O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. A única coisa que os defensores do urbanismo "estilo Copenhague" frequentemente negligenciam

A única coisa que os defensores do urbanismo "estilo Copenhague" frequentemente negligenciam

A única coisa que os defensores do urbanismo "estilo Copenhague" frequentemente negligenciam
© <a href='https://www.flickr.com/photos/diversey/15325678721/'>Flickr user diversey</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by/2.0/'>CC BY 2.0</a>
© Flickr user diversey licensed under CC BY 2.0

Este artigo foi originalmente publicado em Common Edge como "What We Can (and Can’t) Learn from Copenhagen. [O que podemos (e o que não podemos) aprender com Copenhague] "

Passei quatro dias gloriosos em Copenhague recentemente e deixei-a com um agudo caso de inveja urbana. (Eu ficava pensando: é como... uma Portland, exceto que é melhor.) Por que não podemos fazer cidades assim no resto do mundo EUA? Essa é a pergunta que um nerd urbano como eu faz ao passear pelas famosas ruas amigáveis para os pedestres, enquanto hordas de ciclistas tremendamente loiros e magros passam.

Copenhague é uma das cidades mais civilizadas do planeta. A "mais habitável" do mundo, muitas vezes batizada, com alguma justificativa. (Embora um parente dinamarquês me tenha cautelado, "Gaste algumas semanas aqui em janeiro antes de fazer essa afirmação".) Mas a civilidade aparentemente sem esforço, o incrível nível de bondade de Copenhague, não é um acidente do lugar ou uma casualidade. É o produto de uma crença compartilhada que transcende o desenho urbano, embora a cidade seja um verdadeiro laboratório para praticamente todas as melhores práticas no campo.

Um grupo de arquitetos foi convidado para visitar a capital dinamarquesa pelo Instituto Gehl, fundado pelo escritório de Jan Gehl, renomado arquiteto e visionário urbano. Nosso encargo - agradável, para dizer o mínimo - era observar, refletir e pensar sobre maneiras pelas quais a história de sucesso de Copenhague poderia ser replicada nas nossas cidades.

Havia muito para os nossos anfitriões orgulharem-se. Copenhague é justamente conhecida pela sua cultura de bicicleta. Metade de seus moradores deslocam-se para trabalhar em bicicletas (faça chuva, neve ou sol), um número grande, mesmo para a Europa e totalmente impensável para os americanos visitantes. Mesmo com grandes ganhos recentemente, menos de 1% dos funcionários dos EUA pedalam para seus empregos.

Os ciclistas indo trabalhar em Copenhague, faça chuva, neve ou sol. Imagem © Kaitlin Johnson
Os ciclistas indo trabalhar em Copenhague, faça chuva, neve ou sol. Imagem © Kaitlin Johnson

As ciclovias de Copenhague são extensas, e a maioria delas fornece algo crítico para a segurança: segregação física. Mas mesmo as faixas desprotegidas possuem um equilíbrio estranho, quase etéreo, como se as bicicletas e os carros tivessem chegado a um tipo de entendimento cultural. Parece não falado, inconsciente e totalmente seguro, mas é realmente um comportamento aprendido por parte dos ciclistas e motoristas. As crianças nas escolas em Copenhague começam as aulas de segurança de bicicleta cedo e o treinamento continua através das séries seguintes.

Nossos anfitriões do Gehl foram rápidos em apontar que as ciclovias, excelentes como são, combinam uma abordagem mais ampla e holística ao desenho urbano. O objetivo não é o ciclismo em si, mas o transporte. Trata-se de construir uma rede de opções, com o objetivo primordial de criar uma cidade mais habitável. A equação é bastante simples: mais bicicletas é igual a menos carros, menos barulho e menos poluição. (Espera-se que a cidade se torne neutra em carbono até 2025.)

Esta abordagem visionária para place-making não se limita ao transporte. Todas as iniciativas que observamos - os parques, os espaços públicos, as ruas caminháveis, as ciclovias, o mobiliário urbano confortável, a reutilização de edifícios antigos, até mesmo o plantio de árvores (que eliminou espaços de estacionamento!) - estavam conectados a um propósito cívico maior: criação de um domínio público compartilhado. Copenhague aparenta ser, de uma maneira que nenhuma outra cidade americana faz, como um esforço comum.

© <a href='https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Cyclists_at_red_2.jpg'>Wikimedia user Heb</a> licensed under <a href='https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/deed.en'>CC BY-SA 3.0</a>
© Wikimedia user Heb licensed under CC BY-SA 3.0

E é aí que a ideia de "aprender de Copenhague" tornou-se mais complicada para um americano visitante e talvez um pouco mais triste, porque a palavra-chave aqui é compartilhamento. Podemos usar trechos ou até grandes elementos das diretrizes de Gehl. As cidades dos EUA, como Nova Iorque e Pittsburgh, já o fazem. Não há surpresa, dado que o pensamento de Gehl está enraizado na visão de Jane Jacobs da escala urbana e do eclecticismo. Mas a rápida transformação urbana - do tipo que precisamos desesperadamente no futuro - exige uma abordagem sistêmica: o modelo de Copenhague. Todas as iniciativas devem reforçar umas às outras. E obter esse nível de comprometimento e consenso, não é, em última análise, um problema de desenho, mas um desafio político e cultural.

Copenhague, é claro, não é um lugar perfeito, e os moradores são os primeiros a lhe dizer. A cidade está lutando com gentrificação; Está confuso e conflituoso com sua resposta aos imigrantes e famílias de imigrantes; está se tornando muito menos economicamente diversificado.

E nem todas as lições urbanas de Copenhague, por mais inspiradoras que sejam, são facilmente transferíveis. É difícil, senão impossível, comparar uma cidade de apenas 600.000 habitantes, com Nova Iorque, Chicago ou Los Angeles. Mas talvez haja um preceito que podemos levar de volta às nossas comunidades locais: Copenhague ainda opera com um conjunto de pressupostos coletivos sobre o acesso igual à cidade. Este é um valor cívico compartilhado, e isso sustenta décadas de trabalho de pessoas como Jan Gehl. Mais do que alturas de meio-fios ou ciclovias, este é o verdadeiro segredo por trás do sucesso de Copenhague.

Martin C. Pedersen é diretor executivo do Common Edge Collaborative. Escritor, editor e crítico, atuou como editor executivo na revista Metropolis por quase quinze anos.

Sobre este autor
Martin Pedersen
Autor
Cita: Pedersen, Martin . "A única coisa que os defensores do urbanismo "estilo Copenhague" frequentemente negligenciam" [The One Big Problem That Advocates of Copenhagen-Style Urbanism Often Overlook] 14 Jul 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Souza, Eduardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/875772/a-unica-coisa-que-os-defensores-do-urbanismo-estilo-copenhague-frequentemente-negligenciam> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.