O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Grafite e a apropriação da arquitetura

Grafite e a apropriação da arquitetura

Grafite e a apropriação da arquitetura
Grafite e a apropriação da arquitetura, Grafite 09. Imagem © Catalina Rey
Grafite 09. Imagem © Catalina Rey

Na linguagem comum, o grafite  é o resultado de pintar textos abstratos nas paredes de maneira livre, criativa e ilimitada, com fins de expressão e divulgação. Sua essência é mudar e evoluir; procura ser um atrativo visual de alto impacto e parte de um movimento  urbano revolucionário e rebelde.

Este tipo de expressão está fortemente relacionada com a arquitetura, dando vida as cidades ao redor  do mundo. Por isso, queríamos apresentar aqui um resumo do caso de estudo: Grafites como forma de apropriação da Arquitetura na Unidade Vicinal Lorenzo Arenas de Concepción 2013, da arquiteta chilena Catalina Rey.

© Catalina Rey © Catalina Rey © Catalina Rey © Catalina Rey + 24

1: Grafite. Sobre sua origem.

As bases do grafite iniciam quando o homem primitivo teve consciência do seu entorno e gerou a necessidade de plasmar sua realidade graficamente para deixar um registro dos seus pensamentos, costumes e vivência. Muitas vezes realizados com objetos acentuados, o homem deixou uma marca nos muros, um rastro da passagem efêmera da humanidade.

Grafite Origem 01. Imagem © Catalina Rey
Grafite Origem 01. Imagem © Catalina Rey
Grafite Origem 02. Imagem © Catalina Rey
Grafite Origem 02. Imagem © Catalina Rey

Estas inscrições realizadas nos muros dos primeiros sistemas urbanos foram criadas pelo impulso primitivo de marcar as muralhas criando mensagens reveladoras do cotidiano dos seus habitantes e manifestando as capacidades de abstração humana. Historicamente, os grafites têm um sentido de clandestinidade e espontaneidade: requerem certa rapidez para serem elaborados. A princípio, por serem criados como uma espécie de escavação, era inevitável que eles tomassem muito tempo e criassem um processo catártico com a própria cidade. Como o tal processo era demorado, os cidadãos sentiam-se obrigados a expressar seus pensamentos com a abstração mais absoluta, chegando a representar um rosto simplesmente com uma circunferência e duas incisões como olhos.

2: Grafite. Sobre sua análise.

Grafite 02. Imagem © Catalina Rey
Grafite 02. Imagem © Catalina Rey

Os grafites representam mais do que uma simples pintura na parede; para Brassaï, correspondem a emancipações do mundo dos sonhos, uma verdadeira essência da realidade.O arquiteto e pintor Hundertwasser considerava a ação do grafite como algo tão natural que admitia sua existência como elemento construtivo da vida e da vivência.

Entretanto, na sociedade atual entendemos estas manifestações como uma arte marginal devido a sua condição de clandestinidade e anonimato; não é comum ver quem os realiza, mas eles aparecem todos os dias, estão ali e formam parte da paisagem urbana e da nossa cotidianidade. 

Grafite 08. Imagem © Catalina Rey
Grafite 08. Imagem © Catalina Rey

Este “caráter marginal”, se relaciona com a apropriação dos espaços intersticiais e das fissuras da trama urbana, dos lugares vazios e esquecidos onde se concentra a memória das cidades. Desta forma, os grafites vinculam-se a um ambiente de protesto onde os cidadãos vêm na sua própria cidade o suporte mais imediato para expor suas frustrações frente a sociedade; os muros se convertem no espaço para manifestações políticas, reivindicativas, sociais ou simplesmente exclamações cotidianas.

3: Grafite. Sobre a apropriação da arquitetura

Entendendo o grafite como uma forma de pensar a cidade, que se expõe para ser vista e utiliza como suporte os muros urbanos, este tipo de representação reflete o sentir urbano. Para Epstein, os muros são espaços de expressão que carregam a história, ideologia e identidades das cidades, sendo uma maneira de se apropria concretamente do espaço público, de participar do diálogo social. 

Grafite 15. Imagem © Catalina Rey
Grafite 15. Imagem © Catalina Rey

A simples presença do homem que frequenta um lugar continuamente cria a arquitetura e o espaço. Ao caminhar, o ser humano realiza um ato de pisar a terra, desnaturalizá-la, mudando sua essência. Daí surge a importância de "deixar uma marca" em que a essência do habitar consiste em "personificar", em fazer os próprios espaços. E é neste ponto que os grafites ganham relevância, já que são uma manifestação deste sentimento de pertencimento; geram identidade e outorgam sentido dentro de um contexto urbano que nem sempre é próprio dos cidadãos.

4: Grafite. A Unidade Vicinal Lorenzo Arenas.

bairro Lorenzo Arenas foi desenhado no começo dos anos 40 pela Caixa de Habitação Popular para o Seguro Social, em plena propagação dos ideais estéticos do movimento moderno. É constituído como o início da tipologia de "unidade vicinal' como moradia social em Concepción, onde os blocos em altura média conformam núcleos e pátios comuns que permitem o encontro comunitário.

Localização . Imagem © Catalina Rey
Localização . Imagem © Catalina Rey

Dentro da Unidade Lorenzo Arenas, existe certa uniformidade a respeito da localização espacial dos grafites já que na sua maioria se localizam nos parâmetros exteriores das edificações, expondo-se para o espaço público da Avenida 21 de Maio utilizando as fachadas menos importantes dentro da composição do bairro. Entretanto, estas são as mais importantes dentro da configuração urbana já que são as que estão voltadas para a rua mais movimentada. 

© Catalina Rey
© Catalina Rey
Grafite 19. Imagem © Catalina Rey
Grafite 19. Imagem © Catalina Rey

Quanto a sua relação com a arquitetura, os grafites respeitam os limites físicos e de percepção que a arquitetura lhes entrega, em alguns casos apropriando-se de elementos como janelas para incorporá-las no grafite. Desta relação com a arquitetura nasce a necessidade de apropriar-se do lugar; os grafites são gerados por um impulso de necessitar mais espaço para transmitir a própria identidade em um lugar onde todos vejam, da necessidade de sentir uma "apropriação de algo público", reconhecendo a edificação como seu suporte mais imediato e enriquecendo um espaço que não pertence a ninguém e ao mesmo tempo é de todos. 

© Catalina Rey
© Catalina Rey

A seguir é possível conferir algumas das fotografias e imagens dos grafites como forma de apropriação da arquitetura na Unidade Vicinal Lorenzo Arenas:

* Artigo baseado no caso de estudo: "Grafites como forma de apropriação da Arquitetura na Unidade Vicinal Lorenzo Arenas de Concepción 2013", desenvolvido na Universidade do Desenvolvimento pela arquiteta chilena Catalina Rey em cooperação com seu guia de tese, o arquiteto David Caralt.

Cita: Brunel , José Ángel. "Grafite e a apropriação da arquitetura" ['Graffiti' y la apropiación de la arquitectura en la ciudad de Concepción, Chile] 18 Jun 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/873399/grafite-e-a-apropriacao-da-arquitetura> ISSN 0719-8906
Ler comentários