O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Clássicos da Arquitetura: Sede do Partido Comunista Francês / Oscar Niemeyer

Clássicos da Arquitetura: Sede do Partido Comunista Francês / Oscar Niemeyer

Clássicos da Arquitetura: Sede do Partido Comunista Francês / Oscar Niemeyer
© Denis Esakov
© Denis Esakov

Em março de 1972, um artigo no The Architectural Review proclamouoque essa estrutura era “provavelmente o melhor prédio de Paris desde a Cité de Refuge de Le Corbusier para o Exército de Salvação”. [1] O artigo se referia, obviamente, ao primeiro projeto na Europa do arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer: a sede do Partido Comunista Francês em Paris, França, construída entre 1967 e 1980. Tendo trabalhado com Le Corbusier no Edifício das Nações Unidas de 1952 em Nova Iorque e concluído recentemente o Congresso Nacional, além de edifícios governamentais icônicos adicionais em Brasília Niemeyer não era estranho à íntima relação entre arquitetura e o poder político. [2]

© Denis Esakov © Denis Esakov © Denis Esakov © <a href='https://www.flickr.com/photos/o_0/29118795843/'>Flickr user Guilhem Vellut</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a> + 37

Clássicos da Arquitetura: Sede do Partido Comunista Francês / Oscar Niemeyer, © Denis Esakov
© Denis Esakov

Durante o verão de 1965, uma exposição centrada nos projetos de Niemeyer em Brasília, no Musée des Arts Decoratifs, em Paris, atraiu multidões recorde, bem como a atenção de arquitetos e políticos franceses. A exposição aconteceu em um momento oportuno porque, apenas um ano antes, o governo brasileiro havia sido derrubado por uma ditadura militar de direita. Como notável comunista e franco esquerdista político, Niemeyer fugiu para a França e estabeleceu um escritório na Avenida Champs-Elysées, em Paris. [3] Começou a trabalhar numa série de projetos em toda a Europa durante este exílio auto-imposto, bem como em propostas não realizadas para uma estância turística em Israel e um plano diretor para a Pena Furada, Algarve em Portugal.

© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov

Logo depois, o Partido Comunista Francês (CPF) contratou Niemeyer para projetar a nova sede do partido. “Nossas visões compartilhadas e nossa luta política foram muito mais importantes do que a arquitetura”, escreveu Niemeyer. “E nos tornamos bons amigos.” [4] No entanto, sua estrutura chegou em um momento crítico para o partido e funcionou em grande parte como um gesto material de consolidação, já que o partido enfrentou perdas significativas em cadeiras durante a eleição de 1968.

© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov

De frente para a Place du Colonel Fabien e ladeado pela avenida Mathurin Moreau e pela Boulevard de la Villette de ambos os lados, o terreno de esquina escolhido para a sede era anteriormente de propriedade de um sindicato. E, antes da Segunda Guerra Mundial, o sindicato havia permitido que o Pavilhão Russo da Exposição de Artes Decorativas e Industriais Modernas de 1925, de Konstantin Melnikov, fosse reconstruído ali. [5] O princípio orientador de Niemeyer para o projeto foi cuidadosamente considerado equilíbrio entre o espaço aberto e o volume arquitetônico. Assim, ao liberar o térreo, Niemeyer pretendia evitar a ocupação excessiva do local e maximizar o espaço verde tanto para o cliente quanto para os moradores da cidade. [6]

Croquis Conceituais
Croquis Conceituais

“Durante essa fase a ideia predominante era manifestar não apenas a liberdade plástica da minha arquitetura, mas também os avanços da engenharia no Brasil”, disse Niemeyer. “Na sede do Partido Comunista Francês, demonstrei a importância de manter a harmonia entre volumes e espaços no exterior, o que explica por que o grande salão dos trabalhadores está localizado no subsolo.” [7]

O projeto final de Niemeyer englobava um bloco vertical de escritórios em serpentina acoplado a núcleos de serviço em duas torres separadas ao lado de uma série de espaços públicos subterrâneos abaixo da grade para preservar a abertura do terreno. A estrutura curva de seis andares é cuidadosamente suportada em cinco pares de colunas que não apenas suportam o peso das placas em balanço, mas também incorporam canais de serviço cruciais. [8] No interior, o arquiteto posicionou uma série de escritórios separados por divisórias desmontáveis com ricas portas azuis escuras e telhas de PVC verde-oliva para esconder dutos de serviço. Uma escada em espiral leva à ampla sala de jantar principal no sexto andar, com vista para a cidade.

© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov

Todo o bloco de secretariado é envolto por uma parede cortina de vidro colorido, projetada pelo designer industrial, engenheiro e arquiteto francês Jean Prouvé. A fachada de aço inoxidável e vidro com folhas externas anti-solares, de acordo com Prouvé, "concebeu seu ritmo principalmente a partir dos reforços verticais". [9] Essa ênfase na verticalidade acabou por reforçar as formas gestuais de Niemeyer. Para minimizar a necessidade de sistemas de ar condicionado adicionais, Prouvé integrou painéis de vidro colorido dentro da modulação da fachada. [10]

© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov

À medida que o terreno se inclina para alcançar a torre, a calçada da rua se torna uma rampa que guia os visitantes até a entrada afundada - enfatizando deliberadamente o momento em que o terreno e a torre quase se encontram. Uma cobertura flutuante branca projeta-se do bloco para emoldurar esta entrada subterrânea.

