de segurança.

Pavilhão da Dinamarca. Image © Iwan Baan
Pavilhão da Dinamarca. Image © Iwan Baan

Entre os mais notáveis projetos da Expo estavam o Pavilhão Dinamarquês do BIG e o Pavilhão do Reino Unido de Thomas Heatherwick. Semelhante aos objetivos da Expo Milano, muitos pavilhões da Exposição defenderam o foco na sustentabilidade ambiental, eficiência e diversidade. Hoje, os terrenos do antigo local da Expo foram transformados em um parque e o antigo China Pavilion permanece. [8]

Pavilhão do Reino Unido. Image © Daniele Mattioli
Pavilhão do Reino Unido. Image © Daniele Mattioli

Expo Milano 2015

Claramente, as Exposições Mundiais tiveram um impacto notável no mundo da arquitetura e tecnologia de construção, e muitos esperam que a Expo Milano 2015 continue esta tradição com o tema “Alimentando o Planeta, Energia para a Vida”. Há muito tempo desde a primeira Feira Mundial, ainda há muito espaço para inovações no que diz respeito a responder às necessidades ambientais urgentes de hoje. A exposição reconhece esse fato e oferece aos arquitetos oportunidades de continuar explorando noções de sustentabilidade e como nos envolvemos com nosso planeta.

Referências Bibliográficas
[1] "The Great Exhibition" on the British Library Website
[2] "The Eiffel Tower during the 1889 Exposition Universelle" on La Tour Eiffel Website
[3] "The Architectural Legacy of Barcelona’s World’s Fairs", The Frailest Thing, May 30 2012.
[4] Alan Taylor, "1964: The New York World's Fair", The Atlantic, June 2 2014
[5] "The Century 21 Exhibition" on ExpoMuseum.com
[6] "Expo '67" on Historica Canada
[7] Alison Furuto, "Osaka World Expo 1970", ArchDaily December 3 2010
[8] "Brief intro to World Expo 2010 Shanghai China" on Expo2010 Website

Sobre este autor
Cita: Rawn, Evan. "Um laboratório de arquitetura: a história das exposições mundiais" [The Architectural Lab: A History Of World Expos ] 21 Mai 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Pereira, Matheus) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/894771/um-laboratorio-de-arquitetura-a-historia-das-exposicoes-mundiais> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.