O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Arquitetura hostil: A cidade é para todos?

Arquitetura hostil: A cidade é para todos?

Arquitetura hostil: A cidade é para todos?
Arquitetura hostil: A cidade é para todos?, © Matheus Pereira
© Matheus Pereira

Você já ouviu falar do termo Arquitetura hostil? Cunhado em junho de 2014 pelo repórter Ben Quinn no jornal britânico The Guardian, a matéria originalmente intitulada Anti-homeless spikes are part of a wider phenomenon of 'hostile Architecture(As pontas de ferro anti-desabrigados são parte de um fenômeno mais amplo conhecido como "arquitetura hostil") [1] surpreendeu cidadãos de todo o mundo que passaram a notar em seus contextos as práticas listadas por Quinn. Ali ele discorreu sobre como o desenho urbano têm influenciado o comportamento e o convívio, criticando como a abordagem ao mesmo tem buscado excluir moradores em situação de rua dos centros urbanos.

Das soluções urbanas expostas, bancos desenhados especialmente para exclusão de moradores de rua e skatistas e ainda espetos sobre muretas ou proteções sob marquises foram alguns dos exemplos citados.

As medidas dividiram opiniões no país. Enquanto grande parte da população confrontou o governo alguns designers e cidadãos, por outro lado, defenderam o desenho das peças como agentes de “prevenção do comportamento criminoso” [2].

© Matheus Pereira
© Matheus Pereira

Os exemplos são muitos: em Guangzhou, na China, em uma área livre coberta abaixo de um dos viadutos da cidade, foram introduzidas milhares de pedras pontiagudas para evitar que moradores de rua se apropriassem do espaço como abrigo. A mesma solução foi aplicada abaixo de viadutos e passarelas de Belo Horizonte, em Minas gerais, e em muitas outras cidades pelo mundo. Os exemplos podem ser ainda mais ríspidos. Cercas elétricas, arames farpados, grades no perímetro de praças e gramados, bancos públicos com larguras inferiores ao recomendado pelas normas de ergonomia, bancos curvados ou ainda assumindo geometrias irregulares, lanças em muretas e guarda-corpos, traves metálicas em portas de comércios, pedras em áreas livres, gotejamento de água em intervalos estabelecidos sob marquises, e tudo que puder de alguma forma afastar ou excluir pessoas “indesejáveis” dos locais públicos urbanos.

Dez anos antes, em 2005, a artista plástica Sarah Ross, já havia desenvolvido uma série de vestimentas-manifesto capazes de adaptar-se a estruturas e peças públicas urbanas de Los Angeles, intitulada Archisuit [3].

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), estima-se que no Brasil há 101 mil moradores de rua, do qual, cerca de “40,1% estejam em municípios com mais de 900 mil habitantes e 77,02% em cidades com mais de 100 mil pessoas” [4], enquanto que 6,63%, viviam em “municípios menores, com até 10 mil habitantes” [5].

Partindo dos números alarmantes e notícias quanto ao número de pessoas vivendo precariamente nas ruas, de óbitos causados pelas baixas temperaturas no inverno, da fome e condições degradantes, o que se percebe, é que ações promovidas pelos Órgãos Públicos e população deflagram a falta de gentileza, que diariamente “fecham seus olhos” para a cruel realidade.

© Matheus Pereira
© Matheus Pereira

Algumas ações no território brasileiro visam “revelar” quem são essas pessoas, não apenas em números, mas enquanto seres humanos. Entre eles, destaca-se o projeto SP Invisível, criado por em 2014, pelo jornalista Vinicius Lima e o fotógrafo André Soler. Atua como um “movimento de conscientização das pessoas através de histórias de pessoas em situação de rua da cidade de São Paulo” [6], que através de fotografias e depoimentos colhidos, tentam “abrir os olhos das pessoas para que todos possam se ver com olhares mais humanos e assim se interagirem e conectarem, cada vez mais, até que toda cidade se enxergue com os olhos do coração” [7].

O tema é bastante complicado e abrangente, e não pode ser abordado de maneira simplista ou romantizada. O número alarmante de moradores de rua expõe desigualdades estruturais na sociedade brasileira, evidenciando o estado mais degradante que um ser humano pode chegar, que muitas vezes vem acompanhado de falta de opções, abandono familiar, dependência química, problemas psiquiátricos, etc. Além disso, a responsabilidade não pode ser colocada nas costas dos arquitetos, projetistas e sociedade. Mas fica a provocação de que, sempre ao abordarmos o tema de cidades inclusivas ou para pessoas, acabamos omitindo os moradores em situação de rua.

© Matheus Pereira
© Matheus Pereira

Como a "arquitetura defensiva" está criando cidades inabitáveis

Para muitos, as duras transformações ocorridas na cidade moderna não são aparentes. Vemos bancos e pontos de ônibus que se disfarçam de abrigo, mas o mergulho repentino do escritor Alex Andreou, do The Guardian, na vida de rua abriu seus olhos para a hostil realidade dessas e outras estruturas.

Notas
[1] (QUINN, 2014).
[2] (Idem).
[3] (ROSS, 2005).
[4] (Instituto de pesquisa Econômica Aplicada).
[5] (Idem).
[6] (SP Invisível).
[7] (Idem).

Referências Bibliográficas
QUINN, Ben. Anti-homeless spikes are part of a wider phenomenon of 'hostile architecture'. Publicado em 13 Jun 2014. Disponível em: <https://www.theguardian.com/artanddesign/2014/jun/13/anti-homeless-spikes-hostile-architecture>. Acesso em 04 Fev 2018.
ROSS, Sarah. Archisuits. Disponível em: <http://www.insecurespaces.net/archisuits.html>. Acesso em 04 Fev 2018.
Instituto de pesquisa Econômica Aplicada. Pesquisa estima que o Brasil tem 101 mil moradores de rua. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=2930>. Acesso em 03 Fev 2018.
SP Invisível. Disponível em: <https://spinvisivel.org/>. Acesso em 03 Fev 2018.

Sobre este autor
Eduardo Souza e Matheus Pereira
Autor
Cita: Eduardo Souza e Matheus Pereira. "Arquitetura hostil: A cidade é para todos?" 08 Fev 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/888722/arquitetura-hostil-a-cidade-e-para-todos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.