© Denis Esakov
© Denis Esakov

Abaixo do bloco vertical, há espaços de exposição, um salão de recepção, lounge, livraria, várias salas de conferência e um auditório de 450 assentos esculpido no local para impedir sua extensão ao espaço público aberto. Apenas uma parte da cúpula de forma irregular se estende acima do solo, fornecendo o icônico monte branco contra a fachada de vidro. Enquanto a maioria do projeto foi concluída em 1971, mais nove anos foram necessários para completar os espaços escavados. [11]

© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov
© Denis Esakov

A superfície ondulada dos espaços subterrâneos é revestida em carpetes verdes vibrantes, lembrando as condições naturais do lote acima e do interior do escritório. As cadeiras Alta, icônicas de Niemeyer, projetam-se a partir das paredes de formas curvas de concreto, criando espaços de reunião em torno do auditório, enquanto uma faixa envidraçada ao redor das paredes cônicas do auditório fornece a única luz natural dentro do espaço.

© Denis Esakov
© Denis Esakov
© <a href='https://www.flickr.com/photos/o_0/29118795843/'>Flickr user Guilhem Vellut</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user Guilhem Vellut licensed under CC BY 2.0

As portas futuristas do tipo airlock ao longo do perímetro do auditório se abrem para revelar uma cúpula de 11 metros de altura revestida em milhares de lâminas de alumínio anodizado difusoras de luz. [12] O carpete continua no espaço e gradualmente se transforma no palco no ponto mais ao norte. Um grande toldo de concreto branco - similar ao plano acima da entrada principal - se dobra da parede da cúpula à estrutura e envolve o palco.

<a href='https://www.flickr.com/photos/o_0/29631905702'>Flickr user Guilhem Vellut</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
Flickr user Guilhem Vellut licensed under CC BY 2.0

Embora a arquitetura e a decoração tenham sido durante muito tempo um símbolo do poder estatal na história francesa - do Palácio de Versalhes ao interior do escritório presidencial de Pierre Paulin em 1971 -, Niemeyer e a preocupação de seus colaboradores com a unidade formal resultaram em uma obra que aparentemente transcendeu as divisões políticas. No final, até mesmo o político de direita e ex-presidente Georges Pompidou teve que admitir que o edifício “era a única coisa boa que esses comunistas já haviam feito” [13].

  • Arquitetos

  • Localização

    2 Place du Colonel Fabien, 75019 Paris, França
  • Arquitetos Associados

    Paul Chemetov e Jean Deroche
  • Equipe de Projeto

    Jean Prouvé, Hans Muller, José Luis Pinho, A. Gattos e Jean-Maur Lyonnet
  • Engenharia Estrutural

    Jean Tricot
  • Estrutura e Serviços

    BERIM
  • Cliente

    Comitê Central do Partido Comunista Francês
  • Ano do projeto

    1980
  • Fotografias

[1] “Within Party Walls,” The Architectural Review no.901 (1972), 134.
[2] Kenneth Frampton, “Construct and Construction: Brasília’s Development,” in Building Brasilia (New York: Thames & Hudson, 2010), 30.
[3] William JR Curtis, “OBITUARY: Oscar Niemeyer 1907-2012,” The Architectural Review 223, no. 1391 (2014): 11; Styliane Philippou, “Oscar Niemeyer: 1907-2012,” Arc 17, no.1 (2013) 9-14.
[4] Oscar Niemeyer, The Curves of Time: The Memoirs of Oscar Niemeyer (London: Phaidon, 200), 97.
[5] Sherban Cantacuzino, “Criticism,” The Architectural Review no.901 (1972), 143.
[6] Styliane Philippou, Oscar Niemeyer: Curves of Irreverence (New Haven: Yale University Press, 2008), 327.
[7] Niemeyer, The Curves of Time, 174.
[8] Philippou, Oscar Niemeyer, 327-328.
[9] Laurence Allegrét, “Prouvé as an Engineering Consultant and the Blanc-Manteaux Workshop,” in Alexander von Vegesack, ed. Jean Prouvé: The Poetics of the Technical Object (Weil am Rhein: Vitra Design Museum, 2006), 168-173.
[10] Philippou, Oscar Niemeyer, 328.
[11] Ibid., 329.
[12] Ibid., 329.
[13] Niemeyer, The Curves of Time, 96.

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
Oscar Niemeyer
Escritório
Cita: Pavka, Evan. "Clássicos da Arquitetura: Sede do Partido Comunista Francês / Oscar Niemeyer" [AD Classics: French Communist Party Headquarters / Oscar Niemeyer] 26 Abr 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/893330/classicos-da-arquitetura-sede-do-partido-comunista-frances-oscar-niemeyer> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.