O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Uma cidade coletiva é uma cidade feminista

Uma cidade coletiva é uma cidade feminista

Uma cidade coletiva é uma cidade feminista
Uma cidade coletiva é uma cidade feminista, Berlim, 2015. Imagem © Ana Asensio
Berlim, 2015. Imagem © Ana Asensio

A Fundación Arquia, junto à arquiteta Ana Asensio, nos convida a pensar em como foram desenhadas -até agora- as cidades; espaços de fricção que foram concebidos sem igualdade de participação na tomada de decisões e que, portanto, nos levam a falar de feminismo.

O espaço urbano não é neutro. A percepção da cidade, suas áreas de tráfego, de repouso, de socialização, não não o mesmo para uma criança e para um idoso, ou para um deficiente. Da mesma forma, homens e mulheres experimentam a cidade, a rua, o bairro e a residência de forma distinta. Entre o amplo espectro espacial que se abre desde o puramente público ao estritamente privado, existe toda uma paleta de fricções entre indivíduos, e entre os indivíduos, os objetos e os espaços. Pensar em como foram projetadas as cidades até pouco tempo atrás, suas ruas, bairros e lares, a partir de qual posicionamento político e social, nos leva inevitavelmente a falar de feminismo.

As cidades de hoje são resultado de uma justaposição de estratégias de desenvolvimento, ordem e controle, no caso da cidade formal, e de sobrevivência e urgência no caso da cidade informal. Em ambas, há setores sub-representados (que não são minoritários), que coexistem nesse espaço de fricção que foi gestado sem igualdade de participação na tomada de decisões. Falando sobre o tema com a gestora cultural e ativista feminista Marta Álvarez Guillén (@Marta_Al_VA), surgiram as seguintes questões:

As cidades são o habitat natural do ser humano no século XXI? Um planejamento urbano de e para o ser humano, ou para o homem?

"Se resiste algum habitat que podemos chamar de "natural", este hoje é o urbano, mas o urbano hipervinculado. O planejamento urbano neutro não existe, como tantas coisas regidas pelo heteropatriarcado, cumpre majoritariamente com as necessidades deste homem branco, hetero que vai trabalhar no centro de carro. Com isso, se constróem cidades nas quais existe uma clara primazia do uso do carro frente ao transporte público ou a bicicleta - instrumento chave para a independência feminina-, nas quais tende-se a separar as áreas de produção, as residências e as áreas comerciais, e nas quais há escassez de playgrounds ou espaços publico de socialização."

Como se constrói a relação cidade, cidadania, cultura independente e feminismo?

"A maioria das políticas que conhecemos segue um sistema de cima para baixo, ou seja, se enunciam propostas, se constróem normativas e se realizam projetos que o setor público - apoiado por empresas ou conselhos de análise e consultoras- gera e aplica em prol de um bem comum - sendo este entendido de uma forma mais ou menos estreita e com nuances. Existe, no entanto, outro modo de "fazer cidade" no qual a dinâmica é de baixo para cima, como estão fazendo diversos estudos e coletivos de arquitetura e urbanismo. Trata-se de uma prática política baseada na consulta cidadã e na participação real através de laboratórios cidadãos ou instituições que não reproduzem a cadeia de decisão hierárquica, mas respondem de forma direta às demandas cidadãs. Entendemos que, no sentido em que se trabalha em termos de abertura, transparência e horizontalidade, está se fazendo uma instituição feminista".

Se passarmos aos setores informais de países em desenvolvimento, que representam uma parte muito extensa da cidadania, o replanejamento feminista da cidade está sendo empreendido a partir do reconhecimento e mapeamento da cidade e de seus espaços de singularidade e bem-estar, assim como a partir de assembléias e grupos de trabalho para reformular o planejamento urbano, especialmente a partir das favelas, com linhas de ação - pesquisa como formação e capacitação, intervenção comunitária, difusão, incidência em políticas, fortalecimento institucional, que são chaves para estas organizações (como   Ciudad colectiva y Género).

Na Espanha são básicos os estudos sobre ecologia e feminismo de Yayo Herrero, através de Fuhem especialmente, um binômio posto em diálogo, aplicável ao replanejamento de nossas cidades. Um urbanismo feminista. E de fato, queremos alcançar horizontes como os propostos pela muito ambiciosa Nova Agenda Urbana que garantam o futuro de um planeta urbano, é necessário compreender a perspectiva improrrogável de uma cidade feminista.

Este artigo foi originalmente publicado como "Cidade coletiva é cidade feminista" no blog Fundación Arquia escrito por Ana Asensio. Leia mais de seus artigos aqui.

Celebremos a las mujeres que están dando forma a las prácticas arquitectónicas en el mundo

"¿Dónde están las arquitectas?" Despina Stratigakos, historiadora de arquitectura y profesora, lo mencinó en su libro sobre las mujeres en la práctica. (Incluso tituló su libro en esa misma pregunta). El sentimiento fue ciertamente rotundo, bien entendido por muchas mujeres que han trabajado en la profesión y tuvieron que atravesar una ciudadela masculina.

Sobre este autor
Ana Asensio
Autor
Cita: Asensio, Ana . "Uma cidade coletiva é uma cidade feminista" [Una ciudad colectiva es una ciudad feminista] 12 Abr 2018. ArchDaily Brasil. (Trad. Brant, Julia) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/892431/uma-cidade-coletiva-e-uma-cidade-feminista> ISSN 0719-8906
Ler comentários